Autor Tópico: Quantos de nós estamos desempregados, e quantos de nós temos mais que um emprego  (Lida 12458 vezes)

Offline enfpark

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 84
    • Ver Perfil
    • http://www.trabalhosdeenfermagem.com/
São constantes as mensagens aqui colocadas sobre enfermeiros no desemprego, no entanto a realidade que eu conheço não o confirma. É verdade que demoram um pouco mais a arranjar emprego, assim como é verdade que nem sempre é na região onde se pretende.
Pelo que eu gostaria de aqui perceber quantos de nós estamos na realidade desempregados, e quantos de nós temos mais que um emprego.
Site dedicado a trabalhos de enfermagem grátis...
http://www.trabalhosdeenfermagem.com/

Offline enfpark

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 84
    • Ver Perfil
    • http://www.trabalhosdeenfermagem.com/
Empregado
Apenas num local
Site dedicado a trabalhos de enfermagem grátis...
http://www.trabalhosdeenfermagem.com/

Offline enfpaty

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 180
    • Ver Perfil
desempregada ha 2 meses, após 12 meses de serviço
"Loucos são aqueles que me chamam louca por não terem inteligência suficiente para a minha loucura."

Offline luciacoelho2225

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 104
    • Ver Perfil
Desempregada desde Janeiro depois de 22 meses de serviço (18 a recibos verdes).

Offline *Anisa*

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 11
    • Ver Perfil
Empregada num hospital da área de trás-dos-montes.
Saí há 4 anos estive durante 6 meses desempregada, depois trabalhei para uma clínica mas era tal a exploração..depois 13 meses em espanha e 3 num cat, agora presentemente 18 meses num hospital porque foi por cunha embora nem sequer pertença a minha área geográfica..

Offline Enfª_Bé

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 16
    • Ver Perfil
Licenciada e desiludida. Há um ano precisamente.
Zero de experiência profissional  :-

O tema da multiplicação dos postos de trabalho para alguns enfermeiros é um tema ao qual sou um tanto sensível porque talvez...só talvez...uma das vagas que um enfermeiro ocupa pudesse ser ocupada por um outro enfermeiro, um que estivesse desempregado ou quem sabe...um recém-licenciado.

Eu já nem me considero recém-licenciada. Um bebé com um ano de idade já não é um recém-nascido. Assim, decidi tratar dos trâmites legais para "fugir" daqui...porque não me vejo com futuro aqui. E antes de desistir, antes de dar em maluca...tenho de tentar...

Desculpem o desabafo.

Bom fim-de-semana :)

Offline luciacoelho2225

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 104
    • Ver Perfil
Compreendo a colega, eu como já referi também estou desempregada. Mas entendo os colegas que têm mais k um emprego, é certo que algum abusam e chegam a um ponto em que já nem sequer conseguem desempenhar as suas funções de forma correcta pois é impossível, mas tendo em conta o que ganham alguns enfermeiros compreendo que isso não chegue.
Penso que pior que isso são os voluntários em enfermagem, mas uma vez mais não condeno porque sei que muitos o fazem para ganhar exp e com esperança de que isso os ajude a ter um emprego...

Offline José Dores

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 22
    • Ver Perfil
Eu tenho um trabalho desde há 2 anos e estive 2 meses sem fazer nada depois de terminar o curso.

Fui já convidade cerca de 10 vezes para ir para um segundo trabalho mas respondo sempre o mesmo, não poderei aceitar por uma questão de principio, o dinheiro é sempre bem vindo mas existem pessoas que não ganham nada. Eu acho mesmo imoral a posição das pessoas que têm duplo. Acho que as pessoas que têm duplo deveriam ser obrigadas a demitir-se até que todos os enfermeiros tenham pelo menos um trabalho e deveriam ser expulsos do sindicato caso sejam sócios... porque falar é fácil, exigir melhorias na profissão na conversa de café é simples, mas ter moral e ter principios que resistam é que é mais dificil.

existem pessoas que recebem o salário minimo, e sobrevivem, não é argumento válido dizer que o salário a rondar o salário médio nacional (1000 euros) não é suficiente paras as despesas... então foi porque a pessoa quis viver uma vida que não correpondia às suas possibilidades.

Desculpem a minha opinião tão severa mas é mesmo isto que penso... o coorporativismo na enfermagem tem mesmo de surgir... estes oportunismos reles são nojentos... todos queremos ganhar mais, tal como merecemos pelo nosso grau de escolaridade, pelas 8 horas diárias que trabalhamos, não queremos ganhar mais fazendo mais horas... e com gente a vender-se facilmente ou a desistir de principios com facilidade nunca lá chegaremos.

Offline luciacoelho2225

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 104
    • Ver Perfil
Não concordo com o colega, apesar de estar desempregada e de nunca ter tido duplos.
No meu antigo emprego ganhava 800 e poucos euros, tendo um empréstimo de estudante (a única forma de ter conseguido tirar um curso) de 380 ficava com pouco mais de 400 euros.
Penso que todos temos direito à nossa opiniao, mas devemos igualmente respeitar as dos outros e não ser tão extremistas e radicais.

Offline Mauro Germano

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 2218
    • Ver Perfil
    • http://saudeeportugal.blogspot.com
Cuidado com o "fassismo"...

