Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - MFC

Páginas: [1]
1
Citação de: Caldas


Empresa de Medicina no trabalho,admite emfermeira,para realizar exames médicos na área da Medicina no trabalho.
Preferencia 1º emprego,boa apresentação,disponibilidade imediata.
Numa 1ª fase em regime de Parte-time. 2ª fase em Full-time.
Prepéctivas de futuro.

Mas afinal é Medicina no trabalho ou Enfermagem no trabalho?????
Talvez a empresa seja de Saude no Trabalho!!!
É que Medicina e Saúde não são sinónimos...



http://www.net-empregos.com/detalhe_anu ... JWwDR4Sv&D

2
Citação de: nelinhans
Fiz há relativamente pouco tempo o Curso de Cuidados Continuados Integrados e pelo que me foi informado no Curso, as Equipas de Cuidados Continuados Integrados são formadas por profissionais de saúde que já trabalham nos Centros de Saúde ou Unidades de Saúde Familiar.

Mas, sinceramente, nunca tinha ouvido falar em Unidades de Cuidados na Comunidade, e sim em Unidades de Cuidados Continuados (UCC) e Equipas de Cuidados Continuados Integrados que fazem Cuidados Continuados no Domícilio, por isso não sei se se refere ao mesmo..  ???   

Clarifico que as Equipas de Cuidados Continuados Integrados, da RNCCI, são multidisciplinares e intersectoriais (Saude e Seg. Social) mas a sua vertente saude, será operacionalizada nos CSP, pela Unidade de Cuidados na Comunidade, uma vez que se tratam de cuidados domiciliarios com necessidade de maior multidisciplinaridade e intensidade. No entanto recomendo a consulta da legislação, uma vez que o ambito de actuação das UCC excede em muito esta vertente dos cuidados  continuados domiciliarios.
Por outro lado, aproveito também para exclarecer que a vertente domiciliaria (mais pontual / aguda), já consignada na carteira das USF, nada tem a ver com a resposta aos utentes da RNCCI não sendo portanto da responsabilidade das ECCI, mas sim das equipas de saude familiar.
Não é tão confuso quanto parece à primeira vista...mas infelizmente os enfermeiros têm andado um pouco arredados das reformas que se estão a fazer na saude.
É por isso da maior importancia que a comunidade de Enfermagam comece a envolver-se e a motivar-se mais por estas questões tão importante e estruturantes para o futuro.
Quer a criação da RNCCI quer a reforma dos CSP, vêm possibilitar uma oferta de cuidados de Enfermagem mais consentaneos com as actuais competencias da profissão, quer com as reais necessidades da população, cada vez mais idosa e com doenças cronicas, onde o objectivo dos cuidados já não é tratar nem curar, mas sim melhor ou manter a independencia na realização das acyividades da vida diaria das pessoas.

3
Enfermagem e Politica de Saúde / Re: UCC e a proposta da OE
« em: Junho 05, 2008, 22:38:29 »
Não posso estar mais de acordo.
Ajudem a construir...sejam parte da solução!

4
Penso que quem deve dirigir os lares, como alias qualquer direcção de instituições similares, será quem tenha formação em gestão ou em area afim.
Os lares são instituições que representam um resposta social que se substitui a residencia dos cidadãos. Não representa uma tipologia de resposta a individuos em situação de dependencia em cuidados de saude.
Infelizmente, no nosso país, só agora começam a surgir essas respostas com a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, a qual constitui uma parceria intersectorial tutelada pela Saude e Segurança Social.
A sua conceptualização, prosupõe o trabalho multidisciplinar na reabilitação e na promoção da autonomia dos utentes, evidenciada com base numa avlaiação integrada e evidenciada num Plano Individual de intervenção(plano de cuidados).
Necessita da Enfermagem do principio ao fim...exceptuando as Unidades de Convalescença, a direcção tecnica pode se assumida por enfermeiros.
Ainda não percebo porque é que os enfermeiros continuam a olhar apenas para os "lares" em vez de também começarem a ajudar a construir este novo pilar do SNS...e olhem que andam mesmo distraidos!

5
Cuidados Gerais / Re: AAM, o seu papel e as suas jornadas e congressos
« em: Fevereiro 23, 2008, 01:43:15 »
Esta discussão parece-me absurda. Então nós estamos preocupados por existirem outros profissionais a querer saber de Enfermagem? Isso só abona a favor da nossa area, que deixa de ser um conhcimento exclusivo dos enfermeiros. Eu sou enfermeiro e tenho conhecimentos de Medicina, Sociologia, Psicologia, Farmacia, Fisioterapia....essa formação ecletica serviu para que podesse ser enfermeiro. E é isso que sou apesar dos conhecimentos. Não tenho outra profissão nem competencia.
Se os auxiliares querem desenvolver-se enquanto profissionais com conhecimentos que não se baseiem unicamente na experiencia, pois que estudem. Que sejam AAM com maiores connhecimentos e maior competencia profissional.
Mas maior competencia para serem AAM.
Eu pela minha parte farei o mesmo na area da Enfermagem...e ando é preocupado em ser um Enfermeiro Competente!

