Votação

Concorda que deixe de constituir crime o aborto realizado nas primeiras dez semanas de gravidez, com o consentimento da mulher, em estabelecimento legal de saúde?”

Sim
8 (66.7%)
Não
4 (33.3%)

Votos totais: 12

Votação encerrada: Setembro 30, 2006, 20:34:58

Autor Tópico: 2º Referendo sobre a despenalização do aborto  (Lida 16228 vezes)

Offline Guytonn

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 313
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« em: Setembro 15, 2006, 20:34:58 »
O 2º Referendo sobre a despenalização do aborto, desta feita questionando os portugueses se concordam com a despenalização do aborto até às 10 semanas irá ter lugar muito provavelmente no mês de Janeiro de 2007. Antecipando essa mesma data, seria interessante apurar qual a tendência de voto dos membros do fórum Enfermagem.
PRESENTE É SIMULTÂNEAMENTE O EPÍLOGO DO PASSADO E O PRÓLOGO DO FUTURO.

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #1 em: Setembro 15, 2006, 22:56:47 »
Como se vota?

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #2 em: Setembro 15, 2006, 22:57:46 »
lol
sorry...parece q ja deu
:)

Offline Darth_Vader

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 252
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #3 em: Setembro 26, 2006, 03:36:52 »
E quem vai proceder a essa interrupção?

Quem é  que se pode recusar?

E se uma equipa inteira de enfermagem se recusar?

(è quase impossivel, mas a possibilidade existe)
Homem, na tentativa de tentar provar que não é um macaco, reforça a ideia que é um burro

Offline heparina

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 11
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #4 em: Setembro 26, 2006, 11:25:21 »
Sinceramente, independentemente da minha opinião, não vejo a necessidade de um novo referendo, uma vez que este mesmo já foi feito há alguns anos atrás e a resposta foi  "não", apesar de apenas terem votado 31,9 % dos eleitores. Não acho que as mentalidades neste país tenham mudado assim tanto. De qualquer forma ainda gostaria de saber, se a resposta tivesse sido "sim" na altura, se alguém estaria disposto em falar no assunto outra vez?...  Será que este assunto será do interesse de tantos portugueses que a influência às urnas irá ser maior?... fica a dúvida no ar...[/quote]

Offline Guytonn

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 313
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #5 em: Setembro 26, 2006, 20:58:36 »
Qualquer profissional pode ser objector de consciência face a este tipo de procedimentos. è lícito e é um direito que assiste a cada um.
Penso que a razão de um novo referendo prende-se sobretudo com lobbys poderosos ao nível de clínicas privadas que poderam ter na indústria abortiva um manancial de lucros bastante volumoso. Por outro lado, a repetição de um referendo em tão pouco tempo é um sinal de desrespeito para com aqueles que manifestaram a sua opinião no anterior excrutínio, ao diminuir a validade da sua vontade soberana.
PRESENTE É SIMULTÂNEAMENTE O EPÍLOGO DO PASSADO E O PRÓLOGO DO FUTURO.

Offline Darth_Vader

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 252
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #6 em: Setembro 29, 2006, 03:15:35 »
É inevitavel. Independentemente das opiniões, enquanto este governo estiver no poder, tudo fará para o implementar, de uma maneira ou de outra. Basta olhar para a regionalização e para a co-incineração. Seja de uma forma ou outra, com um nome ou outro, eles vão para a frente.
Homem, na tentativa de tentar provar que não é um macaco, reforça a ideia que é um burro

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #7 em: Outubro 05, 2006, 20:25:07 »
Claro que concordo.

Com as condições que nos dão para educar crianças, o preço dos infantários, o facto de a lei não prever tempo para os pais irem às escolas, cada vez mais dependentes da participação dos pais, não prever tempo para apoiar os filhos menores em situações que não de doença, com os preços das casas, da comida, enfim...

Com a desestruturação das famílias, em que a mulher fica sempre com os filhos e a reclamar pensões que nunca chegam...

Com a quantidade de mães adolescentes com a vida marcada para sempre e sem hipóteses de futuro...

Não me digam que nunca viram isto. E é fácil ficar grávida sem querer...

Offline Guytonn

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 313
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #8 em: Outubro 06, 2006, 15:13:56 »
Não se esqueçam que a despenalização do aborto é sempre uma despenalização cega: até para aqueles que defendem a mesma baseados nos dramas sociais que uma gravidez indesejada condiciona, a despenalização poderá dar origem a actos que mesmo para os activistas pró-aborto seriam dificilmente toleráveis, pois nesse cenário, a decisão da mulher em abortar jamais seria questionada e as suas razões infranqueáveis. Tal poderá abrir caminho, por exemplo, para a eugenia, éticamente intolérável. Senão vejamos: actualemente é possível determinar o sexo do feto com 8 semanas de gestação. Ora, se a progenitora deseja ter uma criança que não do sexo daquela que está a gerar poderá facilmente abortar sem que as suas motivações sejam colocadas a descoberto, até acertar no sexo pretendido...e tal hipótese não é de todo remota. A liberdade procriativa é lícita, mas esta deve começar na sexualidade responável e jamais poderá servir para legitimar um acto que na sua essência está muito mais para o lado do mal do que do bem.
PRESENTE É SIMULTÂNEAMENTE O EPÍLOGO DO PASSADO E O PRÓLOGO DO FUTURO.

