Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - Guytonn

Páginas: [1] 2 3 ... 19
1
Cuidados Gerais / O que diz a a Ordem?!?
« em: Novembro 09, 2006, 12:43:57 »
Eu nem coloco a sede do problema no valor da quota! Até nem me importava de pagar mais se a Ordem fosse operante e eficaz. Infelizmente, com a Ordem que temos, qualquer valor de quota mensal é um exagero!. É frustrante saber que o que pagamos todos os meses é gasto em viagens para encontros do ICN e outros, para jantares, congressos, imóveis etc. Mas não se pense que sou contra os jantares e viagens da Ordem, desde que daí resultasse algum bem para a profissão.
A Ordem existe para garantir a qualidade dos cuidados...mas essa mesma qualidade atinge-se defendendo os Enfermeiros , pois são eles os intérpretes dos cuidados, conseguindo-se desta forma dividendos para os beneficiários dos nossos cuidados. No caso citado em posts anteriores, não tenham dúvida que se a questão fosse a prática de actos médicos por pessoal não médico, a Ordem dos médicos (e bem) já teria accionado todos os mecanismos necessários à activação dos mecanismos legais que levassem á punição dos prevaricadores.
Infelizmente, o que parece, é que a Ordem se preocupa mais em defender os clientes dos actos dos profissionais que representa, tratando-nos como um grupo imberbe. se assim o é, então subscrevo aquilo que um colega disse um certo dia:" se a Ordem existe para defender os interesses dos doentes e não os dos enfermeiros, então que sejam os doentes a pagar as quotas"

2
Cuidados Gerais / O que diz a a Ordem?!?
« em: Novembro 07, 2006, 20:33:08 »
A Ordem nada faz em defesa da profissão. A Enfermagem é devassada todos os dias, as suas competências saqueadas por outros, os cuidados de Enfermagem são banalizados ao serem executados por outros que não enfermeiros, o "portal" de acesso à profissão é mais largo do que a entrada do estádio das Antas e a carreira torna-se cada vez mais numa  miragem ...
Enquanto isto, a Ordem "diverte-se", à semelhança do Imperador Nero, que do alto de uma colina olhava a sua Roma sendo consumida pelas chamas enquanto tocava Harpa!
Não se esqueçam porém, que uma vez dada a derrocada da Enfermagem, aqueles que se esquivam para as "colinas" também vêm abaixo...

3
Formação Contínua e Desenvolvimento Profissional / especialização
« em: Novembro 03, 2006, 14:23:45 »
Nesta fase em que se augura uma mudança ao nível das especialidades, talvez seja recomendável uma atitude "wait and see". Depois de operadas as anunciadas alterações, será mais fácil decidir qual a especialidade a tirar caso contrário poderemos, a optar agora por uma especialização, estar a cursar uma especialidade defunta.

4
Ensino e Atividades Académicas / "Lei dos Maiores de 23 anos"
« em: Novembro 01, 2006, 13:43:37 »
Citar
Ninguem com apenas 4ª classe pode concorrer a um curso superior. Logo não pode concorrer a enfermagem. Isso seria o cúmulo.

De facto existe um estatuto para maiores de 25 anos que permite que uma pessoa com a 4ª classe  ingresse num curso superior mediante e execução de um exame "ad-hoc"

Citar
que é e para que serve o Exame Extraordinário de Avaliação de Capacidade para Acesso ao Ensino Superior
(ex- Exame Ad-Hoc.)?

é um exame que tem como objectivo possibilitar o ingresso no ensino superior a indivíduos que, não tendo as habilitações escolares exigidas e sendo maiores de 25 anos, mostrem possuir conhecimentos e capacidades que os qualifiquem a uma formação superior.
 
Quem se pode candidatar? Indivíduos que reúnam, as seguintes condições:

possuir ou completar 25 anos de idade até ao dia 30 de Setembro do ano em que pretende realizar o exame;
não possuir um curso secundário ou equivalente;
não ser titular de um curso de ensino superior.
 
 
Prazos?

Calendário
 
Onde se pode realizar a inscrição?

nos Serviços de Acesso ao Ensino Superior em cada distrito, ou nos serviços correspondentes das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.
 
Que documentos são necessários para a inscrição?

boletim de inscrição
boletim de Curriculum Vitae
declaração sob compromisso de honra de que satisfaz as condições de admissão
fotocópia simples do Bilhete de Identidade
certificados de habilitações
 
Preço da inscrição?

