Autor Tópico: GREVE DE ENFERMEIROS  (Lida 4133 vezes)

Offline Krud

  • Iniciante
  • *
  • Mensagens: 2
    • Ver Perfil
GREVE DE ENFERMEIROS
« em: Outubro 21, 2012, 00:40:27 »
Perante as bacoquices e inércia dos sindicatos e perante as injustiças que nos rodeiam relativamente aos demais, é tempo dos enfermeiros se começarem a mobilizar ativamente para uma greve geral que supere em grande a de 1976!...
37 anos depois....   é tempo de fazer entender o REAL valor dos ENFERMEIROS.
Só juntos venceremos!
Vamos fazer de 2013 o nosso novo marco histórico!

Offline BV1

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 70
    • Ver Perfil
Re: GREVE DE ENFERMEIROS
« Responder #1 em: Outubro 21, 2012, 01:02:41 »
Se for greve só de enfermeiros, concordo plenamente.
Se for para fazer greves de UGT,s, CGTP's e afins, greves de função publica estou contra. Perdemos os dias de trabalho e nem falam em nós!....Ficamos diluidos no meio dos outros, falam apenas em professores, juizes, médicos.....
Se for exclusivamente de enfermeiros estou à disposição, nem que seja uma semana.
Abraço

Offline Avryl

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 45
    • Ver Perfil
Re: GREVE DE ENFERMEIROS
« Responder #2 em: Outubro 26, 2012, 17:29:53 »
Enfermeiros unidos jamais serão vencidos!!!

É isto que temos que pensar...

cumps

Offline Roger

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 111
    • Ver Perfil
Re: GREVE DE ENFERMEIROS
« Responder #3 em: Novembro 07, 2012, 18:09:27 »
Colegas,

http://economia.publico.pt/Noticia/cons ... to-1570117

abstenção da CGTP... será voz activa????
que imparcialidade?????

colegas apenas posso dizer: façam greve sentem que devem fazer não a façam apenas porque o outro faz...

mas aproveito para abrir a refexão onde se tem falhado com esta forma de luta pois não tem visibilidade para além de guerra de números...

QUE DEVEMOS MUDAR PARA NOS OUVIREM??????
OUTRA VERDADE É QUE SEJA QUEM ADIRAOU NÃO ADIRA ESTÁ INSATISFEITO COM ESTA POLITICA DE SAUDE NO ENTANTO DEVER-SE-Á PENSAR NUMA RESPOSTA CONCRETA E QUE OBRIGUE A UMA REAÇÃO...

QUANTO A 1976 NÃO HAJA ILUSÕES O pib NÃO SERVIA UMA DIVIDA DE 120% NÃO É POR AÍ DE TODO... Não podemos viver desligados do que se passa em nosso redor...

Bons cuidados

Offline Krud

  • Iniciante
  • *
  • Mensagens: 2
    • Ver Perfil
Re: GREVE DE ENFERMEIROS
« Responder #4 em: Novembro 11, 2012, 18:37:39 »
Caro Roger
Não entendi o seu raciocinio!...
O PIB (produto interno bruto) serve uma divida de 120%?????!!!! Tenho pena que seja só para os Enfermeiros!....
Ainda assim continuo sem entender o que escreve!... pode ser mais explicito.
Agradecido

Offline Roger

  • Membro Ativo
  • ****
  • Mensagens: 111
    • Ver Perfil
Re: GREVE DE ENFERMEIROS
« Responder #5 em: Novembro 12, 2012, 11:27:26 »
Caros colegas, caro Krub,

a anterior resposta que submeti julgo que não tem muita subjectividade está lá objectivamente o raciocinio mas para reforçar deixo (já desactualizado) mas fica,

http://www.dinheirovivo.pt/Graficos/Det ... 33791.html

só os Enfermeiros? colega Krub eu também sou Enfermeiro e orgulho-me disso mas não isso não significa que esteja alheio do que se passa à minha volta se somos desvalorizados somos concordo no entanto já é mais que tempo que responder de outro modo que não seja mais do mesmo!!!

