Autor Tópico: Proposta da Ordem para as Especialidades  (Lida 16876 vezes)

Offline carlosmano

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 30
    • Ver Perfil
Re: Proposta da Ordem para as Especialidades
« Responder #30 em: Setembro 19, 2007, 22:26:05 »
Citação de: Parreira
resolvi fazer o procedimento.só de manhã é k informei o médico ( ele respondeu-me é licenciada não é ?)

este sim é um médico que sabe o que é um enfermeiro, no meu serviço tb. os há, pois sabem que algaliações e entubações e outros actos é da competencia de enfermeiros e que não necessitam da prescrição médica apenas do seu conhecimento que pode ser dado à posteriori.


Imaginem que o doente sangra por um falso trajecto e que até tem um problema qq de coagulação. Imaginem que é instaurado um processo de averiguações para aferir responsabilidades... como é que legalmente se vão defender? Ou vão dizer que não algaliam doentes com probs de coagulação?

A questão aqui, não é se temos competência técnico-científica, mas sim se essa competência é reconhecida! E uma vez que legalmente não o é, no caso de alguma coisa correr mal, podem ser processados e muito dificilmente se safam... esse sim é o problema.

Mas é melhor encerrar este assunto, se preferirem inicia-se um novo tópico.
Reforço a minha ideia em relação às especialidades:
Só quando devidamente informados é que devemos emitir opiniões

Offline Parreira

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 211
    • Ver Perfil
Re: Proposta da Ordem para as Especialidades
« Responder #31 em: Setembro 20, 2007, 17:31:44 »
Citação de: carlosmano
Citação de: Parreira
resolvi fazer o procedimento.só de manhã é k informei o médico ( ele respondeu-me é licenciada não é ?)

este sim é um médico que sabe o que é um enfermeiro, no meu serviço tb. os há, pois sabem que algaliações e entubações e outros actos é da competencia de enfermeiros e que não necessitam da prescrição médica apenas do seu conhecimento que pode ser dado à posteriori.


Imaginem que o doente sangra por um falso trajecto e que até tem um problema qq de coagulação. Imaginem que é instaurado um processo de averiguações para aferir responsabilidades... como é que legalmente se vão defender? Ou vão dizer que não algaliam doentes com probs de coagulação?

A questão aqui, não é se temos competência técnico-científica, mas sim se essa competência é reconhecida! E uma vez que legalmente não o é, no caso de alguma coisa correr mal, podem ser processados e muito dificilmente se safam... esse sim é o problema.

Mas é melhor encerrar este assunto, se preferirem inicia-se um novo tópico.
Reforço a minha ideia em relação às especialidades:
Só quando devidamente informados é que devemos emitir opiniões

Parece-me que o teu conceito de competencia está associado a o enfermeiro possuir uma especialidade. Então um enfermeiro que preste cuidados gerais, já não pode algaliar ou colocar uma sonda nasogástrica, sem estar prescrito pelo medico? Supõe que o médico prescreve a algaliação e que o enfermeiro ao executar a técnica cria um falso trajecto e que o doente, que tinha problemas de coagulação que lhe passou despecebido ao médico, começava a sangrar; aí o enfermeiro já não era responsável? A meu ver era tão responsável ele como o médico, porque nenhum dos dois se preocupou em saber se o doente tinha essas alterações. Quando falo de competencia é ter conhecimentos técnico-cientificos, que não só se adquirem com a especialidade, mas tb. o curso base transmite e a pp. experiência conta.
O ter conhecimentos técnico-cientificos requer que uma determinada patologia seja explorada em todas as vertentes.
Se já somos licenciados já temos autonomia.
E mais não me alongo.

Offline Parreira

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 211
    • Ver Perfil
Re: Proposta da Ordem para as Especialidades
« Responder #32 em: Setembro 20, 2007, 17:33:04 »
Citação de: carlosmano
Citação de: Parreira
resolvi fazer o procedimento.só de manhã é k informei o médico ( ele respondeu-me é licenciada não é ?)

este sim é um médico que sabe o que é um enfermeiro, no meu serviço tb. os há, pois sabem que algaliações e entubações e outros actos é da competencia de enfermeiros e que não necessitam da prescrição médica apenas do seu conhecimento que pode ser dado à posteriori.