20 €
 
Quais as provas a realizar? Língua Portuguesa

é uma prova escrita de âmbito nacional comum a todos os cursos e que se destina a avaliar a capacidade de interpretação, exposição, expressão e imaginação do candidato;
tem carácter eliminatório, expresso em Admitido e Não Admitido;
realiza-se em estabelecimento de ensino superior público, particular e cooperativo e na Universidade Católica, de acordo com lista anualmente publicada em Diário da República.
a aprovação nesta prova mantém-se válida durante os 4 anos seguintes possibilitando efectuar mais uma inscrição com vista à realização das restantes provas para conclusão do exame
 
Entrevista

Destina-se a apreciar e a discutir o curriculum vitae, bem como as motivações do candidato na escolha do curso.
 
Provas Específicas

é uma prova da competência directa de cada estabelecimento cuja organização e realização está a cargo de um juri nomeado para o efeito
a prova poderá constar de um ou mais exames, todos com parte escrita e oral
na prova escrita, os candidatos que obtenham uma classificação igual ou inferior a 7 valores ou que não compareçam a uma parte escrita ou oral de um dos exames, são eliminados do exame.
 
Calendário
 
   
A que cursos se podem candidatar?

a cursos/estabelecimentos para o qual tenha realizado provas específicas;
as mesmas provas podem também conferir habilitação de acesso a curso congénere ministrado noutro estabelecimento de ensino superior, desde que, a requerimento do interessado, seja autorizado pelo orgão legal e estatuariamente competente desse estabelecimento
 
Quais os programas para os exames das Provas Específicas?

antes da Entrevista, o juri tornará público por afixação em cada um dos estabelecimentos, as áreas de conhecimento e a matéria sobre as quais incidirão os exames das provas específicas.
os conhecimentos para os exames das provas específicas para além de incidirem nos programas oficiais aprovados para as disciplinas do curso complementar do ensino secundário e do 10º a 12º. anos de escolaridade, procura também, sempre que possível, abranger capacidades e conhecimentos significativos adquiridos na prática profissional.
 
Qual a validade do exame?

A aprovação no exame é válido para a matrícula e inscrição no ensino superior, no curso indicado pelo candidato, no ano de aprovação e nos 4 anos subsequentes.
 
Qual o regime de candidatura para os candidatos aprovados neste exame?

Os candidatos aprovados nestes exames fazem a candidatura através do regime de Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior, (cujo prazo decorre normalmente no mês de Agosto).

(Portaria n.º 106/2002, de 1 de Fevereiro)
 
Onde encontrar mais informação?

A Direcção-Geral do Ensino Superior do Ministério da Ciência, Inovação e Ensino Superior, disponibiliza informação específica sobre este assunto nos seguintes endereços:
www.acessoensinosuperior.pt
ou no
CIREP- Centro de Informação e Relações Públicas da Secretaria-Geral do Ministério da Educação..
 
 

Índice Geral | Apoio ao utilizador | Contacte o CIREP | ©2004 Secretaria-Geral do Ministério da Educação

5
Ensino e Atividades Académicas / Empresas de serviços em Enfermagem
« em: Novembro 01, 2006, 13:39:36 »
Na Alemanha, a Enfermagem funciona assim ,por agenciamento, tal como as agências de modelos.
No entanto este modo de funciionamento impede a evolução do profissional, a aquisiçaõ de competências sólidas e a criação de vínculos laborais permanentes.
A Enfermagem tornar-se-ia numa espécie de profissão em "part-time" pois em muitos caos é mais o tempo em que o profissional ficaria inactivo do que aquele que passaria a trabalhar

6
Cuidados Gerais / 2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« em: Novembro 01, 2006, 13:22:30 »
Citar
Então será que alguém tem o direito de impedir outrem de realizar qualquer acto?

Claro que sim, porque o ser humano não vive isolado e todas as suas decisões têm um impacto na sociedade onde viven impacto esse que pode ser tolerado ou não.

Citar
Agora também questiono, esses que são a favor de manter os olhos fechados a algo que iria expor as mulheres que desejam abortar, mas que iria aumentar a qualidade dos cuidados e acompanhamento dessas mesmas mulheres, se serão eles que mais tarde iriam suportar esses filhos indesejados, sepultar esses bebés abandonados na sarjeta e no lixo, quem irá dar uma moedinha aqueles que lhes arrumam o carro

Pergunte a esses que lhe arrumam o carro se desejariam jamais terem nascido. Verá que apesar do seu infortúnio, eles prezam tanto a vida deles como você preza a sua. Não pode ter a veleidade de sugerir que a sua vida tem mais direito a existir do que a vida daqueles que vivem em condições económicas mais desfavoráveis,  . Esse tipo de filtragem é algo aparentado com uma filtragem social. O que há a fazer é, a nível político estabelecer condições de crescimento social. A solução não é acabar com os pobres, mas sim acabar com a pobreza. E quando fala em filhos indesejados, se questionar as mães que tiveram filhos indesejados e que , desejando abortar não o conseguiram, constatará que nenhuma delas se arrepende por ter seguido a gravidez até ao fim, não obstante as suas condições, e que ama tanto o seu filho "indesejado" como se este tivesse surgido do mais profundo desejo de ser mãe desde o início.

