Autor Tópico: Infecção  (Lida 12438 vezes)

Offline ruienf

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 241
    • Ver Perfil
Infecção
« em: Maio 15, 2005, 22:40:13 »
A infecção surge como um dos principais obstáculos ao processo de cicatrização.

Actualmente, as guidelines internacionais apontam para um abandono dos antibióticos tópicos (salvo algumas excepções), residindo o combate à infecção nos antimicrobianos à base de prata e iodo (iodopovidona não incluída).

Sugiro que se discutam as diferentes práticas de combate de infecção no âmbito do tratamento de feridas; para isso, aguardo os vossos post´s.
Rui Pedro Silva

Offline MegaCC

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 3
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #1 em: Fevereiro 16, 2006, 13:20:04 »
bem...

não se deve esquecer é tb uma lavagem com sf cuidada e diaria( ou seja trat de ferida diario aquando a inf)

tb um desbridamento cirurgico dos tecidos mortos pois estes apenas estão alimentar os bichinhos, e incapacitam o controlo da infecção

e não esquecer o apio de atb oral ou sitemico(recomendado)

abraço

Offline Paulo

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 168
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #2 em: Abril 27, 2006, 22:52:30 »
Olá Rui,

A minha experiência em tratamento de feridas infectadas, nomeadamente a nível ungueal diz que a utilização de antibioterapia local (Creme ou pomada) é suficiente não necessitando de recorrer a outras vias de administração.
No que toca á lavagem com S.F. diáriamente, a experiência diz-me que no caso da aplicação de antibioterapia local e uma boa drenagem dos fluidos, é secundária, podendo por vezes o penso só ser efectuado ao fim de 4 ou 5 dias.
Nota: Quando falo da minha experiência não me refiro a escaras mas sim a feridas que advem de abcessos infectados, panarícios, unha encravada com tecido esponjoso infectado, ferida cirurgica, escoriações infectadas com tecido necrosado, etc.
Paulo

Vamos trabalhar para uma enfermagem melhor, não se limitem a fazer bem, façam cada dia melhor!

Offline FysGa

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 75
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #3 em: Junho 06, 2006, 14:37:45 »
No ambito da formação em serviço tenho assistido a várias sessões relativas aos cuidados ao doente com feridas no sentido de se actualizarem conhecimentos para melhorar procedimentos. Cinjindo-me neste caso às feridas infectadas devo dizer que o que aprendi em termos práticos foi que a antibioterapia tópica deve ser abolida excluindo-se a sulfadiazida prata.
Este produto pode ser usado com alguma cautela, nomeadamente em doentes com perturbações hepáticas e renais e devem ser despistados precocemente os sinais evidentes de reacção secundária para suspensão imediata do seu uso. A sua utilização poderá ser efectuada durante 15 dias e após este período deverá ser suspensa por um período identico.
A ATB ideal será a sistémica sem dúvida, aliado a Anti-inflamatórios ou nao? (aqui nao me pronuncio pois existe contracensos na sua utilização, havendo que defenda a associação e outros o contrário). A realização de zaragatoa do leito da ferida ou mesmo a biópsia são mais valias na escolha posterior do ATB sistémico a utilizar.
A execução do tratamento às feridas deve ser feito diariamente para controlo do exsudado. A lavagem das feridas deve ser feita por irrigação e preferencialmente com SF à temperatura corporal (para não inibir a actividade inflamatória no leito da ferida). A utilização de produtos como o carvão activado torna-se benéfico já que ajuda na absorção de exsudado e melhora a qualidade de vida do doente já que controla os maus odores provenientes da infecção.
Para concluir a utilização de iodopovidona (Betadine dérmico) está contraindicada por várias razões e que já são do conhecimento de todos. Preferencialmente deve ser usada a dita "gase iodoformada".

Esta é a minha curta experiencia em termos de tratamento de feridas infectadas, mais havia para dizer mas penso que cada um tem a sua palavra e abordagens diferentes.

Offline ruienf

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 241
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #4 em: Julho 01, 2006, 04:28:39 »
FysGa:

Excelente post! Porém, descordo completamente que haja algum benefício no uso de gaze iodoformada...
Quanto aos anti-infalamtórios, sabe-se que inibem a fase inflamatória (essencial para o normal processo de cicatrização), pelo que devem ser evitados e substituídos por analgésicos.
Rui Pedro Silva

Offline FysGa

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 75
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #5 em: Julho 07, 2006, 17:23:10 »
Citação de: "ruienf"
FysGa:

Excelente post! Porém, descordo completamente que haja algum benefício no uso de gaze iodoformada...
Quanto aos anti-infalamtórios, sabe-se que inibem a fase inflamatória (essencial para o normal processo de cicatrização), pelo que devem ser evitados e substituídos por analgésicos.


Concordo plenamente contigo ruienf, até porque a maioria das feridas crónicas têm uma fase inflamatória alargada (e por vezes várias fases), daí que o uso de anti-inflamatórios sistémicos vão prejudicar a evolução do processo cicatricial normal.

Quanto à gase iodoformada, creio que não é muito usada no meio hospitalar. A experiência que tenho mostrou-me ser preferida nos cuidados de saúde primários, contudo os resultados que são obtidos não são conclusivos.

Queria só salientar que em feridas infectadas com tecido desvitalizado, o emprego de produtos tais como o "hidrogel" e a "colagenase" está contraindicado.

Offline paulo_ramos

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 100
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #6 em: Janeiro 08, 2007, 15:01:24 »
Sobre infecção em feridas gostaria de deixar apenas este pequeno contributo, a ewma publicou recentemente dois decomentos de posição sobre diagnóstico diferencial de infecção e prevenção e tratamento que se pode fazer descarregar gratuitamente do site www.ewma.org , bem como outros documentos de interesse, estão em inglês ou espanhol, desconheço se já existem traduções para português se souberem apitem....

