Autor Tópico: Documentação do Tratamento de Feridas  (Lida 13600 vezes)

Offline ruienf

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 241
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« em: Maio 15, 2005, 22:47:03 »
A realidade com que tenho contactado aponta para uma diversidade de métodos e suportes de registo de dados relativos ao tratamento de feridas.

No entanto, é frequente que esses suportes não sejam eficazes a registar os dados considerados relevantes pelos organismos nacionais e internacionais ligados ao tratamento de feridas.

Deste modo, convido-vos a partilhar o(s) suporte(s) de informação que utilizam nos vossos serviços para registar os dados resultantes da prática no tratamento de feridas.
Rui Pedro Silva

Offline admin

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 29
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #1 em: Maio 21, 2005, 00:11:15 »
achei esteptema bastante interessante na medida em, que desde que iniciei o meu estágio contactei com dois modelos diferentes quase diametralmente opostos...

num serviço em que estive n se fazia registos especificos em relação as feridas.
registava-se sim a relização de um penso na ferida tal no local x com as caracteristicas y, inserido-se este registo nas notas de enf.

agora estou noutro hospital noutro serviço e temos uma folha de registo especifica para este tema...
embora este tipo de registo  esteja inserido num plano de prevenção de ulceras de pressão e só se usar neste caso, penso ser um a ferramenta de trabalho pois revela exaustivamente tudo o k foi feito, como e pq para quem consultar este registo...

vantagems: n sobrecarrega tanto as notas de enfermagem com procedimentos, materiais usados etc etc
desvantagms de um registo especifico para taratamento de feridas: para alem de adr mais trabalho...nao vejo...

Offline nunotavares

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 700
    • Ver Perfil
    • http://www.enfermeiro-de-anestesia.blogspot.com
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #2 em: Maio 21, 2005, 12:32:04 »
Pelos locais de estágio onde tenho passado o registo em folha anexa às notas de enfermagem, e claro está tem vantagens e desvantagens, no entando considero que os apectos positivos superam os negativos e em folha anexa o profissional acaba por ter uma noçã de continuidade dos cuidados muito mais clara e objectiva!

Aguardemos pela CIPE e pelos registos informáticos....aí sim as coisas serão mais simples....ou talvez não...para alguns....

Um abraço,

Offline admin

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 29
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #3 em: Agosto 08, 2005, 18:37:49 »
caros colegas, relativamente aos registos de enfermagem sobre feridas, o que tenho tido a oportunidade de assistir e uma diversidade muito grande de Instituiçao para Instituiçao. E urgente uniformizar criteriso, assentes em evidencias clinicas e com uma linguagem uniforme. Assim, existem hoje, pelo menos 2 ferramentas disponiveis para download e validadas para Portugal, de registo da evoluçao cicatricial de ulceras de pressao. Estao disponiveis no site www.gaif.net. Vao la e disseminem a informaçao. Quant o a CIPE, espero que seja uma mais valia, mas começa mal nesta tematica. Como e possivel um insturmento tao importante para a Enfermagem assentar a avaliaçao do risco de desenvolvimento de ulceras de pressao numa Escala ( Escala de Norton) que nem sequer esta validada para Portugal e cuja utilizaçao e minimizada pela propria autora. Junto envio anexo para consulta que peço fique disponivel para disseminar possiveis mas interpretaçoes.
Peço-vos, assentem a pratica em evidencias e nao em carolices.
Um abraço,
Joao Gouveia

Offline filomena

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 11
    • Ver Perfil
enf. em tratamento de feridas
« Responder #4 em: Agosto 09, 2005, 10:21:43 »
No meu modesto entender penso que seria necessário uniformizar procedimentos e registos pois em três estágios que já fiz em sítios diferentes observei e pratiquei procedimentos e registos diferentes.

P 8O ara nós estagiários é um pouco complicado pois para além de verificar que existem lacunas entre o que nos é ensinado na escola e o que vemos na realidade com a prática que é exercida em cada campo de estágio deixa-nos um pouco baralhados.

 O que verifiquei no meu dia a dia no campo de estágio o qual  deve ser uma escola com exemplos a seguir , verifiquei que em muitos casos a teoria não é posta em prática. e que existem instituições em que tudo é importante e levado muito a sério , tudo é registado e analizado e noutras simplesmente se faz o penso e o doente vai embora registando numa folha de registos ou notas de enfermagem que se realizou o penso.

desta forma é propício criar determinados vício e ás vezes fiquei um pouco desiludida, pois no meu entender quem abarca esta profissão é por uma vocação muito forte de ajudar o proximo, gostar do que se faz e dedicar-se de corpo e alma tentando cada vez fazer mais e melhor.

