Autor Tópico: Enfermeiro alemão condenadado por eutanásia em idosos  (Lida 4059 vezes)

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
Enfermeiro alemão condenadado por eutanásia em idosos
« em: Novembro 20, 2006, 16:49:09 »
Um enfermeiro alemão foi condenado a prisão perpétua por ter administrado injecções letais a 28 pacientes de um hospital da Baviera, na sua maioria idosos, avançou a BBC.

De acordo com o tribunal de Kempten, onde foi julgado, Stephan Letter, de 28 anos, foi considerado culpado ainda de homicídio em 15 outros casos e num outro de eutanásia.

O indivíduo é já considerado o maior serial killer alemão desde a II Guerra Mundial.

As primeiras suspeitas sobre as mortes ocorridas no hospital de Sonthofen começaram em Fevereiro de 2003, onde Letter começou a trabalhar em 2003. As mortes só terminaram com a sua detenção, em Julho de 2004.

Segundo o juíz Harry Rechner, que dirigiu o caso, Letter acreditava estar a contribuir para terminar com o sofrimento das vítimas - motivação que serviu aos seus advogados para fundamentar a defesa. Contudo, Rechner realçou que as provas mostraram que ele «estava interessado apenas de forma superficial no estado de saúde dos doentes».

De acordo com testemunhos recolhidos pelo tribunal, apesar de maior parte das vítimas terem sido pessoas idosas, algumas tinham apenas cerca de quarenta anos e não se encontravam num estado de saúde preocupante.

A investigação iniciou-se depois da polícia ter sido informada do desaparecimento de diversos medicamentos. De acordo com a agência Reuters foi apurado que o homem de 28 anos roubou diversas doses de um tranquilizante e de um relaxante muscular que, usados de forma combinada, causam a morte.



in: http://www.portugaldiario.iol.pt/notici ... div_id=291


Concorda com a eutanásia em casos de grande dependência, má qualidade de vida e mau prognóstico? Assunto muito delicado...

Contribui com a tua opinião
[/b]

Offline Roten_Boy

  • Administrador
  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1076
    • Ver Perfil
    • http://www.forumenfermagem.org
Enfermeiro alemão condenadado por eutanásia em idosos
« Responder #1 em: Novembro 20, 2006, 19:30:18 »
O nome Letter lembra-me o Canibal Letter do Silêncio dos inocentes...:oops:
Voltando ao assunto...
A eutanásia é de facto um assunto complicado, mas também um assunto bastante discutido.

Comecemos por definir o que é a Eutanásia:

Citação de: "pt.wikipedia.org"
Eutanásia (do grego ????????? - ?? "bom", ??????? "morte") é a prática pela qual se abrevia, sem dor ou sofrimento, a vida de um enfermo incurável. A eutanásia representa atualmente uma questão de bioética e biodireito. Algumas pessoas acham errado matar uma pessoa, mesmo que essa pessoa esteja a passar por um terrível sofrimento e queira morrer por vontade própria.

Independentemente da forma de Eutanásia praticada, seja ela legalizada ou não, é considerada como um assunto controverso, existindo sempre prós e contras – teorias eventualmente mutáveis com o tempo e a evolução da sociedade, tendo sempre em conta o valor de uma vida humana. Sendo eutanásia um conceito muito vasto, distinguem-se aqui os vários tipos e valores intrinsecamente associados: eutanásia, distanásia, ortotanásia, a própria morte e a dignidade humana.

Antes de mais, é importante referir que se podem “classificar” dois tipos de eutanásia, a "eutanásia ativa" e a "eutanásia passiva". Embora existam duas “classificações” possíveis, a Eutanásia em si é o ato de facultar a morte sem sofrimento, a um indivíduo cujo estado de doença é crônico e, portanto, incurável, normalmente associado a um imenso sofrimento físico psíquico.

A "eutanásia ativa" conta com o traçado de acções que têm por objectivo pôr termino à vida, na medida em que é planeada e negociada entre o doente e o profissional que vai levar e a termo o ato.

A "eutanásia passiva" por sua vez, não provoca deliberadamente a morte, no entanto, com o passar do tempo, conjuntamente com a interrupção de todos e quaisquer cuidados médicos, farmacológicos ou outros, o doente acaba por falecer. São cessadas todas e quaisquer ações que tenham por fim prolongar a vida. Não há por isso um ato que provoque a morte (tal como na Eutanásia Ativa), mas também não há nenhum que a impeça (como na Distanásia).

É relevante distinguir eutanásia de "suicídio assistido", na medida em que na primeira é uma terceira pessoa que executa, e no segundo é o próprio doente que provoca a sua morte, ainda que para isso disponha da ajuda de terceiros.




Uma pessoa religiosa pode ficar dividida em duas opiniões:
- exemplo do catolicismo que o colocar termo à própria vida é pecado;
- compreender a agonia interminável do outro... e colocarmo-nos no lugar dele;


No entanto concordo dentro de certas linhas muito reservadas a eutanásia, mas, mesmo concordando, não era capaz de ser eu o agente dessa acção. Acho que grande parte das pessoas que concordam com a eutanásia, não seriam capazes de a executar mesmo concordando.

Aqui fica uma chamada "Máquina de Eutanásia":