A meu ver:

deve pensar-se formas de alertar para o nosso valor. As greves algumas das quais já participei não atingem esse pressuposto. Fizeram-se já algumas mas sem o objectivo atingido. O carácter, natureza da nossa profissão obriga a repensar outras formas de luta adaptadas a uma sociedade em mudança. Como despertar a sociedade em constante restruturação social em retrocesso para uma questão que vá para além  DA DEFESA DE CLASSE com impacto e REPERCUSSÃO evitando comentários (não me interprete mal Sr Krub) "pena só os Enfermeiros terem de pagar" posso perceber o que quer dizer no entanto ao raciocinio de alguem leigo em saúde isso pode ser muito penoso para imagem da nossa profissão há que ponderar discurso para traduzir os nossos objectivos e metas.

Greve é diferente em cada classe pois a natureza do trabalho é diferente não se pode fechar hospital com cadeado pois coloca-se a vida de pessoas em risco, ao contrário do que seja uma escola, um porto...
Mesmo num hospital consultas, bloco... o impacto é diferente de uma enfermaria, unidade... não é de todo uniforme e aí entra a relação de interdependência em alguns cuidados... desta forma a greve para nós enquanto Enfermeiros tem estas limitações daí o comentário que fiz anteriormente.

Podem responder mas se nada fizermos fica tudo na mesma, eu próprio coloco diariamente esse dilema no entanto cada vez mais penso que tem de se ter outra postura para mudar a resposta que até então se tem obtido.


Pedia já agora alguém sabe de legislação sobre greve para colegas que não adiram a greve em saída de noite. São obrigados a seguir? perdoem a ignorância mas queria aceder a suporte legal.

Bons Cuidados

Offline BV1

  • Membro
  • ***
  • Mensagens: 70
    • Ver Perfil
Re: GREVE DE ENFERMEIROS
« Responder #6 em: Novembro 13, 2012, 16:37:22 »
Caro Roger, Krub e restantes enfermeiros
Deixo este texto que copiei do SE
Analisem!
Este é da autoria do colega António José Silva, que não conheço mas partilho inteiramente a sua opinião:
"Aproxima-se o momento em que os Enfermeiros terão de provar de que cepas são feitos. Os ataques à nossa profissão têm sido violentos, e os tempos que se aproximam serão ainda piores.

O nivelamento por baixo contínua, com a anuência de outros sindicatos, os tais do acordo dos 1200 euros.

Para eles essa é a fasquia para os Enfermeiros. O interesse em diluir as nossas lutas no grosso da coluna da CGTP mantém-se, assim como a relação privilegiada, que mantém com o ministério. Já era assim com o anterior governo, e foi o que levou á aprovação daquele documento a que alguns chamam carreira. Para nós não é carreira, é um atentado ao que tínhamos. Estranha, muito estranha esta relação de cordialidade entre esse sindicato e a tutela, seja ela de cor política for.

A destruição da anterior carreira era o seu principal objectivo.

Acabar com os chefes de carreira e com os especialistas, abrindo assim as portas aos especialistas gratuitos (tendo tido a ajuda da OE anterior), fazendo crer aos enfermeiros com especialidade que são obrigados a exercer, mesmo sem serem pagos como tal. Pois tinha de ser assim, porque na carreira que aprovaram na tabela salarial nem existem especialistas. Quanto aos chefes (assim nem é necessário impugnar concursos), é mais fácil nomear os “amigos“ ao seu serviço.

Genial sem dúvida.

Na actualidade as suas reivindicações salariais são de uma pobreza inqualificável. Para nós não existem CIT, CFP, ou qualquer outro vínculo laboral. HÁ ENFERMEIROS.

É por esta razão, que o nosso Acordo Colectivo de Trabalho tem como proposta fundamental é de uma CARREIRA ÚNICA, independente do seu vínculo laboral. Somos todos Enfermeiros.

Não podemos permitir que se mantenha uma carreira a duas velocidades, criando divisões entre a classe, pelos vistos o SEP é isso que quer manter. Dividir para reinar é este o lema desse sindicato, e que dá muito jeito a quem nos (des)governa.

Tudo isto fica claro, quando se lê alguns panfletos e se percebe as reivindicações desse sindicato. Mais um jeito ao ministro.

A nossa proposta ( Sindicato dos Enfermeiros ) de tabela salarial, é mais uma vez muito diferente e estará muito longe da deles. Tratará os Enfermeiros com dignidade, como licenciados.

