Autor Tópico: Sigilo Profissional  (Lida 4959 vezes)

Offline Tatauga

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 48
    • Ver Perfil
Sigilo Profissional
« em: Setembro 04, 2007, 21:30:03 »
Olá a todos...
Gostava de saber a vossa opinião sobre o sigilo em relação ao diagnóstico dos doentes!
Até que ponto os auxiliares de acção médica não sabem o diagnóstico? E os administrativos?
Isto porque num estágio que realizei estava internada uma pessoa jovem, que era bastante "popular" na localidade onde ficava situado o hospital onde realizei o estágio. Por ela ser uma pessoa jovem, bastante conhecida, e porque ninguém tem que saber a sua doença, não queria que soubesse que era portadora de HIV. Passado alguns dias uma grande parte das pessoas já sabia que  essa pessoa era portadora de HIV.
Eu acho que neste tipo de situações o diagnóstico é facilmente descoberto pelos trabalhadores dos hospitais: auxiliares, quem trata das refeições, quem faz as limpezas dos quartos...
O que acham?
Como é nos vossos serviços?
Abraço

Offline Babyann

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 474
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #1 em: Setembro 04, 2007, 22:26:00 »
olá
eu acho que o sigilo profissional é um pouco díficil de manter nesses casos,localidades pequenas, pessoas conhecidas então tudo se sabe e depois basta uma pessoa contar a alguém que se vai espalhando pela localidade, infelizmente acho que o sigilo profissional está um pouco "passado de moda", imensas pessoas obtém informações deste e daquele porque tem conhecimentos dentro da unidade de saúde!e as pessoas vão facilitando contam aqui e acolá!
Abraços
:)

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #2 em: Setembro 06, 2007, 21:43:02 »
Olá.

A questão do sigilo profissional não pode ser objecto de dúvidas. Nós estamos obrigados a ele.

É certo que todos nós caímos na tentação de divulgar coisas, sobretudo entre colegas ou familiares que seria imperioso calar.

Mas, há algum tempo que ando por este fórum e ainda não vi ninguém quebrar sigilo profissional; certamente alguns de nós já trataram de personalidades públicas, mas nunca aqui nada disso foi referido.

É um exemplo de sigilo profissional.

A questão não depende de nós ou dos médicos, que temos interiorizada a importância do sigilo, mas de outras pessoas que estão ligadas ao doente e têm acesso ao processo e nunca ouviram falar de tal coisa.

Quanto aos auxiliares, devem ter acesso ao diagnóstico, ´sobretudo quando se trata da sua protecção, pois eles lidam de perto com o doente e correm riscos, acrescidos pela falta de conhecimento. Também acho que deveriam ter um curso, à semelhança do que acontece noutros países, onde se incluam disciplinas técnicas, éticas e psicossociológicas.

É natural que em meios mais pequenos as notícias se espalhem. Mas a questão não é de se espalhar a notícia, a questão é a discriminação.

Não conheço quem tente esconder que é diabético ou hipertenso... Mas já em doenças que possam levar à discriminação social, há pavor e tem de haver cuidados redobrados da nossa parte em relação à informação que passa.

Têm de se mudar mentalidades, mas é um processo moroso e complexo que nos ultrapassa e nos abrange ao mesmo tempo.

Abraço.

Offline Big

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 120
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #3 em: Setembro 06, 2007, 22:39:56 »
Citação de: Tatauga
Olá a todos...
Gostava de saber a vossa opinião sobre o sigilo em relação ao diagnóstico dos doentes!
Até que ponto os auxiliares de acção médica não sabem o diagnóstico? E os administrativos?
Isto porque num estágio que realizei estava internada uma pessoa jovem, que era bastante "popular" na localidade onde ficava situado o hospital onde realizei o estágio. Por ela ser uma pessoa jovem, bastante conhecida, e porque ninguém tem que saber a sua doença, não queria que soubesse que era portadora de HIV. Passado alguns dias uma grande parte das pessoas já sabia que  essa pessoa era portadora de HIV.
Eu acho que neste tipo de situações o diagnóstico é facilmente descoberto pelos trabalhadores dos hospitais: auxiliares, quem trata das refeições, quem faz as limpezas dos quartos...
O que acham?
Como é nos vossos serviços?
Abraço


Pergunta à nossa magnifica Ordem!
Eles são os craques da ética!... o tema por excelência para organizar congressos.... lol....

Offline Raul Fernandes

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 83
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #4 em: Setembro 07, 2007, 11:51:54 »
Olá a todos

Gostaria de questionar se realmente os auxiliares devem realmente ter acesso ao diagnóstico em casos como infecções com VIH.

Na prática e em geral eles, tal como nós, já devem ter a preocupação de assumir que todo o doente está potencialmente infectado com alguma doença transmissivel pelo sangue e fluidos.

Será que se justifica que saibam a doença do doente? principalmente porque muitas vezes nem sequer estão despertos nem querem estar para o sigilo profissional, principalmente em terras pequenas.

Claro que há bons e maus profissionais em todo o lado e acredito que a generalização possa não ser justa para alguns auxiliares que procuram levar a profissão com rigor e profissionalismo, inclusive através da formação pessoal.

