Forumenfermagem

Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - anya_Skywalker

Páginas: [1] 2 3 ... 12
1
Trabalhar fora de Portugal / Re: Ordenado Líquido UK
« em: Junho 17, 2014, 18:59:46 »
Boas, uns meses mais tarde... ;)  Um Band 5 em inicio de carreira vai receber de ordenado base, cerca de 1330 libras por mês. Na minha experiência de trabalho em hospital por turnos, normalmente o ordenado é um pouco mais alto, entre as 1400 e as 1500 libras. Para fazer o cálculo basta ir a um site tipo o http://www.listentotaxman.com/index.php  e pôr o salário anual bruto. Na pension, se estiver a trabalhar para o NHS deve pôr 9.3%... Se fôr para o privado vai variar muito.

2
Existem cuidados de saúde primários em Inglaterra, claro. :)

Existem as GP surgeries (semelhantes aos nossos Centros de Saúde, com médicos de família, enfermeiros, e serviços diferenciados), existem as Minor Injury Units, Walk-In Centers, GUM clinics (clinicas de Infecções Sexualmente Transmissíveis). Existem cuidados ao domicílio. Os enfermeiros de cuidados primários são normalmente chamados District Nurses, apesar de tambem existirem Health Visitors e Community Midwives. Creio que existe imensa falta de enfermeiros comunitários hoje em dia, mas não sei se estão a contratar muitos. Duas das minhas colegas de urgência mudaram-se para cuidados primários (os horários são melhores, ligeiramente menos stressante) recentemente, por isso obviamente existem vagas. No entanto ambas tiveram de frequentar cursos de enfermagem comunitária, apesar de mais de 6 anos de experiência em urgências e terem ambas feito a formação inteira aqui no reino unido. Os cursos foram pagos pelo empregador, é claro.

Talvez algum dos nossos colegas tenha informação em primeira mão sobre este assunto.

3
Cuidados Gerais / Re: Calcular Velocidade/Ritmo de Perfusão
« em: Maio 01, 2013, 13:19:46 »
Para evitar sobredosagem, especialmente em crianças, o ideal seria usar uma bomba infusora, programada apra administrar apenas a quantidade necessária. Falhando isso, retirar do frasco a quantidade excedente antes de perfundir a medicação. O potencial para erros é demasiado grande utilizando os restantes métodos, na minha opinião.

4
Ainda há uns dias atrás desfibrilhei uma doente, não partiu dente nenhuns e estava a falar comigo de bom humor 10 minutos depois.

Não me vou armar em heroína, isto foi feito em modo AED no desfibrilhador da reanimação, numa doente que já tinha tido PCR com FV no pré-hospitalar e começou a ter "runs" de FV... 1 choque, menos de um minuto de reanimação. E isto apesar de na altura estar rodeada de médicos (quando o alarme toca aparece toda a gente em menos de um minuto) eles simplesmente afastaram-se para o choque e pararam manobras quando sentiram pulso novamente.

Normalmente se estamos á espera de alguém em paragem, um dos médicos assume a liderança e decide se disfibrilha ou não. Mas em todas as restantes situações, quem chega lá primeiro decide... Ou melhor, o DAE decide por nós. Adoro DAE. :D

5
Ah, Cambridge. Pois, não admira que seja cara. É só a cidade de uma das universidades mais conhecidas do mundo, coisa pouca. Admira que alguém consiga alugar seja o que for por aí! Por acaso gostava de conhecer o hospital de Addenbrookes, passar uns dias por lá só para ver o trabalho que fazem com os doentes de trauma que para lá são enviados... Mas em termos de custo de vida, realmente acho que não me mudaria para aí.  :o

6
Trabalhar fora de Portugal / Re: Ordenados em Inglaterra
« em: Janeiro 31, 2013, 13:41:05 »
Infelizmente sem experiência no NHS e com os hospitais a tentarem poupar o máximo possível, não conheço neste momento nenhum que ofereça mais do que o salário inicial. Ao fim de 6 meses devem subir uma posição remuneratória, e ao fim de um ano mais uma. No meu caso subiram-me duas posições remuneratórias no final de meu 1º ano cá, pagando retroactivamente o que devia ter recebido a partir dos 6 meses.