Não podemos tolerar que o assalto e o EMPOBRECIMENTO DOS ENFERMEIROS continue.
Não podemos aceitar que se preparem para nos reduzir os suplementos a um valor ridículo, nunca aceitaremos essa redução.

Exigimos que o SEP e o Ministério da Saúde não voltem a cozinhar um outro acordo em que seremos todos prejudicados, como o último que assinaram ( a tal dita carreira ). Não podem continuar a prejudicar assim os Enfermeiros.

O silêncio do SEP em relação ao Pré-Hospitalar é lamentável, e revelador do seu sentido de responsabilidade na defesa dos Enfermeiros. Durante uns tempos andou a entreter os Enfermeiros, que lá trabalham, com alegadas reuniões com a administração do INEM, encontros do pré-hospitalar. Só fogo-de-vista!

Agora desapareceram, ninguém sabe deles. Gostaríamos por exemplo de saber qual a sua opinião sobre a carreira dos TAE……se os encontrarem digam-nos que nós perguntamos.

Mas a opinião não deve ser muito favorável aos Enfermeiros, ou não andassem sempre a apregoar que…. “ não somos contra a carreira de ninguém…”. Para bom entendedor….

Por todas estas questões e mais algumas lanço um alerta.

Tenham cuidado Enfermeiros, às vezes a embalagem engana e só quando se abre se percebe a desilusão. Não é por andarem sempre nos serviços a distribuir papéis da CGTP (na sua maioria), que estão mais atentos aos problemas. Pelo contrário….é para entreter.

A garantia que vos damos, é que iremos lutar até ao limite do possível pela PROFISSÃO DE ENFERMAGEM.

LUTAREMOS


Por uma carreira única que não exclua ninguém, independentemente do seu vínculo laboral.


Por uma tabela salarial condigna, que nos pague como licenciados e disso nunca vamos abdicar. Não podemos tolerar que nos tratem como licenciados no diploma, e na folha de vencimento nos tratem como licenciados de segunda.


Por uma participação efectiva nos grupos de trabalho da reforma do SNS. Não admitimos que o Sr Ministro continue a colocar os Enfermeiros sempre de parte nesses grupos de trabalho quando a maioria das alterações nos afectam a nós.


Pelo reconhecimento da autonomia dos Enfermeiros. Isso é que é ser licenciado, é ser autónomo.


Por um modelo de cuidados de saúde primários em que os Enfermeiros sejam a sua base. Hoje eles trabalham e os outros assinam receitas, e os verbetes das consultas.


Por um modelo de cuidados de saúde primários único. Sem a confusão que reina hoje. USF, ECCI, UCSP, UCC, ninguém se entende. Quem paga são os utentes. Quem “recebe” chorudas compensações já sabemos quem são.


Por uma Enfermagem que exclua de vez a complementaridade, palavra tão querida ao SEP.

São estes alguns dos motivos pelos quais vale a pena lutar até ao limite. E o limite meus caros é a GREVE.

Mas não uma greve de cuidados mínimos. Não uma greve que leve o Sr Ministro a afirmar que os Enfermeiros foram exemplares na greve (como fez com troça a ministra anterior).

UMA GREVE como se fez na Finlândia.

Sem cuidados mínimos.

Temos que provar que somos essenciais, e só dessa forma.

O momento da verdade aproxima-se. Façam a vossa reflexão, e não deixem que nos ENXOVALHEM mais. As nossas posições são claras e transparentes e não abdicaremos delas.

Estamos certos que muitos se identificam com o que aqui está escrito, por isso juntem-se a nós para que nos coloquem no patamar em que merecemos estar, pelo nosso mérito, pela qualidade que demonstramos todos os dias.

Por último, tabela salarial!

A resposta do outro sindicato será como sempre a de que estamos em crise, e que não há dinheiro. Estranho….que a CGTP (desculpem o SEP), só diga isto a respeito dos Enfermeiros, (porque dá os parabéns aos médicos pelo acordo que fizeram…)

Muito estranho….ou não? Reflictam!

Sr Ministro se há dinheiro para uns, tem de haver para os outros. Se Vª Ex.ª tem orçamento para elevar quase ao dobro o salário dos médicos, também tem de haver para nós Enfermeiros.

TEMOS QUE SER FORTES E UNIDOS.




Cordiais Saudações Sindicais,
Vogal Direção, António José Silva."