Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - bisc8

Páginas: [1] 2 3 ... 5
1
Trabalhar fora de Portugal / Re: Documentos a enviar para o NMC
« em: Fevereiro 22, 2013, 17:25:39 »
Citação de: EnfClau
Olá colegas! Tenho uma dúvida que espero que me possam ajudar...
Em relação às certificações, quer das traduções como das cópias, existe a tal folha que comprova que a tradução/cópia é feita a partir do original e com os dados da pessoa que certifica certo? E essa folha é escrita em português (pelo menos nos sítios onde andei a perguntar preços), já alguém teve algum problema com isso? Ou é mesmo assim?

Obrigada!

Colega, da minha experiencia e do feedback que tenho tinho dos meus colegas, não há qualquer problema com a folha do notário estar escrita em Português :)

Cumprimentos

2
Citação de: enfarfr
Citação de: bisc8
Portanto, deixem-me ver se entendi bem... Ha aqui alguns colegas indignados ao longo do tópico, porque os recém licenciados, voluntários, etc, estão em posições melhores e os referidos colegas alegam em sua defesa já possuírem infida-veis anos de experiência e que os cursos não valem nada (os que se realizam depois da licenciatura)...

Saibam os caros colegas, que não me encontrando em situação de recém licenciado nem com falta de trabalho, mas compreendendo a posição destes, gostaria de vos dizer que para terem experiencia os novos graduados precisam de trabalho (mas muitas vezes se verifica serem obrigados a ter experiencia para terem trabalho, o que é utópico e ridículo).

Mais ainda, gostaria de acrescentar, que se têm experiência, é porque têm ou tiveram trabalho... e se o têm, agarrem-no e deixem que outros tenham essa oportunidade... ter tal como vocês, uma oportunidade de trabalho neste país para que possam aplicar o que aprenderam, para que possam ter um salário e para que possam ter a vossa experiência... Se os recém licenciados ficaram em melhores posições, ainda bem, pois se calhar eles merecem o direito a uma vaga seja la onde for geograficamente falando, ou estarei assim tao errado? O vosso pão está assegurado meus amigos... Ou vamos mandá-los todos emigrar, para que a malta com experiencia ocupe os concursos todos e as vagas todas e consiga trabalho em frente à porta de casa???

Para terminar, quero ainda mostrar a minha tristeza quanto ao facto de percepcionar, não só aqui, mas em variadíssimos tópicos, que as formações são pouco valorizadas pela classe... É pena, pois afirmando-se a enfermagem como ciência, com corpo de conhecimentos cientifico que requer investigação e evolução constante, é pena que se pense que a licenciatura é o bastante na formação de um enfermeiro... Se me disserem, as formações são caras, eu digo-vos, sim, são ridiculamente caras, e se calhar muitas delas deixam a desejar o seu conteúdo e os próprios formadores, no entanto, a formações e cursos são e extrema importância para uma arte e ciência como a enfermagem!!! A evolução e acompanhamento da mesma devem ser constantes...

Cumprimentos a todos

Cada concurso tem os seus critérios, que devem ser o mais justos possíveis e adequados ao local de trabalho em questão.

Se é difícil que estes critérios sejam justos? Provavelmente sim. Mas, pela minha opinião e experiência profissional (meia dúzia de anos)  SEM DÚVIDA nenhuma que a experiência é o que mais deve ser valorizado!

Obviamente que tudo o que possa, de alguma forma revelar a adequação do candidato à vaga, deve ser valorizado.

Critérios justos para o lugar em questão e a correcta aplicação desses critérios.

Na minha opinião, deveria existir uma uniformização dos mesmos, que incluiriam:

- experiência profissional (aqui põe-se em causa se estágios, clínicas e afins devem também ser valorizados. Na minha opinião, sim, se estiverem mesmo relacionados com enfermagem).

- existência de especialidade em enfermagem

- existência de pós-graduação, mestrado e/ou doutoramento

- nota de CLE, já que penso que demonstra o esforço realizado ao longo do curso. Idealmente, isto deveria ser substituído por uma prova nacional, dado que uniformizaria os reais conhecimentos teóricos, removendo os enviesamentos de cada escola, causados pela variação de exigência de escola para escola

- outros cursos (formação em serviço, formação extra serviço, relacionada com enfermagem)

Poderiam existir outros critérios.

Coloquei os critérios por ordem que penso que demonstra a sua importância (por ordem decrescente de importância). Obviamente que quem não tem experiência preferia que a nota de CLE fosse mais importante (caso tivesse uma boa nota) e quem tem experiência concordaria com este modelo.

Existem ainda os critérios de desempate. Na minha opinião e sendo difícil avaliar a justiça dos mesmos, penso que a experiência em anos, meses e dias serviria para desempatar. Penso que seria mais justo que idade, ordem alfabética (já estive num concurso que foi desempatado por ordem alfabética).

Concursos em que se envia currículo, penso que é ineficaz... Milhares de currículos a serem avaliados aumenta certamente a possibilidade de erro. Isto resolveria-se com a criação dum formulário online onde os critérios fossem totalmente explicados e onde os candidatos assumissem a veracidade do que lá escrevem. Quando fossem tomar posse, teriam que apresentar os comprovativos, sob pena de serem excluídos, caso a veracidade não se confirmasse.

É uma área dúbia, verifica-se ainda muita disparidade entre instituições... Quiçá um sistema nacional de ordenação de enfermeiros resolvesse o problema.

Não quis com este texto ir contra ninguém ou demonstrar qualquer mau sentimento contra recém-licenciados. Todos nós passamos por ai e sabemos que não é fácil começar.

Bom trabalho e bons estudos.

Estou perfeitamente de acordo consigo colega ;) É de facto um bom caminho a seguir na minha opinião... Claro que a experiência e os anos de serviço devem sem dúvida ser valorizados e têm o peso que têm, no entanto, penso que não deva ser por isso que os nossos colegas recém formados devam perder oportunidades de mostrar o seu valor e adquirir essa mesma experiência.

Concordo também que a nota dos CLE depende muito de escola para escola, e esta opinião vale o que vale, mas a realidade é que os planos curriculares, objetivos pedidos e exigência solicitada é de facto diferente... Talvez um exame de admissão à ordem fosse uma solução?

Cumprimentos

3
Portanto, deixem-me ver se entendi bem... Ha aqui alguns colegas indignados ao longo do tópico, porque os recém licenciados, voluntários, etc, estão em posições melhores e os referidos colegas alegam em sua defesa já possuírem infida-veis anos de experiência e que os cursos não valem nada (os que se realizam depois da licenciatura)...

Saibam os caros colegas, que não me encontrando em situação de recém licenciado nem com falta de trabalho, mas compreendendo a posição destes, gostaria de vos dizer que para terem experiencia os novos graduados precisam de trabalho (mas muitas vezes se verifica serem obrigados a ter experiencia para terem trabalho, o que é utópico e ridículo).

Mais ainda, gostaria de acrescentar, que se têm experiência, é porque têm ou tiveram trabalho... e se o têm, agarrem-no e deixem que outros tenham essa oportunidade... ter tal como vocês, uma oportunidade de trabalho neste país para que possam aplicar o que aprenderam, para que possam ter um salário e para que possam ter a vossa experiência... Se os recém licenciados ficaram em melhores posições, ainda bem, pois se calhar eles merecem o direito a uma vaga seja la onde for geograficamente falando, ou estarei assim tao errado? O vosso pão está assegurado meus amigos... Ou vamos mandá-los todos emigrar, para que a malta com experiencia ocupe os concursos todos e as vagas todas e consiga trabalho em frente à porta de casa???

Para terminar, quero ainda mostrar a minha tristeza quanto ao facto de percepcionar, não só aqui, mas em variadíssimos tópicos, que as formações são pouco valorizadas pela classe... É pena, pois afirmando-se a enfermagem como ciência, com corpo de conhecimentos cientifico que requer investigação e evolução constante, é pena que se pense que a licenciatura é o bastante na formação de um enfermeiro... Se me disserem, as formações são caras, eu digo-vos, sim, são ridiculamente caras, e se calhar muitas delas deixam a desejar o seu conteúdo e os próprios formadores, no entanto, a formações e cursos são e extrema importância para uma arte e ciência como a enfermagem!!! A evolução e acompanhamento da mesma devem ser constantes...

Cumprimentos a todos

4
Propofol, quando enviei, enviei também uma carta de apresentação 8)

5
Citação de: Susanalves
ola colega...eu vou juntamente com o meu namorado!
Sabe se as pessoas que vão são experientes ou recém cursados?
Eu trabalho há 5 anos!

Os que eu conheço também são recém licenciados, mas ha sempre colegas com experiência nas entrevistas ;)

6
Trabalhar fora de Portugal / Re: KCIR - Enfermeiros para o Reino Unido
« em: Dezembro 20, 2012, 22:52:36 »
Citação de: marryse
Entrevistas a partir de 16 de Janeiro para Southampton, quem vai?  ;D

Conheço 5 pessoas que vão :D

7
a minha resposta não era para si, mas obrigado :)

Cumprimentos

8
Ainda nao percebi onde está a nossa confusão... Está com muita "segurança" na sua resposta...

Uma maça vermelha Vs uma amarela VS uma reineta na prática não são a mesma coisa???

9
Trabalhar fora de Portugal / Re: Documentos a enviar para o NMC
« em: Dezembro 16, 2012, 17:20:28 »
Sim, concordo com essa razão... Ainda assim, tudo depende da forma como o tradutor escreva... No meu caso, lembro-me que o tradutor oficial, como é regra (e aqui é mesmo regra) começa por providenciar uma folha de rosto, ou capa, como quiserem chamar, em que constam os seus dados completos e formas de contacto, a data e assinatura manual. Nesta referida folha de rosto, o tradutor assume-se como oficial certificando que tem competência tanto na língua Portuguesa como na Inglesa, referindo que as traduções dos documentos B1 B2 e B3 por exemplo, são traduções oficiais dos documentos originais Portugueses A1 A2 e A3 respetivamente.

Neste caso, o documento em Português surge primeiro A1 e devidamente marcado como tal, seguido bo B1 em inglês, igualmente devidamente identificado como B1... Tudo depende do texto que se escreve. Se o texto for escrito de forma inversa, então naturalmente que aparecerá primeiro a tradução e depois o original.

10
Trabalhar fora de Portugal / Re: Documentos a enviar para o NMC
« em: Dezembro 15, 2012, 16:09:25 »
Citação de: NocBeast
Não sei se se terá enganado a escrever, mas não quereria dizer que a maioria dos advogados recusam-se a fazê-la em Inglês?!
De qualquer das formas as certificações terão que ser sempre traduzidas.Qualquer documento em português carece de tradução oficial para ser enviado para o NMC.

Isso não é bem assim...

11
Considero que o comentário da colega Cátia_* reflete de facto a importância da enfermagem nos cuidados paliativos...

Tenha pena de ter assistido em alguns locais, um défice preocupante de elementos de enfermagem a prestarem cuidados em unidades de paliativos ou mesmo internamentos de longa duração...

A enfermagem e tudo o que ela representa é mais que essencial para a manutenção do conforto e qualidade de vida dos doentes, sejam paliativos ou não... Mas no caso dos paliativos, é através da enfermagem que podemos proporcionar um fim de vida o mais confortável e digno possível. É a enfermagem que tem essa capacidade e sensibilidade, e integrados numa equipa multidisciplinar, coesa e que trabalha para o mesmo fim, os resultados que se podem obter são de facto muito bons.

Além disso não podemos esquecer que sendo a enfermagem quem garante a continuidade dos cuidados 24 por 7 o nosso papel vai muito para além da componente técnica e científica. A nossa parte humana é dos aspectos mais importantes que podemos oferecer aos nossos utentes, servindo muitas vezes como ouvintes e confidentes destes doentes que muitos deles são totalmente dependentes e estão em fim de vida.

Cumprimentos

12
Citação de: MarKo
Boas colegas,

Tecido necrosado VS tecido desvitalizado VS fibrina, na prática não é a mesma coisa?

Obrigado.

acha??? :0

13
Assuntos laborais / Re: Dúvida ERS
« em: Dezembro 13, 2012, 20:00:53 »
Colega de facto não lhe sei responder a essa questão mas aconselhe-se junto do sindicato, eles normalmente sabem esclarecer muito bem essas questões...

Cumprimentos

14
Assuntos laborais / Re: Alunos a terminar o curso
« em: Dezembro 13, 2012, 18:33:36 »
Três ex-alunos da mesma instituição num só tópico é obra :) EsEnfC é que é bom, apesar dos discursos serem sempre os mesmo realmente :)

15
Assuntos laborais / Re: West Suffolk, Quem vai??
« em: Dezembro 13, 2012, 17:37:57 »
Citação de: MSL
Ola! Eu tambem passei nas entrevistas para Suffolk! :) Como se chama o grupo no face?

bjs!

West Suffolk Hospital

link directo: https://www.facebook.com/groups/529346837075748/

Cumprimentos

Páginas: [1] 2 3 ... 5