Forumenfermagem

Outras Dimensões da Profissão => Enfermagem e Politica de Saúde => : Vitor A. August 20, 2009, 02:06:00

: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 20, 2009, 02:06:00
Devem os Enfermeiros poder prescrever terapeutica?
Será que é o proximo passo da evolução da enfermagem?
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: dprocha August 20, 2009, 08:30:51
Nós já prescrevermos sem querer...
A Srª está com dores? O que é que tem em casa para as dores? Ora tome isso de tantas em tantas horas...Quem diz para as dores, diz para infecções urinárias (com furadantina), lipotímias, febres, diarreias, má disposição, algum eczema ou erupção cutânea que apareça, qualquer tipo de feridas (com excepção daquelas que exijam cirurgia), coisas que nós enfermeiros sabemos como lidar...
Mas também existe daquelas que nós sabemos lidar mas que simplesmente não o fazemos porque não prescrevemos...

Mas até que ponto é viável? Será que dois grupos profissionais a receitar não vai trazer confusão ao SNS?
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: susy4 August 20, 2009, 11:53:05
E a ordem dos médicos cai-nos em cima... nao creio que tenhamos para já força para iniciar um projecto destes...nós já somos prescritores como o colega diz ...mas e será q os utentes ja se aperceberam disso??? Seria um ponto a nosso favor se tivessemos os utentes nessa frente de batalha.
Eu acho que sim...que temos conhecimentos para podermos ser prescritores de algumas terapeuticas ( acho que em coisas mais especificas não devemos imiscuir-nos no trabalho do médico )
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Babyann August 20, 2009, 18:13:39
Andamos sempre a queixar-nos que cada vez mais aparecem novas profissões que nos estão a "tirar"-nos tarefas que competem aos enfermeiro, porquê que nós haveremos de tirar um trabalho que é da competência dos médicos?
Pessoalmente discordo, para além disso se isso acontecesse acho que as escolas teriam de optar por apronfundar a cadeira de farmacologia!
: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Pedro - ESEnfPorto August 20, 2009, 19:32:50
Discordo completamente em os enfermeiros prescreverem medicação.

Isso não passa por os enfermeiros quererem tornar-se uns medicos pequeninos...!

O caminho da enfermagem não deve seguir esse rumo...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: miguelittu August 20, 2009, 21:03:42
Não, e ponto final. Não há argumentação possível, os enfermeiros devem concentrar-se e lutar por aquilo que é nosso e que perdemos todos os dias. Alguém se sente com preparação para prescrever??Eu não. E o paracetamol e o brufen da praxe qualquer utente vai à farmácia e compra sem precisar de nós.
Nem entro na questão das Ordens, a nossa nem teve argumentos para impedir a vacinação nas farmácias quanto mais para entrar nesse território médico sagrado.
Cumprimentos, boas práticas.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: susy4 August 20, 2009, 21:25:30
Colegas...existem paises em que os enfermeiros prescrevem medicação e EAD's em situações especificas....
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: SandroMelo August 20, 2009, 22:09:58
Não no actual paronama da enfermagem.
Agora se existice um diferente nível de enfermagem...como nos Estados Unidos...aí não teria dúvidas...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: dprocha August 20, 2009, 22:11:24
"Não e ponto final!" Isso na minha terra não é argumento...é uma maneira absurda de acabar o assunto...
Esse fórum existe para discutir coisas que normalmente é necessário perder horas a fio num anfiteatro para discutir temáticas, porque não achas que não devemos prescrever?

Se fosse a pensar assim, não realizaríamos técnicas que para nós um dado adquirido como a algaliação, a punção venosa, a injecção endovenosa, intra muscular, subcutânea, entubação nasogástrica, pensos, coisas que antigamente só os médicos realizavam...

Para mim é evolução...os enfermeiros têm de ser mais autónomos...não digo fazer as coisas sem dizer nada porque trabalhamos em equipa (médico, enfermeiro, auxiliar, administrativa) mas não temos que pedir licença para fazer coisas óbvias que simplesmente vêm do bom senso...

Vamos discutir isso...tens razão que andam a tentar roubar-nos competências mas isso todos estão a ver, e temos uma OE (que às vezes deixa muito a desejar...) para defender as nossas competências...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: keliinha August 20, 2009, 22:23:02
Olá colegas!

Sou da opinião que os enfermeiros deviam ter autorização para prescrever determinados farmacos, nomeadamente aqueles que ajudem a atenuar sintomatologias, como diarreias, nauseas, vómitos, dor, agitação, entre outros. Cabe ao médico diagnosticar e tratar a patologia, cabe ao enfermeiro cuidar e para cuidar é necessário também tratar sintomas. Doi-me a alma pensar que não posso administrar um paracetamol sem prescrição, mesmo que o doente esteja com emensas dores, se não tiver médico e não houver prescrição em sos n posso e pronto, é obvio que não o faço, acabamos em contexto hospitalar por administrar muitas exs medicação não prescrita. Alias é paradoxal que não possamos precrever farmacos cuja venda, em algumas circunstancias nem é sujeita a receita médica. Acho que facilitaria emenso o nosso trabalho se não precisassemos de correr atras dos medicos porque o doente tem dores, vomitou ou tem febre. Sou apologista das prescrições de enfermagem para tratar sintomas, não para tratar a causa desses sintomas, não pretendo prescrever antibioticos, citostaticos ou algo que esteja relacionado com o tratamento da patologia de base, pretendo apenas poder recorrer a farmacos autonomamente para o alivio de determinados sintomas, que se não forem atenuados põem em causa a recuperação e o bem estar do doente. Os colegas sabem bem que não ha ninguem melhor do que nos para poder avaliar a sintomatologia do doente.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Zeus-electro August 20, 2009, 23:20:32
Se tivesse de responder baseado na qualidade do português escrito aqui demonstrado, então seria um redondo NÃO!
Mas como o objectivo não é avaliar os conhecimentos da língua portuguesa, então a minha opinião é SIM! MAS, com algumas reticências!
Acho que nem todos os enfermeiros se encontram preparados para fazer pleno uso da prescrição de medicação, sem incorrerem em erros crassos e a razão disso está plasmada nos comentários que por aqui abundam.

@Keliinha
Os enfermeiros deviam ter competência para prescrever determinados fármacos e não autorização.
Entendo onde quer chegar, mas as suas afirmações contradizem-se!
Se compete ao médico diagnosticar e tratar a causa da patologia, compete ao enfermeiro contribuir para esse processo e não fazer exactamente o contrário. Se o enfermeiro prescrever medicação assente numa lógica de "atenuar" ou "tratar" sintomatologia, então estamos precisamente a dificultar o diagnóstico precoce e em última instância a prejudicar o doente.
Passemos às hipóteses sob esta lógica:
*doente com infecção de CVC ainda não diagnosticado. Apresenta febre neste momento.
      -procedimento Médico - hemoculturas (cvc e periféricas), antibiótico empírico, EAD's e no fim paracetamol em SOS
      -procedimento Enfermeiro - paracetamol 8/8h (não volta a ter febre)
   -->resultados:
      - médico - 2 dias depois, doente sem febre, culturas do CVC positivas, ajusta antibiótico de acordo com antibiograma, retira CVC, 7 dias depois curado.
      - enfermeiro - 2 dias depois, doente sem febre, prostrado, hipotenso, 7 dias depois, ventilado, falência multiorgânica devido a sépsis.

Sendo apenas um cenário hipotético e porventura exagerado, serve para demonstrar que o enfermeiro não pode usar esta lógica de "alívio" da sintomatologia como justificação para a prescrição de medicação, ou na verdade para o que quer que seja. A sintomatologia é manifestação de que algo não está bem. Se retirarmos o factor causal, desaparece a sintomatologia também, então não será nosso papel contribuir para o diagnóstico, numa perspectiva de interdisciplinariedade?

A colega diz, e eu concordo, "...não ha ninguem melhor do que nos para poder avaliar a sintomatologia do doente.". Apenas acrescento que avaliar implica muito mais que simplesmente atenuar ou eliminar sintomas. Implica perceber, ou pelo menos ter uma suspeita do que poderá causar tal sintomatologia e então agir em conformidade.

Nesta perspectiva, o enfermeiro poderia então prescrever medicação desde que garantidas as condições para um diagnóstico precoce e eficaz, sem mascarar potencias problemas.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Luisa August 21, 2009, 20:06:34
Estou a trabalhar em inglaterra e, da minha experiencia, conheço a diabetic nurse que, para alem de todos os cuidados inerentes à diabetes, prescreve insulinas e afins. Tb conheço o caso de uma enf da area de diálise peritoneal que tb prescreve medicaçao relativa a mesma. Sao casos muito específicos e nunca senti que houvesse qualquer tipo de problemas com os médicos, se bem que aqui as coisas funcionam de maneira um pouco diferente... alem de que a enfermagem aqui nao é melhor que a nossa, na minha opinião, claro...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Blanda August 21, 2009, 21:43:06
E vejam bem a confusão que dava com várias prescrições!
Médicos e Enfermeiros. Se prescreviam coisas diferentes para o mesmo fim!

Prescrever sim. Mas não farmacologia.
Produtos de tratamento de feridas, ajudas técnicas,...