Offline PatriciaNicolau

  • Iniciante
  • *
  • Mensagens: 1
    • Ver Perfil
tratamento de feridas
« Responder #5 em: Novembro 25, 2005, 12:54:37 »
Trabalho no serviço da medicina do Hospital do barlavento Algarvio, no nosso serviço utilizámos o registo das feridas em folha anexa aos registos de enfermagem. Só encontro vantagens neste método. No nosso serviço é raro acompanharmos o msmo doente mais de 2 dias, assim o registo da evolução das feridas e a forma como estão a ser tratadas é útil para promover a contunuidade do mesmo cuidado. Sem este tipo de registo a maioria das vezes não saberíamos o tipo de tratamento que está a ser utilizado, e incorreríamos no erro de alterar tratamentos antecipadamente sem valorizar a sua acção nauqela ferida especificamente. Acho que os registos de feridas devem ser uma política a adoptar em mais serviços e unidades de saúde. :)

Offline Vitor Barbosa

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 229
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #6 em: Dezembro 02, 2005, 13:42:11 »
Olá a todos,

Sou enfermeiro há cerca de 5 anos e trabalho no serviço de Geriatria do Centro Hospitalar do Alto Minho - delegação de Ponte de Lima há cerca de 4 anos e meio. Quando iniciei a actividade profissional tive o privilégio de ser convidado a entrar para o grupo de trabalho "Úlceras de Pressão" que desenvolve o seu trabalho nesta área criando e actualizando protocolos de prevenção, tratamento e registo de UP. Embora o nosso trabalho ainda seja muito modesto penso que já deu frutos e garanto-vos que actualmente o registo de UP é MUITO mais rigoroso que quando comecei a trabalhar.

Para tal contribui em grande parte a introdução de uma folha de registos onde o enfermeiro praticamente só tem de marcar com um X as características da UP e o protocolo de tratamento usado. Para ajudar à uniformização, criámos um algoritmo de tratamento de UP que se encontra no verso da folha de registo.

Saliento que estes protocolos e a folha de registos está em vias de actualização uma vez que novos produtos de tratamento de UP estão disponíveis no serviço e certos procedimentos já não se fazem...

Vítor Barbosa

PS: Salvaguardo que este trabalho não foi apenas desenvolvido por mim nem é criação exclusiva deste hospital. Julgo que há outros hospitais com impressos semelhantes a este, tal como a ULS Matosinhos...



Offline FysGa

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 75
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #7 em: Dezembro 02, 2005, 14:43:51 »
Gostei deste tema, acho tão interessante como importante para a corrente prática de Enfermagem.

Em primeiro gostaria de relfectir um pouco sobre a temática dos registos, o que verifico hoje em dia é que os suportes usados para avaliação de feridas e registo do tratamento que se institui centram-se principalmente nas úlceras, negligenciando as feridas de outras etiologias (principalmente em serviços de medicina). No caso do serviço onde exerço funções, a folha usada para avaliação das ulceras de pressão é "extrapolada" para se proceder à avaliação de úlceras de natureza venosa, arterial, feridas cirúrgicas, traumáticas etc, o que de certa forma não é correcto.

Neste sentido, seria de bom tom o uso de um instrumento generalizado e cientificamente validado, aplicável a todo o tipo de feridas e de carácter inter-hospitalar sem esquecer, obviamente, a devida aplicação para a continuidade de cuidados pelos cuidados de saúde primários. A iniciativa neste caso deveria partir do próprio SNS, pois o consenso inter-hospitalar poderia ser um problema sem fim.

As propostas dadas pelo caro colega Joao Gouveia seriam um ponto de partida importante para se atingir este patamar.

Offline Vitor Barbosa

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 229
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #8 em: Dezembro 02, 2005, 17:11:37 »
Citação de: "FysGa"
o que verifico hoje em dia é que os suportes usados para avaliação de feridas e registo do tratamento que se institui centram-se principalmente nas úlceras, negligenciando as feridas de outras etiologias (principalmente em serviços de medicina). No caso do serviço onde exerço funções, a folha usada para avaliação das ulceras de pressão é "extrapolada" para se proceder à avaliação de úlceras de natureza venosa, arterial, feridas cirúrgicas, traumáticas etc, o que de certa forma não é correcto.


