Autor Tópico: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"  (Lida 15218 vezes)

Offline filma_prod

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 23
    • Ver Perfil
"O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« em: Outubro 26, 2008, 13:42:21 »
Ola caros colegas. GOstava que partilhassem a vossa opinião acerca do seguinte tema: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros" e as seguinter questões: 1 - Qual o seu contributo para a melhoria da qualidade da assistencia pré-hospitalar? e 2 - Qual o seu contributo para a formação dos seus colegas bombeiros?

Offline filma_prod

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 23
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #1 em: Outubro 26, 2008, 21:31:43 »
entao ninguem tem nada a dizer? ???

Offline Maximus629

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 43
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #2 em: Dezembro 01, 2008, 21:02:16 »
caro colega realmente é uma mais valia para o pre-hospitalar, mas contudo o curso de enfermagem nao prepara de todo os enfermeiros po pre-hospitalar mas penso ser uma mais valia uma vez que somos visto com outros olhos perante a população...
Em relação ao colegas há muita coisa desde trocramos ideias estarmos ( a equipa ) mais seguros ...
Um papel importantissímo....
Cumprimentos

Offline Caldas

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1323
    • Ver Perfil
    • http://ocantosocial.blogspot.com
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #3 em: Dezembro 02, 2008, 18:22:41 »
Vou lançar aqui uma questão ao colega maximus629, há algum curso, formação profissional, workshop que prepare efectivamente uma pessoa para todas as actividades que vai ter no seu percurso profissional?

Offline SandroMelo

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1286
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #4 em: Dezembro 02, 2008, 18:51:58 »
Como enfermeiro que já era bombeiro antes de ir para o curso de enfermagem acho que posso acrescentar algumas ideias à discussão:

1 - um enfermeiro inserido num corpo de bombeiros ao entrar numa ambulância de SBV (que é o tipo de ambulância existente nos bombeiros) passa a assumir funções em tudo semelhantes às do TAS, pois o seu nível de autonomia é bastante limitado, uma vez que não existem protocolos nem meios para intervenções mais avançadas.
No entanto, os conhecimentos adquiridos no curso de enfermagem, associados a conhecimentos de pré-hospitalar, fazem do enfermeiro um elemento muito diferenciado na avaliação da situação da vítima e capaz de uma actuação segura.

2 - em relação ao contributo dos enfermeiros para a formação pode-se entendê-lo a dois níveis: todo o enfermeiro pode contribuir para a formação dos colegas bombeiros, pois dispõe de conhecimentos avançados em todas as áreas da saúde, o que lhe permite ajudar na formação geral dos colegas.
No entanto, só com a aquisição de competêcias pedagógicas (formação de formadores) e técnicas mais avançadas pode contribuir para uma formação mais diferenciada.

Offline Maximus629

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 43
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #5 em: Dezembro 05, 2008, 16:33:37 »
Colega caldas relativamente à sua questão realmente não nada que prepare, mas posso lhe dizer que as formações para onde vá trabalhar ajudam e muito a desempenhar um melhor papel, num contexto universal nao á nenhum curso que prepare mas em cada percurso da sua vida profissional as formaçoes workshops vai ajuda-lo a ser melhor e a sentir se mais seguro.
Pelo menos penso assim
Cumprimentos

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #6 em: Dezembro 05, 2008, 19:47:37 »
Olá,

Penso que um enfermeiro com experiência em emergência faria toda a diferença numa corporação de bombeiros.

Mas tem de ter mesmo experiência em emergência ou urgência.

Mas a maior parte das corporações de bombeiros são feitas de voluntariado (louvado seja Deus!); mas tenho notado,nos últimos anos, que alguns bombeiros são voluntários não pelo altruísmo mas guiados por uma sede de reconhecimento que nem sempre corresponde às suas acções efectivas em campo.

Acabemos com os aproveitadores do esforço alheio!

Mas o que eu queria mesmo dizer é: como é que voluntários podem pagar a um enfermeiro devidamente preparado para enfrentar os desafios?

Terão de ser as autarquias, ou entidades similares.

Abraço.

Offline SandroMelo

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1286
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #7 em: Dezembro 05, 2008, 21:24:28 »
Desculpe colega MariaRebelo, mas acho que não está a ver a questão dos enfermeiros nos bombeiros pelo prisma certo, embora saiba que não é essa a sua intensão, é quase ofensiva a forma como aborda o assunto.
Nenhum bombeiro voluntário (e aqueles que têm o verdadeiro espírito voluntário) não necessitam nenhuma retribuição pelo seu trabalho. Eventualmente um reconhecimento pelos pares será bem vindo, mas não mais que isso.

Quanto ao facto de considerar que apenas um enfermeiro com experiência pré-hospitalar faça diferença nos bombeiros, discordo também, pois se para o socorro isso seja sem dúvida uma mais valia, existem muitas outras funções em que um enfermeiro pode ser um bom apoio.