E então as pílulas que são distribuídas nos CAJ, são prescritas por quem? xD
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: aNdR3 August 21, 2009, 22:44:50
Concordo com a prescrição de medicação, pelo menos de alguma selectiva (qual? não sei, isso seriam passos futuros), no local onde trabalho muitas vezes somos nós a fazer a selectividade de alguma medicação prescrita, sobretudo no que toca a analgesia, nebulizações, anti-hipertensores, entre outros, sobretudo medicação que é prescrita consoante a sintomatologia, na ausência da mesma alguma selecção é feita, entre outras atitudes/cuidados terapêuticos.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 21, 2009, 23:03:50
Este tema já foi para o Blog do Doutor Enfermeiro.
Sugeria uma leitura! Deveras interessante....

http://doutorenfermeiro.blogspot.com/2009/08/prescrever-ou-nao-prescrever.html (http://doutorenfermeiro.blogspot.com/2009/08/prescrever-ou-nao-prescrever.html)

A Enfermagem precisa de avançar um passo para a frente. Está nas nossas mãos evoluir, Inovar. Desde que devidamente sustentada essa evolução com bases e não apenas em saberes impiricos.

Muitas das prescrições "informais", são porque já se teve experiencia anterior em utilizar determinada terapeutica em casos semelhantes com resultados positivos! Mas sem ser conhecedor da farmacodinâmica e farmacocinética da terapeutica em causa!

Pessoalmente sou a favor, mas primeiro temos que evoluir e sustentar essa evolução!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Mauro Germano August 21, 2009, 23:40:31
Já muito foi disto neste tópico mais antigo: http://www.forumenfermagem.org/forum/ht ... ic.php?t=3 (http://www.forumenfermagem.org/forum/http://forumenfermagem.org/phpbb3/viewtopic.php?t=3)

Seria bom que pesquisássemos previamente antes do lançamento de um novo tópico. Conhecer a história é importante para não cometermos os mesmos erros e também para aproveitar ideias já debatidas. Reinventar a roda retira-nos energia para inventarmos o computador por exemplo...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 22, 2009, 00:03:29
: Mauro_G
Já muito foi disto neste tópico mais antigo: http://www.forumenfermagem.org/forum/ht ... ic.php?t=3 (http://www.forumenfermagem.org/forum/http://forumenfermagem.org/phpbb3/viewtopic.php?t=3)

Seria bom que pesquisássemos previamente antes do lançamento de um novo tópico. Conhecer a história é importante para não cometermos os mesmos erros e também para aproveitar ideias já debatidas. Reinventar a roda retira-nos energia para inventarmos o computador por exemplo...

Caro Mauro e aos demais colegas, as minha mais sinceras desculpas pelo sucedido.
Pesquisei o tema em questão mas não encontrei o referido na minha pesquisa. Da proxima vez vou estar mais atento e investir na mesma pesquisa!

Mas não creio que se trate de um "reinventar a roda", mas sim Inova-la, para melhor rodar!


Saudações
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: keliinha August 22, 2009, 00:06:05
: Vitor A.
Este tema já foi para o Blog do Doutor Enfermeiro.
Sugeria uma leitura! Deveras interessante....

http://doutorenfermeiro.blogspot.com/2009/08/prescrever-ou-nao-prescrever.html (http://doutorenfermeiro.blogspot.com/2009/08/prescrever-ou-nao-prescrever.html)

A Enfermagem precisa de avançar um passo para a frente. Está nas nossas mãos evoluir, Inovar. Desde que devidamente sustentada essa evolução com bases e não apenas em saberes impiricos.

Muitas das prescrições "informais", são porque já se teve experiencia anterior em utilizar determinada terapeutica em casos semelhantes com resultados positivos! Mas sem ser conhecedor da farmacodinâmica e farmacocinética da terapeutica em causa!

Concordo plenamente com o colega, para que os enfermeiros fossem prescritores seria imperioso uma formação mais abrangente de farmacologia, porque muitos colegas carecem de conhecimentos nesta área.

Pessoalmente sou a favor, mas primeiro temos que evoluir e sustentar essa evolução!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Mauro Germano August 22, 2009, 00:10:06
Caro Vítor

Quando digo reinventar a roda refiro-me a opiniões que poderão ser repetidas e outras que poderiam ser melhor elaboradas se tivermos em linha de conta outras já expressas.

Como disse conhecer a História é fundamental

Ah e bom regresso ao Forum

Abraço
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 22, 2009, 00:26:20
Quando digo reinventar a roda refiro-me a opiniões que poderão ser repetidas e outras que poderiam ser melhor elaboradas se tivermos em linha de conta outras já expressas.

Como disse conhecer a História é fundamental


Como sabes, sou apologista da Inovação, algo que falta á Enfermagem, na minha opinião.
Quando referes, e Bem, á repetição de ideias e á elaboração das opiniões que por vezes são menos bem conseguidas; poderiamos começar por aí a a reaprender, Ler, rever, pesquisar (aí eu temho que melhorar  ;D) e não caminhar pelos passos que nos levaram ao erro! Temos que aprender a não nos repetir, mas sim a criar novos argumentos para fundamentar as nossas opiniões e convicções! Algo de "maravilhoso" poderá acontecer!
Temos que seguir em frente, e por vezes isso significa que temos que nos reinventar, fazendo o que de melhor tem muitos de nós! Aprender face ás novas exigencias e como dizes e Muito Bem, temos de conhecer a História! Eu ainda a estou a aprender e não me canso de aprender!
Pois quanto mais sei, mais noção tenho que ainda tenho que aprender mais!


Caro Mauro, é sempre bom debater ideias contigo ;)
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: joana santos August 22, 2009, 14:27:14
Este tópico de novo nada tem.

Já há imenso tempo que se fala na prescrição em enfermagem.

No blog DoutorEnfermeiro em Novembro de 2005 já se falava nisso....

"Segunda-feira, Novembro 28, 2005

Próximo passo na Enfermagem: a prescrição?

Um pouco por todo o mundo os enfermeiros começam a prescrever.
Muito lentamente e cautelosamente o processo habitualmente inicia-se nos cuidados paliativos, onde formalmente os enfermeiros passam a prescrever.

Aos poucos o processo de prescrição abrange outras áreas, embora as situações mais específicas sejam do foro médico. A grande vantagem é o faceta holística que os cuidados passam a ter, sendo o enfermeiro detentor da possibilidade de prescrição.

Esta etapa, não é iniciada logo após o terminus da licenciatura (semelhante aos médicos), mas apenas depois de formação farmacologica extra e experiência profissional.
Há uns tempos li que em alguns países essa possibilidade era apenas para os enfermeiros especialistas.

Mesmo em Portugal os enfermeiros especialistas em enfermagem obstétrica, já podem requerer exames complementares de diagnóstico (pelo menos já existe esse normativa europeia).

Deixo alguns excertos do que se vai passando no mundo da prescrição por enfermeiros!


Documento oficial do governo do Reino Unido, que lista as patologias nas quais os enfermeiros podem prescrever, os fármacos e as vias de administração. Fica o link:

http://www.dh.gov.uk/assetRoot/04/08/38/85/04083885.pdf (http://www.dh.gov.uk/assetRoot/04/08/38/85/04083885.pdf)"

ver o resto em :http://doutorenfermeiro.blogspot.com/2005_11_01_archive.html

Nem sei qual a novidade, pois em muitos serviços do país é prática implementada há anos, seja com protocolos ou não.
Quem vê os doentes, quem consulta, quem lê as análises, quem ouve e regista as queixas dos mesmos doentes e depois medica e administra, enquanto os médicos foram jantar, ou fazer outras coisas, etc, ou simplesmente não puseram os "pés" no serviço e telefonaram a "aconselhar" ou a deixar indicações, dependendo do nível de confiança estabelecida na equipa multidisciplinar.
Ás vezes, só escrevem aquilo que se lhes pede para escrever se os soubermos influenciar com a confiança na nossa prática ....
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 22, 2009, 20:22:35
O tema não é novo...

Mas há ideias novas sobre o tema....
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: dprocha August 22, 2009, 22:03:41
Já reparei que o tema não é novidade, que já foi falado anteriormente...no entanto importam de discutir o tema?
Volta e meia tem de se discutir temas repetidos porque assim aparecem ideias novas...aproveitar que o ppl tá de cabeça fresca e tal...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Son_Goku August 22, 2009, 23:00:08
Leiam o excelente artigo de Richard Horton, publicado na mais renomeada revista médica mundial "The Lancet" intitulado "Nurse-prescribing in the UK: right but also wrong".
Fundamentalmente o artigo admite que há vantagens na prescrição medicamentosa por parte da Enfermagem mas há que haver alguma contenção e uma firme regulamentação. Por outro lado, este processo teria de ser necessariamente gradativo e deve englobar estratégias que visam dotar os Enfermeiros de novos "Skills" que permitam uma prescrição segura . Na Inglaterra, a febre súbita da prescrição de medicamentos por parte da Enfermagem tem mais a ver com agendas políticas que visam permitir o acesso rápido dos cidadãos aos cuidados de saúde e usar essa bandeira em estratégias partidario-propagandistas do que num processo verdadeiramente alicerçado em princípios sólidos e seguros que garantam um elevado nível de qualidade do serviço prestado.
Considero que de facto poderá haver condições em Portugal à abertura da prescrição "controlada" por parte de Enfermeiros (ou seja, não uma prescrição sem limites mas sim relativa a um determinado conjunto de fármacos e perante determinadas circunstâncias, para que não se caia numa lógica de curandeirismo selvagem, tão criticada relativamente a outras classes). A amplitude dessa perscrição deve ser ajustada às necessidades particulares de cada especialidade , existindo no entanto um núcleo base de fármacos que todos os enfermeiros deveriam poder prescrever (generalistas e especialistas).No entanto os enfermeiros prescritores terão necessáriamente de ser submetidos a um processo de certificação de conhecimentos e competências na área da terapêutica (sob os auspícios de um organismo idóneo) para que lhes seja conferida a licença de prescrição. O grande problema é que esta distinção entre enfermeiros prescritores e não prescritores poderá enfatizar algumas assimetrias entre alguns grupos dentro da própria classe.