Esta de fazer duplo emprego é nojento é sempre engraçado. As pessoas têm liberdade e escolhem o que bem entender. Talvez quando tiverem filhos os princípios se invertam e deixem de pensar assim.

Enfim... Eu duvido sempre destes altruístas, convém sempre analisar o contexto de cada um mas isto de acreditar que alguém não aceita um 2º emprego por causa do desemprego de outros soa-me sempre a outros motivos.

Eu por exemplo não faço 2º emprego porque não teria tempo para me dedicar a outras coisas, não pela solidariedade, sou pior pessoa?
Impor solidariedade é do pior que existe e há que pensar o que leva alguém a aceitar ter 2 empregos...

Offline José Dores

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 22
    • Ver Perfil
Citação de: Mauro_G
Cuidado com o "fassismo"...

Esta de fazer duplo emprego é nojento é sempre engraçado. As pessoas têm liberdade e escolhem o que bem entender. Talvez quando tiverem filhos os princípios se invertam e deixem de pensar assim.

Enfim... Eu duvido sempre destes altruístas, convém sempre analisar o contexto de cada um mas isto de acreditar que alguém não aceita um 2º emprego por causa do desemprego de outros soa-me sempre a outros motivos.

Eu por exemplo não faço 2º emprego porque não teria tempo para me dedicar a outras coisas, não pela solidariedade, sou pior pessoa?
Impor solidariedade é do pior que existe e há que pensar o que leva alguém a aceitar ter 2 empregos...

O motivo é simples caro amigo... se decidir ser um membro activo no sindicato... coisa que pondero seriamente quero ser insento... já representei algumas causas e ideias e é sempre esta a minha posição... e já agora fica a saber que tenho uma filha e terei outro se tudo correr bem... não penso fazer duplo... o dinheiro que tenho é este e mais nenhum... o que eu quero é que todos os enfermeiros ganhem dignamente e poderem passar tempo com as suas familias, com as pessoas significativas das suas vidas mais nada... já desconfiaram muitas vezes dos meus principios por vezes levados ao extremo, coisa invulgar em portugal, mas já estou habituado.

Eu tenho consciência que as pessoas vivem dificuldades e sei que por vezes começamos projectos de vida que levam a situações que não contamos e vemo-nos obrigados a fazer o que não queremos, mas muitas vezes tudo isto passa por um estatuto social que as pessoas querem ter e colocam principios de parte para chegar lá, não será com toda a certeza o caso de todos os colegas que têm duplo mas muitos acretido que sim.

Offline José Dores

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 22
    • Ver Perfil
Citação de: luciacoelho2225
Não concordo com o colega, apesar de estar desempregada e de nunca ter tido duplos.
No meu antigo emprego ganhava 800 e poucos euros, tendo um empréstimo de estudante (a única forma de ter conseguido tirar um curso) de 380 ficava com pouco mais de 400 euros.
Penso que todos temos direito à nossa opiniao, mas devemos igualmente respeitar as dos outros e não ser tão extremistas e radicais.

Ninguém aqui leu que eu não respeito as opinões diferentes da minha... aquela é a minha, é extremista, é radical... mas é a minha... só a de UM enfermeiro, a da maioria não é igual, será mais moderada claro, mas eu não vim aqui escrever a opinião da maioria, escrevi a minha, que é esta.... mas a ideia de ser radical neste ponto é levar a que todos se esforcem no sentido de exigir um salario digno aos governantes e não andar a procurar soluções particulares.

Offline luciacoelho2225

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 104
    • Ver Perfil
Concordo com o colega mas deve concordar também que nos dias de hoje já é dif+icil arranjar um emprego quanto mais exigir que este seja pago como no público, por exemplo.
Sou muito mais contra aceitar proposta a preços ridículos.
Se o colega tem um filho e vai ter outro só lhe posso dar os meus parabéns, mas deve entender que com um salário de 800 e poucos euros, por exemplo, tal seria muito complicado.
O colega trabalha no sector público? Faz horas extraordinárias? É que pelo seu ponto de vista posso depreender que os colegas que fazxem horas extraordinárias também não o deveriam fazer pois assim seriam contratados mais enfermeiros.

Offline José Dores

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 22
    • Ver Perfil
Até há pouco tempo fazia horas por imposição do serviço, coisa que não me agradava, até porque depois de feitas as contas o dinheiro que recebia efectivamente dessas horas era ridiculo comparado com as horas que me retiravam para estar com a minha filha e familia, agora faço horário fixo, em cuidados de saúde primários, por questões familiares e por gosto pessoal... eu entendo tudo isso, sem dúvida, é muito complicado, mas no nosso caso a enfermagem vai ter o que merece quando soubermos todos falar a uma voz e unirmo-nos... quando isso acontecer temos o que quisermos, o sistema de saúde depende mais de nós do que de qualquer outro profissional... ninguém deveria aceitar menos do ordenado aceite como sendo o normal para a enfermagem, mas entendo que muitas vezes quem termina um curso ou fica desempregado necessita de um trabalho urgentemente e 800 euros é muito melhor que nada...

Offline R_M_R

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 42
    • Ver Perfil
Colega José Dores, permita-me uma questão? Trabalha numa USF em plano B??