Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Tópicos - Guytonn

Páginas: [1] 2
1
Cuidados Gerais / OE trava emigração de profissionais
« em: Setembro 20, 2006, 22:53:17 »
Mais uma notícia que espelha bem a eficácia da nossa Ordem no que toca a assuntos de capital importância, como é o do emprego dos seus membros:
 
Citar
Porto - O Sindicato dos Enfermeiros (SE) afirma que a Ordem dos profissionais do sector está a impedir que estes emigrem para os Estados Unidos da América (EUA) ao travar a homologação de certificados exigida pelas autoridades americanas.
De acordo com a estrutura sindical existem no norte do país 150 pedidos, que a Ordem está a encaminhar para o departamento jurídico, «bloqueando as candidaturas e os timmings das mesmas» e atrasando a certificação «em pelo menos quatro meses».

«A Ordem é incompetente porque não é capaz de analisar os processos escritos em inglês por uma entidade certificadora internacional como é a Commission on Graduates of Foreign Nursing Schools (CGFNS)», afirma José Correia Azevedo, presidente do SE, em comunicado.

O sindicato admite agora «avançar judicialmente com acções que visem o cumprimento das normas legais nacionais e internacionais», considerando no entanto que os enfermeiros não poderão ser recompensados pela paragem nas suas carreiras.

Na nota informativa, o SE considera ainda que esta situação espelha «uma nova tendência no mercado em Portugal, derivada da escassez de postos de trabalho», que está a levar os profissionais do sector a procurar emprego nos EUA e no Reino Unido.

«Estão muitos profissionais com desejo de ir para o estrangeiro e este tipo de bloqueio está causar muita insegurança na classe”, conclui Correia Azevedo.


In www.radio.comunidades.net

Será que este atraso na certificação dos profissionais se deve apenas à inépcia dos serviços da Ordem ou é uma manobra intencionada com o intuito de impedir a todo o custo a emigração de Enfermeiros, por enquanto ainda não muito significativa mas que poderá em algum tempo derivar no êxodo dos profissionais para outros paises, pondo a descoberto a real falta de mercado laboral que a Oe diz não existir, mesmo que isso represente para alguns o desemprego?

2
Cuidados Gerais / 2º Referendo sobre a despenalização do aborto
« em: Setembro 15, 2006, 20:34:58 »
O 2º Referendo sobre a despenalização do aborto, desta feita questionando os portugueses se concordam com a despenalização do aborto até às 10 semanas irá ter lugar muito provavelmente no mês de Janeiro de 2007. Antecipando essa mesma data, seria interessante apurar qual a tendência de voto dos membros do fórum Enfermagem.

3
Competência acrescida: Tratamento de Feridas / Cursos PROVOBIS
« em: Agosto 31, 2006, 20:21:03 »
A Provobis vai realizar no PORTO dois cursos com interesse na área de tratamento de feridas.

-Tratamento de Feridas e viabilidade tecidular - Início a 21 de Setembro com duração de 60 Horas. INSCRIÇÃO 150 euros

-Suturas - 18 de Setembro com duração de 7 horas. INSCRIÇÃO 20 Euros

Inscrições pelo 707204040 ou 225194040

4
A Ordem anunciou a sua intenção em avaliar de 5 em 5 anos os profissionais de Enfermagem com vista à renovação da sua categoria profissional.
Apesar de ainda não se saberem com exactidão os métodos de tal avaliação nem aquilo que se quer avaliar, penso que tal medida poderá  ter um impacto muito positivo no exercício da Enfermagem pressupondo que se irão avaliar conhecimentos e competências para o exercício da profissão, assim como eventuais acções do profissional que representem avanços para a prática da Enermagem, quer localmente quer globalmente, recorrendo para tal a métodos idóneos.
Com efeito, tal medida poderá levar a que os profissionais não descurem a aquisição de conhecimentos e competências ao longo do seu trajecto profissional mantendo uma prática ao nível das exigências que como sabemos são bastante mutáveis.
Espero que uma ideia que à partida apresenta uma utilidade inequívoca não se transforme apenas numa medida de "estética" ou burocrática a exemplo do que acontece como algumas avaliações de desempenho que avaliam tudo menos o desempenho dos profissionais, nem que a avaliação se cinja ao inventário de certificados e papéis que não raras vezes nada têm a ver com a qualidade dos profissionais, como se esta pudesse ser apurada colocando o currículo numa balança.
Por último, penso que seria bom que tal medida se alargasse a outros grupos profissionais mas isso não está nas mãos da OE.

5
Com surpresa minha descobri que a nossa Ordem, assumindo a proa da inovação, anda agora a promover cursos de fotografia.
Alguém me esclareca qual é o enquadramento deste tipo de actividades que pouco têm a ver com a profissão nos propósitos de uma Ordem profissional. É que eu ainda não percebi.

http://www.ordemenfermeiros.pt/index.php?page=136&news=187#article206

Já agora, para quando um curso de culinária? :D

6
Cuidados Gerais / Segurança dos vários tipos de luvas
« em: Julho 16, 2006, 21:16:24 »
Actualmente existem váris materiais constituintes de luvas que são disponibilizadas aos profissionais de saúde, especialemnte o látex, o nitrilo e o vynil. No entanto, estes três materiais apresentam perfis de segurança distintos.
Cada vez mais são disponibilizadas luvas de vynil nos serviços como substitutas das luvas de látex, sendo que estas últimas são apresentadas na versão esterilizada, ao passo que as primeiras são cada vez mais usadas para a a maioria dos procedimentos.
No entanto, vários estudos tem posto em causa a segurança e fiabilidade do vynil, que tem sido generalizado em parte devido a imperativos económicos.
O seguinte link disponibilizada um estudo comparativo acerca dos três principais materiais de luvas... leiam e tirem as vossas conclusões

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?db=pubmed&cmd=Retrieve&dopt=Abstract&list_uids=10511487&query_hl=6&itool=pubmed_DocSum

7
Cuidados Gerais / Congressos E Cª
« em: Maio 30, 2006, 18:21:35 »
Congressos, Conferências, Jornadas...
Por aí populam vários eventos formativos de Enfermagem, mas são raros os eventos que primam pela qualidade dos conteúdos e intervenientes.
O que por aí se constata, é que de Enfermagem pouco se fala, optando-se pelas explanações de cariz eminentemente médico, que poucas implicações trazem para a Enfermagem...pior do que isso, são os painéis em que a maioria dos intervenientes são médicos, que "abrem caminho" para as intervenções geralmente "pálidas" dos enfermeiros que se sucedem no púlpito, como se a existência de assunto de Enfermagem dependesse necessáriamente da presença de assunto médico . Por vezes, dou por mim, participante desses mesmos congressos a questionar-me se não me teria enganado no local e tivesse entrado por engano num congresso médico.
Por outro lado, existe um grande défice de "postura" dos oradores traduzido pela manifesta impreparação na abordagem dos temas, o que se salda por apresentações pouco convincentes e que de forma geral não passam de simples leituras de conteúdos trancritos de livros agora projectados em ecrã gigante; Um assunto a ponderar melhor pelas comissões científicas aquando da escolha dos prelectores
Infelizmente, continuamos a assistir a verdadeiras exposições "Show-Off", com conteúdo pobre, pouco pertinente, polvilhadas com um grande conteúdo melodramático e multimédia, com uma mescla de músicas, filmes, imagens à semelhança dos conhecidos power-points que os amigos nos enviam para o mail, esquecendo que o seu intuito é o de formar e não divertir ou distrair.
Assim anda a formação em Enfermagem, à procura do seu caminho, tal como a profissão... Tentem ir a alguns congressos médicos , de engenharia, de direito e constatarão que os congressos de Enfermagem, regra geral estão a anos luz em termos de qualidade relativamente a estes. No entanto, ressalvo alguns casos de Excepção, em que  de facto se realizam eventos verdadeiramente de Enfermagem e  de qualidade, mas esses são oásis num grande deserto. Entretanto, vamos "brincando" aos congressos enquanto vamos praticando "Enfermedicagem" por aí!