Imaginem que o doente sangra por um falso trajecto e que até tem um problema qq de coagulação. Imaginem que é instaurado um processo de averiguações para aferir responsabilidades... como é que legalmente se vão defender? Ou vão dizer que não algaliam doentes com probs de coagulação?

A questão aqui, não é se temos competência técnico-científica, mas sim se essa competência é reconhecida! E uma vez que legalmente não o é, no caso de alguma coisa correr mal, podem ser processados e muito dificilmente se safam... esse sim é o problema.

Mas é melhor encerrar este assunto, se preferirem inicia-se um novo tópico.
Reforço a minha ideia em relação às especialidades:
Só quando devidamente informados é que devemos emitir opiniões

Parece-me que o teu conceito de competencia está associado a o enfermeiro possuir uma especialidade. Então um enfermeiro que preste cuidados gerais, já não pode algaliar ou colocar uma sonda nasogástrica, sem estar prescrito pelo medico? Supõe que o médico prescreve a algaliação e que o enfermeiro ao executar a técnica cria um falso trajecto e que o doente, que tinha problemas de coagulação que lhe passou despecebido ao médico, começava a sangrar; aí o enfermeiro já não era responsável? A meu ver era tão responsável ele como o médico, porque nenhum dos dois se preocupou em saber se o doente tinha essas alterações. Quando falo de competencia é ter conhecimentos técnico-cientificos, que não só se adquirem com a especialidade, mas tb. o curso base transmite e a pp. experiência conta.
O ter conhecimentos técnico-cientificos requer que uma determinada patologia seja explorada em todas as vertentes.
Se já somos licenciados já temos autonomia.
E mais não me alongo.

Offline letita

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 168
    • Ver Perfil
Re: Proposta da Ordem para as Especialidades
« Responder #33 em: Setembro 20, 2007, 21:22:37 »
Em relação a este tópico tenho de acrescentar que eu conhecia a história da doente e já tinha sido algaliada anteriormente e por isso tomei esta decisão ( já agora tb conhecia o médico responsável pela doente ;D) mas continuando a algaliação é acto médico? acho que isto está mal especificado a nível das nossas competências a ordem no livro das competências diz:os enfermeiros de acordo com as suas qualificações profissionais utilizam técnicas próprias da profissão de enfermagem, com vista à manutenção e recuperação das funções vitais, nomeadamente, respiração alimentação, eliminação..... é para reflectir e para opinar ::) é para isto que existe este site ;D

Offline Parreira

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 211
    • Ver Perfil
Re: Proposta da Ordem para as Especialidades
« Responder #34 em: Setembro 20, 2007, 21:57:51 »
Citação de: letita
Em relação a este tópico tenho de acrescentar que eu conhecia a história da doente e já tinha sido algaliada anteriormente e por isso tomei esta decisão ( já agora tb conhecia o médico responsável pela doente ;D) mas continuando a algaliação é acto médico? acho que isto está mal especificado a nível das nossas competências a ordem no livro das competências diz:os enfermeiros de acordo com as suas qualificações profissionais utilizam técnicas próprias da profissão de enfermagem, com vista à manutenção e recuperação das funções vitais, nomeadamente, respiração alimentação, eliminação..... é para reflectir e para opinar ::) é para isto que existe este site ;D

Muito bem. Afinal ainda há enfermeiros que sabem o que é competencia.

Offline scruz

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 291
    • Ver Perfil
Re: Proposta da Ordem para as Especialidades
« Responder #35 em: Outubro 26, 2007, 12:06:09 »
eu ainda não sei muito bem o k a ordem pretende com as propostas que apresentou

mas para mim deveriamos aprofundar mais os conhecimentos que temos dentro de uma área pk é isso k nos faz evoluir, p.e., kdo fui

para o serviço de hemodiálise em ambulatório passei por imensas dificuldades, fui estudar muito a nivél do k eram protocolos lá fora,

pe, nos USA teem uma associação de enfermeiros k já tem protocolos bem estruturados, ou seja, nesta área em concreto é importante,

ter conhecimentos aprofundados de nefrologia, diferentes tipos de acesso, o k é a diálise e saber distinguir as diferentes técnicas de

depuração extra corpórea,  qual a dieta destes doentes, explicar-lhes os fârmacos específicos, e sobretudo entrando no nosso campo os cuidados de

enfermagem aos pacientes em dialise desde a atenção primária até a IRCT,´passando pelos cuidados psicossociais. mais abordar quais

as urgencias e emergencias nefrologicas e os cuidados em todo o processo de transplante renal, e conseguir a colaboração do doente

neste processo, aqui só apresento umas ideias

sumárias, de facto tive dificuldade em adquirir bibliografia em Portugal para depois explicar alguns destes temas aos meus doentes,pk

no curso de base dámos estes temas por alto mas hoje

depois de muita pesquisa e troca de experiências com alguns colegas já se consegue começar a fazer alguns projectos, neste momento

encontro-me a desenvolver um trabalho sobre o tema os  cuidados que o IRCT presta ao seu acesso vascular com uma equipa de

colegas

fico contente por em portugal já se ter fundado uma associação neste âmbito, mas a verdade é que ainda temos muito trabalho pela

frente, desde  aprender a trabalhar em diálise até  fazer ensinos ao doente IRCT e é nesta área qu me sinto feliz kdo

consigo ter um feed back positivo entre a equipa de enfermagem a família e o doente, e é isto que para mim é muito bom na

enfermagem...a verdade é que me senti como se caisse de paraquedas quando fui trabalhar para a diálise, mas agora até gosto muito

Offline Tininha

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 113
    • Ver Perfil
Re: Proposta da Ordem para as Especialidades
« Responder #36 em: Outubro 29, 2007, 11:23:50 »
Em relação às especialidades, penso que a nossa Ordem (tal como muitos de nós, enfermeiros) sentiu a necessidade de aumentar o nº destas pois, tal como postou mariarebelo e Son Goku, o modelo biomédico é imperativo, e as especialidades existentes já não chegam  e nem dão visibilidade à nossa profissão.

O conhecimento em Saúde é tão vasto que, a meu ver, justifica-se a criação de várias especialidades.

Na minha opinião, não é pela criação das várias especialidades que o enfermeiro irá deixar de exercer o seu papel vital no Sistema de Saúde: cuidar holísticamente. Deixa de cuidar holisticamente o enfermeiro que quer. O nosso curso dá-nos essa formação; penso que intrinsecamente a maioria dos enfermeiros não perde esta prespectiva holística. Contudo no meu dia-a-dia vejo e sinto a necessidade de uma formação especifica para todos nós. E é com agrado que vejo a Ordem na prespectiva de criar mais especialidades.

As antigas especialidades abarcavam muitas áreas de conhecimento.. ex.: médico-cirúrgica.
Ora, trabalhar num serviço de Urgência, Cuidados Intensivos... não é igual a trabalhar num serviço de Urologia ou Ortopedia... Acho bem terem definido uma especialidade para o doente crítico, e penso que muitos colegas irão beneficiar da mesma, em termos de autonomia e reconhecimento científico e técnico, nos seus locais de trabalho.

Penso é que certas especialidades se confundem, como Saúde Pública e Saúde Familiar. Estas terão que ter bem definido o papel e competências do enfermeiro, pois, a meu ver, poderá existir uma certa "confusão" na área de intervenção de uma e outra especilalidade.
A suposta especialidade em "Saúde do Adulto", poderia ser mais desdobrada, a meu ver. Se não fosse desdobrada, no decorrer da parte teórica, poderiam existir várias disciplinas de opção, que o enfermeiro poderia escolher consoante a àrea que gostaria de desenvolver o seu percurso profissional ( Ex.: cardiologia, neurologia, urologia, oncologia, gastro... entre outras).

Pena não terem criado uma especialidade para os colegas que se encontram a trabalhar no Bloco Operatório. Poderia ser criada no Eixo Estruturante "Pessoa" - Ao longo do ciclo de Vida. Se não poder-se-ia criar as tais disciplinas de opção dentro da Especialidade "Pessoa em Situação Crítica", visto o acto cirurgico representar um risco acrescido para o doente.

Espero que, com a criação destas especialidades, os colegas possam ganhar maior autonomia, e que esta esteja protegida por legislação própria, de forma a que haja um reconhecimento social da nossa profissão, que é interdependente, mas pode tb ser autónoma em muitos aspectos.