Além disso, um enfermeiro sem experiência em pre hospitalar pode aquiri-la num corpo de bombeiros, mais do que em qualquer outra instituição.

Offline Maximus629

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 43
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #8 em: Dezembro 05, 2008, 23:09:58 »
concordo sandromelo alem do mais pa ser-se bombeiro é preciso gostar e ter tempo pois existe escalas de serviço e agora com a nova lei ke todos os voluntarios tem de fazer 275 horas anuais vai ser bonito..... se nao houver serviço temos de inventar....lol

Offline xôra Enfermeira

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 23
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #9 em: Dezembro 06, 2008, 00:35:55 »
Caros colegas,

Ainda há bem pouco tempo ingressei numa corporação de bombeiros. Teria muito para falar sobre essa questão, contudo gostaria aqui de frisar dois aspectos.

Contributos do enfermeiro para a corporação:
No meu caso, sendo recém-formada e apenas com um TAT na mão e umas leituras acerca do pré-hospitalar por interesse pessoal, acredito que numa micro dimensão o principal contributo que tenho dado é ao nível da avaliação geral do utente. Nesta ou naquela situação sinto que introduzi uma ou outra peça para ajudar a perceber o puzzle na sua Íntegra. Por exemplo, identificar um sintoma e relacioná-lo com o quadro geral. Por mais simples que as explicações sejam, ajudam e em muito a perceber o cenário. Claro que numa dimensão macro e mais organizada, o enfermeiro poderia preparar n sessões de formações que visassem a melhoria dos cuidados prestados aos utentes.

Queria, no entanto, falar num segundo ponto. A responsabilidade.
Sendo que a estrutura orgânica de determinada corporação é similar a uma estrutura militarizada, os mais graduados supostamente "saberão mais" na grande maioria das situações. Quando um enfermeiro ingressa numa corporação, e à luz da legislação actual, passa automaticamente para o quadro de oficiais, um quadro superior ao da carreira de bombeiro, amenos que faça questão de ingressar na carreira normal de bombeiro. Ora, para quem não está dentro do panorama do ensino de enfermagem, pensará certamente que os enfermeiros são já dotados de um grande número de competências, seja para o intra seja para o extra-hospitalar. Isso implica que se espera muito de um enfermeiro no pré-hospitalar. Mas nós sabemos que não é bem assim, a menos que tenhamos umas formações extra.
Lembro-me muito bem das primeiras vezes que saí com os meus colegas bombeiros para uma prevenção de futebol, quando a primeira coisa que fizeram foi dar-me um DAE para a mão. E eu,  novata por sinal, lá tive que lhes explicar que não poderia utilizar o aparelho, pois não tinha formação para o fazer. É óbvio que as noções básicas estão cá, mas assumir a responsabilidade de o fazer sozinha sem ninguém a apoiar-me seria um pouco arriscado..escusado será dizer que a minha recusa foi recebida com algum espanto.
Como esta situação, outras se passaram, sem culpa de ninguém, simplesmente acontecem. Mesmo com uma divisa a dizer estagiária, a tendÊncia é contarem contigo logo como elemento, pois acreditam que certamente te vais desenvicilhar bem..e parece que temos que lembrar os colegas com alguma frequÊncia para porem o travão...pois quando se anda rápido de mais, mais arriscado se torna.
Apesar de ter que gerir por vezes estas situações, não posso deixar de dizer, que tem sido uma experiÊncia muito positiva, e espero que continue a ser..pois tenho aprendido imenso com eles!! Só quem vai para lá consegue perceber o que digo. Não falando claro do espírito de camaradagem, porque esse então é do melhor!

E é por estas e por outras situações supra referidas que guardo uma certa revolta com as escolas de enfermagem. A juntar os relatos de uns quantos colegas com quem me cruzei nos estágios, etc. Como é que é possível tantas escolas (não sei se todas) não ministrarem o SAV. Pior!! Como é que algumas escolas não leccionam o SBV (algo que devia ser ensinado no secundário)!! Na minha, por exemplo, SBV era opcional!! Como é que acções de life saving transversais a toda a sociedade são opcionais?? E para terminar, onde está a formação em DAE  e em trauma (nem que fosse uma abordagem teórica minimamente estruturada).
É curioso como o paradigma da formação em enfermagem lá foi sendo alterado à medida que a lógica da saúde, hás uns bons tempos atrás, era essencialmente hospitalocÊntrica. A prevenção primária foi ganhando realce, logo as escolas tiveram de acompanhar as tendências introduzindo cada vez mais questões relacionadas com cuidados primários e cuidados na comunidade. Há já um bom tempo que o enfermeiro afirmou o seu lugar no pré-hospitalar bem como a sociedade tem vindo a reconhecer o seu valor. E as escolas? Mantêm-se inertes a este facto?

