Autor Tópico: Úlceras de pressão  (Lida 3521 vezes)

Offline Shirley Afonso

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 241
    • Ver Perfil
    • http://spaces.msn.com/shafonso/
Úlceras de pressão
« em: Fevereiro 23, 2006, 05:58:43 »
O melhor tratamento das úlceras de pressão, também conhecidas como úlceras de decúbito ou escaras, é a PREVENÇÃO!


Deverão ser fornecidos orientação adequada e estímulo aos clientes, por meio de abordagem interdisciplinar.
quot;Todo o bem que pudermos fazer, toda a ternura que pudermos dar a um ser humano, que o façamos agora, neste momento, porque não passaremos duas vezes pelo mesmo caminho."

Offline Shirley Afonso

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 241
    • Ver Perfil
    • http://spaces.msn.com/shafonso/
FALANDO DO BRASIL
« Responder #1 em: Fevereiro 23, 2006, 06:02:58 »
A autodisciplina do próprio paciente, como, por exemplo, do portador de lesão medular, ao avaliar diariamente regiões anatômicas favoráveis à formação de úlcera de pressão, pode evitar sua ocorrência ou complicações.
quot;Todo o bem que pudermos fazer, toda a ternura que pudermos dar a um ser humano, que o façamos agora, neste momento, porque não passaremos duas vezes pelo mesmo caminho."

Offline Shirley Afonso

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 241
    • Ver Perfil
    • http://spaces.msn.com/shafonso/
FALANDO DO BRASIL
« Responder #2 em: Fevereiro 23, 2006, 06:13:21 »
Estudo de caso

P.E.R., 42 anos, sexo feminino, com desnutrição e desidratação grave há 23 dias, paraplégica há 6 anos, por trauma completo da quinta vértebra torácica (T5). Diabética insulino-dependente, hipertensa controlada, obesa. Há 8 meses apresenta úlcera de pressão refratária em região sacro-glútea. Está recebendo soroterapia endovenosa 1L ao dia, apresenta membros edemaciados.

Exame da lesão:
Ulcerações na região sacro-glútea, estágios II e III, com área de necrose superficial na projeção isquiática esquerda, no períneo e bolsa escrotal. A dimensão da lesão era 20x7x0,3 cm. A ferida não estava infectada e apresentava pouca secreção sero-sanguinolenta.

Qual a conduta no curativo?
quot;Todo o bem que pudermos fazer, toda a ternura que pudermos dar a um ser humano, que o façamos agora, neste momento, porque não passaremos duas vezes pelo mesmo caminho."

Offline pedrojosesilva

  • Administrador
  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1883
    • Ver Perfil
    • http://www.forumenfermagem.org
Úlceras de pressão
« Responder #3 em: Fevereiro 23, 2006, 18:28:21 »
@Shirley

Conduta no Curativo

Primeiro, o caso que apresentas tem algumas incongruências:

Citar
P.E.R., 42 anos, sexo feminino,.....

....área de necrose superficial na projeção isquiática esquerda, no períneo e bolsa escrotal


estamos a falar de algum trans-sexual???? Mesmo assim...

Bom, passando à frente, qualquer que seja o sexo deste paciente, uma coisa é certa, deve-se começar por gerir um regime dietetico eficaz, que se não houver nada de contrario, poderá ser hipercalorico e hiperproteico.

A localização sacro-coccigean com projecção isquiatica da úlcera (nunca vi uma extensão desse tipo) , deixa pressupor que a doente deve alternar decubitos insistindo mais nos laterais, uma vez que as zonas trocantericas ainda não estção afectadas, e não ser possicionada em Fowler ou Fowler elevado, uma vez que isto faz com que aumente a pressão ao nivel isquiatico. Um esquema de posicionamentos com frequência ajustada às necessidades do doente deverá ser adoptado.

A consciência e capacidade nociceptiva da doente deverá ser avaliada, para instituição de analgesia. Se tiver sensibilidade, a paciente poderá ser ensinada a colaborar com a equipe nos posicionamentos, uma vez que consegue utilizar os membros superiores.

Quanto ao tratamento da ferida, não apresentas informações suficientes.
 Sei que é de grau II a II e tem 0,3 cm de profundidade, mas o leito da ferida encontra-se em granulação? ou não? apresenta ou não fibrina? etc....

A hidratação também é importante, assim como a colocação de uma algalia de silicone, para evitar ao máximo que a doente se urine e molhe a zona afectada. A vigilância de dejecções é importante, assim como proteger a ferida do contacto com fezes. A dieta também é importânte, evitando alimentos que tornem as fezes acidas. A doente se estiver consciênte também pode colaborar pedindo ajuda quando tiver dejecções.

assim de momento, acho que é tudo.

Cumps!