Autor Tópico: Inadine nas feridas com tecido necrosado  (Lida 11473 vezes)

Offline NiniSF

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 24
    • Ver Perfil
Inadine nas feridas com tecido necrosado
« em: Fevereiro 28, 2010, 20:17:17 »
Olá, vou arriscar-me a ficar a levar na cabeça durante os próximos meses mas aqui vai:

Começo por referir que muitos medicamentos são por vezes desenvolvidos para um fim e acabam a ser aplicados noutro completamente diferente - veja-se o caso do Aminexil que foi desenvolvido para o foro cardiaco e acabou a ser utilizado contra a queda de cabelo :D. Neste caso trata-se de um efeito secundário do inadine uma vez que não se pretende, um efeito antiséptico.

Trabalho em cuidados continuados e entre muitas outras existe um tipo de feridas que nos dá voltas à cabeça - as flictenas dos calcâneos, por vezes com tecido necrosado mas com pele integra. Descobrimos que, quando esse tecido necrosado não é profundo, o que por vezes conseguimos avaliar por palpação e outras por "adivinhação" conseguimos secar a flictena e posteriormente desidratar a placa de necrose ao ponto de ao fim de algumas semanas esta destacar completamente deixando tecido epitelizado por baixo.
Isto tem evitado muitos desbridamentos mais invasivos que, com sabemos, são especialmente perigosos nesta zona, e ainda por cima no domicilio, onde não existe o mesmo nivel de controlo que no hospital.

Offline JUZITA

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 50
    • Ver Perfil
Re: Inadine nas feridas com tecido necrosado
« Responder #1 em: Abril 01, 2010, 22:09:56 »
olá colega. sou recem lecenciada e ainda hoje tive uma conversa com uma colega mais velha sobre isso e ela contou-me exactamente o mesmo. temos la o caso de uma utente que surgiu uma placa de necrose seca no calcaneo. pelo facto de nao ter flutuação, optou-se por utilizar o inadine de forma a secar ainda mais a placa, com o objectivo de se formar tecido epetilizado de baixo desta. agora tem de se ir avaliando,pois pode a situação nao correr como esperamos. tb fiquei surpresa com isto, mas agora tb quero ver a evoluçao.

fico tb a aguardar novas opinioes de colegas

Offline artur

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 54
    • Ver Perfil
Re: Inadine nas feridas com tecido necrosado
« Responder #2 em: Abril 06, 2010, 23:36:25 »
Afirmo com toda a segurança que essa ferida (se não for sujeita a forças de pressão ou deslizamento) terá uma evolução óptima e estará cicatrizada em 15 dias.

Não por acção dessa mistura, mas porque, é eventualmente uma evolução natural e normal de qualquer ferida quando a causa que a originou foi eliminada.

Offline NiniSF

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 24
    • Ver Perfil
Re: Inadine nas feridas com tecido necrosado
« Responder #3 em: Maio 03, 2010, 18:24:53 »
Engraçado. Neste fórum acontece muitas vezes as respostas pressuporem que os básicos são do conhecimento exclusivo do iluminado que os nomeia.

É óbvio que quando se discutem materiais de penso, as medidas básicas, com o alivio da pressão ou outros, está  subentendido, e quando comparamos este ou outro tipo de produtos estamos a partir do principio que todas as outras medidas foram cumpridas.
Acontece que a evolução das feridas não está dependente de um só factor e infelizmente, por vezes não basta remover a causa.

Só mais uma pequena achega - o inadine não é uma mistura, é o nome comercial de um apósito.

Já agora colega, gostava que me informasse onde comprou a sua bola de cristal, ou será que anda a ver demasiado o Dr House e se deixou influenciar.

Offline artur

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 54
    • Ver Perfil
Re: Inadine nas feridas com tecido necrosado
« Responder #4 em: Maio 18, 2010, 22:17:30 »
Ainda relativamente ao assunto que motivou este tópico, gostaria, depois de tão eminentes intervenções, de acrescentar que o inadine não tem qualquer tipo de acção sobre o tecido necrosado.
É só isso.
E se a ferida melhorou foi unica e exclusivamente porque tinha que melhorar.