Depois depende do serviço, do hospital, da possibilidade de se mudarem para outro lado. Tenho um colega português que veio no mesmo grupo que eu e que este mês foi promovido a Band 6 no serviço dele. Não sei quantos colegas se candidataram a essa posição, mas como são vagas que vão aparecendo nem toda a gente consegue. Estamos cá há pouco mais de ano e meio.

No meu serviço (Urgência) por exemplo é raro aparecerem vagas para Band 6 e há colegas (ingleses) que lá trabalham há 7 ou 8 anos que ainda são Band 5, com colegas mais novos a ocuparem posições de Band 6 porque se saíram melhor nas entrevistas. Vários colegas do meu serviço saíram para outros serviços para Band 6 também, e alguns mudaram de hospital... Noutros serviços os enfermeiros vão e vêm, pelo que existem mais posições em aberto e é mais fácil concorrer e Band 6 e ser aceite, desde que se tenha experiência no NHS e se demonstre capacidade de liderança.

7
Enf Filipe, em que zona estás a trabalhar? Pelo preço que me dizes parece-me ser Londres ou muito perto da capital, mas depois o salário não está a par! :o £550 por um quarto é bastante, mesmo tendo todas as despesas incluídas, eu andaria á procura de qualquer sítio mais barato (se não me importasse de partilhar casa) ou de um apartamento pequeno que ainda coubesse no meu orçamento, mas é muito mais difícil.

Aliás a minha situação mudou um bocado desde que escrevi neste tópico a última vez. A minha colega mudou-se, não me apeteceu ir para uma casa partilhada por isso agora moro sozinha num apartamento de 1 quarto (pago £595 por mês, mais council tax, electricidade, água+esgotos, internet+telefone, dá à volta de £780-£800 para as despesas fixas) mas a maioria dos meses poupo pelo menos 300 libras. Ganho mais, também, porque já subi de posição remuneratória - cerca de £1600 por mês sem horas extraordinárias. Não vou é a Portugal tantas vezes como a maioria dos colegas, o que se calhar justifica conseguir poupar um bocadito mais? Vou só 3 ou 4 vezes por ano, dependendo se tenho pessoal a vir-me visitar cá ou não, tenho colegas que vão quase todos os meses a casa (vidas familiares diferentes  :) ).

9
Tambem tens de ter a formação no hospital para onde vais, antes de os poderes fazer. Se mudares de hospital vais ter de os fazer de novo, a não ser que o hospital para o qual te mudes aceite a prova de que já fizeste o treino e foste supervisionado (tens de levar os documentos originais e assinados). O sistema funciona assim...

10
Trabalhar fora de Portugal / Re: Trabalhar no Reino Unido
« em: Outubro 05, 2012, 18:08:54 »
Citação de: Susanalves
Obrigado colega, mas isso já eu fiz e por isso abri este topico...pois o que gostava de saber e não vejo grande coisa, é relativamente às condiçoes de trabalho nos serviços, por exemplo rácios, carga horaria, em termos monetarios se compensa ainda trabalhar lá, e juntar algum dinheiro, ou seja se o custo de vida o permite....enfim coisas deste género, e o que encontro e mais como se faz para ir para lá, e isso eu ja sei!Obrigada   ;)

Rácios: depende de serviço para serviço. Não tens um rácio definido para doentes por enfermeiro. Não sei se usam algum programa para calcular as horas de cuidados necessárias, mas sei que serviços mais pesados como os de geriatria raramente têm mais pessoal do que serviços menos pesados como os de plástica. Trabalho em Urgência, e convivo mais com pessoal que trabalha na unidade de admissões urgentes em que o rácio é normalmente 5 doentes para 1 enfermeiro, com um auxiliar para cada 10 doentes. Na urgência tambem tenho geralmente 5 doentes, 1 auxiliar para 10 doentes. Ou na reanimação 2 doentes por enfermeiro durante o dia, pode chegar aos 4 á noite, nenhum auxiliar. Os serviços têm rácios muito mais elevados. 10-12 doentes por enfermeiro, ás vezes, mas costumam ter mais auxiliares para compensar.

