Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - sidoniofaria

Páginas: [1] 2 3 ... 10
1
Obrigado colega Mauro, pelo cumprimento, é sempre bom voltar ao Forum e às intervenções neste espaço.
Acho que este tópico é um dos muitos que mesmo com o passar do tempo é sempre actual.
 Sou enfermeiro à 19 anos e já nessa altura esta questão era colocada. Cada vez mais temos de ser cuidadosos nas nossas intervenções. Em causa estão muitas coisas: a segurança dos utentes, a vida, a qualidade das intervenções, etc... e o posto de trabalho que cada vez menos é uma certeza...
Abraço :)

2
Olá, de facto no nosso país, o enfermeiro ainda não prescreve, por isso o facto de se ter recusado a administar o injectável não só foi uma decisão responsável como também uma decisão dentro da maior legalidade. Toda a medicação que administramos é susceptível de provocar complicações que possam pôr a vida em risco, sendo injectável esse risco é maior. O facto de se administrar medicação sem indicação/prescrição médica, é o mesmo que dizer o enfermeiro prescreveu o que em termos legais não é possível pelo menos por enquanto. Quando corre tudo bem, o enfermeiro é o maior por outro lado quando acontecem complicações... já se sabe o que acontece... podemos passar um mau bocado... Por isso acho que esteve bem.
A responsabilidade dos cuidados prestados é de quem os presta, para o bem e para o mal.  :)

3
Então? Mais ninguém tem opinião sobres este assunto? :)

4
As unidades de cuidados intensivos são locais onde predominam os procedimentos técnicos em prol das necessidades imediatas de estabilização e manutenção das funções vitais. Ambiente altamente gerador de ansiedade e stress para doentes, familiares e profissionais. A saúde mental dos intervenientes é posta à prova todos os dias. São necessárias medidas que previnam, promovam e recuperem a saúde mental de todos os intervenientes neste cenário.

Neste contexto que intervenções achariam importantes pôr em prática por parte do enfermeiro a nível dos utentes em situação crítica, na família que muitas vezes vive sitações de luto antecipado e a nível da equipa, na prevenção da doença e promoção da saúde mental dos intervenientes.

Espero que todos participem, abraço :)

5
Novidades / Re: Homepage Renovada
« em: Maio 03, 2009, 11:26:03 »
Não posso deixar de dar os meus parabéns. Esta nova home page só de excelente para cima. Parabéns P´edros. :)

6
Olá, tenho um note book, Acer one com o Sistema Operativo Linux, versão Linpus Lite.
Sou utilizador banda larga da TMN, tenho o modem Huawei E220.
Acontece que não consigo aceder à internet com este dispositivo. Ele é reconhecido pelo sistema, aparece nas ligações de rede, contudo o sítio onde deveria teclar "ligar" para efectuar a ligação à net não aparece "marcado". Será que mais alguém tem o mesmo problema?
Em linux sou zero, já consultei outros foruns mas estou na mesma. Será que alguém tem alguma dica que possa ser útil?
Abraço

7
Cuidados Gerais / Re: acoolismo cronico questao
« em: Janeiro 21, 2009, 23:56:32 »
Talvez pelo síndrome de abstinência alcoolica não ser devidamente valorizado por quem está menos desperto para os riscos que daí possam surgir.
Um indivíduo em delirium tremus pode morrer por desidratação se não fôr precocemente e atempadamente hidratado; está mais debilitado em termos imunológicos, daí que uma infecção respiratória poder ser fatal.

8
Só gostava de saber se o ex-colega ou aspirante a colega (que nunca chegou a ser), se depois de tirar a fotografia ao idoso(a), ou melhor ao aquecedor (parece que alguém se preocupou com o conforto da pessoa) e ao saco colector, teve a procupação de alertar alguém para esta situação?
Ou limitou-se só a apanhar o belo momento fotográfico? Ao menos pediu autorização ao "modelo" para fazer esta "bela" fotografia?

9
@jotix
E depois também há aqueles que vêm estes procedimentos menos correctos e que nada dizem na altura, não questionam, não chamam a atenção, por vezes fazem que não vêm, guardando a pedrinha no bolso para jogar num forum de enfermeiros, etc... e então mudam de profissão.

Há que ter a coragem de na hora certa e nos locais próprios, dizer e fazer o que deve ser dito e feito.

