Autor Tópico: Qualidade nos cuidados de saúde  (Lida 3542 vezes)

Offline Summer

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 45
    • Ver Perfil
Qualidade nos cuidados de saúde
« em: Junho 29, 2006, 19:40:05 »
Em vista do grande e explosivo desenvolvimento tecnológico cada vez mais se fala em qualidade.

A enfermagem e os cuidados de saúde que prestamos ao doente devem se caracterizar por ser cuidados de saúde com qualidade. No entanto, qualidade é um termo que deve ser definido objectivamente, visto que, diferentes pessoas entendem qualidade de diferentes maneiras. Especificamente na enfermagem, o que é qualidade? O que significa prestar cuidados de saúde com qualidade? Como podemos nós contribuir para que a qualidade dos cuidados de sáude melhorem? Quais são os factores que maior influência têm e podemos nós, como enfermeiros, modificar alguns destes factores para benefício do doente? O que fazemos a nível dos diferentes serviços em que nos encontramos para testar e, eventualmente, melhorar a qualidade dos cuidados de sáude?

Um assunto actual, mas penso que pouco discutido. Vamos lá trocar idéias!

Summer
"Tomorrow is always fresh, with no mistakes on it."

Offline gina pinho

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 15
    • Ver Perfil
Qualidade nos cuidados de saúde
« Responder #1 em: Julho 04, 2006, 23:41:33 »
Muito actual e muito interessante. Mas também complexo. Há livros inteiros sobre qualidade. Há cursos. A qualidade não é um conceito imutável no tempo e no espaço. O que hoje pode ser considerado de qualidade aqui, amanhã ou noutro contexto pode não o ser.
A qualidade pode estar associada a questões de processo, resultados, envolver questões económicas e éticas. Hoje não se pode falar de qualidade sem falar na satisfação do cliente. No caso da saúde, o cliente adquire características especiais. O facto da informação ser imperfeita, isto é, o cliente não está ao nível dos profissionais para averiguar se os cuidados que recebe são ou não de qualidade, faz com que este tenda a avaliar a qualidade em função dos resultados ou das relações pessoais. Mas nem sempre os resultados são na relação directa da qualidade dos cuidados e nem sempre um bom cuidado relacional é suficiente.
Aqui ficam algumas linhas soltas....
ina Pinho

Offline Summer

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 45
    • Ver Perfil
Qualidade nos cuidados de saúde
« Responder #2 em: Julho 06, 2006, 17:04:13 »
Não podia estar mais de acordo. Penso que à medida que os clientes/doentes/pacientes vão tendo mais informação e mais possibilidade de dizer algo sobre os cuidados de saúde que recebem, mais qualidade exigem.
A qualidade não está, realmente, apenas relacionada com o resultado, a pessoa a quem prestamos cuidados têm que ser "vista" por nós, como profissionais, através de uma visão holística. O que por vezes noto é que um enfermeiro pode prestar um acto de enfermagem na perfeição mas... será que teve em atenção o estado psicológico ou mesmo social do doente? Se assim não fôr penso que o nivel de qualidade não será o desejado.
A questão financeira é uma variável importantíssima na qualidade. Muitas vezes sabemos como prestar cuidados de saúde de qualidade mas os meios disponíveis não são o suficientes para atingir o nivel de qualidade pretendido.

Summer
"Tomorrow is always fresh, with no mistakes on it."

Offline Sereia

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 19
    • Ver Perfil
Qualidade nos cuidados de saúde
« Responder #3 em: Julho 06, 2006, 17:30:35 »
Encontramo-nos num período em que damos muito enfase à tecnologia e a importância que lhe damos acaba por tornar a nossa vida controlada por maquinas... felizmente que há evolução que temos ajudas e facilidades para desempenhar eficientemente a nossa profissao, mas será que essa tecnologia é tudo? será que essa tecnologia e desevolvimento são de qualidade?

A tecnologia toma conta de tudo e acontece muita das vezes ser esquecida a parte humana das pessoas nos hospitais...Nunca nos podemos esquecer que estamos perante pessoas doentes que ja se encontram bastante "massacradas" pela doença e que precisam de atençao de cuidados mas sempre olhando para ela como pessoa e nunca como um objecto.
Estamos muito "agarrados" à tecnologia!

Na minha opiniao, uma situação equilibrada entre Tecnologia e Humanismo seria o melhor não so para nós profissionais de saúde como também para o bem estar do doente. Seria uma representação harmoniosa de qualidade. O ser Humano nao consegue viver sem afecto e não será uma máquina que lhe dará esse afecto.