No meu ponto de vista a questão que se põe é simples:

- Há ganhos para o doente do AAM saber o diagnóstico?
- Há riscos de contágio superiores aos previstos nos cuidados gerais a qualquer doente?
          - E mesmo que os haja justifica-se dizer mais do que as medidas de protecção que os AAM devem tomar?

O mesmo se aplica a outros profissionais de saúde, como médicos ou enfermeiros de outro serviço ou hospital. Se o doente não autorizar a divulgação dos dados o processo não deverá ser consultado por outros que não os indispensáveis para o cuidar e tratamento do doente.

Offline Tatauga

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 48
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #5 em: Setembro 07, 2007, 13:55:39 »
Citação de: Raul Fernandes

Na prática e em geral eles, tal como nós, já devem ter a preocupação de assumir que todo o doente está potencialmente infectado com alguma doença transmissivel pelo sangue e fluidos.

Será que se justifica que saibam a doença do doente?

No meu ponto de vista a questão que se põe é simples:

- Há ganhos para o doente do AAM saber o diagnóstico?
- Há riscos de contágio superiores aos previstos nos cuidados gerais a qualquer doente?
          - E mesmo que os haja justifica-se dizer mais do que as medidas de protecção que os AAM devem tomar?



Era aqui que eu queria chegar, na minha opinião acho que não se justifica que os AAM  saibam o diagnóstico do doente, porque para mim quanto menos pessoas souberam melhor.
Concordo plenamente quando o enf. Raul diz "tal como nós, já devem ter a preocupação de assumir que todo o doente está potencialmente infectado com alguma doença transmissível pelo sangue e fluidos." , basta que os AAM tomem as medidas de protecção necessárias.
Na minha opinião acho que não há vantagem nenhuma para o doente em o AAM saber o diagnóstico.

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #6 em: Setembro 07, 2007, 14:16:24 »
Penso muito sinceramente que em alguns casos os auxiliares, podem não saber qual o dignóstico, mas serem alertados para que no doente X ou Y redobrem os cuidados, pois como todos sabemos muitas vezes nós facilitamos. E se nós que temos conhecimentos facilitamos...como será com um auxiliar que com muito menos conhecimentos muitas vezes facilita em demasia, não por descuido mas por ignorância, porque não está tão disperto para algumas situações.

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #7 em: Setembro 07, 2007, 22:42:02 »
Olá.

A opinião do Sergio perece-me a mais acertada. Temos o dever de defender toda uma comunidade, sejam utentes ou prestadores de cuidados.

Em Portugal, ainda se tratam as pessoas conforme estatuto... é terrível!

Todos temos direito a ser tratados como individuos. Quer em trabalho, quer como utentes.

Os AAM não têm, neste momento, aceso a diferenciação, mas são parte fundamental da prestação de cuidados. Estão sob a nossa supervisão, mas são muito capazes, na sua maioria, de prestar cuidados.

Vamos fazer Enfermagem ou vamos jogar ao jogo do rato e gato?

Abraço.

Offline x_paulito

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 37
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #8 em: Setembro 08, 2007, 17:39:52 »
As AAM estão legalmente obrigadas ao sigilo profissional. Quer queiramos quer não elas saberão sempre o diagnóstico do utente pois estas informações estão inscritas no quadro da sala de trabalho, onde estas tem livremente acesso. Mais do que lhes vedar a informação é importante elucidá-las sobre os imperativos legais que regem a utilização dessa mesma informação, onde o dever de sigilo profissional se inscreve.
I am the force of nursing

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #9 em: Setembro 08, 2007, 19:53:25 »
Olá,

O que me parece que existe em muitas opiniões de enfermeiros é, pura e simplesmente, uma visão de separação de classes, tão comum ao terceiro mundo que é este nosso país.

Essa insegurança em relação aos auxiliares deve-se a quê?

Compreendo e todos verificamos que os AAM são normalmente recrutados à pressa porque há contratos que terminam e tem de haver quem trate dos doentes, nem que sejam pessoas que vieram das obras para AAM, como sei de casos, ou empregados de mesa, etc... Obviamente que não têm a formação que nós temos para certas questões e que cabe a nós formá-los, se bem que a par de outras integrações, esta seja mais uma e das mais penosas.

Não é possível esconder diagnósticos à equipa que trabalha com o doente, Então, mais vale investir na formação das pessoas.

Eu pessoalmente, considero criminoso que alguns membros da equipa não sejam informados de certos diagnósticos, sobretudo se se trata de doenças contagiosas. As pessoas têm de trabalhar em segurança. É um direito que nenhum de nós pode recusar; quem é capaz de esconder um diagnóstico potencialmente contagioso dos AAM?  de um AAM que não sabe sequer que a regra fundamental é que todo o doente é potencialmente contagioso? Eu não.

O que está errado é não haver formação para as pessoas que vão trabalhar directamente com doentes. O errado é essas pessoas não serem informadas das regras de funcionamento e das sanções aplicáveis.