 Aqui um extrato do referido artigo em inglês:

"The views of nurses support a more careful approach
than that being advocated by government and the Royal
College of Nursing. Peter Nolan and colleagues recently
surveyed mental health nurses’ views about prescribing.
Many had serious concerns about the disadvantages of
nurse-prescribing.9 A third feared litigation and lack of
sufficient education and training. A quarter were
anxious about increased responsibilities and workload.
And one in 10 worried about less contact with patients,
lack of supervision, no remuneration, and that
prescribing was a disguised way of forcing nurses to
adhere to a medical model. These findings echo those
outside the UK.10 Taken together, this evidence, and the
uncertainties and arguments that flow from it, send a
clear message to government: slow down the process of
widening prescribing rights. Nurse-prescribing has too
much to offer the care of patients to let it founder
through hasty and politically expedient implementation"

Em http://cogitare.forumenfermagem.org/2008/12/01/pensadores-de-enfermagem/ (http://cogitare.forumenfermagem.org/2008/12/01/pensadores-de-enfermagem/) podemos tambem encontrar uma alusão sobre o argumento da prescrição em enfermagem:

Por exem­plo, um Enfer­meiro que presc­reve um anti-inflamatório num con­texto de tra­ta­mento de uma ferida está a exe­cu­tar um acto de Enfer­ma­gem. O mesmo fár­maco, presc­rito pelo enfer­meiro num con­texto de reno­vação de recei­tuá­rio (como alguns defen­dem) deter­mi­nado pelo jul­ga­mento de outro pro­fis­sio­nal con­fi­gura um acto mera­mente burocrá­tico e não de Enfer­ma­gem. O que faze­mos deve ser­vir e deri­var daquilo que pen­sa­mos.

Em suma, a prescrição farmacológica pelos enfermeiros deve ser vista como um passo em frente mas não como aquilo que irá servir de força motriz ao desenvolvimento da Enfermagem. Será por certo um acessório importante, que deve fornecer suporte ao corpo principal da profissão que são os cuidados de Enfermagem.
O problema são os colegas que pensam que a prescrição é o "santo graal" da enfermagem, o sumo êxtase do Enfermeiro e colocam nesta questão todas as suas expectativas em relação à evolução da profissão. Se assim for, é péssimo indicador, pois significa que esgotamos o potencial de desenvolvimento e evolução dos cuidados de Enfermagem , sendo obrigados a angariar concessões de actos com origem externa à nossa profissão, transformando-nos numa especie de "medley" composto por fragmentos de várias profissões.



(http://ecx.images-amazon.com/images/I/416AK4327ML._SL500_AA240_.jpg)
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: joana santos August 23, 2009, 06:40:17
Ora nem mais Son_Goku, "O problema são os colegas que pensam que a prescrição é o "santo graal" da enfermagem, o sumo êxtase do Enfermeiro e colocam nesta questão todas as suas expectativas em relação à evolução da profissão. Se assim for, é péssimo indicador, pois significa que esgotamos o potencial de desenvolvimento e evolução dos cuidados de Enfermagem , sendo obrigados a angariar concessões de actos com origem externa à nossa profissão, transformando-nos numa especie de "medley" composto por fragmentos de várias profissões".


Saudações, Joana Santos
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 23, 2009, 13:51:08
Pessoalmente acho que não há o santo graal da enfermagem, e muito menos que seja este, apenas passos na evolução natural de qualquer profissão que queira evoluir!

Concordo com o colega Son_Goku, temos é que sustentar é essa evolução!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: enfermeiredo August 24, 2009, 07:56:04
O enfermeiro já prescreve muitas coisas: alimentação, hidratação, exercício, levante, vigilancia, actividade cognitiva,...
A prescrição farmacológica não é, à partida, uma mais valia da enfermagem, excepto em casos pontuais. Exs: ajustes de terapeutica (insulina), medicamentos de venda livre, fármacos segundo o protocolo (parto, por exemplo, hipertensão).
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: SandroMelo August 24, 2009, 11:54:14
: enfermeiredo
O enfermeiro já prescreve muitas coisas: alimentação, hidratação, exercício, levante, vigilancia, actividade cognitiva,...
A prescrição farmacológica não é, à partida, uma mais valia da enfermagem, excepto em casos pontuais. Exs: ajustes de terapeutica (insulina), medicamentos de venda livre, fármacos segundo o protocolo (parto, por exemplo, hipertensão).

Concordo com o tipo de prescrições que afirmas que fazemos. No entanto, acho que o que falta a estas prescrições é a sua formalização, ou seja, sem papel nada feito e assim se tivessemos um modelo regulamentado de prescrição de hidratação, levantes, alimentação, etc teríamos certamente muito mais visibilidade nesta vertente da nossa actividade...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Mauro Germano August 25, 2009, 00:57:46
Penso que em vez de discutirmos se sim ou se não deveríamos passar à fase seguinte: Em que moldes?

Em que situações deveríamos prescrever?
Quando deveria ser o médico a prescrever?
Em caso de não concordância qual a prescrição que deveria prevalecer?
Que leque de fármacos? Quais? Adequado a cada especialidade/especialização? Um enfermeiro sem especialidade poderia prescrever fármacos?
Outras cuidados também deveriam ser prescritos formalmente (cuidados de reabilitação, tratamento não farmacológico da dor, técnicas como algaliação, etc, etc etc) de forma a serem contabilizados para estatística, financiamento e comparticipação?
Que formação adicional deveria ser feita? Dada por quem?
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Zeus-electro August 25, 2009, 10:29:24
Antes de passarmos a "que moldes", continuo a reflectir antes se os enfermeiros estão preparados ou não para prescrever terapêutica e consequentemente a aceitar a responsabilidade desse acto.

Para cada caso que o colega possa colocar, vai ver que encontra uma série de soluções terapêuticas propostas por diferentes enfermeiros, sem que algum (ou muito poucos) tenham questionado ou procurado saber mais alguma coisa sobre o caso (nomeadamente alergias a medicamentos, medicação que já está a fazer, etc...etc..etc..).

Mas respondo-lhe a uma das questões: "Um enfermeiro sem especialidade poderia prescrever fármacos?" Mesmo que não pudesse, dentro de poucos anos, seremos todos especialistas, portanto, todos os enfermeiros poderiam prescrever, sendo que após o "internato geral", um enfermeiro pode de imediato fazer a especialidade, então ainda podemos ter enfermeiros recém-formados e ao mesmo tempo recém-especializados a prescrever!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Mauro Germano August 25, 2009, 16:31:16
@Zeus electro

Quanto à questão de diferentes soluções terapêuticas para a mesma situação por parte de diferentes enfermeiros tal não deve ser levado em conta pois se isso fosse motivo pouco seria o médico que poderia prescrever.

De facto no sector da Saúde, especialmente na actuação farmacoterapêutica na Doença, a variabilidade de prescrições é um facto. O problema reside na questão de o melhor conhecimento actual não ser aplicado efectivamente na prestação de cuidados de saúde por três grandes grupos de razões: por desconhecimento do melhor tratamento, por omissão ou por falta de guidelines.
Efectivamente quase todas as doenças, devido ao seu estudo intensivo e continuado estão presentemente cobertas por guidelines o que nos deixa os outros dois grupos. Se fizer uma pesquisa verificará que menos de metade dos doentes têm acesso ao melhor cuidado disponível, com certeza que com os enfermeiros não será diferente, portanto o problema não se cinge apenas a nós.
Penso que devidamente protocolado, a administração e prescrição de terapêutica é perfeitamente compatível com a actuação do enfermeiro, claro que enquadrada no nosso objecto de actuação e nunca como diagnóstico ou tratamento definitivo de situações mais complexas.

Basta que à entrada em qualquer serviço de saúde, os Antecedentes pessoais assim como a medicação habitual sejam de preenchimento obrigatório e tal dificuldade será facilmente debelada.

Quanto à futura formação pós graduada , obviamente que teria de ser tutelada e nunca sem um período suficiente para adquirir a destreza e os resultados monitorizados.

O colega sente-se capaz de prescrever algum fármaco? Existirão muitos outros que se sentem e estão aptos para isso, por isso não pensemos que os enfermeiros são todos ignorantes e incapazes...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Zeus-electro August 25, 2009, 23:14:35
Calma Mauro, nunca disse que os enfermeiros são ignorantes e incapazes, muito pelo contrário! Além do mais, já disse que concordo com a prescrição por parte dos enfermeiros.

Quanto à multiplicidade de soluções terapêuticas que hipoteticamente surgiriam para um mesmo caso, prende-se com o facto de os enfermeiros habitualmente centrarem a sua atenção ás manifestações e não à causa. Se o doente tem febre, procuramos de imediato saber se tem paracetamol em SOS, se está agitado, vamos a ver se está prescrito o haloperidol. Em qualquer dos casos, a terapêutica, porventura estaria adequada, mas importa saber a origem dessas manifestações, ou não? Não correríamos o risco de estar a mascarar alguma coisa? Não poderíamos atrasar o diagnóstico? Reflectindo nisto, poderíamos evoluir consistentemente sem correr riscos desnecessários tanto para nós próprios, como para o doente. A partir do momento que os enfermeiros assumirem a responsabilidade de uma prescrição, assumem todas as consequências e nesse momento, os nossos "amigos" médicos, serão os primeiros a apontar o dedo a uma prescrição mal feita ou que tenha tido consequências menos boas.

