Autor Tópico: comentários tristes  (Lida 5796 vezes)

Offline Ena Rot

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 274
    • Ver Perfil
    • http://enarot.blogs.sapo.pt/
Re: comentários tristes
« Responder #15 em: Fevereiro 22, 2009, 14:31:35 »
.: Navegando e tentando Cuidar de outros Navegares :.

Google Reader -Ena Rot's shared items
Rabiscos
what am I doing...

Offline Mauro Germano

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 2218
    • Ver Perfil
    • http://saudeeportugal.blogspot.com
Re: comentários tristes
« Responder #16 em: Fevereiro 22, 2009, 20:25:09 »
Acho que os colegas que dizem que os utentes isto e aquilo devem repensar melhor a profissão em que estão... Não é ser defensor do Bem nem ter um discurso politicamente correcto mas algo vai mal quando os elementos duma classe perdem a noção do que estão a fazer.

Comentários tristes sempre existirão... Mas pelos vistos têm razão de existir uma vez que alguns elementos da nossa classe vêem o utente como inimigo ou alvo a abater... Se eu visse estes comentários teceria comentários piores de certeza...Enfermeiros a dizer que os utentes são o inimigo??? Que usemos de prudência, ponderação e equilíbrio na entrega emocional aos cuidados e aos utentes em si é uma coisa mas isto???

Para evitar comentários tristes é preciso agir com alguma nobreza de espírito e saber não confundir a árvore com a floresta... Nem todos os utentes serão assim e nem todos os enfermeiros odiarão os utentes... Lutemos pelos que valem a pena pensando que vale mais salvar 100 sabendo que 80 nao merecem mas que os 20 que ajudemos o merecem... aliás é esse o nosso conceito de justiça... vale mais absolver um culpado do que condenar um inocente!

Offline Caldas

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1323
    • Ver Perfil
    • http://ocantosocial.blogspot.com
Re: comentários tristes
« Responder #17 em: Fevereiro 24, 2009, 15:22:07 »
Citação de: vsilva
caros colegas...realmente cada vez mais tenho a vergonha de ser enfermeiro!!!
Todos os nossos colegas dão o seu comentário, todos reclamam, todos dizem que assim não há condições...blá blá blá... mas a verdade é que não vejo ninguém chegar-se à frente e mudar alguma coisa!!!
A profissão é ingrata..é!!!
Ainda hoje vivenciei uma situação que no minimo acho hilariante...um cliente que me diz que os enfermeiros não sabem nada!!! Nem tem confiança em nada que fazemos...os "srs. doutores" é que sabem...
Bem face a tal comentario pensei cmg mesmo: "A ignorancia faz das pessoas tão estupidas que realmente conseguem ofender-me!!!". Mas pronto...acho que o melhor é eu mudar mm de profissão..cada vez mais chego à conclusao que não tenho perfil nenhum pa ouvir estes disparates...******!!!
Todos os dias pensamos e dizemos: "Coitadinho do doente, ele precisa de nós..." E o doente, o que ele diz??? Será que ele diz que ele precisa de nós? Que se lixe a porcaria de sistema que temos, que se lixem as greves...Ahhh, é que nessas...temos que pelo menos fazer os cuidados minimos...e eu pergunto...cuidados mínimos??? Todos os dias aquilo que faço são cuidados mínimos!!! Diria no minimo: Trabalho a duplicar ou triplicar...pq eu aderi a uma greve que por sinal me calhou trabalhar!!! Os enfermeiros dizem...hj é greve e não faço cuidados de higiene...e o doente pensa: "sim e daí? eu até nem tomo banho todos os dias ou melhor ainda...melhor assim até posso dormir mais um bocadinho!!!".
Estou mm cansado desta profissão, desta sociedade que só valoriza o "Freeport" e o futebol e mais "Sócrates"...
Parem todos um bocadinho para pensar:
"Hoje acordei e vim trabalhar...sou enfermeiro...dou ao "litro" para que tudo corra bem, para que os doentes melhorem, até sou um gajo simpático, trabalho que nem um cão...e depois paro uma beca e penso outra vez...olha é fim do mês!!! Ganhei 1200E (com um bocadinho de sorte) depois de tantas noites em branco, depois de tantas paragens que assisti, depois de tantas frustrações dos doentes e familiares, depois de tantas agressões (sim pq nunca ninguém as valoriza mas a verdade é que elas são cada vez mais frequentes), depois de tantas humilhações e injurias que assisto (à classe de enfermagem em geral)...vale realmente o esforço que fazemos diariamente?? Caros colegas enfermeiros e alunos de enfermagem pensem um bocadinho em nós....deixem de ser os bons samaritanos, os heróis daquilo que não o sao na realidade!!! Com a situação de crise que tanto se fala por aí será que na sociedade que estamos inserios o valor SAÚDE está em primeiro lugar, será que os enfermeiros são tão bons como dizem ser??? É que eu não entendo uma coisa...Se somos tão precisos, tão bons porque é que os nossos doentes insistem em dizer ou demonstrar que os bons da fita só são os "srs. Doutores".
Com os melhores cumprimentos
PS: Não se esqueçam de pagar as cotas à ordem...sim pq se não descontam para a ordem já sabem...Não podem ser sujeitos à selva laboral (ironicamente falando...é claro)!!!