Não há, na minha intervenção, qualquer tipo de atitude "housiana". Eu, tal como a colega, também presto cuidados e também me deparo com dificuldades.
Foi por isso que investi imenso nesta área e é por isso que me coloco hoje num patamar ligeiramente diferente, que me permite olhar para esta problemática com outro ponto de vista.
Reconheço, por isso mesmo, que o principal problema nesta área é a má preparação dos profissionais (todos). Na prevenção, no reconhecimento precoce, no tratamento em equipa e no controlo das causas.
Para lhe dar alguns exemplos: O facto de se defender o uso de solutos no tratamento de feridas, o facto de se colocarem hidrogéis em feridas exsudativas, o facto de se aplicarem antimicrobianos indefinidamente, o facto de não se valorizar convenientemente a dor, etc, etc. Isto são assuntos tratados aqui e defendidos tal como os escrevi, são assuntos trazidos e discutidos e defendidos acerrimamente por profissionais a quem dou formação, por prelectores em congressos (incrivel)

Não vi a colega a demosntrar a sua eminente opinião em outros fóruns.
Mas lá que a vi a mostrar o seu desagrado pela minha (in)pertinência, vi.

Offline Anix

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 46
    • Ver Perfil
Re: Inadine nas feridas com tecido necrosado
« Responder #5 em: Setembro 08, 2010, 14:31:47 »
Posso dizer q me encontro a trabalhar na Belgica, e em casos de necroses com pele integra nos calcaneos, que aparecem após uma pressão e rubor prolongados, o protocolo do serviço é aplicar compressas embevidas em iodopovidona e recobertas por um penso absorvente e uma ligadura.

Offline celiamorais14

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 6
    • Ver Perfil
Re: Inadine nas feridas com tecido necrosado
« Responder #6 em: Setembro 12, 2010, 09:46:42 »
É facto que o calcaneo é uma zona que requer uma intervenção especifica e distinta, considerando o risco de osteomielite. A necrose no calcaneo deve ser "olhada" numa perspectiva holistica, considerando os antecedentes pessoais (insuficiencia arterial, diabetes...) e factores externos (pressão). Deve ser estudada a causa da necrose e posteriormente intervir em conformidade. Preconiza-se que a necrose associada a insuficencia arterial não deva ser removida até que se institua um tratamento para resolução da insuficiencia arterial. Neste caso o inadine será um opção de tratamento, já que se pretende um penso seco. No caso de a causa estar tratada e forem evidentes sinais de viabilidade tecidular pode- se iniciar penso humido, desbridando a placa de necrose, já que a sua permanencia prolongada também potencia o desenvolvimento de infecção.

Offline Vitor Barbosa

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 229
    • Ver Perfil
Re: Inadine nas feridas com tecido necrosado
« Responder #7 em: Outubro 27, 2010, 20:11:27 »
Cara colega NiniSF,

Já trabalho desde 2001 e penso que, fruto do facto de ter trabalhado numa Geriatria (actualmente Medicina) e prestar serviços num lar de idosos, já tenho bastante experiência com flictenas com exsudado hemático no calcanhar. A maioria delas, desde que se alivie a pressão e elimine a fricção, acaba por secar e formar uma placa que, como disse, acaba por destacar. O mesmo resultado que descreveu com o Inadine, já se obteve com aplicação de pasta de óxido de zinco ou com aplicação de compressas embebidas em iodopovidona dérmica (como a Anix descreveu) ou ainda, como disse o Artur (e bem) sem aplicação de nada, aliviando apenas a pressão e as forças de deslizamento.

Da formação que tenho nesta área, principalmente efectuada pela APTF, aprendi que em UP nos calcanhares só se deve iniciar tratamento mais agressivo em último recurso. Essa "placa" de necrose só deve ser removida se não houver essa evolução favorável. É necessário alguma prática com situações similares para decidir qual o momento certo para o fazer. No meu caso, aprendi com enfermeiros mais experientes e com a minha experiência. Infelizmente não é coisa que se aprenda nos livros... e penso não ser o único a pensar assim!

Offline mflores

  • Iniciante
  • *
  • Mensagens: 1
    • Ver Perfil
Flictenas
« Responder #8 em: Abril 29, 2012, 10:24:41 »
Queria saber a vossa experiencia no tratamento de flictenas em que visualiza tecido necrosado.