Também me quer parecer que alguns enfermeiros têm medo dos AAM. Qualquer enfermeiro bem habilitado e seguro naquilo que faz não tem esse receio ( mais uma vez a questão das especialidades...lol). É que ainda não li nenhum artigo em que um AAM tenha violado o sigilo profissional... Normalmente isso é quebrado por outros profissionais, bem mais visíveis...

Abraço.

Offline Raul Fernandes

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 83
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #10 em: Setembro 10, 2007, 14:42:37 »
Maria Rebelo escreveu
Citar
O que me parece que existe em muitas opiniões de enfermeiros é, pura e simplesmente, uma visão de separação de classes, tão comum ao terceiro mundo que é este nosso país.

Essa insegurança em relação aos auxiliares deve-se a quê?

Desculpa Maria, mas uma vez mais tenho que discordar de ti. Não se trata de uma separação de classes. Trata-se de garantir que a pessoa que está a ser cuidada veja respeitada a sua privacidade. E isso só acontece quando os envolvidos no processo são apenas e unicamente os indispensáveis.

Por exemplo: Um doente que aparece nas urgências de um hospital regional (se é que ainda sobra alguma :)) com uma DST e que no processo está descrito que ele foi infectado numa relação extra-conjugal (não era fora do comum). E o AAM até conhece o doente e a família! É fundamental que o AAM saiba esta informação, quando ele não precisa de tomar precauções especiais nem vai trazer ganhos nenhuns ao doente para além dos que já traz normalmente?

Tal como referi no meu post anterior esta restrição não se aplica apenas aos AAM!! Aplica-se igualmente a colegas, médicos e outros profissionais que não estejam envolvidos no processo terapêutico.

É claro que os AAM devem ter mais formação e ser informados de precauções especiais quando é caso disso ou ser lembrados quando não tomam as devidas preocupações. Também não estou a discutir a importância dos AAM na equipa, pois não é isso que está em questão.

x_paulito escreveu
Citar
Quer queiramos quer não elas saberão sempre o diagnóstico do utente pois estas informações estão inscritas no quadro da sala de trabalho, onde estas tem livremente acesso

Caro x_paulito

Acho que isso é algo que devem ponderar no serviço. Em vários serviços onde já passei tomou-se a decisão de não utilizar o quadro exactamente para garantir maior privacidade dos doentes.

Abraço

Offline wmsilva

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 12
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #11 em: Setembro 13, 2007, 15:11:54 »
"Não é possível esconder diagnósticos à equipa que trabalha com o doente, Então, mais vale investir na formação das pessoas."
Também concordo com esta visão. E não se pode brincar "à saúde". Isto acaba quando os processos começarem verdadeiramente a surgir e por causas relevantes. Simplesmente o sigilo profissional é uma obrigação. Haja alguém que explique isto às pessoas, sejam elas de que categoria profissional for.

Offline Mauro Germano

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 2218
    • Ver Perfil
    • http://saudeeportugal.blogspot.com
Re: Sigilo Profissional
« Responder #12 em: Setembro 15, 2007, 04:49:20 »
Há aqui algumas questões que carecem de esclarecimento:
O auxiliar deve ter acesso ao diagnóstico do doente? em minha opinião não. Se deve saber que é necessário um maior cuidado sim. Pode argumentar-se que eles sabem que devem tomar sempre precauções, mas também nós o sabemos(enfermeiros) e não é por isso que nem sempre as tomamos.

A quebra do sigilo profissional deve ser gravemente punida no entanto preciso de saber a vossa opinião e já agora a legislação quanto a um conjunto de casos em particular: Um homem ou mulher toma conhecimento que tem uma DST , por ex, SIDA, será que o conjuge também deve ser informado por nós? ou Será que só o doente terá esse direito (ou mais um dever)?

Offline NiniSF

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 24
    • Ver Perfil
Re: Sigilo Profissional
« Responder #13 em: Setembro 18, 2007, 21:26:52 »
Acho que por muitas conjecturas que se façam sobre se outros grupos profissionais devem ou não ter acesso à informação clinica dos doentes os AAM's, secretárias, etc vão continuar a tê-lo - se não for o quadro de doentes, são os processos que são levados qd os doentes vão fazer exames, as requisições de exames que se levam, os resultados que se vão buscar.
Acontece que muitas fugas de informação dão-se por parte dos médicos e enfermeiros que quebram os códigos deontológicos que juraram cumprir. Já assisti a médicos a discutir casos de doentes psiquiátricos com a funcionátria administrativa. Quantos de vocês nunca contaram ao namorado, mãe, amigo algo sobre um doente em particular.
No meu caso já me aconteceu ser acediada com pedidos de informação sobre visinhos, amigos de amigos e mesmo alguns casos publicos - se não têm coragem de se zangar para negar a informação façam-se de ignorantes, ao fim de algum tempo as pessoas percebem e deixam de perguntar - mas isto inclui toda a gente (maridos, irmãos...). Se precisam mesmo de falar sobre uma situação façam-no sem identificar a pessoa.

Quanto ás AAM elas estão abrigadas a sigilo profissional, tal como nós... só que não organizam congressos sobre o tema!!!!

Quem atira a primeira pedra?...