8
Cuidados Gerais / Prestação da Ordem dos Enfermeiros
« em: Março 05, 2006, 20:19:11 »
Muito se diz e argumenta acerca da prestação da OE.A ideia prevalente é que muitos estão descontentes com a sua acção, encarando que esta não tem conseguido dirimir os grandes problemas da profissão. A presente votação tem como intuito auscultar a opinião dos frequentadores do fórum  Enfermagem, não tendo o ensejo de se constituir uma sondagem.

9
Cuidados Gerais / As Professias de um Enfermeiro
« em: Fevereiro 24, 2006, 17:19:43 »
Mais frequentes do que aqueles dísticos da Ordem dos Médicos, do ACP e do Herbalife só mesmo os dísticos automóveis da Ordem dos Enfermeiros...Nada a opor considerando que somos uma classe em plena expansão numérica. No entanto, já vi passar por mim veículos automóveis com o respectivo dístico e acerca dos quais ponho as minhas reservas acerca de a propriedade das viaturas ser detida por um Enfermeiro. MAs a cena mais caricata foi presenciada há alguns dias atrás, quando para espanto meu vejo uma daquelas Toyota Hiace apinhada de trabalhadores da construção civil com o distinto dístico da OE. Num rasgo de Nostradamus, indagei-me se, por inspiração providencial não me teria sido dada aquela visão antecipatória do futuro catástrofe da classe, face ao espectro do desemprego que paira por cima da nossa profissão, qual Urubu à espera da capitulação dos débeis. Será isto um prelúdio do nosso futuro? Será que daqui a alguns anos andarão efectivamente nas nossas estradas tractores, camiões, motorizadas de entregas de Pizzas ao domicílio e veículos da construção civil com o dístico da Ordem dos Enfermeiros, efectivamente tripulados e ocupados por membros da classe que, na falta de emprego enveredam por actividades alternativas? A ver vamos se a profecia se concretiza... :lol: :(  (Não sei se isto dá para rir ou para chorar)

10
Cuidados Gerais / Se o serviço o permitir...
« em: Fevereiro 01, 2006, 00:14:39 »
Há pouco tempo estive a discutir com um outro colega a fruição de direitos condicional à situação de "se o serviço o permitir". Na verdade este chavão é usado de forma excessiva pelas chefias para coartar os direitos aos enfermeiros :evil: . Muitas vezes, essa expressão pode ser convertida para aquela que lhe está subjacente que é a "se me apetecer..."Concretizando, temos o exemplo das dispensas para formação. Existem serviços onde reiteradamente os pedidos de dispensa para formação são negados pelas chefias pois o serviço não permite. Pois, esta afirmação é muito vaga e não serve de fundamento. Tal afirmação tem de ser acessorada por  argumentação válida o que quase nunca acontece. E é muito difícil ao Enfermeiros rebater essa "sentença" pois a avaliação do chefe não está sujeita a posterior validação. Logo, como poderemos nós fazer valer os nossos direitos?  Como poderemos rebater uma recusa  que muitas vezes se baseia em arbitrariedades?  :roll: No caso da formação, cada um tem 105 HRS/ano para usufruir. A verdade é que na maioria dos casos, nem 10% dessas horas são usadas pelos enfermeiros; existem casos em que o serviço não permite porque está concebido de base para não permitir que os enfermeiros usufruam dos direitos que (ainda) lhe são conferidos e não porque circunstâncias excepcionais tornam essa autorização inviável. E depois lá vem a vetusta desculpa...o serviço não permite...E não permite porque...

...Tem gente a menos
...Tem trabalho a mais
...Existe muita gente de férias
...O chefe não vai com a tua cara
...As chefias não valorizam os direitos dos enfermeiros
...Não dás escova suficiente ao chefe
...E outras coisas que nem nos passam pela cabeça :?:  :?:  :?:  :evil:  :evil:


Acho que essa do "se o serviço o permitir" muitas vezes serve de arma de arremesso contra os enfermeiros :x . Enquanto as decisões não forem questionadas e se escudem em argumentos opacos e indefinidos, pouco podemos fazer para defender os nossos direitos.