Se os médicos prescrevem bem ou mal? É um problema médico! Não podemos é importar os erros dos médicos e fazer dos seus defeitos desculpa para as nossas actuações. Repare que o enfermeiro já assume, em parte, responsabilidade pela prescrição médica. É curioso, mas os médicos (e até a lei) parecem reconhecer aos enfermeiros competência para saber se uma prescrição está conforme ou não, podendo em último caso ser penalizados legalmente se por exemplo, administrarem uma dose letal de um fármaco, ainda que este esteja prescrito por um médico. Mas o contrário já não é válido! Já não reconhecem competência para o enfermeiro prescrever.

De qualquer modo, na sua exposição, quando diz: "...devidamente protocolado, a administração e prescrição de terapêutica é perfeitamente compatível com a actuação do enfermeiro...", fico na dúvida se o que pretende para os enfermeiros é a administração de fármacos segundo protocolo ou a prescrição em pleno poder de decisão?

Quanto à formação pós graduada, não me alongo mais do que o que já disse anteriormente, porque ainda nem sei como vai ficar para os que já cá andam, muito menos para os que ainda hão-de vir.

Para terminar, os antecedentes pessoais/familiares e a medicação habitual já são de preenchimento obrigatório, fazem parte da avaliação inicial. Ainda assim, quase lhe garanto que a tal dificuldade não fica debelada.

Deixo-lhe um desafio: Tente medicar um doente desde que ele entra no serviço até ter alta, tendo atenção a EAD's, historial, etc... e peça aos seus colegas para lhe darem sugestões de terapêutica sem consultarem a medicação actual, apenas baseado no conhecimento que têm do doente, podendo no entanto consultar o processo se assim o quiserem. Registe tudo e no final compare com a prescrição médica, não apenas no que diz respeito aos fármacos, mas também aos timmings em que foram introduzidos, as substituições, alterações, etc...

Eu já fiz este exercício... acredite... os resultados são espectaculares.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Mauro Germano August 26, 2009, 05:30:55
Uma vez que é imperativa a articulação entre os demais profissionais de saúde, a administração de terapêutica assim como a sua prévia prescrição, tem de passar obrigatoriamente pelo conhecimento de todos os profissionais envolvidos nos cuidados de saúde, assim como da sua responsabilização pelos seus actos.

Assim sendo, não poderemos considerar como responsável a prescrição de terapêutica sem que passe pelo conhecimento de Todos, assim como da sua adequabilidade, portanto se estamos a "mascarar" algo não estamos a ser responsáveis nem competentes para... Por outro lado se estamos a intervir para resolver adequadamente a situação, por exemplo alívio sintomático de dor, em que a dor não é primordial para estabelecer um diagnóstico por exemplo, tal já é adequado.

O que num caso pode ser mascarar logo irresponsável, noutro pode ser adequado. Portanto prescrever adequadamente implica à partida ter noção de todas estas nuances. Concorda comigo decerto.

Quanto aos apontamentos de prescrições mal feitas, é um peso com que teremos de lidar. Ter responsabilidades é também estar exposto ao risco de ser criticado.

Relativamente à prescrição segundo protocolo, eu preferia chamar-lhe prescrição segundo as melhores guidelines o que no fundo deveria ser a prática adequada em qualquer situação e por parte de qualquer que seja o profissional envolvido.

É isso que devemos almejar no futuro... Oferecer o melhor conhecimento possível, o melhor cuidado, o mais adequado aos nossos utentes/doentes/pessoas ou como lhes quisermos chamar.

Não se trata de perder autonomia mas sim de não inventarmos que é algo que os médicos são avessos: seguirem recomendações ... Eles também não podem fundamentar contra factos ... ou podem?

Quanto ao desafio... a que conclusões chegou? isso é realmente brincar aos médicos não acha?  ;)
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Jacto August 26, 2009, 07:44:09
Pessoalmente, e pela alguma experiência que me toca, a prescrição de terapêutica implica muito mais do que saber o prescrever naquela situação.Pois não nos esqueçamos que para se fazer uma boa prescrição é necessário ter um diagnóstico médico bem feito (o qual não nos compete,mas sim ao médico) e será necessário saber todo o historial e antecedentes do paciente, para prevenirmos possíveis complicações, pois se um medicamento x pode ser tomado pelo João, o mesmo medicamento não pode ser tomado pela Maria, aparentemente em situações iguais. E meus colegas, ao mínimo sinal de efeito secundário, teremos o doente e sobretudo a classe médica a cair-nos com toda a força... e a meu ver com alguma razão!!!Preocupemo-nos com o nosso trabalho e deixemos de delegar coisas que eram nossas para queremos coisas que o não são... afinal de contas o que querem os enfermeiros?Ser pseudo-médicos?Então nãopercebo porquê tanto alarido quando as farmácias decidiram administrar vacinas, eles também têm o mesmo direito de quererem ser pseudo-enfermeiros... não sei se entendem a analogia. Posso parecer muito crítico para alguns colegas, mas olhem que se há alguém que gosta de ser enfermeiro, esse alguém sou eu... daí criticar activamente a enfermagem... para que todos possamos activamente voltar a elevar uma profissão que já teve tudo para ser uma grande profissão, mas que a dada altura, e porque os enfermeiros se sentiram de peiro inchado demasiado cedo... tudo está a ir pelo cano ...

Bons tratamentos...

Além do mais, que para se prescrever medicação, temos que ter bases sólidas de farmacologia.Sabermos de cor e salteado toda a medicação dos nossos serviços e para que serve, não conta, pois a terapêutica é muito mais do que isso!!!E não me venham dizer que nos vossos cursos a cadeira de farmacologia era muito completa, pois eu sou especialista em médico-cirúrgica por uma escola do Porto muito conceituada, e nem por isso as cadeiras de farmacologia são apropriadas a quem quer prescrever.Farmacologia difícil?Eu dou-vos o plano de estudos da faculdade de medicina... e depois digam-me se nós comparados com eles temos bases para poder prescrever...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: dprocha August 26, 2009, 08:28:23
Como é óbvio, não vamos começar a prescrever daqui a um ano ou dois...nem vamos a estar a prescrever se não tivermos as bases necessárias...
Agora, como é que podemos adquirir essas bases?
As especialidades terem já uma cadeira sobre farmacologia mais avançada, e de acordo com a especialização?
Essa luta futura, que irá surgir quando essa ideia for para a frente, com os médicos tem de ser feita quando tiver a nossa carreira estruturada e implementada, mesmo assim...é coisa para daqui a 15 ou 20 anos...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Jacto August 26, 2009, 08:30:43
Sim, acreditem que a ser, não é coisa para os enfermeiros que estão actualmente em funções.Isso não!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: dprocha August 26, 2009, 08:34:28
A posição do Sindicato dos Enfermeiros sobre a farmacologia e os enfermeiros

"Não há muito a acrescentar à nossa posição acerca do papel dos Enfermeiros na Saúde, no capítulo da medicação a dar aos doentes, com ou sem prescrição médica.
Mas o que é verdadeiramente problemático é isto ser problema.

Às vezes temos dúvidas se é um problema real ou virtual.Com efeito os Enfermeiros têm estudos e conhecimentos suficientes sobre a farmacologia que usam no dia-a-dia.

Conhecem melhor do que qualquer outro técnico, no ramo da Saúde, os efeitos dos medicamentos, nos doentes, pois estão treinados na observação e habituados a fazerem relatórios, sobre a matéria, para outros lerem; quando lêem.

Se têm integrados no seu curso conhecimentos farmacológicos e na sua vida profissional um conhecimento circunstanciado sobre a matéria, que os impede de prescreverem?

Só a irracional linha de demarcação, a extremar preconceitos e práticas ostentadoras de poderio, sem qualquer significado, nos dias que correm, que não seja senão o de limitar fronteiras. Cães e gatos fazem o mesmo, mas de outra maneira. Animal que ultrapasse os limites é trucidado.

Esta prática passa para os humanos, para alguns humanos. É respeitada de forma pouco racional ou mesmo irracional, por outros humanos. Uns fazem o que querem e outros só podem fazer o que os uns querem. Neste caso a culpa é mais dos outros do que dos uns.Mais caricata é a prática constante dos Enfermeiros medicarem os doentes sem receita, ou prescrição médicas, sem assumirem que o fazem.

Mais triste é os médicos estarem a usar constantemente não enfermeiros para fazerem o que tradicionalmente é feito por enfermeiros (direito consuetudinário onde o hábito faz lei):

Pior do que isso: há exemplos gritantes de atropelo do campo dos enfermeiros, feito por médicos. Veja-se com alguma atenção reflexiva o que acontece com usurpadores do nosso conteúdo funcional de que bombeiros e tae e afins, balconeiros de farmácia, paramédicos são exemplos vivos. Todos eles têm, mais perto ou mais longe, um médico, mesmo mais, ou a própria Ordem a justificar e a caucionar o seu comportamento invasivo. Quando os Enfermeiros não tinham carência de emprego estes fenómenos passavam despercebidos; não eram captados pelos nossos sentidos.Hoje, contudo, já há quem se dedique, à apreciação destes casos; não nós, porque sempre estivemos despertos para estes abusos.