6
Aproveito para esclarecer que nas Unidades de Cuidados Continuados integrados, e é só a essa que me refiro,independentemente da entidade (SNS, IPSS ou Privados), a contratualização é feita para que tenham enfermeiros em permanencia e são finaciados para isso. Relembro apenas que os utentes que essas unidades recebem são pessoas que requerem a continuidade de cuidados de saude pela sua situação de dependencia e reabilitação que promova a autonomia. Se nós enfermeiros não sentimos a necessidade de integrar esta equipa de saude...então que faz? Ou melhor...não faz!
Os Lares são uma resposta social e não de saude. A sua "extensão de resposta" à saude aconteceu face à inexistencia de outras. Mas acredito que o futuro a curto prazo irá corrigir essa falha do Serviço Nacional de Saude, com a Rede de Cuidados Continuados que começa a crescer.

7
Mas a nova Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados ( www.rncci.min-saude.pt )que começou a implementar-se hà meses, vem tentar responder a essa lacuna. Prevê unidades de internamento para reabilitaçaõ ou manutenção. Unidades de cuidados paliativos. Reforço e integralidade na resposta do apoio domiciliario.
Eu penso que muita "gente" a vê como uma oportunidade de desenvolvimento profissional (fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, etc.)...os enfermeiros é que me parece que andam distraidos!

8
Já não sou estudante há alguns anos. Apesar disso ainda me lembro bem como era organizar um ENEE, no qual só iam estudantes de Enfermagem...
Felizmente fiz, com outros colegas da altura, um enorme esforço para que todas as escolas de enfermagem do pais tivessem AE. Só assim foi possivel criar a FNAEE.
A Federação e os ENEE já têm uma historia ...isso enche-nos de orgulho.
Seria até interessante pôr alguns "séniores" a contar aos mais novos como aconteceram as coisas.
Deixo a sugestão.
E olhem, independentemente do local onde se realiza o encontro,  se é em Portugal...é em casa.
Mas porque não sair do litoral e ir para o interior? É uma forma de aumentar o conhecimento dos que ainda não viram mais nada além dos 50 Km de espessura junto à costa. Sou insuspeito porque sou de Lisboa.

9
Cuidados Gerais / Cuidados Continuados Integrados
« em: Abril 25, 2007, 11:58:46 »
Não podemos olhar para os racios como são definidos nos hospitais.
As equipas nas unidades de cuidados continuados são muito mais abrangentes e multidisciplinares:com fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicologos, fisiatras,... os enfermeiros não estão sozinhos a prestar cuidados como acontece na maioria dos hospitais.  8)

10
Cuidados Gerais / Cuidados Continuados Integrados
« em: Abril 10, 2007, 16:03:23 »
Sempre pensei que este tópico viesse trazer alguma discussão no forum...visitas tem tido muitas , mas contributos para discutir quase nenhuns.
Atrevam-se! :o

11
Ensino e Atividades Académicas / Re: esefg forever
« em: Abril 08, 2007, 22:32:34 »
Citação de: "hotvitor"
Caro "caloiro", eu sou do eterno 3º CLE da tua escola, aquela será sempre a escola mais inovadora e com mais tradição no nosso país: Escola Superior de Enfermagem de Francisco Gentil.
Lembra-te: enquanto houver um graduado da nossa escola, ela existirá SEMPRE!


Um bocadinho exagerado...mas enfim, tb é a minha escola. a diferença é que já  lá andei há uns 16 anos!
 8)

12
Penso que tem toda a razão...

A exclusão de outros contextos, que não só o utente na familia, pode fazer-nos afastar do que mais rico temos no nosso "core": o grande contributo que podemos dar para uma efectiva promoção da saude.

Centrar-mo-nos na pessoa parece-me uma evidencia redonda e sem mais valia para a discussão - é obvio.

Mas a pessoa, ou pessoas, encontram-se em varios contextos e para além da parte penso que a Enfermagem pode dar um grande contributo para o todo, sendo que esse trabalho é maior do que a simples soma de cada uma delas.

Os nossos utentes contextualizam-se na familia, mas também com os amigos, na escola , no trabalho, na intervenção civica.... e em cada papel podem estar expostos a factores de risco diferentes e necessitarem de desenvolver diferentes competencias para elevarem o seu status de saude.

Para mim, que sou de Saude Comunitaria, ignorar o trabalho de intervenção de enfermagem nas comunidades parece-me um retrocesso e temo mesmo que seja um mero "novoriquismo".

Qual será a próxima profissão que ficará desta vez com mais esta area que vamos abandonar?

13
Cuidados Gerais / Cuidados Continuados Integrados
« em: Março 09, 2007, 15:34:21 »

14
Cuidados Gerais / Cuidados Continuados Integrados
« em: Março 09, 2007, 01:31:42 »
Não consigo encontrar nada sobre este assunto...estarão os enfermeiros deste país a deixar passar ao lado esta nova resposta  emergente do Serviço Nacional de Saude com a Segurança Social?

Páginas: [1]