11
Cuidados Gerais / O Fim das acumulações em Enfermagem
« em: Janeiro 18, 2006, 00:12:34 »
É amplamente aceite que um grande apanágio da profissão de enfermagem é o 2º emprego ,vulgo acumulação. De facto, raro é aquele que se circunscreve à prática da sua profissão num único "locus" de trabalho. No entanto, esta situação levanta algumas qustões ingentes que após esclapelizadas deixam a descoberto algumas incongruências e incoerências: Se por um lado esta situação nos permite aceder a um determinado estilo de vida, por outro ele representa um atropelo àquilo que está consignado como garante da boa prática profissional pois não raras  vezes essa acumulação reduz os tempos de descanso entre turnos, aumenta a duração do período de trabalho contínuo, infere um desgaste maior e mais prematuro, reduz a disponibilidade do profissional para a formação contínua formal e informal, reduz as capacidades de raciocínio e concentração para além de outras perniciosidades. Existem estudos que corroboram os efeitos nocivos dete tipo de gestão dos tempos laborais. Ora, no tempo hodierno em que se esgrimem argumentos contra a dilatação da idade da reforma, muitas vezes baseados no perigo que esta representa para a qualidade dos cuidados e após uma luta de anos no sentido de diminuir o horário laboral para 35H/semana, não constituirá esta situação uma grave incoerência? E quando se vaticinam tempos difíceis ao nível da empregabilidade para os enfermeiros, a acumulação poderá vincar ainda mais as dificuldades devido á assimetria de distribuição do capital de emprego. Penso que seria profícuo a criação de um regime de exclusividade para enfermeiros, com contrapartidas remuneratórias a exemplo do que acontece com a classe médica que por sinal é a campeã das acumulações e simultâneamente da ineficáca na saúde. A OE já demonstrou preocupação em relação a esta realidade omnipresente e declarou que deveriam ser criados mecanismos no sentido de promover a separação entre a actividade pública e privada ao nível da enfermagem. Apesar de não ser contra quem acumula ( faço mea culpa pois eu acumulo) sou contra as acumulações sem nenhum tipo de regulação. Deveria ser imposto um limite de horas para a acumulação e idealmente imposto o fim das acumulações desde que os enfermeiros sejam bonificados satisfatóriamente dessa limitação, como serem remunerados como licenciados; Estou certo que desse modo todos iríamos colher vantagens e a própria profissão sairia dignificada e revigorada.

12
Cuidados Gerais / Acto de Enfermagem
« em: Dezembro 11, 2005, 15:02:03 »
Será que existe acto de enfermagem? Será que pode existir uma profissão sem possuir verdadeiramente um conjunto de actos e acções que lhe são exclusivas?
Pergunto isto porque na verdade, parece-me que a enfermagem vive em casa alugada, em que a quallquer altura pode receber ordem de despejo... Presumimos erradamente que a administração de terapêutica, os pensos, as algaliações e outros actos quejandos são consagrados exclusivamente a nós, estando a sua execução reservada à enfermagem; puro engano! Estes, no espectro da legalidade, são actos médicos delegados à enfermagem (quem não concordar embrenhe-se um pouco no estudo do direito). Como actos médicos, estes podem ser delegados pelo médico a quem, no seu entender reúna condições e capacidades para os executar; Logo, a ideia idílica de que possuímos um conjunto auspicioso de competências técnicas conquistadas pela profissão poderá rápidamente mostrar-se uma verdadeira falácia: em quantos consultórios médicos são as assistentes dos médicos que fazem pensos, administram terapêutica e se dedicam a actos ainda mais "clandestinos" que entram directamente no âmago da enfermagem. Até nos Hospitais existem casos de auxiliares efectuando pensos sob a orientação e mandato do médico!!! E o mais grave é que ele pode!!! Urge construir um corpo de actos exclusivamente consagrados à enfermagem (no papel e na prática), tutelados por esta sob pena de um dia encontrar-mos a nossa casa ocupada por um novo inquilino escolhido pelo seu senhorio ... Temos de ser de uma vez por todas os verdadeiros dignatários do que executamos, tornar propriedade da profissão aquilo que fazemos e não ser (legalmente) aquilo que tácitamente outra profissão nos deixa ser. Os congressos do ICN em Taiwan são muito bonitos, assim como os Workshops promovidos pela OE mas o que até agora temos visto é um chorrilho de palavras líricas que na prática pouca ressonância tem... Para poesia e prosa temos o Manuel Alegre e o Camões! Necessitamos é de acção!  A OE necessitade de discutir esta problemática doa a quem doer e mais importante do que discutir, empreender, agir; É a sobrevivência da profissão que está em jogo!

13
Cuidados Gerais / Ordem apresenta queixa-crime
« em: Novembro 06, 2005, 18:43:13 »
Na sequência de uma visita ao site da OE daparei-me com a seguinte notícia que seguidamente transcrevo:
"A Secção Regional do Norte teve conhecimento da publicidade (panfletos e outdoors) efectuada por uma discoteca do Concelho de Guimarães, cujo tema " Noites de Enfermagem" colocava em causa a dignidade da profissão, pelo que, a Ordem dos Enfermeiros apresentou uma Queixa-Crime na PSP de Guimarães."
Não será isto exagerado.? Ao que a noticia deixa depreender , a discoteca apenas se limitou a promover um evento, à semelhança de muitos outros que se repetem por esse país fora com outros cursos (Noite de Engenharia, Noite de Economia etc...). Por mim, não detecto nada de ofensivo nas "Noites de Enfermagem", partindo do princípio que este evento se refere às Noites de Enfermagem no contexto de confraternização académica. Claro que penso existir fundamento para uma queixa crime caso estas "Noites de Enfermagem" consistirem numa espécie de Festival Carnavalesco  em que a imagem do profissional de enfermagem seja "fetichisado". Já imaginaram se a Ordem dos Médicos, dos Advogados, dos Engenheiros etc se dedicassem a mover queixas crimes contra todos os bares e discotecas que promovessem "noites temáticas?"  No meu entendimento, está-se a matar moscas com balas de canhão. Talvez fosse mais prolífico canalizar as nossas energias e recursos para as verdadeiras batalhas da profissão.

14
Ensino e Atividades Académicas / Médias no Curso de Enfermagem.
« em: Agosto 30, 2005, 14:50:34 »
Um destes dias estava a conferenciar com uma amigo Engenheiro acerca do ensino Superior em Portugal. Conversa vai conversa vem, a conversa derivou para o ensino da enfermagem. esse meu amigo coloucou-me então uma questão com a qual já me havia confrontado: As elevadas médias finais com que muitos alunos acabam os seus cursos de enfermagem (especialmente em algumas escolas bem identificadas) e a sua verdadeira correspondência com o seu valor real. De facto, concluímos que o curso de enfermagem é aquele que apresenta as mais elevadas médias de conclusão, o que não abona muito para a credibilidade da nossa formação pois isso seria o mesmo que assentir que os alunos de enfermagem são aqueles que atingem com maior plenitude os objectivos do seu curso, o que está longe de ser verdadeiro, como já pude constatar pessoalmente por diversas vezes . Um aluno do curso de medicina ou direito que conclui o curso com média 16 é sem dúvida um aluno de excepção ao passo que em enfermagem é um aluno regular.Penso que as elevadas notas advém de um facilitismo na avaliação acompanhado por uma certa negligência na orientação dos alunos, que muitas vezes advém destes serem orientados em estágio por enfermeiros de serviço que muitas vezes vêm no aluno uma forma de aliviar o trabalho a ele adido e não um elemento numa fase muito importante da sua formação e que por isso necessita de um acompanhamento esclarecido e edificante; Tal tem como directa consequência um certo laxismo de muitos alunos pois admitem (especialmente em estágio) que independentemente da sua performance existe uma espécie de "nota mínima subliminar". Penso que urge harmonizar a avaliação dos alunos de enfermagem ao nível das várias instituições e definir claramente os seus parâmetros. Gostaria de deixar este assunto no ar e de colher algumas opiniões a seu respeito.

15
Uma das minhas dificuladdes é encontrar na web imagens relacionadas com a nossa prática e que apresentem boa qualidade artística e simultaneamente uma definição aceitável. Existem vários bancos de imagem "Royalty Free" que apreswentam uma constelação de imagens soberbas mas têm a desvantagem de ser necessário efectuar o seu pagamento.
Agradecia que me indicasse algum site onde possa aceder a imagens da prática de enfermagem, médica e afins de um modo gratuito. Obrigado

Páginas: [1] 2