Autor Tópico: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso  (Lida 6923 vezes)

Offline pipoca

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 28
    • Ver Perfil
Caros colegas
Agradeço, desde já, a ajude que possam dar relativamente à Validade de uma guia de tratamento para execução de penso.

Um doente que tem indicação médica para realização de penso num calcaneo com ulcera de pressão de 4º grau,com soluto dakin, desde fevereiro de 2007, e que mantem até aos dias de hoje.

É observado em consulta médica mais ou menos 1 vez por mês.

Todos estão de acordo que aquele não é o tratamento adequado, mas ninguem se atreve a alterar a prescrição de um médico que não conhece outro produto senão o DAKIN.

Talvez alguns colegas se revejam nesta mensagem.....

Como podemos contornar esta situação????


Um abraço do colega~

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #1 em: Outubro 20, 2007, 00:25:39 »
Lol

Fala com o médico e tenta explicar-lhe as contra-indicações do Dakin e mostra-lhe quais são as alternativas devidamente fundamentadas.

Ou então começa a fazer o penso com outro produto e ele nem vai notar que mudaste...lol

:)

Offline paulo_ramos

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 100
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #2 em: Outubro 20, 2007, 00:38:48 »
Pois é o velho problema... ::)

Tenta fazer um acordo com o médico que prescreveu o tratamento: tu prescreves o tratamento e registas a evolução da ferida (fotografia preferencialmente) e trabalham os dois numa espécie de parceria em que ele é consultado mas tu é que tomas as decisões... Esta técnica de negociação já resultou comigo e com bons resultados ;D... Nunca entrar de em conflito directo senão não saem da cepa torta... :o. É só esta a sugestão que deixo.

Cumprimentos

Paulo

Offline Álvaro Matos

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 442
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #3 em: Outubro 20, 2007, 01:01:12 »
Quanto à pergunta em si ,como é evidente a guia de tratamento ,desde que devidamente assinada tem toda a validade.
Coloco no entanto uma questão será que a culpa é do soluto de Dakin?
Se esta situação acontecesse comigo certamente já teria faldo com o médico em causa e confrontava-o com a situação da não evolução da ferida.
Mas parece-me que o que se quer aqui por em causa é o Soluto de Dakin e aproveita-se uma situação para colocar a questão do uso do soluto de Dakin.
Já neste fórum num tópico anterior disse o que pensava deste produto. Reafirmo face à adjectivação usada nesse tópico que sou um desses criminosos que continua a fechar feridas utilizando  soluto de Dakin, onde outros produtos bem mais caros foram rotundos falhanços.
Não pretendo fazer a apologia da utilização deste produto ,mas quero deixar bem claro e se houver dúvidas posso provar o que afirmoque tenho tido ao longo dos vários anos muito bons resultados com o soluto de Dakin , no tratamento de úlceras varicosas.
Já agora consultem o tópico " o que acham do hipoclorito?? ",para não haver repetições.

Offline pipoca

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 28
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #4 em: Outubro 20, 2007, 11:59:42 »
Colegas

Agradeço as vossas ajudas.

mas o que se passa é que o medico em causa prescreve Dakin para todo e qualquer tipo de ferida/tratamento.

Varios colegas já tentaram falar com o medico no sentido de experiemntar outros produtos em situações que este não resulta, e a resposta é dizer que deixa de ver os doentes na sua consulta, e que põe processos discilinares em quem experimentar afronta-lo, e isto até já arranjou problemas a um colega.

A familia do doente tambem já não sabe o que dizer e até o medico de familia tem conhecimento e dá a entender que não se quer meter...

E assim todos os dias (7 dias por semana) o enfermeiro continua a colocar o dakin no calacanhar do utente...


Um abraço

Offline cristi_sousa

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 62
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #5 em: Outubro 20, 2007, 16:20:06 »
Bem antes de mais, existem umas situações k em tenho algumas dúvidas ??? para poder dar um "conselho/opinião"...

Daquilo k percebi o médico k escreveu a guia de tratamento é um médico do hospital e o colega trabalha num centro de saúde. Certo?

O utente em questão tem alguma patologia de base associada? Diabetes, insuficiência venosa...?

K médico é k prescreveu a guia de tratamento... médico especialista? e de k especialidade?

Bem Cumprimentos a todos :D
"O sangue jovem não obedece um velho mandato." [ William Shakespeare ]

Offline Summer

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 45
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #6 em: Outubro 20, 2007, 16:49:11 »
Boa tarde a todos!

Gostaria de me reportar à problemática do médico "ameaçar" colegas que ousem pôr em causa a prescrição de determinado tratamento de uma ferida. É mesmo impressionante que algo assim se passe. Afinal o trabalho de equipa multidisciplinar é essencial no tratamento destes tipos de ferida. Ora se há 8 meses que uma ferida é tratada com o mesmo produto e não há sinais de melhora penso que é de chamar o médico à atenção para este facto. O enfermeiro é quem todos os dias vê a evolução da ferida, é também um profissional que sabe o que observar e sabe o que acontece numa ferida. Pergunto-me porque não é possível dar a sua opinião profissional baseada em conhecimentos adquiridos sobre o assunto.