Citar
Deixemo-nos de exemplos únicos e pouco fáceis de ocorrer, pensemos que os que defendem a vida, mesmo que sem qualidade, jamais recorrerão ao aborto, agora não devem impedir outras pessoas de o fazerem, se em dado momento das suas vidas essa lhe parece a melhor opção

Defender o aborto livre é perigoso, e os que o defendem dão primazia absoluta à razão da mulher, seja ela qual for. E, sem demagogias, todos sabemos que muitas mulheres não têm capacidades para analisar a abrangência de tal complexa decisão. Para os defensores do aborto, a vida humana estará sempre subjugada às motivações da mulher, sejam eles mais ou menos válidas. Acerca dos exemplos pouco fáceis de ocorrer, sugiro-lhe que leia algumas estatísticas.

Citar
Falou-se ainda do facto de uma mãe ter remorsos por abortar, é óbvio, foi o que referenciei inicialmente, ninguém irá abortar de ânimo leve, nem ninguém poderá abortar sem estar esclarecido sobre o que é e os riscos que daí advém

O esclarecimento não deverá situar-se apenas no esclarecimento dos riscos. Deverá abranger tudo aquilo que o acto envolve, mas na verdade escamoteia-se a vertente do embrião, como se ele não existisse no meio desta problemática. As mulheres que fazem o aborto, na verdade, são subtraídas da verdade, na medida em que lhes é apresentado o aborto como uma boa alternativa, segura e higiénica. Pensa que as clínicas privadas vão apresentar o aborto como um último recurso, como algo a evitar? Isso dava-lhes cabo do negócio!

Citar
Não será que o aborto não é uma solução e um estímulo para investirmos na educação e sensibilização

Num estudo efectuado ao nível de estudantes do ensino superior (ou seja pessoas com formação e conhecimentos) foi constatado que a maioria mantinha relações sexuais sem o uso de contracepção. Acha, por exemplo, que aqui o défice é ao nível da educação sexual?
Por outro lado, o dinheiro que vai ser gasto a financiar a indústria abortiva daria para levar a cabo muitas campanhas de sensibilização e  educação e a tornar mais acessíveis os métodos de contracepção.

Citar
Será preferível uma mulher esvair-se em sangue porque infeliz não pode abortar numa clínica, não tem acompanhamento, ou que uma mulher optasse por algo doloroso, marcante e difícil, mas que tem o apoio de profissionais, que a ajudam a percorrer esse caminho???

Seria preferível que a mulher pura e simplesmente não abortasse. Para isso é necessário responsabilizar as pessoas acerca da sua vida reprodutiva, capacitando-as para a sua gestão. Mas  cada vez mais vivemos na cultura da desresponsabilização, "varrendo" para debaixo do tapete as consequências desses comportamnetos e atitudes irresponsáveis, contrinbuindo assim para a sua perpetuação. Por exemplo, se eu tenho algume que me livre das multas do estacionamento, vou continuar a estacionar o meu carro em situação irregular até me ser cobrada a multa.
Não podemos legitimar um acto que é mau independentemente das suas repercursões. Punam-se as abortadeiras que fazem estes actos na ilegalidade... Agora transformar um aborto num direito, parece-me abjecto, mesmo que por vezes ele signifique dano para a saude de quem o faz, porque actualmente existem alternativas ao aborto: o problema é que muitas mulheres só se lembram dessas alternativas quando o "azar" lhes bate à porta e depois  toca  a remediar o problema .
Curioso é reparar que muitas mulheres que fazem o aborto são reincidentes, muitas delas mais do que duas vezes: como diz a outra, não há coincidências e se transformar-mos o aborto num direito, então, como qualquer direito, pode ser exercido as vezes que se quiser, sem dar cavaco a ninguém, como aquela senhora que se veio vangloriar para a TV por ter feito 20 abortos na sua vida: esse era cadeia directa!