Carga horária- 37.5 hors/semana. As tuas pausas durante o dia não contam em termos de carga horária. Se tens direito a 30 minutos de pausa, e o teu turno é das 7:30 ás 15:30, as horas que contam são 7h30m. Se fazes turnos das 7:30 ás 20:30 tens direito a uma hora de pausa (normalmente dividida entre manhã e tarde) e as horas de trabalho contam como 12h.

Em termos monetários, só tu é que podes saber se compensa. Eu ganho o suficiente para fazer uma vida normal, ir a casa de vez em quando (3 ou 4 vezes por ano) e ter um luxo ou dois por ano. Poupo dinheiro, mas não envio nenhum para portugal. O custo de vida difere muito de local apra local, não consegues comparar morar e trabalhar em Londres com morar e trabalhar numa cidade rural. Regra geral o custo de vida é mais elevado no sul do que no norte.

Para mim compensa, para outros pode não compensar.

11
O artigo diz que o maior problema é o tempo despendido em medidas de protecção da coluna que pode atrasar a chegada ao hospital. Mas colocar um colar cervical e por o doente num plano rígido demora assim tanto tempo? Até pode, em certos casos (extracções difíceis, por exemplo) mas não creio que seja o factor determinante em atrasos. Pelo sim pelo não, imobilizaria a maioria das situações, desde que o mecanismo de trauma fizesse suspeitar possível compremetimento da espinhal-medula.

Agora se levaram uma facada numa extremidade, continua a ser trauma penetrante mas diga-se de passagem que as indicações não devem de ser para imobilizar... Espero eu! ;)

Quanto ao facto de o colar cervical tornar mais difícil a entubação do doente, bem.... Será que não utilizam estabilização manual quando estão a entubar? É que realmente passar um tubo por uma boca cemi-cerrada é difícil, e duvido que mesmo um anestesista bastante experiente queira fazê-lo dessa forma...

12
Trabalhar fora de Portugal / Re: Hierarquia NHS
« em: Setembro 04, 2012, 11:55:16 »
Os Chief Nursing Officers (Ou Directors of Nursing) de cada hospital tambem têm salários variáveis. Creio que tem a ver com o número de camas que o hospital tem, ou o número de utentes que serve. Começam na Band 8. Não sei se chegam a ir á Band 9... E têm assistentes, não sei em que Band é que estes de inserem. Conheço o do meu hospital, tal como a sua assistente, porque vieram ambos falar conosco no 2º dia de Induction. E de vez em quando vejo-o nos corredores da Urgência. Tambem o apanho no autocarro, que ele vai no mesmo que eu de manhã. :P

As Lead Nurses (Directores de serviço, responsáveis pelo departamento todo e ás vezes por mais do que um serviço) podem ser Band 6, 7 ou 8. Depende do hospital, depende dos serviços. Sister/Charge Nurses são Band 6 ou Band 7 - depende do serviço. Band 6 são normalmente Junior Sister/Junior Charge Nurse. Band 7 são normalmente Senior Sister/Senior Charge Nurse. Staff Nurse, RGN, são Band 5.

Healthcare Assistants são Band 2 ou Band 3, dependendo das suas qualificações. Tambem existe o mítico HCA de Band 4 - normalmente um Healthcare Assistant com especialização em determinada área clínica. Não são enfermeiros e não têm regulação profissional por enquanto.