Claro que não posso comparar a situação, mas aqui há enfermeiros especialistas em feridas que podem mesmo prescrever o tratamento sem sequer ter que falar com o médico. O especialista é autónomo nesta prescrição. No caso de enfermeiros que não são especialistas, mas que têm conhecimentos suficientes, é sempre possível falar com o médico sobre o melhor tratamento. Sim, porque muitas vezes nós percebemos mais dos produtos disponíveis e do seu funcionamento na ferida do que o médico de família, por exemplo. Tenho muita pena de ainda ler que esta relação médico detentor de toda a sabedoria e enfermeiro que nada sabe que que tem que se sujeitar a tudo o que o médico diz ainda impera em Portugal. É por isto que ir exercer enfermagem para Portugal me põe os cabelos em pé.

Peço imensa desculpa por me ter afastado um pouco do tema. Mas não conheço bem esse produto utilizado para dar a minha opinião no tratamento de feridas.

Cumprimentos para todos!
"Tomorrow is always fresh, with no mistakes on it."

Offline Álvaro Matos

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 442
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #7 em: Outubro 20, 2007, 22:04:13 »
Embora fuja um bocado ao tema não deixa de ser pertinente a citação que vou fazer ,não sabendo o autor.
Todas as actividades profissionais são ditadas por princípios éticos e morais, por vezes, normalizados.
Uma forma de evitar ou minimizar os erros de conduta é o trabalho em equipa.
Compartilhar tarefas e, por consequência, responsabilidades é conduta a ser tomada.
A presença de trabalho multidisciplinar e interdisciplinar no tratamento de feridas é actual e necessária.
IMPERÍCIA
É execução de uma função sem a plena capacidade para tal.
É cometer um erro por falta de conhecimento ou habilidade, como, por exemplo, um académico ou profissional não habilitado que realiza o procedimento do curativo de forma inadequada.
 IMPRUDÊNCIA
É o erro cometido com conhecimento das regras, porém não executado com as cautelas exigidas no tratamento da ferida.
Por exemplo, o profissional preparado insistisse em realizar um curativo sem o diagnóstico ou material adequado, ou caso o académico, desacompanhado de seu instrutor, executasse o curativo sem a plena convicção do diagnóstico e, ainda, sem solicitar auxílio.
Negligencia
Não obstante todas essas condutas tenham de ser evitadas, a negligência é considerada, no âmbito ético-profissional, a mais grave dos três. É o erro cometido com consciência de como deve ser feito o tratamento da ferida e sem a existência de algum factor de impedimento, porém, por mero desleixo, menosprezo ou indolência, não é realizado adequadamente.

Offline charlie_ze

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 768
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #8 em: Outubro 21, 2007, 00:48:44 »
Um tratamento tão demorado como esse tem que ser repensado e se necessário reformulado - que parece ser este o caso.... uma prescrição tão demorada de Soluto de Dakin só quer dizer uma coisa - não quer que a pessoa melhore...

Offline Mauro Germano

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 2218
    • Ver Perfil
    • http://saudeeportugal.blogspot.com
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #9 em: Outubro 24, 2007, 01:39:27 »
Se sabes que o tratamento é o errado porque o continuas a fazer? Por acaso administrarias um captopril 25 mg a um doente com uma TA de 70/40 mmHg? É um erro terapêutico na mesma.
É preciso coragem para defendermos o que é certo. Para mais quando isso é por demais evidente... Se não fosse ainda seria para discutir o caso...agora assim...

Offline paularaujobrg

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 62
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #10 em: Outubro 24, 2007, 18:32:46 »
Pois é... no nosso quotidiano deparamo-nos várias vezes com situações desse tipo. O que importa nessas alturas é o nosso sentido crítico. Se eu sei que uma prescrição é uma "aberração", para quê continuar a cumpri-la??
Uma vez, apareceu-me um utente que tinha sido submetido a uma apendicectomia. Apresentava uma sutura sem sinais inflamatórios, ou seja, impecável, e trazia uma prescrição do "Sr Doutor" que recomendava a aplicação de compressas embebidas em iodopovidona e álcool... Por favor, é óbvio que não cumpri!!!! Se o médico do soluto de Dakin é assim tão teimoso, o melhor é provar-lhe por "A+B" que já não resulta. Que tal tirar fotografias à ferida???  ;)

Abraços a todos!!  :-X

Offline Álvaro Matos

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 442
    • Ver Perfil
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #11 em: Outubro 25, 2007, 01:27:40 »
Este é um daqueles tópicos em que andamos aos circulos e  chegamos sempre ao mesmo ponto. Se temos conhecimento,se temos a certeza do que fazemos,qual o problema em recusarmos o cumprimento dessa prescrição.Que venha o processo disciplinar.

Offline Mauro Germano

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 2218
    • Ver Perfil
    • http://saudeeportugal.blogspot.com
Re: Validade de uma guia de tratamento para execução de penso
« Responder #12 em: Outubro 25, 2007, 04:44:55 »
Nem mais,,,
Pode ser até que quem sofra com o processo seja esse médico de vistas curtas e competência dividosa...