Vejamos, agora algumas causas:As parteiras têm uma lista de medicamentos da sua especialidade que podem receitar, por ordem da instituição máxima, não corporativa, como é a OMS. Não obstante, não receitam, abertamente; fazem-no veladamente como se estivessem a cometer alguma ilegalidade. Algumas não fazem mesmo e desculpam-se com a OE que não divulga e cauciona a lista. Desculpas de fragilidade, pois antes de haver Ordem já existia a lista. Em vez de serem as Enfermeiras parteiras a assimilarem um comportamento das só Parteiras, inclinam-se para o seu lado de Enfermeira e paralisam. Mas o governo não está isento de culpas, através das comparticipações exclusivas, na compra de medicamentos, mas que sejam prescritos por médicos e só, um favoritismo desajustado, como se vê, pela prática.

Que dizem os docentes nas escolas de Enfermagem, aos seus discentes, sobre a matéria?

Dizem, por exemplo, que é preciso ajustar a lei da receita ou como fazem com as suturas e quejandos, que isso é só com o médico, desprestigiando-se e desprestigiando os Enfermeiros descendentes de muitos instrutores de suturas de vários e ilustres cirurgiões; conselheiros de vários médicos nas opções da terapêutica mais ajustada. Todavia estas coisas passam-se no campo prático, onde os docentes de Enfermagem não aparecem muito, por uma questão de opção pessoal, que não profissional. Depois, dizem sempre, as mesmas coisas, com os mesmos erros intemporais e alguns, até extemporâneos, como é o caso típico das suturas, onde usam a desculpa da raposa; porque não chegava às uvas, dizia: estão verdes. Porque não sabem suturar, nem nunca quiseram aprender, atiram com isso para cima do médico e, o que é lastimável, como exclusivo.

É por um fenómeno semelhante, que os cuidados primários consomem fortunas incalculáveis sem os correspondentes benefícios, para as populações, porque os médicos estão a fazer muitas coisas que, ou já foram, ou de há muito deviam ser feitas por enfermeiros.

Também neste capítulo, os medicamentos que são essencialmente úteis e toleráveis, nesta área e nível, que em muitos países são já prescritos por enfermeiros, constituem, em Portugal a pequeníssima razão que mantém médicos como imprescindíveis, nos Cuidados Primários, indo ao cúmulo de importar Cubanos, para onde os Enfermeiros actuariam com vantagem.

Porém, os alunos que se formam em ambientes com modelos do sec. XIX, como é o caso da consulta médica do Centro de Saúde, retardam a assunção das responsabilidades mais alargadas, que as actuais.

Quando os Enfermeiros tiverem um motor que os impulsione, no sentido da correcção desta e doutras aberrações, conseguem-no.

Da nossa parte têm todo o apoio para legitimarem o que é da sua competência e capacidade e que a limitação corporativa não pode nem deve obstaculizar.

Não devemos estar à espera que sejam outros a resolver problemas, que só aos Enfermeiros dizem respeito, neste caso, organizados em Sindicatos, Ordem e Docência. Somos nós que temos de actualizar as potencialidades que temos: como diz Aristóteles, transformar a potência em acto, isto é; agir de acordo com o que estamos habilitados a fazer, quer se goste quer se não goste, pois a responsabilidade, que temos, de cumprir o nosso dever, de forma consciente, é superior à obediência cega e irracional.

Cordiais Saudações Sindicais,
O Presidente da Direcção do SE - José Azevedo"
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Jacto August 26, 2009, 08:46:06
Sim, é tudo muito bonito, mas aqui há tempos vi um estudo no qual se fez um pequeno questionário, e uma grande percentagem de enfermeiros nem sequer sabia qual a dosagem máxima diária permitida do paracetamol... e acredito que alguns colegas que estejam a ler estas linhas que escrevo também não o saibam!!Isto, quando conhecidos e amigos que nada têm a ver com o ramo da saúde, o sabem...A meu ver, as escolas de enfermagem deveriam diminuir em muito o numerus clausus e aumentar, em muito, a qualidade e a perspicácia das matérias leccionadas.

Mas é apenas a minha opinião, e vale o que vale.Agora, que os alunos em capo de estágio têm vindo a diminuir substancialmente a qualidade... ha isso sem qualquer dúvida!!!E então no que toca á farmacologia em específico, nem se fala...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Mauro Germano August 26, 2009, 09:48:59
@Marko_Pires

Pergunto-me se os outros profissionais o saberiam também...

Pergunte-se a si mesmo se já não corrigiu tantas e tantas prescrições... É porque não sabe assim tão pouco de farmacologia...

E para os que dizem que o curso base não os preparou bem nesse aspecto... a vossa vivência profissional tem servido para quê?
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Mauro Germano August 26, 2009, 09:54:26
@Dprocha

Permita-me aproveitar a sua ideia original de trazer esse comunicado à baila e sublinhar partes desse comunicado...



[align=center:hbjpv30n]A posição do Sindicato dos Enfermeiros sobre a farmacologia e os enfermeiros[/align:hbjpv30n]

"Não há muito a acrescentar à nossa posição acerca do papel dos Enfermeiros na Saúde, no capítulo da medicação a dar aos doentes, com ou sem prescrição médica.
Mas o que é verdadeiramente problemático é isto ser problema.

Às vezes temos dúvidas se é um problema real ou virtual.Com efeito os Enfermeiros têm estudos e conhecimentos suficientes sobre a farmacologia que usam no dia-a-dia.

Conhecem melhor do que qualquer outro técnico, no ramo da Saúde, os efeitos dos medicamentos, nos doentes, pois estão treinados na observação e habituados a fazerem relatórios, sobre a matéria, para outros lerem; quando lêem.

Se têm integrados no seu curso conhecimentos farmacológicos e na sua vida profissional um conhecimento circunstanciado sobre a matéria, que os impede de prescreverem?


Só a irracional linha de demarcação, a extremar preconceitos e práticas ostentadoras de poderio, sem qualquer significado, nos dias que correm, que não seja senão o de limitar fronteiras. Cães e gatos fazem o mesmo, mas de outra maneira. Animal que ultrapasse os limites é trucidado.

Esta prática passa para os humanos, para alguns humanos. É respeitada de forma pouco racional ou mesmo irracional, por outros humanos. Uns fazem o que querem e outros só podem fazer o que os uns querem. Neste caso a culpa é mais dos outros do que dos uns.Mais caricata é a prática constante dos Enfermeiros medicarem os doentes sem receita, ou prescrição médicas, sem assumirem que o fazem.

Mais triste é os médicos estarem a usar constantemente não enfermeiros para fazerem o que tradicionalmente é feito por enfermeiros (direito consuetudinário onde o hábito faz lei):

Pior do que isso: há exemplos gritantes de atropelo do campo dos enfermeiros, feito por médicos. Veja-se com alguma atenção reflexiva o que acontece com usurpadores do nosso conteúdo funcional de que bombeiros e tae e afins, balconeiros de farmácia, paramédicos são exemplos vivos. Todos eles têm, mais perto ou mais longe, um médico, mesmo mais, ou a própria Ordem a justificar e a caucionar o seu comportamento invasivo. Quando os Enfermeiros não tinham carência de emprego estes fenómenos passavam despercebidos; não eram captados pelos nossos sentidos.Hoje, contudo, já há quem se dedique, à apreciação destes casos; não nós, porque sempre estivemos despertos para estes abusos.

Vejamos, agora algumas causas:As parteiras têm uma lista de medicamentos da sua especialidade que podem receitar, por ordem da instituição máxima, não corporativa, como é a OMS. Não obstante, não receitam, abertamente; fazem-no veladamente como se estivessem a cometer alguma ilegalidade. Algumas não fazem mesmo e desculpam-se com a OE que não divulga e cauciona a lista. Desculpas de fragilidade, pois antes de haver Ordem já existia a lista. Em vez de serem as Enfermeiras parteiras a assimilarem um comportamento das só Parteiras, inclinam-se para o seu lado de Enfermeira e paralisam. Mas o governo não está isento de culpas, através das comparticipações exclusivas, na compra de medicamentos, mas que sejam prescritos por médicos e só, um favoritismo desajustado, como se vê, pela prática.

Que dizem os docentes nas escolas de Enfermagem, aos seus discentes, sobre a matéria?

Dizem, por exemplo, que é preciso ajustar a lei da receita ou como fazem com as suturas e quejandos, que isso é só com o médico, desprestigiando-se e desprestigiando os Enfermeiros descendentes de muitos instrutores de suturas de vários e ilustres cirurgiões; conselheiros de vários médicos nas opções da terapêutica mais ajustada. Todavia estas coisas passam-se no campo prático, onde os docentes de Enfermagem não aparecem muito, por uma questão de opção pessoal, que não profissional. Depois, dizem sempre, as mesmas coisas, com os mesmos erros intemporais e alguns, até extemporâneos, como é o caso típico das suturas, onde usam a desculpa da raposa; porque não chegava às uvas, dizia: estão verdes. Porque não sabem suturar, nem nunca quiseram aprender, atiram com isso para cima do médico e, o que é lastimável, como exclusivo.

É por um fenómeno semelhante, que os cuidados primários consomem fortunas incalculáveis sem os correspondentes benefícios, para as populações, porque os médicos estão a fazer muitas coisas que, ou já foram, ou de há muito deviam ser feitas por enfermeiros.

Também neste capítulo, os medicamentos que são essencialmente úteis e toleráveis, nesta área e nível, que em muitos países são já prescritos por enfermeiros, constituem, em Portugal a pequeníssima razão que mantém médicos como imprescindíveis, nos Cuidados Primários, indo ao cúmulo de importar Cubanos, para onde os Enfermeiros actuariam com vantagem.

Porém, os alunos que se formam em ambientes com modelos do sec. XIX, como é o caso da consulta médica do Centro de Saúde, retardam a assunção das responsabilidades mais alargadas, que as actuais.

