Autor Tópico: Uma realidade a nível Mundial....  (Lida 2901 vezes)

Offline JoeBlack

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 69
    • Ver Perfil
Uma realidade a nível Mundial....
« em: Maio 25, 2008, 19:10:39 »
Caras Colegas,

Andava eu na internet e de repente dei de caras com este texto publicado por um colega nosso e que me pareceu bastante perturbador...Bem, acho que quando se pensa em poupar dinheiro da nisto, uma enfermagem em decadência a nivel mundial...
Boa leitura...

"Há relativamente pouco tempo, tivemos a oportunidade de conversar com o director de Planeamento e Cooperação da Saúde da Guiné, enfermeiro de profissão, que nos descreveu alguns dos (graves) problemas que o seu país enfrenta e a forma com se têm organizado para os ultrapassar.
Obviamente que qualquer tentativa de comparação com a realidade europeia se torna difícil, sobretudo no que à estabilidade e ao desenvolvimento económico se refere. Os baixos salários praticados fazem com que os incipientes recursos que se formam nesta área se destinem, fundamentalmente, à emigração. Os recém-formados em medicina e enfermagem tudo fazem para sair do país à procura de uma vida melhor, ainda que em profissões que não a sua.
Entretanto, as necessidades das populações em termos de saúde são enormes. A sua satisfação com tão poucos recursos disponíveis exige cuidados redobrados com o planeamento e a organização. E aqui ficámos surpreendidos ao verificarmos que os cargos na administração da saúde são ocupados, mais recentemente, de acordo com as capacidades das pessoas para o desempenho dos mesmos, independentemente do tipo de profissão, que existe trabalho de equipa e que as reuniões no âmbito da cooperação internacional e a formação para tais cargos são de natureza multidisciplinar.
Durante a nossa conversa, surpreendeu-nos ainda o sentido ético do nosso interlocutor quando falava da sua experiência no exercício do cargo. Uma preocupação central com as pessoas e com a distribuição equitativa dos parcos recursos disponíveis estava sempre presente. Ao mesmo tempo lamentava a sua impotência para suster a autêntica “sangria” de profissionais, tão difíceis de formar. Para além do exemplo dos enfermeiros, referia o recente reconhecimento da equivalência em Portugal, de uma só vez, de dezassete médicos guineenses, e a lacuna que estes iriam criar no seu país.
Igualmente nos surpreendeu a visão sistémica e estratégica que o nosso interlocutor detinha da saúde, embora num país verdadeiramente insular, onde falta quase tudo e em que o simples acesso à Internet nem na universidade se encontra ainda disponível.
Vem tudo isto a propósito das tendências que por cá vamos verificando na área da saúde e que mais não são do que a importação directa de modelos de gestão há muito ultrapassados nos países considerados desenvolvidos que os criaram, como são os casos do Reino Unido, na Europa, e dos Estados Unidos, na América.
Nestes, a carência de enfermeiros é de tal ordem que um sistema de recrutamento de enfermeiros a nível de países asiáticos (Filipinas) e africanos teve que ser criado. Quando analisadas as causas para tal situação, um denominador comum foi verificado: as deficientes condições para a prestação de cuidados tornaram a profissão tão desgastante que o recrutamento de jovens para a profissão se verificou muito difícil.
Além disso, a reduzida procura, por razões meramente economicistas, por parte das organizações, e a substituição de enfermeiros por pessoas menos diferenciadas conduziram ao abandono da profissão.
A título de exemplo, baseando-nos nos dados apresentados recentemente numa conferência no Funchal pela enfermeira Clara Correia, nos EUA, apenas 10% dos enfermeiros têm menos de 30 anos e a média de idades na enfermagem é duas vezes
superior à das restantes profissões. No Canadá, cerca de metade dos enfermeiros irá reformar-se nos próximos 15 anos.
No que se refere ao abandono da profissão, por exemplo, em França, cerca de 18.000 enfermeiros deixam os hospitais em cada ano; no Reino Unido, um terço dos recém-licenciados não se regista como enfermeiros e, na Austrália, 66% dos recém-formados pensam seriamente deixar a profissão durante o primeiro ano de prática profissional.
Um estudo recentemente realizado nos EUA, no Canadá, na Inglaterra, na Escócia e na Alemanha revelou que cerca de 41% dos enfermeiros nos hospitais estavam insatisfeitos e 22% planeavam deixar a profissão dentro de um ano.
Um outro dado revelador deste fenómeno de abandono da profissão é o de que em 1990, nos EUA, por exemplo, existiam aproximadamente 90% de enfermeiros com experiência profissional e apenas 10% sem experiência. Em 2000, neste mesmo país, esta relação evoluíra para 50% de cada.
Para termos uma ideia do impacto negativo que a diminuição que o ratio enfermeiro/utente tem na população, em termos de mortalidade, estudos demonstram que, em meio hospitalar, a passagem de um ratio de quatro doentes por enfermeiro (4:1) para 5:1; 6:1 e 7:1 aumenta a possibilidade de morte em 7, 14 e 31%, respectivamente.
Tais estudos revelam que o aumento do número de enfermeiros, por seu lado, para além da diminuição da mortalidade, conduz a uma redução entre três e 12% de complicações como infecções do tracto urinário, pneumonia, sépsis, hemorragias gastrintestinais, choque e embolias, e diminui o tempo de internamento em três a cinco por cento.
A redução do número de enfermeiros faz ainda incrementar o número de acidentes de trabalho, a insatisfação, o índice de Burnout, o número de erros e a taxa de abandono da profissão.
Enfim, dados que nos deverão fazer reflectir! Não porque o nosso país e região já se encontrem em tais dramáticas situações, mas, sobretudo, para que evitemos nelas incorrer.
Para que os profissionais ajam com competência, não lhes basta apenas o saber e o querer. De vital importância se reveste o poder! Por isso, mais importante do que incentivos pecuniários para alguns, estão as condições de prestação de cuidados e o “salário” de natureza emocional para todos!"

