:D Trata-se (para os que ainda não receberam a carta) da NOSSA possibilidade de in" />

Autor Tópico: Uma boa iniciativa da OE (não pode ser tudo mau)  (Lida 1211 vezes)

Offline Luffy

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 92
    • Ver Perfil
Uma boa iniciativa da OE (não pode ser tudo mau)
« em: Novembro 29, 2009, 11:20:28 »
Caras(os) colegas, qual não foi o meu espanto quando na semana passada, ao abrir uma carta da ordem, esperando a "contita" mensal, me deparei com uma bela folha de papel, com, finalmente, uma boa iniciativa da OE!!  >:D

Trata-se (para os que ainda não receberam a carta) da NOSSA possibilidade de intervir e dar uma opinião NO QUE DIZ RESPEITO À NOSSA PROFISSÃO! Quando nos queixamos que eles não se mexem (e muitas vezes não), decidiram agora dar-nos a palavra quanto á definição de competências do Enfermeiros Especialistas e que Especialidades devem existir!!!

Ou seja, dado que cabe a nós, até dia 10 de dezembro na primeira fase, dar a opinião sobre que especialidades estão a mais ou que faltam e são efectivamente necessárias aos portugueses, queria lançar a discussão sobre que especialidades devem ou não ser criadas e quais as competências dos enfermeiros especialistas!!!!     :D :D

Podem informar-se melhor aqui:    http://www.ordemenfermeiros.pt/index.ph ... hlight=874

aquele abraço

Offline Luffy

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 92
    • Ver Perfil
Re: Uma boa iniciativa da OE (não pode ser tudo mau)
« Responder #1 em: Novembro 29, 2009, 18:01:26 »
Talvez não me tenha exprimido com a claridade necessária...

A ideia deste tópico é de todos participarem com a SUA opinião do que devem ser as competências de enfermeiro especialistas e que especialidades ACHAM que devia haver!!!   ;D

Aquele abraço

Offline JoanaRibeiro

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 25
    • Ver Perfil
Re: Uma boa iniciativa da OE (não pode ser tudo mau)
« Responder #2 em: Novembro 29, 2009, 18:07:03 »
Do pouco que me permito dissertar sobre o assunto, penso que as especializações em portugal são demasiado latas, o que não permite uma real especialização. Estas deveriam possibilitar que os enfermeiros se tornassem peritos em áreas cada vez mais específicas, acompanhado de um saber académico que sustente as suas práticas.

Por exemplo a criação de uma especialização em cuidados intensivos ou até mesmo em cardiologia, dá sem dúvida melhor resposta do que uma especialização em médico-cirúrgica. Ou mesmo a grande diferença entre a intervenção em cuidados de saúde diferenciados e primários.

Penso que esta foi uma boa iniciativa, se deixar, de facto, espaço para as sugestões apresentadas.