Quando os Enfermeiros tiverem um motor que os impulsione, no sentido da correcção desta e doutras aberrações, conseguem-no.

Da nossa parte têm todo o apoio para legitimarem o que é da sua competência e capacidade e que a limitação corporativa não pode nem deve obstaculizar.

Não devemos estar à espera que sejam outros a resolver problemas, que só aos Enfermeiros dizem respeito, neste caso, organizados em Sindicatos, Ordem e Docência. Somos nós que temos de actualizar as potencialidades que temos: como diz Aristóteles, transformar a potência em acto, isto é; agir de acordo com o que estamos habilitados a fazer, quer se goste quer se não goste, pois a responsabilidade, que temos, de cumprir o nosso dever, de forma consciente, é superior à obediência cega e irracional.

Cordiais Saudações Sindicais,
O Presidente da Direcção do SE - José Azevedo"


Retirado de: http://www.enfermeiros.pt/content/view/707/1/ (http://www.enfermeiros.pt/content/view/707/1/)
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Jacto August 26, 2009, 10:37:17
Colega,

Nós não temos de saber se os outros sabem ou não.As outras classes não querem saber se sabemos ou não,se detrminada atitude terapêutica ou outra é função inerente a determinada  profissão... logo tem de se estar apto e saber fazer!!O nosso problema é que nos preocupamos demasiado com outras classes (nomeadamente médicos).Deixemos os outros desempenharem o seu papel e foquemo-nos no cerne das nossas questões, que em vários apectos estão ainda tão verdes, imaturas e confusas. Aí sim, deveriam residir as nossas preocupações...

Sempre que estivermos a comparar-nos em relação aos outros (e repito mais uma vez, nomeadamente em relação aos médicos), estaremos a mostrar um caminho de fragilidade, e olhem que os outros estão atentos, acreditem!!!Ete tipo de comparações leva-nos a pensar que estamos indecisos e mal "instalados" nalgumas matérias...

Tenho dito

Saudações cordiais.

PS - Já sei que alguém me vai cair em cima... mas isto é que é a riqueza dum debate livre e democrático...  :P
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Zeus-electro August 26, 2009, 12:18:54
Apesar de achar que os enfermeiros poderiam prescrever, pergunto-me qual seria o objectivo? Ora, se já existem profissionais responsáveis pela prescrição, que benefício traria para o doente o facto de existirem mais outro grupo de profissionais a fazer o mesmo?

@Mauro
O facto de muitas vezes "corrigirmos" prescrições, deve-se ao factor rotina. Os enfermeiros estão habituados a ver as mesmas doses de um determinado medicamento dia após dia, pelo que quando a dose é diferente, rapidamente salta à vista. Mas quando se trata de um fármaco pouco habitual ou que nunca tenha sido administrado antes, já ninguém sabe e por norma (felizmente) procuram informações sobre esse mesmo fármaco, mas mesmo assim, questione-se qual é a parte da bula que os enfermeiros mais procuram? A via e forma de administração, nomeadamente diluições.

Quanto ao desafio que lhe lancei, ponha-o em prática e verá do que estou a falar!
Questione os seus colegas, por exemplo, sobre a que grupo pertence a vancomicina e a cefalosporina e quais as suas indicações, diferenças e posologia. No entanto se perguntar em que volume de que soluto deve diluir cada um deles ou qual a sua estabilidade, verá que obtém respostas mais rápidas e certeiras.

Quanto às conclusões a que chegámos sobre a nossa "brincadeira de médicos" é que os enfermeiros agem de impulsos, isto é, medicariam um doente baseado nas manifestações imediatas sem as contextualizar e por forma a minimizar a sua própria carga de trabalho. Pode parecer chocante, mas é a realidade!

Mais uma vez lanço-lhe o desafio, aliás, não somente a si mas a quem quiser. Terão é de ser sinceros na recolha de informação. Fico a aguardar resultados.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Jconeves August 26, 2009, 15:23:45
: Zeus-electro
Apesar de achar que os enfermeiros poderiam prescrever, pergunto-me qual seria o objectivo? Ora, se já existem profissionais responsáveis pela prescrição, que benefício traria para o doente o facto de existirem mais outro grupo de profissionais a fazer o mesmo?

Plenamente de acordo colega...

Gostaria apenas de deixar um pouco da minha opinião! Sobre esta matéria não sei o que se passará daqui a alguns anos, porém acho k é por de mais evidente que serão muito poucos os enfermeiros capazes de desnvolver esta interveção! agora pergunto eu...

Para que prescrever se aprendemos tantas intervenções e se somos conhecedores de conhecimento que desvalorizamos!?

Porquê não lutar, em vez de prescrever medicação, por uma competência que essa sim deveria ser nossa que diz respeito à alimentação, por exemplo!
Aí sim devíamos lutar pela nossa autonomia...para que lutarmos por algo que não é "nosso", quando deixamos o que é da nossa competência por mãos alheias!? Quando falei em alimentação poderia ter falado em tantas outras coisas...
Lutemos por aquilo que nos possa dignificar, fazendo bem!!!Lutemos pela nossa autonomia demonstrando que fazemos bem... 
Esta é a minha modesta opinião colegas...
cumprimentos
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 26, 2009, 20:46:19
A Evolução de qualquer profissão faz-se não só pela aquisição de novas competências, bem como pelo aperfeiçoamento das que actualmente já possui!

Para que prescrever se aprendemos tantas intervenções e se somos conhecedores de conhecimento que desvalorizamos!?

Ou Seja: "Sabemos o que fazemos. Mas porque é que não fazemos tudo aquilo que sabemos?" http://www.forumenfermagem.org/forum/http://forumenfermagem.org/phpbb3/viewtopic.php?t=9 (http://www.forumenfermagem.org/forum/http://forumenfermagem.org/phpbb3/viewtopic.php?t=9)
Conhecimento vs Sabedoria! Podemos ser detentores de enorme bagagem de conhecimentos, mas se não os aplicamos na totalidade, para que servem eles?

Sabemos Muito, Aplicamos pouco?

O Colega Son_Goku uma vez disse:
Hoje em dia, advoga-se a máxima "A minha competência é aquilo que eu sei". O conteudo funcional das profissões tende a tornar-se menos definido, pois este modelo não garante que determinada tarefa é executada por quem lhe pode imprimir maior rigor ou qualidade. No entanto, face á grande diversidade de conhecimentos, capacidades e aptidões dos membros de uma dada profissão é necessário a imposição de limites funcionais, como meio de regulação de uma profissão, assim como orientar os percursos e esforços formativos. No entanto é necessário agregar esforços e definir objectivamente quais as técnicas ou competências para as quais os enfermeiros estão pragmáticamente habilitados e que derivam da sua formação quer de base quer pós graduada ou mesmo contextualizada pela praxis. No entanto, muitos enfermeiros se esquivam de assumir novas responsabilidades, actuando como uma âncora daqueles que querem navegar para novos oceanos de competências, pois isto lhes iria exigir um outro nível de esforço e investimento profissional/académico que estes não estão dispostos a aceitar. Quanto ao obstáculo médico, este apenas será intransponível se não soubermos convocar e concertar toda a força da nossa classe e canalizá-la para este objectivo, pois as políticas também se mudam mediante um determinado "quantum" de pressão e negociação.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 26, 2009, 20:54:31
Há quem imagine que o Santo Graal da Enfermagem é a prescrição de terapeutica. Eu discordo.

Achava que não havia até ter lido este texto da autoria da colega Margarida de Barros:

(...) "Quando não for possível saber como dominar os Enfermeiros, porque o modus operandi é complexo demais para ser controlável e imitável, nesse dia a Enfermagem reconquistará a identidade perdida ou ainda não encontrada, partilhando entre os seus membros os valores que fazem com que um corpo disperso se transforme numa comunidade consistente e coesa mas aberta ao futuro."
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. August 26, 2009, 21:39:12
A Enfermagem actualmente está preparada para Prescrever?
Eu respondo que não! Ainda não está! Mas para lá caminha!

O exemplo que o colega Electro-Zeus deu é uma brincadeira simples, mas que dá para perceber algumas das nossas tendencias.
Muitas das prescrições "informais", são porque já se teve experiencia anterior em utilizar determinada terapeutica em casos semelhantes com resultados positivos! Mas sem ser conhecedor da farmacodinâmica e farmacocinética da terapeutica em causa! Discordo quando diz que são precrições por impulso. Penso que são por experiencia de casos semelhantes, mas reforço a ideia, sem ser conhecedor da farmacodinâmica e farmacocinética da terapeutica em causa em ..% dos casos.

Porquê a Enfermagem poderia prescrever? Quando coloquei a questão, certamente foi entendida por alguns colegas que poderiamos prescrever de tudo um pouco! Primeiro haveria que definir em quais as situações que poderiamos prescrever e em em que base poderiamos de forma a não "colidir" com a precrição médica. Havia quem sugerisse, com base nos diagnósticos de enfermagem, sem nunca descurar a causa do "objecto" da nossa prescrição!  Seria já um principio de construção, mas trabalhoso e polémico!

Mais polémico seria o seguinte: Como é que a Sociedade Portuguesa, com que olhos, é que a mesma veria essa evolução? Mas isso seria outra questão!

O Titulo de Especialista por si só não basta para se poder prescrever! Sustentada com formação adequada, (após aprovação de um plano de estudos aprovado pela OE como é Obvio, ministrado por quem a OE designasse), com tempo minimo de experiencia profissional em campo e provas. Cada Especialidade teria o seu leque de farmacos, alguns exclusivos da uma só, outros farmacos em seriam transversais em todas as especialidades.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: joana santos August 27, 2009, 09:29:23
"O Titulo de Especialista por si só não basta para se poder prescrever!
Sugere-se que poderia vir a fazer parte das funções do enfermeiro com titulo de especialista, a juntar às outras que já estão na carreira "recente"?