Eu entendo que se coloque em causa a profissão e a ciência, principalmente quando esta é jovem e tem muito poucos anos de existência. Porém, as mudanças não se conseguem com uma ou duas curtas viragens, mas com anos de trabalho e algum sacrifício.
Não vou para aqui pregar a história de estarmos por o doente, mas a concepção de que sem pessoas não há enfermagem, chamem-lhe balelas e o que quiserem falar, mas o quadrilátero: saúde, pessoa, ambiente e cuidados de saúde não existe enfermagem. Vocês até podem dizer que enfermagem já existia antes desses conceitos, verdade. Porém, eles já estavam subjacentes a cultura da prática da enfermagem.

Compete-nos a nós dizer o que queremos de futuro para com a profissão, e da ciência, se não gostamos do que fazemos podemos sempre abandonar o barco.

Aliás, o que mais me alarma é ver muito jovens desempregados se reverem nestas palavras, muito por causa do que o país a eles reservou após o termino do curso. Ser enfermeiro é uma construção, tal como outra profissão, e adquirir o respeito e o seu espaço é algo que tem de ser trabalhado e muito. Compete a todos, uns mais que outros, lutar para desafiar aqueles que não entendem. Não como nosso inimigo, mas como aquele que queremos que seja o nosso aliado. Sei que isto se torna absolutamente difícil num contexto de fragilidade hospitalar da pessoa, que quer que o salvem, porém é com pequenas atitudes que se mudam paradigmas.

Não vamos acordar um dia e quebrar com séculos de evolução e toda a gente vai querer um enfermeiro em vez de outro profissional, isso não existe, é utópico assim pensar. Contudo, se lutarmos dia a dia, talvez até possa não ser para nós, mas para os que virão a seguir, a enfermagem será melhor e também a saúde das pessoas, sem as quais os cuidados de enfermagem não fazem razão de existir. Pensem nisso, e se realmente não se revêem na luta, pensem se gostam realmente da enfermagem ou se gostavam era do dinheiro e da segurança que a profissão à uns anos atrás dava. Sei que é duro dizê-lo, mas a verdade é que muitos dos jovens de hoje, foram para enfermagem porque ser enfermeiro era sinal de emprego. Não defendo que enfermagem não deva ser paga, deve ser paga e bem paga, contudo, para que esta se prove realmente merecedora de pagamento e muito será necessário evoluir e muito na forma de conceptualizar os cuidados e isso não se faz só na prática diária, mas na forma como mostramos os resultados do que fazemos. E isto, felizmente não é fácil, pois senão qualquer um poderia ser enfermeiro, assim resta-nos lutar para tentar sê-lo e conseguir realmente fazer a diferença.

Posso não conseguir fazer a diferença, mas vou morrer a tentar... Este é o meu lema para ser enfermeiro, escolham o vosso.

Offline charlie_ze

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 768
    • Ver Perfil
Re: comentários tristes
« Responder #18 em: Fevereiro 26, 2009, 00:31:50 »
Acho que antes de olharmos  para o que os outros dizem de nós, devemos nós olhar para o que nós dizemos de nós próprios.....