Enfermeiro
Élvio Henriques de Jesus

Offline J.Ribeiro

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 334
    • Ver Perfil
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #1 em: Maio 25, 2008, 21:38:33 »
Muito boa leitura...

pena que na ordem este texto não passe da soleira da porta...

Offline EnfLuisa

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 4
    • Ver Perfil
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #2 em: Maio 26, 2008, 03:16:51 »
Em portugal o motivo do abandono da profissao, para já será outro - o desemprego.
Como se passa muito tempo em busca do primeiro emprego e nao se encontra nada, experimentam-se novas carreiras profissionais.
Para os que já estao empregados ocorre o desanimo pelo exercicío da profissao em parte, por uma ordem apagada e pela discrepância entre os cuidados idealmente a prestar e os que realmente se prestam (diminuiçao do racio de enfermeiros por turno, falta de condiçoes, material, etc).

Offline Mauro Germano

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 2218
    • Ver Perfil
    • http://saudeeportugal.blogspot.com
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #3 em: Maio 26, 2008, 04:16:14 »
@Joao Ribeiro

Por acaso o Enfº Élvio Jesus é um dos mais altos dirigentes da OE, por isso penso que têm isto bastante presente. Se a estratégia é a correcta, isso são contas de outro rosário, mas eles têm perfeito conhecimento desta realidade.

Quanto a esta parte do texto..."Para termos uma ideia do impacto negativo que a diminuição que o ratio enfermeiro/utente tem na população, em termos de mortalidade, estudos demonstram que, em meio hospitalar, a passagem de um ratio de quatro doentes por enfermeiro (4:1) para 5:1; 6:1 e 7:1 aumenta a possibilidade de morte em 7, 14 e 31%, respectivamente.
Tais estudos revelam que o aumento do número de enfermeiros, por seu lado, para além da diminuição da mortalidade, conduz a uma redução entre três e 12% de complicações como infecções do tracto urinário, pneumonia, sépsis, hemorragias gastrintestinais, choque e embolias, e diminui o tempo de internamento em três a cinco por cento.
"

É uma realidade por demais estudada no "estrangeiro", principalmente nos EUA, mas que incrivelmente não está devidamente comprovada em Portugal, pelo que não as recomendações para a melhoria da qualidade, dependente destes aspectos, não são seguidas, quer por desprezo quer por desconhecimento das Administrações dos nossos Hospitais, quer pelo Minístério da Saúde em Geral.