A tecnologia nao pode substituir o ser Humano, muito menos os cuidados de um profissional de saúde...mas a verdade é que as pessoas acomodam-se e resumem o cuidar à máquina ou a gestos mecanizados deixando o doente na ignorância dos cuidados que recebe.

O ideal seria tornar o doloroso fácil de suportar usando todos os meios que estejam ao nosso alcance para o conseguir, porque em primeiro esta do doente e o seu conforto.
Ouvir o utente sobre os cuidados prestados, pedir opiniões, sugestões, trocar experiências entre vários profissionais, etc, podem ser algumas formas de inferir sobre a qualidade dos cuidados prestados.

:) *

Offline Summer

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 45
    • Ver Perfil
Qualidade nos cuidados de saúde
« Responder #4 em: Julho 06, 2006, 20:49:50 »
Não sei se concordo que a tecnologia é responsável pela parte humana das pessoas serem esquecidas. Penso que isso acontece mais porque as pessoas que estão a prestar os cuidados de sáude o esquecem. Talvez por falta de tempo, falta de meios, ou mesmo porque essa não é uma caracteristíca da sua própria personalidade.

Quando falei em tecnologia foi mais no sentido de que esta nos tem proporcionado os meios para que a qualidade do nosso trabalho aumente. Lógico que existem os contras também. Concordo que, por vezes, em serviços em que a tecnologia é muito importante, por exemplo, cuidados intensivos ou serviço de observação cardíaco o risco de um profissional ficar menos "sensível" é elevado.

No entanto, acho muito mais grave quando, devido á rotina, acontece o mencionado no comentário anterior, prestar cuidados de saúde mecanizados, sem falar com o doente, sem informá-lo do que está a acontecer ou vai acontecer. Sem observar as reacções do doente, sem reagir a essas mesmas reacções. O certo é que isso ainda hoje em dia é uma realidade.
Quantas vezes "esquecemos" de dizer a um doente com demência o que estamos a fazer? Será que isto já não é necessário? Ou então um doente com afasia? Quantas vezes respondemos por este ou decidimos por este? Pequenas coisas que podem demonstrar a existência de qualidade ou não nos cuidados que prestamos. Ou a necessidade de estar mais atento. As circunstâncias influenciam todo este processo e, na maior parte das vezes, são estas mesmo as mais difíceis de mudar levando a que tenhamos que nos sujeitar às situações infelizmente. Mas com um esforço índividual e contínuo tudo é possível!

Summer
"Tomorrow is always fresh, with no mistakes on it."

Offline Sereia

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 19
    • Ver Perfil
Qualidade nos cuidados de saúde
« Responder #5 em: Julho 07, 2006, 11:21:33 »
Concordo contigo Summer, e daí a preocupação que referia anteriormente de estar atentos ao doente de nos preocuparmos com ele porque ele afinal é uma pessoa com a agravante de estar prejudicado pela doença. Agora, se de facto nós sabemos que essas situações mecanizadas, como eu referia, existem, porque não estar mais atentos aos nossos próprios actos, fazer uma avaliação de nós próprios  - uma introspecção dos cuidados que prestamos e mudar se for o caso? Tem de partir sempre de nós em direcção ao doente. A parte humana, em dinâmica com a parte técnica, é fundamental para a recuperação do doente e não pode ser esquecida.
Devemos obviamente para ajudar a nossa avaliação pessoal consultar a opinião do doente quando possível.

Beijinhos

Offline Sereia

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 19
    • Ver Perfil
Qualidade nos cuidados de saúde
« Responder #6 em: Julho 07, 2006, 11:30:09 »
Esqueci-me de referir ainda... que eu não concordo que seja a tecnologia causadora desta situação, porque a tecnologia só apresenta perigo por quem a usa e como a usa e a importância que lhe dá. Os meios existem para facilitar a vida de qualquer um....a chamada qualidade de vida e estou de acordo com que isso aconteça de forma a prestar cuidados de maior qualidade, mas acho que as pessoas usam e abusam desse facto.

Por experiência própria tive oportunidade de constactar que existem enfermeiros que prestam todo o tipo de cuidados e nem uma palavra dirigem ao doente...acho lamentável. Esta situação causa ansiedade e nervosismo ao doente que podia ser evitado, mas será que algum deles para pa pensar se fez bem? .....fica a dúvida....

Sereia