Offline vsilva

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 6
    • Ver Perfil
Re: comentários tristes
« Responder #19 em: Fevereiro 28, 2009, 12:08:05 »
Então para muitas opiniões controvérsias...LER E REFLECTIR! - Desabafo de 1 enfermeiro

     "Como neste e noutros comunicados em que revelamos o essencial das condições e estilos de vida, desvendamos a precaridade do que ganhamos e a submissão a que somos sujeitos, faz confusão expor tanto a nossa intimidade publicamente e nos meios das diferentes classes sociais.
     Talvez pelas manifestações de tanta humildade e lamentação sejamos vistos como somos, como gente submissa. Porque humilhação com humilhação se paga e generosidade com generosidde se paga.
     Não deveríamos quando nos é pedido uma coisa ofercer outra com abnegação para ficarmos bem vistos, mas sim quando nos pedem algo fazer uma expressão de o que nos dá em troca. Ou se estamos ocupados com uma tarefa não assumir mais meia dúzia delas em simultâneo, tal como atender vizitas, telefones, pedidos médicos, escrever notas, fazer registos, atender outros doentes não urgentes, acatar indicações dos chefes, etc. Às tantas corremos o risco de cometer erros e não sermos perfeitos, aí toda a gente nos cai em cima sem contemplações.
     Não deveríamos continuar a dar a imagem de humildade seja para quem for, nem pensar naqueles que quando precisam são cordeiros e quando não precisam são leões.
     Fazer ver que temos a importância, valor e superioridade ou isso nos é reconhecido ou não aceitamos as actitudes habituais de quem nos diz que ser enfermeiro tem que ter bom coração para tudo. Porque nem sempre o coração etá em sintonia com a massa encefálica.
     Se nos sentimos um bocado vexados da forma como somos tratados há que adoptar formas de fazermos ver que servimos bem a quem valoriza o nosso serviço. Deveríamos colocar-nos num patamar mais elevado para não sermos tão batidos."
   
Outro Desabafo de um Enfermeiro:

 "(..)Como Enfermeiro, estive hoje de greve  assegurando cuidados mínimos. Revejo-me integralmente nas reivindicações da classe.Mas pergunto-me como as outras pessoas vêm a nossa classe, a nossa profissão, a nossa posição na sociedade.Será que não seremos o parente pobre de um sistema de saúde que só tem olhos para outros interesses… Sou licenciado. Ganho como bacharel ou nem isso. Deveria fazer 140h por mês e trabalho 160 ou mais. Não recebo nada por essas horas a mais, acumulando horas. Tenho colegas com quase 200h positivas, ou seja, 200 horas que prestaram serviço de qualidade e que não viram compensado o esforço, e porque não dizê-lo, dedicação à causa pública, fazendo os possíveis todos os dias para não faltar nada em termos de cuidados de enfermagem. Essas 200 horas deveriam ser pagas como extraordinárias, ou melhor ainda, deveriam ser realizadas por um dos 5mil enfermeiros que actualmente não tem emprego. No meu serviço devem-se mais de 2000h. No meu hospital há uns dezenas de serviços e a média é nalguns casos superior. Devem-se no país, talvez um milhão de horas de cuidados. O que daria trabalho a mais 7000 Enfermeiros.E já nem estou a falar no aumento do numero de enfermeiros por cada turno, senão o número teria de ser ainda maior. No meu serviço, para 32 doentes, podem estar apenas 2 enfermeiros de serviço. E ao contrário do que por vezes pensamos (os enfermeiros pensam) só temos 2 mãos, 2 olhos, 2 pernas e 1 cabeça. E não somos omnipresentes.Sou contratado à mais de 4 anos, trabalhando um pouco à margem da lei com contratos de 6 meses 'miraculosamente' renovados. Mas será que algum dia deixarão de precisar realmente dos enfermeiros para termos um contrato tipo 'hipermercado' ou pior? Depois, nestes 4 anos vi o meu ordenado ser aumentado pouco mais de 40€, ou seja 10€ ano. Não subi nenhum escalão, grau, etc, porque simplesmente não há carreira de enfermagem definida, e como contratado a coisa complica-se. Qual é o meu estímulo todos os dias? Apesar de ainda adorar o que faço, trabalho porque preciso do €€€€. É frustrante pensar que todos os anos ao contrário do que deveria ser, ganharei menos. Deveria ganhar como licenciado e ganhar horas extras se me fossem exigidas. Eu que ganho 6,5€ à hora, bem menos que alguns funcionárias da limpeza (sem desprimor para o seu trabalho), não me pagam horas extra. Mas pagar 2500€ por 24h de um médico, já é moralmente e legalmente aceite.Deixemos de ser hipócritas. Sou mal pago. Sinto todos os dias na pele, o peso e o risco desta profissão, que não é dar injecções e medir tensões. Está redondamente enganado quem dessa forma pensa. Somos um elo central nas relações clínicas, um peça chave. Quem esteve internado e já precisou de nós saberá a tudo o que me refiro. Formação adicional é sempre condicionada pelos serviços e instituições, num país que quer ter miúdos com computadores por todo o lado, num país em que se não formos doutores não somos ninguém, mas apelar a uma formação contínua, tendencialmente gratuita, é só para outras classes. A qualidade afinal é para outros verem. O doente que se trame.
Se tenho um curso de suporte básico de vida, devo-o a mim. 200€ e tem de ser renovado em 2-3 anos.
Se tenho um curso de suporte avançado de vida, devo-o a mim. 400€ e renovado em 2-3anos.
Se quero ser especialista, terei de ter pelo menos mais 6000€ de propinas para pagar. E depois, esperar que me aceitem numa instituição, que abram concursos, que se desbloqueiem verbas, etc. Um médico depois de médico torna-se especialista praticamente sem ir à escola em 6 anos. A prática é quase tudo. Nós seremos muito diferentes?
Se quero tirar uma pós.graduação ou mestrado, arrisco-me a queimar as pestanas e tirar tempo à família, não esquecendo mais 3000€ ou 6000€ de propinas. Em troca recebo mais 0€ ao fim do mês. É isto um estímulo ao desenvolvimento? É assim que a profissão está. É assim que nos sentimos. E vós que opinião têm dos Enfermeiros?"