13
Nunca deixá-lo morrer? Nunca? Toda a gente tem de morrer, eventualmente.

Quando chegar aos 60 anos, ou mais cedo caso a minha saúde não esteja nos seus melhores dias, planeio fazer uma directiva avançada de cuidados (ou testamento vital, ou seja lá qual for a designação dada em seja lá qual for o país onde esteja na altura). Se tiver a sorte de chegar a determinada idade, não quero que tentem prolongar-me a vida caso tenha uma paragem cardio-respiratória. Não quero que usem medidas desproporcionadas á minha condição. Quero que quem quer que esteja a tratar de mim na altura, tenha a coragem de questionar "O que é que ela vai ganhar com isto? Se fizermos esta intervenção, quais são os resultados esperados? Qual a probabilidade de sucesso?" E se estiver consciente e orientada, hei-de ser eu própria a dizê-lo. Mas se não estiver, quero que quem esteja a tratar de mim possa saber, rápidamente, o que é que eu desejaria. E que não se sinta mal por não fazer xpto técnica toda bonitinha e completamente inútil...

Tenho intenções de fazer com que as pessoas mais chegadas a mim tenham noção dos meus desejos. Tal como sabem que desejo ser dadora de orgãos total caso tenha acidente grave com morte cerebral (não planeio ter nenhum acidente grave, tenho 27 anos e gostava de andar por cá por mais umas boas décadas, mas ninguem está á espera que tal aconteça não é?) quero uma forma de dizer a todos os que cuidarem de mim, que enquanto sã de mente decidi que x, y e z são coisas que não quero que façam caso não tenha oportunidade de expressar a minha opinião informada na altura. É muito simples. Decisão informada > boas intenções seja de quem for, na minha opinião.

A maioria da população não vai ter este testamento vital. Provavelmente numa situação de urgência, a não ser que a família ou companheiros tenha conhecimento e esteja organizada, alguns não serão respeitados por desconhecimento. Mas creio que se trata de um bom início...

14
Trabalhar fora de Portugal / Re: Documentos a enviar para o NMC
« em: Julho 25, 2012, 12:35:27 »
Citação de: ruteramos
Olá,

Tive a dar uma vista de olhos aqui no tópico para ver se conseguia tirar uma dúvida, mas fiquei na mesma.
Também estou a tratar do meu registo na NMC, deram-me hoje a informação que dois dos meus documentos não tinham sido aceites.
Os docuemntos que eles não aceitaram foram os originais em Português do Registo Criminal e da declaração da ordem dos enfermeiros. Segundo a NMC estes documentos originais têm que ser certificados (???). Mais alguém teve esse problema?
Mais alguém mandou documentos originais do registo criminal e da ordem?

Cumprimentos

Rute Ramos

Rute, o Registo Criminal e a Declaração da Ordem dos Enfermeiros estão traduzidos e certificados? Se sim, eu telefonaria para o NMC e explicaria que esses documentos são mesmo assim. Se o operador que te atender não aceitar, então pede para falar com um supervisor - e não aceites um não. De forma educada, claro, mas normalmente falando com um supervisor as coisas são mais simples. Se os documentos não tiverem sido traduzidos, o caso é muito diferente... Mas da maneira como expuseste o caso não parece que assim seja. Boa sorte!

15
Cuidados Gerais / Re: Perfusões
« em: Junho 30, 2012, 12:09:30 »
500cc a cada 6 horas, cada um com 10mmol de KCL - cerca de 83ml/h idealmente por bomba infusora (método que permite maior controlo) ou sistema microgota se existir. Se tiveres mesmo de contar gots/minuto, é mais complicado... Primeiro tens de verificar quantas gotas equivalem a 1ml - a embalagem do sistema infusor deve ter a informação escrita. Em segundo lugar, usas esse valor para calcular quantas gotas precisas para administrar 83ml numa hora, e depois divides por 60.

Por isso se forem 20 gotas por 1ml (exemplo dos sistemas de infusão que tneho no meu serviço), vais precisar de cerca de 28 gotas por minuto. Claro que este método é o que dá menos garantias de ser bem sucedido, já que é difícil controlar a quantidade dada desta forma. Mas se não há mais nenhuma opção, então é assim que pode ser calculado.

Páginas: [1] 2 3 ... 12