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #9 em: Outubro 06, 2006, 18:14:42 »
Sem dúvida, mas tudo o que existe pode e é, em muitos casos e em muitas leis, distorcido por quem apenas procura atingir os seus objectivos, mais ou menos inconfessáveis.

Isto não nos pode levar a deixar condenar mulheres pela prática de aborto. A condená-las e expô-las em praça pública, com as consequências óbvias no meio familiar, social e profissional dessas pessoas.

Acham com franqueza que a maior parte dos abortos tem esses contornos? Ou não passam de pobres mulheres, de pobres famílias que não conseguem suportar o encargo de mais um filho?

O ordenado mínimo neste país é de 375 €.

Offline Guytonn

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 313
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #10 em: Outubro 07, 2006, 11:49:44 »
OK. Mas não se pode acabar com os fogos florestais cortando todas as árvores pois não?
Um problema não se resolve com outro problema!
PRESENTE É SIMULTÂNEAMENTE O EPÍLOGO DO PASSADO E O PRÓLOGO DO FUTURO.

Offline hotvitor

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 135
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #11 em: Outubro 07, 2006, 13:27:12 »
O parentesco do aborto com a eutanasia é grande. Ambos envolvem a morte de um ser humano por parte de uma equipa de saúde.
Não vale a pena argumentar que antes de x semanas não é ainda uma "pessoa/ser humano". É preciso ser bastante arrogante para afirmar quando "começa a vida". Que sabemos nós?
Na minha opinião o aborto não passa de uma oportunidade de cometer homicidio para com um tipo de ser humano bastante fragil e o mais inocente.

Vergonha, é o que é!

Não se trata de evolução, mas crime.

No caso de familias com poucas posses, a culpa é dos varios governos, que não sabem apoiar as familias numerosas, especialmente as mais pobres.

Enquanto a solução para um problema passar por causar mortes, continuamos a não passar de homens das cavernas.

É pelo mesmo principio que sou contra a pena de morte e a guerra...

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #12 em: Outubro 07, 2006, 15:21:54 »
O ser contra a pena de morte e a guerra parece-me bem, todos somos, penso eu.

Enquanto o governo não apoiar as famílias, estas não podem continuar a ter filhos, algumas para colocar as crianças em centros de acolhimento(os mais sortudos).

A questão é e será sempre a valorização do planeamento familiar, da contracepção, mas na falha desta, a mulher deve ter o direito de escolher . É uma questão de auto-determinação.

Esta é a realidade do nosso mundo hoje. Que amanhã seja melhor, óptimo. Que todos os países civilizados do mundo favorecem a autodeterminação da mulher neste aspecto, é também uma realidade.

Quanto às questões éticas, há sempre o recurso à objecção de consciência, que é um direito de todos nós.

Não podemos valorizar mais umas vidas do que outras.

Offline hotvitor

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 135
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #13 em: Outubro 07, 2006, 21:00:37 »
Precisamente por não podermos valorizar mais umas vidas do que outras, é não se deve desvalorizar aquela pequena vida em genese.

A autodeterminação da mulher nunca deve ser argumento, para se poder matar! Aí é que para a autodeterminação de qualquer ser humano.

Offline Guytonn

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 313
    • Ver Perfil
2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« Responder #14 em: Outubro 07, 2006, 22:12:58 »
Fala-se muito em liberdade de escolha da mulher: a mulher, de facto , deve ter a liberdade de decidir acerca da sua vida reprodutiva e do seu corpo. No entanto, essa mesma liberdade não tem a primazia absoluta; para ser válida, ela tem um tempo próprio para ser exercida. Actualmente, existem métodos contraceptivos eficazes, ao alcance de todos que permitem o exercício dessa liberdade em tempo próprio.
Liberaralizar o aborto é a solução mais cómoda para o poder político, pois assim adiam-se eternamente a criação de políticas sociais que fomentem o apoio à maternidade: a verdade  é que sai mais barato financiar a industria abortiva do que produzir medidas de fundo que combatam a pobreza , que promovam a formação cívica dos cidadãos a par da educação sexual ou que forneçam o apoio necessário a famílias carenciadas.
E não me digam que a maioria das gravidezes indesejadas é inevitável: estudos demonstram que elas têm origem num facilitismo primário, na cultura actual que promove a irresponsabilidade e não no desconhecimento acerca dos métodos contraceptivos: a raíz deste problema é a mesma que nos leva a andar a 180 nas auto-estradas quando todos sabem que o limite são os 120, que nos leva às relações sexuais desprotegidas com um uma "ilustre" desconhecida apenas porque o que conta é o prazer imediato quando sabemos que estamos a arriscar a vida a prazo.

Liberalizar o aborto (o termo apropriado é liberalizar, não despenalizar) é o mesmo que despenalizar o roubo de carteiras alegando que esta é a forma de acabar com a pobreza ( do carteirista) ou uma alternativa à falta de emprego.
PRESENTE É SIMULTÂNEAMENTE O EPÍLOGO DO PASSADO E O PRÓLOGO DO FUTURO.