Autor Tópico: Relação auxiliares/doentes  (Lida 3032 vezes)

Offline Fabi

  • Iniciante
  • *
  • Mensagens: 2
    • Ver Perfil
Relação auxiliares/doentes
« em: Junho 24, 2006, 13:10:06 »
Ola colegas!Tive uma proposta para fazer formação em serviço, a AAM, relativamente a sua relação com os doentes. Pois o que se verifica muitas vezes é que os AAM nao têm uma atitude acertiva com os doentes.
Venho aqui solicitar que dêm o vosso testemunho e se tiverem referencias bibliograficaa que me ajudem na elaboração deste trabalho, que as indiquem. Obrigado!

Offline RuiNunes

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 15
    • Ver Perfil
    • http://www.eurobarre.com/index.php?p=399783038306
Formação continua é muito importante
« Responder #1 em: Junho 24, 2006, 19:51:10 »
De facto a acção de formação ao qual se propõe, não deixa de ser uma problemática na maior parte dos nossos Hospitais, não por culpa das AAM mas por culpa do "sistema". São de facto uma parte muito importante na nossa acção profissional cabendo-lhe muitas vezes a execução de tarefas que a nós estão destinadas porque lhe as delegamos.
A realidade de tudo isto é que quando são admitidas não tem o minimo de formação nesta area, estando a sua integração a cargo das colegas que tambem não tiveram formação, cabendo-nos a nós limar algumas falhas nessa mesma integração.
Tambem é verdade que depende muitas vezes do tipo de serviço, das caractristicas fisicas... não se pode exigir que uma AAM seja acertiva em todas as suas acções quando não tem tempo sequer para comer...
Por isso limito-me a ficar por aqui.

Offline Summer

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 45
    • Ver Perfil
Relação auxiliares/doentes
« Responder #2 em: Junho 25, 2006, 12:28:57 »
Como já referi num post recente penso que é essencial que os AAM tenham formação adequada. Só assim podem exercer as funções que lhes são atribuídas de modo correcto e profissional.

Toda a literatura que tenho sobre o assunto, inclusive parte da formação que um "AAM" (em comparação de funções) recebe está noutra língua, que não o inglês, por isso penso que não tem sentido. Vou tentar verificar se é possível encontrar algo em inglês. Mas se colocares questões específicas responderei sem qualquer problemas.

Muito sucesso com o teu trabalho.

Summer
"Tomorrow is always fresh, with no mistakes on it."

Offline Fabi

  • Iniciante
  • *
  • Mensagens: 2
    • Ver Perfil
obrigado
« Responder #3 em: Junho 25, 2006, 13:06:15 »
Agradeço as vossas mensagens!
Quando falo em assertividade na relação auxiliar/doente, falo da atitude mais correcta a ter em relação aos doentes, como a confidencialidade, a relação de ajuda, o respeito. Acho necessario investir nesse sentido, porque muitas vezes observam-se comportamentos pouco profissionais perante os doentes. E acho que é da nossa responsabilidade corrigir esses comportamentos.
Fico a espera de mais comentarios.

Offline isabelmeireles

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 130
    • Ver Perfil
Relação auxiliares/doentes
« Responder #4 em: Junho 26, 2006, 01:06:25 »
Experiemnta falar sobre os principios éticos de um profissional de saúde, penso que por aí poderás falar sobre muitos tópicos a abordar, especialmente o principio da privacidade e falar tambem da confidencialidade.
Depois podes abordar um pouco a relaçao de ajuda.
Não sei se concordas...

Offline vania_neto

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 166
    • Ver Perfil
Relação auxiliares/doentes
« Responder #5 em: Julho 09, 2006, 22:43:16 »
Depois da formacao teorica, da exemplos de situacoes em que os AAM se encontram routinamente e que pretendes melhorar e inicia um mini-debate sobre como eles/elas reagiriam.

Assim nao so percebes a razao de ser das suas accoes, podes tambem aproveitar a ocasiao para uma educacao relevante aos seus dia-a-dias.

Eh importante que seja uma accao de formacao e nao de culpa.

Explicares porque eh que os enfermeiros trabalham como trabalham e porque tomam certas preocupacoes, ira proporcionar um insight a nossa profissao raramente permitido e que leva a situacoes do estilo "ja vi isto tantas vezes, ja sei fazer".