Citar
Ainda se falou, matamos um feto e não matamos um irmão mais velho... acredito bem que muitos pais o desejem no mais íntimo, a verem os filhos na rua, doentes, a prostituir-se, etc...


NAs suas palavras, muitos pais não matam os filhos apenas porque a lei se interpõe entre eles e o seu desejo! Fala como se tal acto fosse uma acção de benevolência, e pouco falta para considerar legítimo o "aborto" ao retardador.


Algumas crianças sobrevivem, é certo. Têm dificuldades económicas, não estudam, têm famílias disfuncionais...mas uma sociedade moderna não coloca o aborto como uma solução para eses casos. Isso é uma mistificação. A sociedade moderna cria condições para que essas crianças possam estudar, possaam ter uma alimentação adequada, um ambiente socioeconómico edificante. Mas mesmo esses crianças podem ser felizes, mesmo com dificuldades económicas, desde que o afecto esteja lá. Essas mesmas crianças, que você olha como se tivessem uma vida de menos valor do que a sua e portanto legitimamente evitável, têm o mesmo direito a existir do que eu, você ou qualquer outro.Não é o facto de sermos licenciados, de termos comida à farta ou um PC que nos torna mais legítimos.
Às vezes a felicidade não está só no lado do dinheiro, da abundância. Contacte com algumas crianças dos bairros de lata ou bairros degradados e perceberá que a maior parte delas não parece mais infeliz do que as demais crianças abastadas. A felicidade não está num extracto bancário. Além disso, quem disse que a vida tem de ser sempre fácil? às vezes a felicidade vem depois do caminho mais tortuoso!
Elogio-lhe a franqueza quando diz que é a favor do aborto e não usa aqueles circunlóqios mais elegantes que alguns usam para eufemizar a questão. Mas lembre-se que o aborto "à la Carte" pode transformar o nascimento de uma nova vida como um acontecimento de excepção, numa sociedade onde a regra é o fim da vida humana num caixote do lixo de uma qualquer clínica abortiva; também você, caro colega, poderia ser sobrevivente da cultura do aborto...


Para acolmatar, sugiro que consulte o código deontológico dos Enfermeiros, que deriva da sua ética profissional, e conclua se o auxílio na prática do aborto está em linha com essa mema ética.

7
Cuidados Gerais / E se o referendo da IVG fosse hoje?
« em: Outubro 31, 2006, 20:49:02 »
Já existe um tópico com a votação

8
Cuidados Gerais / 2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« em: Outubro 24, 2006, 22:12:37 »
Pedro Nunes, Bastonário da OM, disse que não percebe como é que o estado vai onerar a execução de abortos , tendo para isso já celebrado acordos com clínicas abortivas (apesar de o aborto ainda não estar referendado  (!?)), quando não disponibiliza gratuitamente a contracepção, ou quando o tratamento de certas doenças crónicas não é comparticipado na totalidade.
Além disso,  o já de si entupido sistema de hospitais do SNS vai ser sobrecarregado com mais este "charuto" prioritário, quando para cirurgias às cataratas , varizes , etc espera-se anos a fio, sendo o aborto mesmo colocado à frente de cirurgias de carácter urgente, como as oncológicas.

Por outro lado, o aborto sendo liberalizado, dá direito a uma baixa médica de 30 dias, com direito a "pensão completa" no que toca à parte retributiva.

9
Cuidados Gerais / Picadas com agulha
« em: Outubro 23, 2006, 14:33:32 »
Segundo normas recentes do cdc, já não é recomendado efectuar o sangramento da zona lesada. O que se recomenda é lavar a zona com Soluto de Dakin, efectuar a caracterização serológica do paciente onde foi usado o objecto cortante e recorrer ao seriço de saúde do pessoal caso a fonte seja serológicamente positiva ou de estado desconhecido, a fim de efectuar , no caso da SIDA a quimioprevenção.

10
Cuidados Gerais / 2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« em: Outubro 23, 2006, 14:30:46 »
Citar
Na Holanda o aborto é legal até às 22 semanas.


Actualmente, em unidades de neonatologia de ponta, prematuros com 24 semanas de gestação sobrevivem. Daqui a alguns anos, é provável ver-mos prematuros com 22 semanas sobreviverem fora do útero da mãe. Uma mãe que tire a vida a um desses prematuros de 22 semanas que esteja numa incubadora é crime, todos concordam, mas se o mesmo estivesse no ventre da mãe, já seria visto como um direito da mesma...