O tratamento local de uma ferida infectada deverá ser executado com um apósito com base de prata ou iodo de libertação gradual, contudo já existem artigos publicados sobre resistências à prata.

um abraço[/url]

Offline clara l

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 26
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #7 em: Maio 11, 2007, 12:24:54 »
gostaria de saber qual a contra-indicação da utilização do hidrogel em feridas infectadas e com tecido desvitalizado?então, qual é a actuação do hidrogel, não é em tecido desvitalizado?



e, quanto à utlização de actisorb ou carboflex numa ferida com tecido de granulação,sem tecido desvitalizado, nem necrosado, mas que apresenta cheiro fétido e exsudado purulento?

gostava que me pudessem dar a vossa opinião


*** fiquem bem***

Offline Son_Goku

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 527
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #8 em: Maio 11, 2007, 23:24:51 »
O hidrogel não é contra-indicado nas feridas infectadas. simplesmente devem ser usados em connjungação outros pensos com propriedades bactericidas uma vez que o hidrogel não combate a infecção. Quanto ao segundo caso, o Actisorb Silver poderá ser usado mesmo na fase da granulação enquanto se mantiver o exsudade e cheiro fétido

Offline Parreira

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 211
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #9 em: Maio 13, 2007, 15:30:14 »
Citação de: "paulo_ramos"
Sobre infecção em feridas gostaria de deixar apenas este pequeno contributo, a ewma publicou recentemente dois decomentos de posição sobre diagnóstico diferencial de infecção e prevenção e tratamento que se pode fazer descarregar gratuitamente do site www.ewma.org , bem como outros documentos de interesse, estão em inglês ou espanhol, desconheço se já existem traduções para português se souberem apitem....

O tratamento local de uma ferida infectada deverá ser executado com um apósito com base de prata ou iodo de libertação gradual, contudo já existem artigos publicados sobre resistências à prata.

um abraço[/url]

Paulo, importas-te de dizer que estudos revelaram resistencia à prata, é que eu não tenho conhecimento de nenhum, mas eu não sou sabedor de tudo.
Obrigado.

Offline Parreira

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 211
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #10 em: Maio 13, 2007, 15:45:11 »
Citação de: "clara l"
gostaria de saber qual a contra-indicação da utilização do hidrogel em feridas infectadas e com tecido desvitalizado?então, qual é a actuação do hidrogel, não é em tecido desvitalizado?



e, quanto à utlização de actisorb ou carboflex numa ferida com tecido de granulação,sem tecido desvitalizado, nem necrosado, mas que apresenta cheiro fétido e exsudado purulento?

gostava que me pudessem dar a vossa opinião


*** fiquem bem***

Clara, o hidrogel tem indicação para promover um ambiente húmido na ferida, tornando assim possivel um desbridamento autolitico, é aplicado por ex.: en feridas com necrose (escara) seca.
Quanto ao actisorb se ele for simples apenas neutraliza um pouco o cheiro fétido que as feridas "infectadas" produzem, se ele for actisorb plus ou ag, isto é, com particulas de prata, então a indicação é para feridas infectadas pois a prata actua como bactericida (normalmente feridas com cheiro fétido e exsudado purulento são sinais de ferida infectada, mas nem sempre)

Offline Boss_Nunes

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 141
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #11 em: Maio 13, 2007, 20:18:08 »
A questão é a seguinte, existem estudos que comprovam que a utilização de pensos com compostos de prata não deve ultrapassar os 14 dias de utilização, tal e qual a atb oral. O antibiotico tem que deixar de ser utilizado, quer de forma oral, quer de forma tópica, como prática recorrente. Uma boa revisão terapeutica, o colocar de lado dos anti inflamatorios em feridas perfeitamente limpas (suturas) e uma técnica de realização de pensos adequada, com uma lavagem com sf ou água de forma abundante, são os requisitos essenciais para uma boa evolução cicatricial.
Hugo Santos
AKA bossnunes

Offline paulo_ramos

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 100
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #12 em: Maio 14, 2007, 00:33:06 »
respondendo ao parreira:

No documento da EWMA "tratamento da infecção em feridas", fala sobre a resistência á prata, recentemente a OWM lançou mais uma publicação em que o 1º capítulo é sobre resistência aos antimicrobianos, ainda não li.

se quiseres deixa o teu contacto de mail que envio-te esses documentos e outros que tenho sobre infecção.

Um abraço

Paulo :D

Offline Parreira

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 211
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #13 em: Maio 14, 2007, 00:54:43 »
Citação de: "paulo_ramos"
respondendo ao parreira:

No documento da EWMA "tratamento da infecção em feridas", fala sobre a resistência á prata, recentemente a OWM lançou mais uma publicação em que o 1º capítulo é sobre resistência aos antimicrobianos, ainda não li.

se quiseres deixa o teu contacto de mail que envio-te esses documentos e outros que tenho sobre infecção.

Um abraço

Paulo :D

Paulo, obrigado pela tua informação, vou tentar aceder ao site que indicas e se puderes manda-me a informação que possuis para o meu e-mail: abmp@sapo.pt
Obrigado.

Offline clara l

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 26
    • Ver Perfil
Infecção
« Responder #14 em: Maio 14, 2007, 17:14:37 »
parreira,
tenho uma doente que apresenta uma ferida com tecido de granuação,mas com exsudado purulento e odor fétido.
os pensos têm sido realizados com hidrogel e actisorb silver,
mas akilo não ata nem desata....
tens mais alguma sugestão?
obrigado