Embora não deixe de concordar com o colega, deixe-me apenas ressalvar que no meu serviço a prevalência de doentes admitidos por úlceras de pressão é significativa. O número de doentes com outro tipo de feridas é MUITO inferior daí que não achamos oportuno na altura criar um impresso de registos que incluísse campos para todos os tipos de feridas pois iria torná-la "pesada".
O objectivo inicial deste impresso era criar na equipa o espírito de que os registos tinham de ser devidamente feitos e de preferência de maneira simples pois, caso contrário, poucos os fariam...

Só por curiosidade fica aqui um resumo de dados de um pequeno estudo feito pelo grupo de "Úlceras de Pressão" no ano em que iniciei funções:

Citar
No ano de 2001 a média de idade dos doentes internados com úlceras de pressão foi de 82 anos, sendo que o mais idoso tinha 98 anos e o mais novo 66 anos.
É de realçar que o número de internamentos no serviço de Geriatria de doentes com úlceras de pressão foi de 99, que corresponde a 12,48% do total de internamentos. Estes correspondem a 85 doentes, dos quais 43 são homens e 42 são mulheres. Estes são certamente factores que influenciam o valor da demora média que em 2001 foi de 12,67 dias para o serviço de Geriatria. Entre os doentes com úlceras de pressão a demora média foi de 25 dias.


Vítor Barbosa

Offline pedrojosesilva

  • Administrador
  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1883
    • Ver Perfil
    • http://www.forumenfermagem.org
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #9 em: Dezembro 02, 2005, 17:20:16 »
@Vitor

Parabéns, estou a ver que se trabalha bem em Ponte de Lima. Obrigado por colocares a imagem da folha de registo, pode vir a ser útil a outros colegas.


Abraço!

Offline Vitor Barbosa

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 229
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #10 em: Dezembro 02, 2005, 17:47:35 »
Citação de: "pedrojosesilva"
@Vitor

Parabéns, estou a ver que se trabalha bem em Ponte de Lima. Obrigado por colocares a imagem da folha de registo, pode vir a ser útil a outros colegas.


Abraço!


Obrigado pela parte que me toca. Se trabalhamos bem ou não, isso fica para ser avaliado pelos utentes. Fazemos por isso...

PS: Com a devida autorização, posteriormente poderei colocar para download o impresso em formato PDF, se quiserem. É claro que quem já tem registos informatizados não deve precisar deste impresso.
Penso que a curto prazo o CHAM Ponte de Lima vai ter o SAPE e estes registos vão deixar de existir tal como estão.

Offline ruienf

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 241
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #11 em: Janeiro 08, 2006, 05:18:57 »
Vitor:

Excelente trabalho!!!

Sugiro que faças daownload (se ainda não fizeste) dos formulários em papel e dos snapshots do PROGIF; se o fizeres, peço que expresses a tua opinião, já que me parece que os nossos trabalhos têm aspectos em comum e aspectos que se podem complementar.
Rui Pedro Silva

Offline Vitor Barbosa

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 229
    • Ver Perfil
Documentação do Tratamento de Feridas
« Responder #12 em: Janeiro 16, 2006, 14:38:52 »
Citação de: "ruienf"
Vitor:

Excelente trabalho!!!

Sugiro que faças daownload (se ainda não fizeste) dos formulários em papel e dos snapshots do PROGIF; se o fizeres, peço que expresses a tua opinião, já que me parece que os nossos trabalhos têm aspectos em comum e aspectos que se podem complementar.


De facto já fiz o download dos snapshots do PROGIF. Eu também sou entusiasta de programação em MS Access mas nunca me atrevi a criar um programa assim tão complexo para o meu serviço pois iria encontrar muitas dificuldades em aplicá-lo: falta de cooperação das pessoas e obstáculos legais (aprovação da base de dados pelo departamento de informática e Comissão Nacional de Protecção de Dados). Tenho, no entanto, uma base de dados mais sucinta, que pertence ao Projecto "Úlceras de Pressão", e em que registámos o mesmo que no impresso para posterior tratamento de dados.

Fiquei com curiosidade em ver quais os dados estatísticos que se podem obter com a base de dados. Se puderes enviar uns snapshots dos relatórios/tabelas produzidos, agradecia :).

Quanto aos formulários do PROGIF, apesar de achar que estão muito completos, penso que não seriam facilmente aplicados no meu serviço pois iam ser demasiadas folhas para alguns casos em que só há uma UP... Não posso, no entanto, deixar de elogiar o cuidado que tiveram de tentar incluir o maior número de parâmetros possíveis.

Se um dia trabalhar na comunidade gostava de desenvolver um trabalho de investigação nesta área e aplicar instrumentos de registo do género dos vossos. Quem sabe :?: