Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - HMartinho

Páginas: [1] 2 3
1
Cuidados Gerais / Correcto posicionamento de SNG
« em: Dezembro 02, 2014, 20:30:35 »
Boas noites caros foristas,

Que método utilizam para verificar a correcta posição de uma sonda nasogástrica?

O que aprendi em aulas, tanto teóricas, como práticas, é que o método auscultatório é o mais eficaz, a seguir, obviamente, ao  controlo radiográfico, sendo que é  este o método o que os professores recomendavam para a prática. Em ensino clínico, é o metodo que utilizo. Além de auscultar o "borbolhar" do ar, aproveito, e ausculto ambos os hemitorax, tanto posteriores como anteriores, procurando simetria do murmuro vesicular e a presença de ruídos adventícios (para avaliar statuts respiratório pós entubação).

Entretanto, li alguns artigos na internet, que referiam que este método, tem alguns falsos positivos, e que a associação americana de enfermeiros de cuidados intensivos, recomenda o controlo radiográfico em todos os utentes entubados.

Tendo em conta que não é, de todo, plausível realizar rx apenas por este motivo (além de não ser competÊncia do enfermeiro, não faz sentido algum, submeter estes utentes, principalmente os "entubados crónicos", a constantes doses de radiação), qual a alternativa que acham mais fiável?

Partilhem a vossa experiência.

2
Cuidados Gerais / Re: Doulas, partos orgásmicos e Companhia
« em: Março 08, 2013, 23:15:51 »
Citação de: limarta
Porque tanto se luta em Portugal para defender nichos de trabalho em vez de cooperarmos todos em conjunto, equilibrando e complementando cada uma das nossas funções com vista a um melhor atendimento à grávida/casal?


As parteiras ou enfermeiras-obstetras não são muito melhores que as doulas... são diferentes... têm outro nível de actuação...

Sabem que na Holanda há doulas a dar formação nas escolas de parteiras? Assim como nas formações de doulas, há parteiras como professoras.

Sabem que na Holanda a convivência doulas/parteiras é amigável?... a doula dá a continuidade de acompanhamento durante o parto, permitindo à parteira ir a vários domicilios ao mesmo tempo caso seja necessário?

são apenas alguns pontos para reflexão...

Então se quer reflectir, outras premissas têm que se levantar:

- Aqui ninguém está contra as doulas. Aliás, muitos foram o que disseram que estas têm um papel importante durante a assistência ao parto. No entanto, cada macaco no seu galho.

- Dizer que as parteiras (tenho um bocado de urticária a este termo, já que são Enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia, e não parteiros), não são melhores a fazer partos do que as Doulas, desculpa dizer, mas é o mesmo que referir que um Enfº faz tão bem uma cirurgia, do que um cirurgião. Um Enfermeiro "parteiro", é um profissional de saúde licenciado e especialista que, primeiramente, teve que fazer uma licenciatura de 4 anos + especialização intensiva de 2. Fazendo as contas, 4 + 2 = 6 anos. As doulas têm uma formação de quanto tempo? Meia dúzia de horas.

- Dá o caso da Holanda. E eu pergunto: O tempo de formação de uma doula na Holanda, é de quanto tempo? Seria conveniente e pertinente referir isso. É o  mesmo que eu chegar aqui e dizer:
Nos EUA e na Inglaterra, os Enfºs prescrevem fármacos, logo os Enfºs portugueses também o devem fazer. Só que esquecia-me do facto desses Enfermeiros no estrangeiro, terem que fazer especializações, mestrados, doutoramentos e formações específicas de prescrição e terapêutica. O mesmo principio se aplica à questão doula vs enfermeiro obstetra.

Por fim, gostaria que me esclarecesse:

Se após o parto o neonato entrar em paragem cardiorespiratória, ou tiver uma outra emergência médica, o que a doula vai fazer? Chamar o 112 e rezar para que a viatura médica chegue rápido?

3
Cuidados Gerais / Re: DIABETES
« em: Março 06, 2013, 22:47:42 »
Citação de: JoanaGralha
Porque é que as Ilhotas de Langerhans deixam de produzir insulina?

Obrigada  :)

Se deixa de produzir insulina, imediatamente nos remete para a diabetes insulinodependente do tipo I.

Neste caso, a patologia é de cariz auto-imune. Digamos que o sistema imunitário produz anticorpos que vão destruir os illhéus de langerhans.

Penso que seja assim, vamos esperar que alguém mais responda :).

4
Saúde Infantil e Pediátrica / Re: paracetamol- dose indicada
« em: Fevereiro 16, 2013, 20:34:03 »
Então assim as coisas complicam. 38,5 ºC já é algo elevado, ainda para mais tratando-se de uma criança.

Ao administrar a dose que falta para prefazer a adequada, receio que isso depois venha a prejudicar a seguinte dose. No entanto, tendo em conta que o paracetamol tem uma meia-vida relativamente curta (cerca de 2 a 3 horas, se não estou em erro), pode ser uma hipótese a considerar.

Uma outra alternativa, a meu ver, seria falar com o médico sobre a eventual hipótese de administrar um AINE. Bem sei que não é boa prática administrar um AINE em conjunto com paracetamol, mas talvez fosse melhor do que dar de novo o paracetamol.

Uma outra alternativa, e era para onde eu apostava, seria recorrer a métodos mais tradicionais para baixar a temperatura, nomeadamente destapar a criança, e colocar compressas de água tépida nas axilas, ou o famoso banho de água tépida.

Lembrem-se, a febre é apenas uma resposta corporal, principalmente (entre outras causas), a processos inflamatórios/infecciosos, não é propriamente, em circunstâncias normais, algo maligno ao nosso organismo. Os antipiréticos apenas servem apenas para dar conforto à pessoa. Vejamos, por exemplo, o facto de ainda existir um grupo restrito de médicos contra a administração de antitérmicos, salvo em raras situações. (Quando a febre é mesmo muito elevada, e possa trazer outros riscos).

Portanto, a meu ver, o melhor mesmo seria esperar pela nova toma e, até lá, utilizar métodos de arrefecimento, e vigiar a temperatura com regularidade.

5
Saúde Infantil e Pediátrica / Re: paracetamol- dose indicada
« em: Fevereiro 16, 2013, 20:15:32 »
Qual o valor da temperatura aferida, após a administração do paracetamol?

6
O problema é que nem todos os desfibrilhadores, nos mais variados serviços, têm o modo automático.

Quer dizer, para mim isto não é problema, porque eu não tenho conhecimento que um Enfermeiro tenha sido alvo de sanções disciplinares, por tomar uma medida life-saving.

E não é preciso grande ciência para verificar um ritmo é desfibrilhável ou não.

Doente não responde ---> verifica-se pulso central, ao mesmo tempo que se monitoriza o ritmo---> não tem pulso:

- FV e TV s/pulso ---> desfibrilhar
- Assistolia e AESP ---> não desfibrilhar.
- TV mas com pulso ----> chamar o Médico/equipa de reanimação nos serviços que a têm, para ser realizada a cardioversão, que pode ser química ou electrica, em modo sincronizado.

7
Se uma TVP não é vista como urgência (já nem falo em emergência), deveria ser.

O risco de embolia pulmonar ainda é significativo. Depois em vez de terem um doente com forte dor no membro inferior,  podem ter um doente em franco compromisso respiratório, ou até paragem cardíaca (AESP, assistolia, são muitas vezes observadas em EP,  e que são de dificil reversão), ou seja, uma possível situação sem risco de vida pode, de um momento para o outro, reverter numa situação de risco iminente de vida.

8
Desculpem ressuscitar o tópico 8), mas como Estudante garantido a futuro Enfermeiro desempregado :-, tenho que começar a estudar o mercado internacional.

O que acham de Espanha, a longo prazo? Apesar de ter uma taxa de desemprego geral  elevadíssima (26%), pelo que vi no gráfico que deixarei no final, há regiões com baixíssimas taxas de desemprego em Enfermagem. O que os colegas acham? Tendo em conta que espero ter a oportunidade de fazer Erasmus em Espanha, tenho especial interesse neste país. É Espanha o EUA.


9
Ensino e Atividades Académicas / Re: Enfermagem Forense
« em: Janeiro 21, 2013, 22:33:14 »
Citação de: catmartins22
Citação de: HMartinho
As especialidadas enúmeradas são as únicas reconhecidas em Portugal, é certo.

No entanto, existem pós-graduações fora dessas áreas que, a meu ver, podem ser uma mais valia para os profissionais de Enfermagem. Na verdade, em 4 anos de curso, é impossível aprender todos os procedimentos que um Enfº irá desenvolver ao longo da sua vida profissional, nas mais diferentes áreas.

Por exemplo, uma pós-graduação em cuidados intensivos é, a meu ver, uma mais valia para todos os Enfºs que trabalham na área.

http://www.youtube.com/watch?v=8dZnDUjWaAU

http://www.youtube.com/watch?v=bjti7CoHKQo

Encontrei estes links. Parece que o hospital de Abrantes é o único no país que tem "Enfºs forenses". Ou melhor, Enfermeiros com formação para proceder  ao exame físico da vítima, e recolha de provas forenses.

sim tem razao mas continuam a não ser pós-graduações reconhecidas pela ordem, logo... pode tirar, ser uma mais valia etc etc mas ao fim e ao cabo continua a não ser mais do que um investimento pessoal por interesse na área em questão, pelo menos por agora em Portugal.
Como é obvio eu tambem acho muito interessante e util algumas areas específicas da enfermagem aidna pouco exploradas pelos órgãos que regulam a nossa profissão como os cuidados intensivos... Agora resta estabelecer a relação custo-beneficio que isso traz porque hoje em dia toda a formação é caríssima por isso deve ser bem pensada a sua utilidade objetiva para quem é formando...

Tem  toda a razão, tudo custa dinheiro, isso é inquestionável. Porém, pens que os utentes ficariam a ganhar. Profissionais especializados prestam cuidados mais diferenciados.

Pelo menos eu penso assim, e não quero, de todo, tirar o mérito a todos os Enfermeiros "generalistas" (não gosto nada deste termo, mas de momento não me ocorre outro).

10
Ensino e Atividades Académicas / Re: Enfermagem Forense
« em: Janeiro 21, 2013, 19:42:52 »
As especialidadas enúmeradas são as únicas reconhecidas em Portugal, é certo.

No entanto, existem pós-graduações fora dessas áreas que, a meu ver, podem ser uma mais valia para os profissionais de Enfermagem. Na verdade, em 4 anos de curso, é impossível aprender todos os procedimentos que um Enfº irá desenvolver ao longo da sua vida profissional, nas mais diferentes áreas.

Por exemplo, uma pós-graduação em cuidados intensivos é, a meu ver, uma mais valia para todos os Enfºs que trabalham na área.

http://www.youtube.com/watch?v=8dZnDUjWaAU

http://www.youtube.com/watch?v=bjti7CoHKQo

Encontrei estes links. Parece que o hospital de Abrantes é o único no país que tem "Enfºs forenses". Ou melhor, Enfermeiros com formação para proceder  ao exame físico da vítima, e recolha de provas forenses.

11
Ensino e Atividades Académicas / Enfermagem Forense
« em: Janeiro 17, 2013, 18:00:05 »
Olá pessoal,

como estudante de Enfermagem do 1º ano, tenho andado a investigar as suas especialidades, bem como perspectivas de carreira(Já se sabe que em Portugal nenhuma está bem de saúde, mas pronto).

Encontrei, entretanto, um  documentário que fala sobre Enfermagem Forense, especialmente nos EUA - Estado de Nova Iorque, cujo qual deixarei no final do post, caso queiram dar uma vista de olhos.

A minha questão é:

Em Portugal esta especialidade é reconhecida? Tem alguma perspectivas de carreira? Fazem o mesmo que os nossos colegas americanos?

Agradeço as futuras respostas. :)

Links para o documentário, que tem 3  partes:

http://www.youtube.com/watch?v=-Cj56hGyxag

http://www.youtube.com/watch?v=rYvdb-x7L0o

http://www.youtube.com/watch?v=j-bHzqB640U

12
Citação de: anambd
é verdade.. para tecnicas invasivas são necessários os trainings..

É estranho. Então quer dizer que, após os trainings já o podem fazer, certo?

Ou no caso de um Enfermeiro português, que já tem essa formação na licenciatura base, também tem de fazer esses trainings?

13
Boas pessoal,

esclareçam-me aqui uma dúvida:

Ouvi no outro dia um Enfermeiro a trabalhar no Uk, dizer que lá o pessoal de Enfermagem não pode colocar CVP's, algaliar ou colocar SNG's. Isto é verdade? :o

14
Citação de: Mauro Germano
Os médicos também não têm formação em SAV durante a sua formação...

Isso também não depende de faculdade para faculdade de Medicina? Como de Escola para Escola de Enfermagem?

A ESS de Bragança, por exemplo, estive a consultar o plano de estudos e tem formação em SAV. A ESS de Leiria, se não me engano, também tem.

Da mesma forma que um estudante de Medicina, em Anestesiologia, deve aprender SAV, ou estou enganado?

15
Cuidados Gerais / Re: Tatuagem/Expulsão da Instituição!!
« em: Setembro 21, 2012, 20:47:57 »
Citação de: "EnfSmart"
Tenho estado a ler o tópico e há uma coisa que não entendo bem...há muita gente a falar de modas no hospital relativamente a tatuagens e piercings. Eu tenho várias tatuagens, visíveis e grandes e nunca me disseram nada (porque comiam logo a resposta) e não considero que as tatuagens sejam moda...se as pessoas se tatuam é porque têm alguma intenção com isso, algum significado. Certo é que algumas se arrependem passado um tempo, ou porque a idade da maluquice já passou e já não querem aquela imagem, ou porque tatuaram o nome do actual ex   :o o problema é do raio da mentalidade de enfermeiras bacocas que já nem sabem como trabalhar e fecharam-se dentro daquele cubiculo onde fazem os horários tardiamente e o mundo parou para elas. Não são capazes de abrir a mentalidade para nada para além da Nightingale e chegam ao ponto de implicar com o cabelo, casacos e calçado?
Aliás, eu cheguei a ter um chefe que implicava por eu chegar de calções e sapatilhas ao serviço....de verão...Justificação:
" Devia saber que andar de calções dá mau aspecto...um aspecto desleixado e parece que veio do café"....e se tivesse vindo do café? lol lá fora não somos todos iguais? Mais tarde ficou inchado que nem um porco, quando o vi num shopping de calças fato de treino e t-shérti...soube-me tããão bem :P  o problema meus caros colegas é que a maior parte dos colegas cala-se muito caladinho com medo do chefe. Medo de quê?  Vai-vos bater? Se vos bater enfiem-lhes dois infestos no meio dos olhos e é legítima defesa..se vos despedir (e desculpem lá o desabafo) se calhar até era um favor que vos fazia.
Agora veio-me a imagem á cabeça do meme : "Fuck this shit...I'm done here..."
Eu falo apenas por mim , como é óbvio, mas eu preferia trabalhar numa caixa do supermercado e não ter sempre uma chefe com 500 anos a chatear-me o juízo do que trabalhar num serviço sob a pressão dessa mesma chefe. Nesse caso que se lixe a Enfermagem, porque antes de ser enfermeiro eu já era EU há muito tempo, e não é um trabalho que deve deixar um gajo maluco. Opiniões...
Voltando á vaca fria, eu acho que todos os enfermeiros se deviam tatuar da ponta dos dedos até ao pescoço. TODOS. E depois o que faziam as chefes? Mamavam a bucha e a vida seguia normalmente...com mais tinta...e mais cor, é certo, mas seguia como sempre devia ter seguido. E quem sabe se não tatuavam também um Pin-up de uma enfermeira hehe




Faz falta mais gente assim. De tirar  o chapéu!!!

Páginas: [1] 2 3