Autor Tópico: Enfermagem em Lares de Terceira Idade  (Lida 67716 vezes)

Offline Enfª Raquel

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 113
    • Ver Perfil
Re: Enfermagem em Lares de Terceira Idade
« Responder #120 em: Setembro 25, 2012, 19:21:06 »
>Eu acho que o ideal seria na enfermagem geriatrica, em lar, enfermagem 24 horas, nem que fosse apenas um de noite....

trbalho num lar e somos 3. 2 a tempo inteiro e 1 a part time.. e posso-vos garantir que precisavamos de mais enfermeiros.

sao 74 idosos durante o dia (com os do centro de dia)e ha muito trabalho... sao um pouco menos ha noite

temos varias pessoas acamadas

temos nebulizadores, possibilidade de colocAR oxigénio e aspirar secreçoes...
 e sempre que necessario usamos...

eu nao trbalho no lar so para dar medicação, avaliar TA e BMT e fazer pensos... fazemos muito mais

para  além disso ainda somos Gestores da Enfermagem... muita responsabilidade existe nas nossas mãos...


por vezes lamento que nao seja valorizada
mas posso-vos garantir que a Enfermagem no idoso... tem muito mais do que aquilo que imaginam (a maioria das pessoas)
...

Offline Luffy

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 92
    • Ver Perfil
Re: Enfermagem em Lares de Terceira Idade
« Responder #121 em: Setembro 25, 2012, 20:39:44 »
Olá!

Muitos de vós se têm questionado aqui no forum dos rácios de enfermeiros necessários/desejáveis para lares de idoso/ucc, etc...

Reforço a ideia de que já existem rácios definidos para RNCCI e publicou-se, há pouco mais de um ano, um documento sobre dotações seguras da responsabilidade da OE e MS. Podem dar uma ajudinha...

Além disto, constatei a discussão entre a "natureza" dos equipamentos, isto é, que lares de idosos são equipamentos sociais e não de saúde. É minha convicção que isto só acontece no papel. Os lares são, cada vez mais, equipamentos de saúde, uma vez que o aumento da esperança média de vida, o aumento de anos que as pessoas vivem com doenças crónicas e ainda das respostas crescentes a essas incapacidades fazem com que estes locais necessitem, cada vez mais, de profissionais qualificados. Quem? Enfermeiros, sim senhor. Mas enfermeiros que saibam o que fazem, que tenham conhecimentos e formação na área, o que não acontece em boa parte das vezes. Se os enfermeiros tiverem conhecimentos adequados, sabem perfeitamente quais são as suas funções e até onde vão as suas competências!

Só que quem contrata não sabe o que faz um enfermeiro e sobretudo desconhece as VANTAGENS que tem em ter enfermeiros contratados e a trabalhar, nomeadamente ao nível dos ganhos em saúde desses utentes, diminuição de complicações e respectivos gastos de equipamento, dias em regime de internamento, etc. Boa parte dos responsáveis dos lares vê o negócio pelo negócio, e os velhos são mais uma maneira de ganhar dinheiro. Como a sociedade tem a tendência de por os velhos a um canto e esquece-los, até porque a própria sociedade se quer esquecer que vai envelhecer um dia, poucos querem saber e ainda menos fiscalizam se a lei é ou não cumprida.

Temos depois colegas que são despedidos porque recusam dar formação a auxiliares sobre conhecimentos de enfermagem ( muitos que depois são executados na ausência dos enfermeiros, com grande risco para os utentes), temos colegas que denunciam quem dá formação "formal" a auxiliares sobre esses assuntos e as entidades oficiais, devidamente avisadas, pouco ou nada têm feito até agora.

No outro lado da equação, temos os idosos e os seus familiares, que também desconhecem o papel do enfermeiro e os riscos que a sua ausência pode trazer para os seus entes queridos. Como não sabem, não estão em posição de exigir o que quer que seja, em termos de dotações seguras, competências dos profissionais que lá trabalham, etc etc ...

Então e agora, como dar a volta à questão?

São poucos? Sei que são. Mal chegam para as necessidades? Bem sei.

A minha sugestão é que começem a medir qualquer coisa. Meçam as respostas dos doentes. Meçam as suas complicações, nos períodos de presença e ausência de enfermeiros. Meçam indicadores sensíveis aos cuidados de enfermagem. Construam e publiquem evidência dos ganhos do vosso trabalho.

Usem a evidência que já existe, ainda que de outros países, para demonstrar que mais enfermeiros significam menos gastos e mais ganhos em saúde.
 
Para sabe O QUE medir, podem começar por aqui,

http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/ref/v3n3/v3n3a15.pdf

aquele abraço :)

Offline militar

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 70
    • Ver Perfil
Re: Enfermagem em Lares de Terceira Idade
« Responder #122 em: Novembro 10, 2012, 13:03:31 »
Boa tarde.
É absolutamente essencial a presença da enfermagem 24h/dia em lares de idosos! Mais do que isso, é importante que os lares funcionem com o método de enfermeiro de referencia. Ter um enfermeiro que conheça as nuances da historia pessoal/clínica de um residente é um primeiro passo para a manutenção da qualidade de vida do idoso pelos consideráveis ganhos em saúde que advêm desta pratica.
Para alem disso, também para a instituição os ganhos são visíveis com a diminuição dos episódios de idas as urgências por exemplo, com a diminuição do numero de consultas pedidas pelos residentes, etc.
Claro que isto implica uma grande entrega por parte dos enfermeiros que queiram realizar este trabalho, implica uma grande vigilância, uma grande capacidade de gestão...e por falar em gestão... Convém que os enfermeiros comecem a fazer valer e a demonstrar as suas capacidades e ocupem os lugares de director técnico em lares de idosos. Não há qualquer razão para o director técnico de um lar ter de ser um assistente social, ate porque a parte burocrática do lugar facilmente é aprendida não sendo obrigatório um curso superior para isso. Já a vertente de prestação de cuidados muitas vezes executada por auxiliares, é preciso saber fazer bem para poder corrigir quem faz...É preciso conhecer as dificuldades das tarefas para, por exemplo, fazer o horário em consonância reforçando os turnos ou as zonas de trabalho mais "pesadas".
Eu tenho a sorte de trabalhar num lar onde todos os aspectos acima descritos estão implementados...
Quanto ao enfermeiro como terapeuta ocupacional...podemos ser, temos competências para isso, no entanto...o enfermeiro pode fazer muito mais num lar...as instituições que contratem um terapeuta ocupacional. É um bom investimento.
A maior desilusão é a melhor razão para continuar!

Offline enf_karina

  • Novato
  • **
  • Mensagens: 9
    • Ver Perfil
Re: Enfermagem em Lares de Terceira Idade
« Responder #123 em: Julho 30, 2014, 11:22:28 »
Bom dia a todos os colegas.
Queria que me falassem da vossa prática em lares de idosos. Trabalho numa IPSS à 1 ano e 10meses, e sou a unica desde a abertura da instituíção. Iniciei serviço de enfermagem cá em regime de part-time no entanto depois foi me atribuido um contrato a full-time.
Tenho tido alguma dificuldade na gestão dos cuidados de saúde, nomeadamente na gestão dos cuidados de enfermagem porque os diretores e coordenadores pouco percebem da área e nada querem perceber...  :-
Queria saber se baseiam a vossa prestação de cuidados no Processo de enfermagem, como aprendemos na faculdade, ou se têm outro método. Aguardo a vossa opinião...
Carina Machado