Autor Tópico: «Prós e Contras» sobre «O Resultado das reformas da Saúde» exclui enfermeiros  (Lida 1403 vezes)

Offline cavaco

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 165
    • Ver Perfil
«Prós e Contras» sobre «O Resultado das reformas da Saúde» exclui enfermeiros dos intervenientes de palco

A Ordem dos Enfermeiros teve conhecimento que no programa «Prós e Contras» que irá para o «ar» esta noite (12 de Abril), os seis convidados que estão no palco pertencem ao mesmo grupo profissional, indo intervir a título individual e não em nome de nenhuma instituição ou organismo.

Esta opção recai na independência e na liberdade da produção do programa em convidar as pessoas que considerar pertinentes, liberdade essa que não questionamos.

Contudo, num programa que se pretende plural, não transmitir aos telespectadores a visão do conjunto de profissionais que diariamente dão o seu contributo para o sistema de saúde e limitar tal contributo em exclusivo a participantes de um só grupo profissional é, em nosso entender, uma opção baseada numa visão restritiva dos cuidados e das organizações de saúde, contrariando a visão plural que se anuncia.

No caso do programa de hoje – e uma vez que a opção da produção do programa foi a de não ter intervenções institucionais – aqui deixamos o nosso protesto e lamentamos profundamente que para os intervenientes no palco não tenham sido convidados enfermeiros que trabalhem num centro de saúde, num serviço de urgências ou numa maternidade. Certamente que as suas opiniões enriqueceriam o debate.

Recordamos que os enfermeiros são o maior grupo profissional da saúde (cerca de 60 mil) e que actuam com autonomia e em complementaridade com os outros membros da equipa de saúde.

A Ordem dos Enfermeiros espera que, numa próxima oportunidade, a produção do «Prós e Contras» aposte numa visão mais ampla e integradora, dando voz àqueles que no seu dia-a-dia são o suporte das organizações de saúde e da continuidade dos cuidados – os enfermeiros.


http://www.ordemenfermeiros.pt/index.ph ... hlight=982


NÃO PODERIA ESTAR MAIS DE ACORDO COM A ORDEM DOS ENFERMEIROS.
FINALMENTE, A NOSSA ORDEM VAI DANDO CLAROS SINAIS DE VIDA.
CONTINUEM ASSIM, ESTÃO NO BOM CAMINHO

Offline Enfermacy

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 372
    • Ver Perfil
Alguém teve oportunidade de ver o programa? Foi pertinente? Opiniões ??? Acrescentou algo?


Desde já muito obrigada!
Enfermacy, ao seu dispor!

Offline Vitor A.

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 512
    • Ver Perfil
Monopolizado pela vertente médica!
No reencaminhamento de mail´s, Por Favor Usem Cco. ou Bcc (Cópia Oculta)
" Retire os endereços dos amigos antes de reenviar "
" Dificulte a disseminação de vírus e spams "
" Proteja a sua privacidade e a dos Outros

Saudações. Vitor A. :)

Offline TeEnf

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 188
    • Ver Perfil
Tipico...tive pena de não ver, mas dps daquela entrevista que a ministra deu e à qual não houve reação até tenho medo da próxima vez que envolverem a palavra "enfermeiros" na comunicação social...pelos vistos ainda ninguém sabe que sem enfermeiros o mundo da saúde não existe...

Offline aNdR3

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1636
    • Ver Perfil
E porque não se organizam membros de cargos altos ou mesmo responsáveis dos Sindicatos ou mesmo OE e participam nesse tipo de programas? Ir ao telejornal? Dar entrevistas? Conferências? Não sei, mas a verdade é que não se vê a participação nem discussão da Enfermagem nessas coisas e a sociedade torna-se também ignorante porque não tem muitas vezes o ponto de vista dos próprios enfermeiros mas sim, se for preciso, de todas as outras classes e mesmo opinião pública geral depois discutida.
[size=80]Quem atribui à crise os seus fracassos e penurias, violenta o seu próprio talento e respeita mais os problemas do que as soluções. A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a negligência para encontrar as saídas e as soluções. Sem crise não há desafios, sem desafios a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há méritos. É na crise que surge o melhor de cada um, porque sem crise todo o vento é uma carícia. Falar da crise é promove-la e calar-se na crise é exaltar o conformismo. Em vez disto, trabalhemos duro, acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar por superá-la.

Não pretendamos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo.
[/size]

Offline TeEnf

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 188
    • Ver Perfil
Citar
E porque não se organizam membros de cargos altos ou mesmo responsáveis dos Sindicatos ou mesmo OE e participam nesse tipo de programas? Ir ao telejornal? Dar entrevistas? Conferências? Não sei, mas a verdade é que não se vê a participação nem discussão da Enfermagem nessas coisas e a sociedade torna-se também ignorante porque não tem muitas vezes o ponto de vista dos próprios enfermeiros mas sim, se for preciso, de todas as outras classes e mesmo opinião pública geral depois discutida.

concordo plenamente, aliás, isso é uma necessidade...mas...ainda deve tar pra nascer alguem que faça isso. Nem a comunicação social convida enfermeiros, nem nós nos vamos apresentar nas instalações deles  :(

A ultima vez que vi muitos enfermeiros na TV, foi pelo natal no "prۍo certo"...enfim...

Offline aNdR3

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1636
    • Ver Perfil
Ai sim, mas para isso, e mesmo a sociedade no geral, para isso "estamos" todos disponíveis.

Continuo a questionar-me porque "ficamos" nós sempre à espera de convites e iniciativas de outros para fazermos algo por nós, algo que é para nós, onde está a iniciativa? Incute-se a pro-actividade e dinamismo mas não se pratica. E nós, "os que estamos cá em baixo" não temos nem poder nem influência para tal, e os que são possuidores de tais faculdades, não fazem uso delas, ou pelo menos não se percepciona.
[size=80]Quem atribui à crise os seus fracassos e penurias, violenta o seu próprio talento e respeita mais os problemas do que as soluções. A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a negligência para encontrar as saídas e as soluções. Sem crise não há desafios, sem desafios a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há méritos. É na crise que surge o melhor de cada um, porque sem crise todo o vento é uma carícia. Falar da crise é promove-la e calar-se na crise é exaltar o conformismo. Em vez disto, trabalhemos duro, acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar por superá-la.

Não pretendamos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo.
[/size]

Offline NunoUKnurse

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 186
    • Ver Perfil
    • http://www.diasporadosenfermeiros.com
Ora, esta resposta da Ordem diz tudo. Quando se pensa em convidar alguem para falar em nome individual sobre este topico, certamente que ninguem pensaria convidar esta sra Bastonaria....

Pena e que a nossa representatividade Social esteja de tal modo que nenhum nome se realce quando se discute saude...