Estou de acordo que poderia vir a ser sustentada com formação adequada, (após aprovação de um plano de estudos aprovado e ministrado pelos órgão competentes). Os enfermeiros deveriam ter um tempo mínimo de experiência profissional. Cada Especialidade teria o seu leque de fármacos ou não dependendo das circunstâncias.

Gostei deste comentário colocado no DE, pelo vitor a.:

"Quando não for possível saber como dominar os Enfermeiros, porque o modus operandi é complexo demais para ser controlável e imitável, nesse dia a Enfermagem reconquistará a identidade perdida ou ainda não encontrada, partilhando entre os seus membros os valores que fazem com que um corpo disperso se transforme numa comunidade consistente e coesa mas aberta ao futuro."


Isto é o "Santo Graal da Enfermagem"

Saudações da Joana Santos :)
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: nelson_pt September 14, 2009, 18:34:03
Em todos estes comentários se percebe o pouco preparados que estamos. Para prescrever é preciso saber bem mais do que Farmacologia. E que tal uma Fisiologia e Patologia decentes? Esperem, e uma Semiologia, Terapêutica... um curso de Medicina? O curso tem 6 anos + 1 Ano Comum + X Anos de Especialidade por algum motivo, não?

Colegas, até um simples paracetamol tem os seus cuidados... Doentes em falência hepática ou síndrome de Gilbert, por exemplo...
Em relação à prescrição concordo apenas com a decisão de quando administrar, que é como quem diz em SOS. Aí a prescrição está feita e são considerados todos os factores clínicos do doente e "controlamos os sintomas", como alguém dizia atrás. Chega de tentarmos mostrar conhecimento (que não temos) em áreas onde não precisamos assim tanto dele. Se calhar, em vez de nos preocuparmos com a prescrição em si, tivessemos conhecimento dos efeitos secundários/reacções adversas principais dos fármacos que administramos seríamos muito melhores enfermeiros.
Deixem de querer pisar o mesmo que os médicos pisam. Apostem na investigação em enfermagem. Apostem em perceber os cuidados que prestamos no dia-a-dia, sabendo-os melhor que ninguém e evoluindo-os.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Jconeves September 15, 2009, 14:31:29
Partilho da sua opinião colega...Concordo que nos devemos centrar no que devemos ser bons e melhorar!!Devemos não perder essas áreas e penso que será prematuro lutar por algo para o qual não estamos minimamente preparados...

Cumprimentos colegas...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: enf_norte September 26, 2009, 22:15:03
Em minha opinião esta hipótese está completamente fora de causa. Penso que nós, profissionais de Enfermagem devemos centrar a nossa atenção nas nossas competências e melhorálas. Lutar pela promoção da saúde, reabilitação comunitária e não pensar em prescrever. O que é que esse acto nos gratifica? Seria mais um passo em frente da Enfermagem para a gilhotina, uma vez que nos preocupamos muitos com questões que em minha opinião são pura perda de tempo. Preocupemo-nos sim em lutar pelo que muito ainda se pode fazer no âmbito do nosso campo de acção...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: marinalebasi September 28, 2009, 20:53:42
Ola a todos.
Como ja disse aqui a um bom tempo atras, de momento tou a trabalhar no serviço de urgencias num hospital na Irlanda.
aqui ha muitas coisas que sao diferentes, umas melhores e outras piores, claro...mas por acaso aqui a carreira de enfermagem é um bocadinho diferente e eles tem aquilo a que chamam ANP's (Advanced Nurse Parctitioner) ou seja sao enfermeiros que tem autonomia para prescrever medicação, ver doentes com determinadas patologias, pedir XR, entre outras...o que para dizer a verdade acaba por ajudar em muito a descongestionar as urgencias. É claro que tem a formação adequada, tem que ter mestrado e atender um curso de cerca de 2 anos salvo erro!
E tem reunioes frequentes com o chefe de servico para "prestar contas", lol!
Acho que sera o caminho a seguir na carreira de enfermagem em Portugal!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: manuela castro September 28, 2009, 22:16:51
Colegas, discordo de algumas prescrições serem efectuadas por enfermeiros: nessa fase é que seriamos as ajudantes de consultório do Sr Dr. Eu ainda sou do tempo...em que alguns Srs Enf levavam para casa o receituário do Sr Dr , preenchiam, colavam as vinhetas do sr Dr e depois só faltava mesmo a rubrica...Acredito que o Caminho da enfermagem passa por conhecermos as nossas competencias, consultar o código deontológico e prestar cuidados de enfermagem de qualidade.Aí sim todos nos respeitariam: a começar pelos próprios colegas, administrativos, auxiliares, médicos e utentes.
Senão reflictam... Lá nos vossos serviços, quais os enfermeiros a quem os médicos não ousam levantar a voz? o tratamento por "tu" de igualdade e não de superioridade, o não pedinchar constantemente favorzinhos... já agora expliquem-me por favor também ficam com receitas dos utentes para o médico passar e exames complementares de diagnóstico para mostrar,..? ???
É graças á diferença de atitudes que a enfermagem não consegue evoluir.
Em alguns centros de saúde são os enfermeiros que " acertam " a dose de varfine após avaliação de INR , executam citologias,lavagens auriculares, suturas cutaneas... e enquanto isso sucede o Sr Dr até sai mais cedo, dá-lhe um jeitaço...
Mas já agora questionem os vossos utentes acerca de quem lhes transmite conhecimentos acerca da diabetes e vão sentir-se muito angustiados.
Realizo consultas em grupo a diabéticos e quando os questionei  no inicio diziam que fora @ MÉDIC@... ::)
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Enfermacy September 28, 2009, 23:24:54
Acho que de todo seria mal se os enfermeiros pudessem prescrever terapêutica. Mas para mim isso iria corresponder a assumir mais uma responsabilidade que não iria ser reconhecida principalmente tendo em conta que os Enfermeiros não tem a remuneração nem progressão que merecem. ;)
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Jconeves September 29, 2009, 10:48:17
Mais uma vez tenho que dar a minha opinião neste tópico, porque me faz alguma confusão se atendermos À realidade da enfermagem...

porque querermos novas autonomias se estamos a perder o que sempre foi nosso??para que prescrever se estamos a perder a administração da medicação (lembremos as vacinas), se estamos a perder os cuidados de higiene (para os AAM), se estamos a perder a alimentação (porque queremos ir almoçar mais cedo)...enfim!!!

não protegemos o que é nossa competência e queremos ir em busca do que nunca foi!? assim nunca nos darão valor... =(

cumprimentos
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: BOB October 11, 2009, 22:38:36
Concordo plenamente com os colegas. Somos Enfermeiros e o importante é fazermos bem aquilo que é da nossa competencia e ninguem sabe fazer melhor que nós... Cuidar. Na minha opinião devemos lutar por sermos bons enfermeiros e sabermos trabalhar em conjunto com a equipa multidisciplinar... que muitas vezes é o grande problema!!!
Cumps.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Caldas December 02, 2009, 03:58:52
Já muitas questões aqui se colocaram coloco mais uma:

Para o enfermeiro prescrever medicamentos com qualidade teria de dispender bastante tempo a avaliar a condição do doente. Então que cuidados é que se deixariam de fazer?
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. December 09, 2009, 07:38:55
: Caldas
Já muitas questões aqui se colocaram coloco mais uma:

Para o enfermeiro prescrever medicamentos com qualidade teria de dispender bastante tempo a avaliar a condição do doente. Então que cuidados é que se deixariam de fazer?

Na minha opinião, nenhuns.
Deveriamos sim deixar de fazer algumas coisas que não competem á Enfermagem resolver/fazer, mas sim outros serviços/classes profissionais.
Se fizessemos isso, mais tempo teriamos para a Enfermagem estar junto dos doentes!
(Infelizmente) Sou muitas vezes RT de turno. É impressionante o que vem solicitar á enfermagem para pedir. fazer, realizar coisas que não nos compete e o tempo que nos "Rouba" na prestação diária de cuidados. O certo é que se a enfermagem não o faz, mais ninguém o quer fazer e a "normalidade" de um serviço "já era"! Agora, cada vez mais sou faço apenas aquilo que diz respeito á enfermagem e respondo varias vezes "sei muito bem quem não não faz, porque não me compete e nem á enfermagem, Dirija-se á classe profissional envolvida nessa questão". Se mais vezes fizessemos isso, mais tempo teriamos!

Saudações
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: aNdR3 December 21, 2009, 11:47:31
Para quem quiser dedicar algum tempo a ler:
http://www.lch.es/lchol/acciones/detalleNoticia/Andalucia_Autoriza_Legalmente_La_Prescripcion/1014513 (http://www.lch.es/lchol/acciones/detalleNoticia/Andalucia_Autoriza_Legalmente_La_Prescripcion/1014513)
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: funktastic December 21, 2009, 21:28:07
Num mundo ideal, em que as equipas multidisciplinares existissem, essa seria uma falsa questão. Mas no nosso contexto clínico, algumas prescrições revelam-se frequentemente insuficientes e os SOS são frequentemente esquecidos. Temos de andar à procura de alguém que nem loucos para nos prescrever algo que na hora faria todo o sentido e perde-se muito tempo, o qual poderia ser útil na prestação de outros cuidados. Aqui refiro-me logicamente à realidade hospitalar.