Cordialmente a todos os colegas

Offline diogo gaspar da silva

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 5
    • Ver Perfil
Re: comentários tristes
« Responder #20 em: Fevereiro 28, 2009, 13:21:02 »
Tenho a certeza que as coisas não estão bem mas com tanto pessimismo  :( >:(não se consegue dar a volta.É necessário acreditar 
Só espero nunca ter enfermeiros orientadores locais com tamanho pessimismo por muito bons que sejam nas ditas técnicas que dizem que fazem.Quero pessoas,enfermeiros, capazes de dar a volta a este momento de pessimismo.E já agora não ultrapassem esse pessimismo trabalhando em duplo afastando-se da realidade e levando a baixar a possibilidade de algum dia ter um trabalho como enfermeiro.Antes prefiro a dignidade ;)

Offline J.Ribeiro

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 334
    • Ver Perfil
Re: comentários tristes
« Responder #21 em: Março 22, 2009, 15:05:03 »
Citação de: PedroMendes
Citação de: eagleyes
"Só nos faltava mais esta. Os enfermeiros a quererem seguir as pegadas dos malandros dos professores. Vão trabalhar e se não quiserem há muita gente disposta a ocupar o vosso lugar. Sr. Ministra da Saúde não ceda com esta gente. São muito bem vindas as iniciativas reformadoras deste governo. Não estão bem, mudem-se."

fonte: público( comentários de pessoas)

Só me apetece dizer que esse ser irracional nunca necessitou da racionalidade e humanidade que existe na essência da enfermgem. Um dia, quem sabe, mudará de opinião quando precisar de nós >:( para bom entendedor, meia palavra basta...

Caro colega que cursou em Viana do Castelo, tal como eu, embora sendo contemporaneo em anos antecedentes ao seu...

Esse comentário, perfeitamente válido, peca num detalhe essencial:

não é permitido ao enfermeiro ter dignidade e amor próprio, ter orgulho e doer-se como doi a todos os outros.

O enfermeiro tem que levar a chapada e dar a outra face... imagine agora que esse idiota e muitos outros que se estão nas tintas e a falar e agir mal contra os enfermeiros, precisava de um enfermeiro... você... no seu local de trabalho... você nunca se poderia negar a ajudar tamanho idiota, sabe porqùê ? Porque o seu código deontológico não permite... a si podem insultá-lo, enxovalha-lo e maltrata-lo... mas voce tem que deixar...

m***a para o pensamento idiota de pessoas que não podem ser filhas de boa a gente...

Se alguém me faz mal... vingo-me... como qualquer ser humano.
Se me batem, dói-me... como a qualquer ser humano... e podem ter a certeza que a resposta sai logo de seguida
Se me ofendem... desculpe... mas eu tenho o dever de me defender e de contra atacar.

Se ele precisar de mim como enfermeiro... esqueça.  Já saí para não fazer nada.

Obrigado