Autor Tópico: Reanimação em idosos  (Lida 12655 vezes)

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #30 em: Novembro 24, 2007, 20:05:44 »
Olá,

Aquilo que o Sérgio disse é tão verdade!

Quantos de nós não temos familiares que todos os dias querem saber quando é que o seu familiar morre? Como se nòs fossemos capazes de determinar ou avaliar esses "timings"...

Muitos que o fazem não é para se livrar de encargos, mas para abreviar o seu próprio sofrimento.

Todos temos consciência que a mais penosa de todas as situações é a incerteza...

Penso que nós, enfermeiros, temos de deixar de transmitir aquilo que os da "velha guarda" nos transmitiram: um profundo desprezo e desrespeito pelos sentimentos dos familiares. Aos olhos de alguns profissionais, todo o familiar está desesperado para ter menos encargos com o seu familiar internado... Isto é um juízo de valor profundamente enraízado nos hospitais e tantas vezes injusto.

Desculpem ter fugido ao tema do tópico.

Abraço.

Offline Álvaro Matos

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 442
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #31 em: Novembro 24, 2007, 20:26:18 »
Citação de: mariarebelo1

Penso que nós, enfermeiros, temos de deixar de transmitir aquilo que os da "velha guarda" nos transmitiram: um profundo desprezo e desrespeito pelos sentimentos dos familiares. Aos olhos de alguns profissionais, todo o familiar está desesperado para ter menos encargos com o seu familiar internado... Isto é um juízo de valor profundamente enraízado nos hospitais e tantas vezes injusto.
Estou plenamente em sintonia com as suas afirmações. Tenho contudo hoje uma opinião diferente ,talvez por viver no interior ,mas continua a haver muita gente a preferir que os seus entes queridos terminem em casa.Por vezes tal só não acontece por falta de resposta  do SNS e até por sugestão nossa dada a falta de recursos.

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #32 em: Novembro 24, 2007, 20:46:12 »
Olá,

Caro amatosa, é bem verdade que as realidades têm a ver com o local onde se vive.

Eu vivo e trabalho em Cascais, que deve ser o paradigma de vida de luxo. Infelizmente, para os indígenas, temos as rendas mais caras do país, os lares mais caros do país e quem é obrigado a recorrer ao hospital tem condições muito inferiores às expectáveis para uma zona de luxo e que recebe tanto turismo.

Não penses que o teu interior é pior do que este litoral em que um T1 custa, no mínimo. 450 euros/ mês, mais o resto. O decente custa, em t1, cerca de 600 euros/mês.

Os lares, nem se fala... Há poucos, alguns bons da misericórdia, com listas de espera impossíveis; e tens os outros: de luxo (que nem podes sonhar nunca para ti) e os de miséria, que custam uma fortuna na mesma.

Os idosos em casa? que casa seria preciso para isso? Quanto é que custa? Essa é a minha realidade.

Abraço.

Offline Álvaro Matos

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 442
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #33 em: Novembro 25, 2007, 00:24:45 »
Eu conheço muito bem Lisboa ,passei 15 anos da minha vida profissionalpor esses lados, mais margem sul. Fiz o curso e a especialidade  aí em Lisboa  (saudades do Alcoitão).
Ao que eu me queria referir nem é tanto à questão da habitação ,embora já tenha encontrado casas piores que pocilgas, mas cada vez são mais raras essas situações).Refiro-me  é a falta de profissionais de saúde . Se por exemplo precisar de um domicílio médico (particular) num fim de semana não se consegue encontrar e Enfermeiros ,muitas vezes também não têm disponibilidade.

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #34 em: Novembro 25, 2007, 19:36:29 »
Olá,

Pois é, mais uma vez a questão dos apoios domiciliários que todos esperamos serem a base da nossa prestação no futuro...

Esperemos que isto evolua nesse sentido, que nós, quando chegar a nossa hora não nos tirem as nossas coisas e pessoas e que possamos partir em paz e sem sofrimento.

Esse era um trabalho onde eu penso que poderia dar algum contributo positivo, depois de tanta experiência hospitalar. Espero um dia poder fazê-lo.

Porque também me parece que o apoio domiciliário exige pessoas com mais experiência, estou certa?

Abraço.

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #35 em: Dezembro 09, 2007, 00:03:35 »
Porque não deixar os idosos morrerem em casa, rodeados daqueles que mais gostam?

E agora pergunto...será que os familiares têm condições de espaço físico, condições de tempo, mas acima de tudo...condições psicológicas para terem os seus idosos em fase terminal em casa? Será que estão preparados para ver morrer no domicílio?

Como foi dito anteriormente...sem dúvida que o apoio domiciliário é importante...e onde a enfermagem deve investir.

Offline Álvaro Matos

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 442
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #36 em: Dezembro 09, 2007, 00:09:15 »
O caminho a percorrer terá forçosamente de ser esse se mais não for pela questão económica ,pois sai muito mais barato custear as despesas no domicílo do que num grande  Hospital ,onde o custo /cama é uma fortuna.

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #37 em: Dezembro 09, 2007, 00:12:29 »
Exactamente...o futuro será esse.
Mas em Portugal em termos de apoio domiciliário é preciso fazer muito. Arranjar condições nos domicílios e dar informação e formação...aos cuidadores formais...mas principalmente aos informais.

