Autor Tópico: urgente: pcr seguida de hyperkaliemia  (Lida 4019 vezes)

Offline EnfermeiroMaravilhas

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 84
    • Ver Perfil
urgente: pcr seguida de hyperkaliemia
« em: Março 25, 2012, 10:48:33 »
doente de 80 anos, entubado e ventilado em Bipap, apresenta uma febre persistente a 38.4, nao corrigida e uma hypokaliemia a 2.8 sao postas em perfusao 5 gr de KCl a passar em 5h. depois de terem perfundido 4 das 5gr de potassio, é feita uma gazimetria k mostra uma kaliemia a 3.2. 30 mins depois, sabe-se la pk??? doente entra em tak.fav, passa a assistolia e é iniciada a reanimaçao. xocado 4x, mais adre e n sei k mais. aparentemente apos ser disfibrilhado pela 4a x parece voltar a ritmo sinusal, é feita gazimetria de novo e pumba 9 mmol/L de potassio. doente volta a parar e morre. questao: de onde vem tamanha hyperkaliemia e será eventualmente ela resultante das manobras e contexto critico de uma pcr? aceitam-se explicaçoes cientificas.

Offline anya_Skywalker

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 183
    • Ver Perfil
Re: urgente: pcr seguida de hyperkaliemia
« Responder #1 em: Março 25, 2012, 18:45:15 »
Talvez isto ajude, Enf. Maravilhas: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2786902

Não me parece implausível que num contexto de reanimação prolongada os valores se alterem tanto.

Offline EnfermeiroMaravilhas

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 84
    • Ver Perfil
Re: urgente: pcr seguida de hyperkaliemia
« Responder #2 em: Março 26, 2012, 18:53:10 »
tkx. Ajuda qualquer coisa, mas efectivamente cho muito dificil um doente apresentar uma hyperkal de 9 no pós reanimação ou em kkl outra circunstancia.
Acho possivel ter sido um erro de calibração da máquina das gasimetrias ou uma coisa assim.

Nem num queimado eu alguma vez vi um potassio arterial subir de 3 a 9 numa hora.
Bem... pouco importa já.

Offline anya_Skywalker

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 183
    • Ver Perfil
Re: urgente: pcr seguida de hyperkaliemia
« Responder #3 em: Março 27, 2012, 00:28:48 »
Potássio a 8.6 foi o mais alto que vi - numa gasimetria inicial, e pouco mais tarde confirmado pelo laboratório a 8.2.

Um médico quase a berrar-me ao ouvido "Esta mulher vai parar se não fizermos nada!" E eu a olhar para uma senhora que está alerta, orientada e ligeiramente confusa sobre o motivo de tamanha agitação ao seu redor... (Não, não parou, e os níveis desceram para 7.4 e depois para 6.8 após duas doses de insulina + dextrose e algum gluconato de cálcio). Tambem já vi ECG's de pessoas com 9.0 de potássio no sangue.

Quanto tempo duraram as manobras de reanimação? Encontrei outro artigo que fala de valores extremos de potássio (desculpa, novamente em inglês) que representa uma situação de hyperkalemia extrema num doente préviamente julgado estável e com nível de potássio normal á data de admissão.

http://www.thefreelibrary.com/Extreme+h ... 0135277577

Offline EnfermeiroMaravilhas

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 84
    • Ver Perfil
Re: urgente: pcr seguida de hyperkaliemia
« Responder #4 em: Março 27, 2012, 01:29:13 »
as hyperkalémias sãp raras em meio hospitalar, toda a gente sabe qye m potassio a 6.5 é já muito prigoso pelo risco de passares a tak/Fav...mas antes da reanimção ele passou de 3.2 a 9. é muito.... explicado em parte por ter sido xocado, massajado em 30mina, adrenalinas, e magnésios... mas não explica tudo, eu penso que foi um falso resultado da mákina das gasimetrias.

Enfim...

Offline NunoUKnurse

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 186
    • Ver Perfil
    • http://www.diasporadosenfermeiros.com
Re: urgente: pcr seguida de hyperkaliemia
« Responder #5 em: Março 27, 2012, 07:26:20 »
ja alguem viu a perfusao? nao se pode descurar a possibilidade de erro de terapeutica. Nao acho possivel passar-se de 3 para 9 de potassio sem que alguem os ponha la dentro...

Offline EnfermeiroMaravilhas

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 84
    • Ver Perfil
Re: urgente: pcr seguida de hyperkaliemia
« Responder #6 em: Março 27, 2012, 09:39:26 »
o doente cerca das 23h encontrava-se em hipokalémia a 2.8mmol/L. Foi posta em prática uma perfusão em seringa elétrica de 5 gramas em 5 horas. cerca das 4 horas da manhã, uma gazimetria venosa revelou um potássio de 3.2 mmol/L.
Na minha modesta opinião, o doente fez uma hiperkalémia em resultado da paragem e não o contrário. Porque vejamos... geralmente com um potássio de 6/6.5mmol/L já começamos a ter manifestações eletrocardiográficas importantes, nomeadamente os complexos QRS alargados e as ondas P "bicudas" e muito bem visiveis por serem de alta alplitude ás x. nada disso aconteceu. O doente em poucos segundos passou de um ritmo normal, a uma taquicardia ventricular, depois fibrilhação ventricularr (com conseuma situaçãoquente dissociação eletromecãnica) e depois assistolia. Foi xocado aí umas 4 vezes... adrenalina, magnésio... n reverteu.

Devo dizer que foram após 30minutos de manobras que foi realizada a gazimetria arterial...
Já com elevado grau de lise celular a nível dos tecidos. Digo eu na minha inocencia científica.

Foi uma situação estranha...

Offline Salgueirus

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 6
    • Ver Perfil
Re: urgente: pcr seguida de hyperkaliemia
« Responder #7 em: Julho 03, 2012, 06:03:49 »
Antes de mais, espero nao vir atrasado.  :P

É importante (caso ainda se lembre), de referir os antecedentes pessoais do doente, pois não refere se ele já possui patologia cardíaca e/ou renal, que ganham relevo nesta situação.

O que também me parece importante é salientar que valores sanguineos de potássio de 2,8mmol/L dão-nos a entender que estamos perante uma hipocaliémia severa. Nestes casos, a dosagem administrada não deve ser superior a 40mEq/h, o que demonstra que a perfusão (5gr de KCL/5 horas, ou seja, 14mEq/h) está em consonância com o que preconiza as guidelines de actuação em hipocaliémia. Aliás, a reposição de cada 20 mEq/h resulta em uma elevação dos valores de potássio no sangue de 0,25 mEq/L a cada hora, ou seja, 1 mEq/L a cada quatro horas. o que faz com que os valores obtidos na gasimetria mostrem que estes se encontram dentro do valor esperado. O que se apresenta de forma estranha neste caso é a posterior obtenção de 9mmol/L de potássio no sangue.

Na minha opinião, a primeira paragem em nada se deveu ao potássio, mas a um factor não relacionado (Infecção? Falência respiratória?). Não sei a medicação que foi administrada no suporte avançado de vida, mas o que me parece é que o doente entrou em falência renal, o que aumentou as concentrações de potássio no sangue. Claro que isto são suposições meramente teóricas, mas perante este caso é a ideia com que fico...  ;)