Enfim..

Sei que não serei nem a primeira nem a última a indagar-me sobre estas questões..mas é a partilhar ideias...que mais tarde nascem grandes acções!

Saudações

Offline SandroMelo

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1286
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #10 em: Dezembro 06, 2008, 10:17:05 »
Citação de: Maximus629
concordo sandromelo alem do mais pa ser-se bombeiro é preciso gostar e ter tempo pois existe escalas de serviço e agora com a nova lei ke todos os voluntarios tem de fazer 275 horas anuais vai ser bonito..... se nao houver serviço temos de inventar....lol

Atênção que as 275 horas não são de socorro (saúde, incêndios, etc)!
70 horas são de formação.
Pelo menos 140 têm que ser de piquetes, prevenções, etc.
Basta que cada elemento cumpra cerca de 17 horas mensais para atingir estes números mínimos.

Offline feferreira

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 148
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #11 em: Dezembro 06, 2008, 19:40:55 »
Quando um enfermeiro ingressa numa corporação, e à luz da legislação actual, passa automaticamente para o quadro de oficiais, um quadro superior ao da carreira de bombeiro, amenos que faça questão de ingressar na carreira normal de bombeiro.

Colega xôra Enfermeira, tem a certeza que quando um enfermeiro ingressa numa corporação passa automaticamente a oficial? é que eu a semana passada fui a uma corporação e disseram me que nao podia passar a oficial...que so passa a oficial quem se inscriver nos concursos normais dos bombeiros para se tornar oficial...peço que me esclareçam esta situação..tenho receio de estar a ser "enganada" :S
Cumprimentos

Offline xôra Enfermeira

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 23
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #12 em: Dezembro 06, 2008, 20:10:28 »
Cara colega FeFerreira

Aqui terá legislação mais que suficiente para esclarecer as suas dúvidas http://www.proteccaocivil.pt/Legislacao ... eiros.aspx

Não tenho a certeza absoluta mas penso que assim seja. Não só os enfermeiros, mas restantes licenciados e motoristas (que pertenciam antigamente ao quadro de especialista) que transitaram para o quadro de oficiais pertencem a este novo quadro agora.

Pelo que li, a implementação das novas carreiras terão que se verificar até 31 de Dezembro de 2008, ou seja, pode haver corporações que ainda não estejam preparadas para se regularem pela nova legislação.

Qualquer uma das carreiras, seja a de bombeiro, seja a de oficial de bombeiro contemplam agora uma formação muito abrangente, o que não é grande novidade para os bombeiros, mas sim para os oficiais. São duzentas e tal horas de formação, que abrangem saúde, fogo urbano, fogo florestal, telecomunicações, etc etc e penso que são ministradas ao longo de um ano. Nós, na nossa corporação, já tivemos a primeira sessão teórica, por exemplo!! É como se tivéssemos um género de uma recruta.

Offline feferreira

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 148
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #13 em: Dezembro 06, 2008, 20:14:03 »
Citação de: xôra Enfermeira
Cara colega FeFerreira

Aqui terá legislação mais que suficiente para esclarecer as suas dúvidas http://www.proteccaocivil.pt/Legislacao ... eiros.aspx

Não tenho a certeza absoluta mas penso que assim seja. Não só os enfermeiros, mas restantes licenciados e motoristas (que pertenciam antigamente ao quadro de especialista) que transitaram para o quadro de oficiais pertencem a este novo quadro agora.

Pelo que li, a implementação das novas carreiras terão que se verificar até 31 de Dezembro de 2008, ou seja, pode haver corporações que ainda não estejam preparadas para se regularem pela nova legislação.

Qualquer uma das carreiras, seja a de bombeiro, seja a de oficial de bombeiro contemplam agora uma formação muito abrangente, o que não é grande novidade para os bombeiros, mas sim para os oficiais. São duzentas e tal horas de formação, que abrangem saúde, fogo urbano, fogo florestal, telecomunicações, etc etc e penso que são ministradas ao longo de um ano. Nós, na nossa corporação, já tivemos a primeira sessão teórica, por exemplo!! É como se tivéssemos um género de uma recruta.

Ent eu posso ir para o corporação dos bombeiros municipais? é isso?
e obrigado colega pela informação..
cumprimentos

Offline Maximus629

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 43
    • Ver Perfil
Re: "O papel do enfermeiro numa corporação de bombeiros"
« Responder #14 em: Dezembro 06, 2008, 23:22:13 »
mesmo assim colega SandroMELO 140H HORAS é excessivo visto se for uma corparação com um numero elevado de elementos no quadro activo é dificil, so se inventarmos serviços....
No meu parcer acho que essa lei nao deve ir para a frente!!!
O que acha o colega?
Cumprimentos