11
Cuidados Gerais / Algaliação
« em: Outubro 22, 2006, 18:46:01 »
Estudos revelam que ambas as medidas apresentam o mesmo nível de eficácia. A longo prazo nenhuma delas consegue evitar o aparecimento de infecções urinárias, mesmo efectuando a antisépsia diária do meato com iodopovidona. Uma alternativa que se tem mostrado promissora é o uso de algálais impregnadas com iões prata. Para algaliações de curta duração, a lavagem com água e sabão é um método quase tão fizaz como o uso de antisépticos. Tais medidas não invalidam no entanto, o recurso à norma asséptica.

12
Cuidados Gerais / Grupo Mello reduz vencimento a enfermeiros
« em: Outubro 22, 2006, 13:41:08 »
Existem escolas de Enfermagem onde o ensino da profissão é quase anedótico ou pelo menos pouco sério. Para além de contribuirem para a superabundância de Enfermeiros, não conferem as mínimas garantias de que aqueles que formam apresentam as mínimas condições formativas (e às vezes intelectuais) para praticarem condignamente uma profissão como é a Enfermagem (falo com conhecimento de causa). Se fosse levada a cabo uma auditoria séria às escolas, não uma auditoria meramente administrativa ou burocrática mas sim uma auditoria de campo, por certo se concluiria que muitas escolas de Enfermagem teriam de fechar ou então operarem profundas mudanças na sua filosofia. Penso que desta forma se daria um grande passo na minimização do problema da abundância de Enfermeiros em Portugal, ou no mínimo se estaria a fomentar o incremento da qualidade formativa em Enfermagem: porque o problema actual não reside só na quantidade exagerada de Enfermeiros que saem das escolas mas também na qualidade de muitos deles.

13
Cuidados Gerais / 2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« em: Outubro 22, 2006, 13:30:23 »
Enfsergio disse
Citar
Se o aborto for legalizado, a mulher que o pretende fazer deve passar por uma consulta informativa constituída por psicólogo, médico e enfermeiro, onde devem ser explicados pormenorizadamente o que é feito durante a cirurgia que leva à interrupção da gravidez, os prós e contras e estudar bem o que leva a mulher a ir abortar e ver se não há outra solução, de forma a não usar o aborto como novo método contraceptivo.


Pois, isso seria o mínimo a fazer. O problema é que na maioria dos casos em que o aborto é legal, não é dada nenhuma informação ou esclarecimento à mulher, antes pelo contrário, as coisas são feitas o mais celeremente possível para a mulher não pensar muito e mudar de ideias. Assim, as mulheres continuam com os mesmos défices de conhecimentos, não sendo por isso de estranhar que muitas sejam reincidentes na prática do aborto!

14
Existe uma contenção cega no que concerne à admissão de novos enfermeiros. Aparentemente, essa realidade será duradoura pois é necessário uma viragem na concepção de cuidados de saúde de qualidade por parte dos orgãos de decisão política deste país a fim de criarem estruturas e modelos de prestação de cuidados onde os enfermeiros são peça essencial para a prossecução dos objectivos e metas em termos de ganhos de saúde. Mas até se operar essa viragem é urgente refrear o ímpeto formativo em Enfermagem, pois não será a super-abundância de novos Enfermeiros que irá mudar a situação.
O que é triste é verificar que a poupança à custa dos cortes com o pessoal de Enfermagem é esbanjada de forma superfula ou pouco racional: veja-se o caso de alguns profissionais de saúde que nunca cumprem os seus horários de trabalho ou cujo rendimento está muito aquém daquele que seria desejável, do programa SIGIC de combate às listas de espera cirúrgicas que não é mais do que uma forma de bonificar aqueles que devida à sua ineficiência engordam (convenientemente) as listas de espera, etc...

15
Cuidados Gerais / 2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« em: Outubro 21, 2006, 19:43:57 »
Roten boy disse:

Citar
Hoje em dia com tantos métodos contraceptivos eficientes e informação, só corre riscos quem não está devidamente informado. E se não está devidamente informado, porque é que está sobre a opção de abortar? Sim, podem ocorrer certos acidentes numa relação sexual, mas... a sua causa está sempre associada a comportamentos de risco ou má informação.


Acerca disso, existe um estudo interessante, efectuado na FM da Universidade de Coimbra acerca da epidemiologia do aborto. Esse estudo revela que a maioria das mulheres que abortam são casadas e que abortam por não quererem mais filhos. Um dado relevante é que 86% dessas mulheres não usava rotineiramente qualquer método contraceptivo!

Páginas: [1] 2 3 ... 19