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #38 em: Dezembro 09, 2007, 21:02:06 »
Olá,

Tudo o que disseram é verdade, mas o que falta mesmo é o dinheiro. Para formar Cuidadores Formais que possam formar os Informais.

Tudo isso são horas de trabalho que, contabilizadas são caras. E o apoio aos Cuidadores informais, é grátis?

E as estruturas físicas para uma dignidade dos cuidados por Cuidadores Informais? Porque há gente que trata dos seus familiares com grande esforço e posso citar aqui uma realidade presenciada por mim há pouco tempo: o sr X adoece, vive no Alentejo com a mulher, sem filhos.
Em Lisboa têm o único laço familiar que possa apoiar: uma irmâ, também de oitenta anos, com uma casa de 1 quarto e cozinha.

O doente tem alta e vai para a cama da cunhada; as duas irmãs dormem na cozinha.

Isto só foi revelado no dia em que o doente estava à espera dos bombeiros para o levarem do hospital.

Doeu-me.

Abraço.

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #39 em: Dezembro 09, 2007, 21:15:40 »
Compreendo tudo isso mariarebelo...e podemos tentar discutir possíveis soluções mas num outro tópico a ser criado.

A verdade é q a reanimação a idosos depende muito do estado em que o doente se encontre. No entanto, a reanimação pode ter mais ou menos sucesso dependendo de vários factores. E um idoso independente que tenha uma paragem cardio-respiratória, seja reanimado, mas fique com sequelas graves é um encargo para os seus familiares, que não estão preparados para o receber no domicílio. Muitas vezes há altas e como referiu, só sabemos das coisas no preciso momento da alta. Secalhar a culpa também é nossa que não vamos questionando as famílias, saber das condições, se sabem actuar perante a nova situação de dependência ou não. Muitas vezes assistimos a colegas nossos que fogem das famílias, para não falarem com as famílias, parece que têm fobia das famílias. Esquecem-se que um dia podem ter eles um familiar numa cama do hospital, e querem informações e não lhes sejam dadas por os colegas terem fobia dele :)

A verdade é que tudo isto é um ciclo e está interligado. Reanimar ou não reanimar? Sucesso ou Insucesso? Nova dependência? Família preparada para esta nova realidade? Enfermagem...realizados ensinos? Dada formação ao cuidador informal?

Muita coisa para meditar...e que nos faz muitas vezes sentir impotentes.

Offline charlie_ze

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 768
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #40 em: Dezembro 11, 2007, 11:23:22 »
Saber não reanimar faz parte da nossa obrigadção ética e moral.

Pode tornar-se muito dificil dificil não reanimar, mas por vezes é a opção correcta...

Offline mariamariamaria

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 926
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #41 em: Dezembro 11, 2007, 21:25:09 »
Olá,

Ainda bem que o Sérgio nos reconduziu para o tópico pois estávamos a desviar-nos.

Em relação a esta questão, reanimar o idoso depende das expectativas de qualidade de vida que esse possa vir a ter. Nos hospitais temos acesso aos diagnósticos e dá para perceber se é melhor reanimar ou deixar em paz; já noutros contextos, o óbvio não será assim tão claro.

Mas a Medicina e Enfermagem não são ciências exactas. Temos sempre sobre os nossos ombros o peso das vezes em que podíamos ter feito mais e melhor... As vezes em que errámos... É uma carga com a qual cada um tem de viver.

Em relação à presença dos familiares no hospital, a perguntar coisas às quais não podemos responder, às vezes dá vontade de fugir; mas se pensarmos que a maioria só quer mesmo uma palavra de quem está todo o dia com o seu familiar, já que a sua presença é interdita a maior parte do tempo, temos de concordar que não é preciso grandes respostas de teor médico para confortar esse familiar. Se teve dores, o que disse, se sorriu...

Abraço.

Offline enfsergio

  • Membro Veterano
  • *****
  • Mensagens: 1897
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #42 em: Dezembro 13, 2007, 23:29:07 »
Tudo isto leva a muitas questões e a muitos "ses".

Quem me garante que um idoso com 80anos e com um cancro não possa durar mais 10anos e com alguma qualidade, apesar de algumas limitações inerentes à idade?

Quem me garante que um idoso de 65anos com um cancro não tenha uma agudização qualquer e fique completamente dependente de terceiros e sem qualidade de vida?

Quem somos nós para decidir deixamos morrer ou não deixamos morrer?

Pois é...

Muitas questões e todas a necessitarem de resposta. Será que as conseguimos dar?

Temos que ver e abordar todas as perspectivas possíveis.

Offline J_B

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 34
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #43 em: Dezembro 29, 2007, 14:16:46 »
Citação de: charlie_ze
Saber não reanimar faz parte da nossa obrigadção ética e moral.

Concordo plenamente!

Penso que deveria haver um esforço maior para que a avaliação/decisão clínica para não reanimar fosse feita precocemente e informar a equipa multidisciplinar, de maneira a não provocarmos sofrimento desnecessário ao idoso!!

Caso contrário, e não haja indicação para não reanimar, a minha opinião é que devemos reanimar!!

Um abraço!
Barros

Offline Álvaro Matos

  • Membro Associado
  • *****
  • Mensagens: 442
    • Ver Perfil
Re: Reanimação em idosos
« Responder #44 em: Dezembro 29, 2007, 17:36:51 »
Perante estas situações ,na minha modesta opinião deveremos apenas deixar a natureza actuar.