A esse propósito recomendo esta leitura... Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem( área reservada do site da OE; documentos para consulta)  um pequeno passo, insuficiente, mas a denotar interesse na resolução desse aspecto...

Offline pedrojosesilva

  • Administrador
  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1883
    • Ver Perfil
    • http://www.forumenfermagem.org
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #4 em: Maio 27, 2008, 22:30:46 »
Bom material para se proceder a uma campanha publicitária institucional sobre as dotações seguras e as condições sócio-profissionais do exercício profissional dos enfermeiros e a sua relação com a segurança e qualidade dos cuidados.

PS. Movi o tópico para o sub-fórum de políticas de saúde,uma vez que as Novidades não me pareceu ser o local adequado.

Offline J.Ribeiro

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 334
    • Ver Perfil
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #5 em: Maio 27, 2008, 23:25:01 »
Magistral Estratega

Tenho todo o apreço pelo Enfermeiro Élvio, sem dúvida um excelente contributo para a ordem dos enfermeiros e para a enfermagem.

Não posso, porém, deixar de pensar que a ordem é constituida por várias cabeças pensantes... e talvez aqueles que realmente tomam decisões, por serem talvez a maioria..., não comungam deste olhar para a enfermagem...

Saudações

Offline Caldas

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1323
    • Ver Perfil
    • http://ocantosocial.blogspot.com
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #6 em: Junho 01, 2008, 02:07:50 »
A falta de estudos é um dos nossos piores inimigos. A ausencia de indicadores de qualidade e de resultados faz com que o poder não veja a necessidade de ter mais profissionais.

Se explicarem a um gestor privado que por fazer a,b e c com mais segurança evito gastos em 3x superiores ao pagamento de mais um salário, podem ter a certeza, que se for bom gestor, entrar para lá mais uma pessoa.

Offline J.Ribeiro

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 334
    • Ver Perfil
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #7 em: Junho 01, 2008, 14:34:34 »
isso é sem dúvida verdade...

mas sabe que a realidade não é tão simples... os hospitais para além de terem que controlar custos.. com enfermeiros >:D, ainda estão limitados pelo número de enfermeiros que podem ter nos seus quadros... isto é... lembro de ainda há pouco tempo o hospital de Viana do Castelo estar no vermelho em termos de numero de enfermeiros... a mais... e todos os serviços tinham horas de débito... ás dezenas... por profissional... ;)

é o próprio estado que faz o cálculo puro e simples... tantas camas.. tantos utentes... dá y enfermeiros naquele hospital... e depois os projectos dos enfermeiros são mais que muitos... todos perfeitamente louváveis.. e que gerariam enormes ganhos em saúde, sobretudo para os doentes! ::) mas que não avançam porque significam em muitos casos reconhecer a inoperancia e falencia do modelo médico que já está implementado...

tá dificil meus senhores...

Offline Caldas

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1323
    • Ver Perfil
    • http://ocantosocial.blogspot.com
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #8 em: Junho 01, 2008, 15:52:34 »
Então concordará comigo quando digo que a falta de força política dos enfermeiros é um obstáculo a concretização destes nossos objectivos.

A questão que se eleva, é como conseguir adquirir este poder político.

Offline J.Ribeiro

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 334
    • Ver Perfil
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #9 em: Junho 01, 2008, 23:39:22 »
a resposta é fácil... a concretização é mais dificil...

A resposta é: têm que haver mais enfermeiros na politica... nas câmaras... nas distritais... nas forças politicas... todas e não só no pc... e em todos os níveis.. não só nas juntas...

A implementação é cada vez mais dificil... a condição económica do enfermeiroi é cada vez mais precária.. e como tal tem que trabalhar sempre mais... e sobra pouco tempo para as lides politicas...

Offline Herodes

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 2220
    • Ver Perfil
Re: Uma realidade a nível Mundial....
« Responder #10 em: Outubro 22, 2008, 06:58:40 »
A Sr.ª Enf.ª Maria Augusta Sousa ainda se pode candidatar às legislativas de 2009... ;D
Ou então pode ir treinar o Chelsea!
 8)