10
Só para acrescentar que entendo que o ideal seria que este ESMP, tenha também as competencias técnicas que se exige em ambiente de Cuidados Intensivos e que possa efectivamente prestar cuidados directos. Alguém que já exerce na área e que no seu percurso profissional opta por seguir a ESMP.
Abraço.

11
@Magistral Estratega

Finalmente alguém viu o meu apelo. Obrigado.
Eu entendo que as UCIs habitualmente preocupam-se muito com aspectos tecnicos e isso começa logo à partida com a constituição das equipas (Especialistas Médico-Cirurgica, de Reabilitação e Generalistas), investe-se muito no Know-How e isso é importante sem dúvida nenhuma; em 15 anos de UCI já vi muitos milagres e posso até dizer que acredito neles mas também já presenciei 5 minutos de conversa com um familiar estragar ou pelo menos manchar todo o trabalho de uma equipa.
Se queremos qualidade temos que ser mais abrangentes, temos que ir além dos aspectos técnicos, é preciso investir na Relação, na Comunicação, é preciso cuidar da Saúde Mental da Equipa, atender a Família que vive muitas vezes situação de luto antecipado, é preciso identificar precocemente no doente internado na Uci o Síndrome dos Cuidados Intensivos, temos que ser como ESMP, pivots, supervisores de atitudes, enfim...
Eu entendo que em UCIs faz todo o sentido haver pelo mênos um ESMP por equipa assegurando desta forma as 24.
Neste momento já me encontro a trabalhar no projecto, estou a fezer a revisão sistematica da literatura e tenho tido a oportuniddae de descobrir trabalhos nas nossas bases de dados da Oe que abordam esta temática.

12
Citação de: Herodes
Escusado será dizer que a articulação dos serviços com as escolas poderia ser outra: porque não termos enfermeiros a dar aulas nas escolas (parte do horário no hospital/centro de saúde; parte do horário na escola); Teríamos obviamente que assegurar alguns requisitos (Mestrado ou Doutoramento por exemplo), mas isso impediria o que actualmente se vê: pessoas a falar sobre temas que não dominam minimamente!

Concordo em absoluto com esta visão de Herodes, penso ser fundamental este processo de aproximação entre escolas e locais de exercício numa lógica de locais de reflexão/locais de acção.
É necessário um processo formativo em todos aqueles que têm potencial para orientar alunos ou recém formados na área da supervisão clínica.
http://supervisaoclinicanaenfermagem.wikidot.com

13
Citação de: enfarfr
Os orientadores deviam ser certificados por parte de alguém (Ordem?)... parte pedagógica e científica que está inerente ao processo de orientação de alunos...

Esta certificação (se é que podemos chamar assim) teria que ser feita na minha opinião pelas três partes intervenientes neste processo:
A Escola, a Ordem e pela Instituição (Direcção de Enfermagem) onde o orientador/tutor/supervisor clínico, exerce funções.

E até acho que seria interessante que os colegas com perfil para orientar outros colegas ou futuro colegas, pudessem frequentar cursos na área da supervisão clínica, numa parceria entre Serviços de Saúde e Escolas, numa espécie de "toma lá dá cá" - Nós orientamos mas voçês dão-nos Know-How que detêm sobre Supervisão Clínica.

14
Interessante este tópico lançado por EFerreira.
Já tive a oportunidade ao longo da minha vida profissional de desempenhar estas funções quer a nível da orientação de alunos quer a nível de profissionais recém formados e acho esta tarefa extremamente gratificante.
É a oportunidade de pôr no terreno uma prática reflectida. É pôr no outro um bocadinho de nós próprios que perdurará ao longo da sua vida profissional e para além dela. Tenho 18 anos de profissão e tenho consciencia que sou uma mistura dos que passaram na minha vida profissional, eu sou o Jorge, o Joel, a Noemi, a Ana, Rosário, o Abel, o Evaristo, o Laurindo, o Leonardo e por aí fora. Aprendemos ao logo da vida quer como orientadores de práticas quer como profissionais em desenvolvimento à procura de referências. Essas referências vêm também daqueles que orientamos pois temos também muito a aprender com eles.
Abraço.

15
Citação de: PaulaGomes
Ser Enfermeiro não é para quem Quer... é para QUEM SABE E SENTE!!!

Acrescentaria: é para QUEM SABE, SENTE E FAZ :)

Páginas: [1] 2 3 ... 10