Creio que o enfermeiro poderia prescrever medicação em situações pontuais e para isso deveria ter mais de 6 anos de experiência profissional. Sinceramente não acho que a enfermagem perca nada com isto, pelo contrário, só tem a ganhar. Basta deixarem bem definidas as situações e os contextos clínicos. E sim, não me acharia mini-médico se tivesse esta competência, acharia-me mais um super-enfermeiro, ainda mais autónomo e com mais responsabilidade! Não há que ter medo!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: libelinha January 28, 2010, 17:48:10
NAO! NAO!NAO!...Porque essa ansia? Acham sinceramente que se comecarmos a prescrever terapeutica vamos dignificar a essencia do que e ser enfermeiro? por favor...
Os enfermeiros americanos estao ainda agora a comecar a perceber como isso foi uma decisao errada...custa-me acreditar que a maioria tenha respondido que sim...O que temos ainda pela frente para desenvolver na area do cuidar 'e  imenso! O que 'e que vao querer fazer a seguir? cirurgias? Pensem sinceramente no que vos motiva para esta via...nao percebo. OS ENFERMEIROS NAO INTERV^EM SOBRE A DOENCA ...MAS SOBRE AS PESSOAS!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: libelinha January 28, 2010, 17:56:57
[Para mim é evolução...os enfermeiros têm de ser mais autónomos...não digo fazer as coisas sem dizer nada porque trabalhamos em equipa (médico, enfermeiro, auxiliar, administrativa) mas não temos que pedir licença para fazer coisas óbvias que simplesmente vêm do bom senso...

colega, desculpe mas tem de desenvolver o seu conceito de autonomia. Ser mais autonomo nao significa fazer algo que 'e habitualmente feito por medicos. A autonomia e um conceito muito mais alargado e nao se pode reduzir a forma como o explicita. O que descreve nao 'e automia, 'e nao estar em paz com o que faz, nao estar satisfeito com o protagonismo e poder que tem...desculpe se lhe pareco rude...mas tem de crescer na sua nocao de autonomia.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: libelinha January 28, 2010, 18:09:16
: Jconeves
Mais uma vez tenho que dar a minha opinião neste tópico, porque me faz alguma confusão se atendermos À realidade da enfermagem...

porque querermos novas autonomias se estamos a perder o que sempre foi nosso??para que prescrever se estamos a perder a administração da medicação (lembremos as vacinas), se estamos a perder os cuidados de higiene (para os AAM), se estamos a perder a alimentação (porque queremos ir almoçar mais cedo)...enfim!!!

não protegemos o que é nossa competência e queremos ir em busca do que nunca foi!? assim nunca nos darão valor... =(

nao poderia estar mais de acordo consigo colega! subescrevo 100%.

cumprimentos
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: jo@n@_FGENTIL January 29, 2010, 20:47:57
: libelinha
: Jconeves
Mais uma vez tenho que dar a minha opinião neste tópico, porque me faz alguma confusão se atendermos À realidade da enfermagem...

porque querermos novas autonomias se estamos a perder o que sempre foi nosso??para que prescrever se estamos a perder a administração da medicação (lembremos as vacinas), se estamos a perder os cuidados de higiene (para os AAM), se estamos a perder a alimentação (porque queremos ir almoçar mais cedo)...enfim!!!

não protegemos o que é nossa competência e queremos ir em busca do que nunca foi!? assim nunca nos darão valor... =(

nao poderia estar mais de acordo consigo colega! subescrevo 100%.

cumprimentos

subscrevo!! preocupem-se em cultivar o campo da Enfermagem e, não em querer semear na horta do vizinho!!!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: manuela castro February 26, 2010, 02:06:27
nem mais colega. ;). Prescrever com receita só se fosse apenas tiras para diabéticos e lancetas...já temos trabalho a mais e enfermeiros amenos nos serviços. Lutemos é por existirem enfermeiros nos serviços de estrangeiros e fronteiras- para transcrição de boletins de vacinas, ensinar a vigiar situação de doença e articular co respectivo enfermeiro de família; lutemos por ter enfermeiros em esquadras de polícia para ajudar os presumiveis condutores embriagados areconhecerem o problema e fazer o encaminhamento para seguimento, e também dar conselhos aos pais que trazem as crinaças sem os devidos assentos para diminuir na sinistralidade- colaborndo dessa forma para uma melhor e maior visibilidade; lutemos por existirem enfermeiros nos locais onde se realizam exames com contraste IV, lutemos para que existam enfermeiros nas farmácias e parafarmácias para informar, educar, instruir os utentes e administrar injectaveis; lutemos para que existam enfermiros nas corporações de bombeiros; lutemos para que existam enfermeiros nos hotéis para ajudar utentes diabéticos, hipertensos, asmaticos a controlar as complicações que possam eventualmente surgir; lutemos para que existam enfermeiros a fazer re educação funcional e respiratória; lutemos para que existam enfermeiros afazer preparação para o parto; lutemos por melhores condições de trabalho que nos dignifiquem e satisfaçam. Lutemos por sermos mais unidos e haver menos desemprego e mais visibilidade e consequente valorização profissional.
P.S.Porque é que os engenheiros e os arquitectos não andam á turra...? E AGORA VOU DESCANSAR QUE AMANHÃ É DIA DE MUITO TRABALHO:OXALÁ QUE OS MÉDICOS FALTEM...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: dprocha February 26, 2010, 23:31:55
: "libelinha"
[Para mim é evolução...os enfermeiros têm de ser mais autónomos...não digo fazer as coisas sem dizer nada porque trabalhamos em equipa (médico, enfermeiro, auxiliar, administrativa) mas não temos que pedir licença para fazer coisas óbvias que simplesmente vêm do bom senso...

colega, desculpe mas tem de desenvolver o seu conceito de autonomia. Ser mais autonomo nao significa fazer algo que 'e habitualmente feito por medicos. A autonomia e um conceito muito mais alargado e nao se pode reduzir a forma como o explicita. O que descreve nao 'e automia, 'e nao estar em paz com o que faz, nao estar satisfeito com o protagonismo e poder que tem...desculpe se lhe pareco rude...mas tem de crescer na sua nocao de autonomia.

Fazemos assim então...
Para mim a autonomia consiste na qualidade de um indivíduo de tomar suas próprias decisões, com base na sua razão individual. Para a colega  libelinha é a correcta?

No meio de cansaço lembrei-me de uma situação simples para que possamos prescrever certos e determinados medicamentos...quantas e quantas as vezes não acontece que olhamos para uma ferida e verificamos que está com sinais inflamatórios ou com sinais de infecção e temos que ir atrás do senhor doutor para "ir ver a ferida" para prescrever uma coisa que já sabemos que é necessário...
EU NÃO PRECISO DE UM MÉDICO PARA ME DIZER QUE A FERIDA ESTÁ COM SINAIS INFLAMATÓRIOS E QUE NECESSITA DE UM ANTIINFLAMATÓRIO...é uma coisa simples e comum...
Como tantas outras...

No entanto, convinha salientar que não acho que deveria ser todos os enfermeiros, apenas os que tivessem formação especializada numa área e que essa especialidade tivesse um cadeirão de farmacologia adaptado à especialidade...

É a minha humilde opinião...agradecia que a respeitassem...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. February 28, 2010, 03:50:07
Porque será que a enfermagem estará a perder " o que sempre foi nosso"?
É uma pergunta que sempre me deixou perplexo, pois as respostas são das mais variadas possiveis! E metem todos no mesmo saco, dizendo, "a culpa é de todos nós!" Minha e de muitos colegas que conheço não é de certeza. Um enfermeiro que sabe quais são as suas competencias e que as desempenha sem as ultrapassar, é um enfermeiro que não perde algo para os outros! Sabe qual é seu papel. Muitas vezes esse papel pode ser complementado com a prescição de alguma terapêutica, repito alguma terapêutica, adequada ao grau de formação do enfermeiro.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: libelinha March 19, 2010, 22:08:02
Caro colega DEPROCHA,

Acha assim tao obvio que uma ferida com sinais inflamatorios necessite de um anti inflamatorio? Desculpe, mas a ignorancia fica-lhe mal quando utiliza a sua suposta sabedoria como argumento que se volta contra si. Aconselho-o a estudar com afinco a fisiologia da cicatrizacao e a perceber qual o papel do processo inflamatorio na cicatrizacao e ainda porque, na generalidade das vezes, os anti inflamatorios nao devem ser usados.
J'a agora, sabe quais os nutrientes essenciais a incluir na alimentacao para favorecer o processo de cicatrizacao?  sabe os aspectos essenciais do WBP? sabe tamb'em como inteferem os estadios de stress e depressao sobre feridas cronicas...'e que pode fazer muito NO SEU PAPEL DE ENFERMEIRO, para ajudar um doente com feridas...fazer aquilo que a precricao de medicamentos nao faz. Mas para isso tem de saber o que pode fazer, saber tanto ou mais que o medico....e so assim vai agir em complementaridade, e nao fazer o que ele pode fazer.
passe bem.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: aNdR3 March 20, 2010, 10:10:21
: "libelinha"
Caro colega DEPROCHA,

Acha assim tao obvio que uma ferida com sinais inflamatorios necessite de um anti inflamatorio? Desculpe, mas a ignorancia fica-lhe mal quando utiliza a sua suposta sabedoria como argumento que se volta contra si. Aconselho-o a estudar com afinco a fisiologia da cicatrizacao e a perceber qual o papel do processo inflamatorio na cicatrizacao e ainda porque, na generalidade das vezes, os anti inflamatorios nao devem ser usados.
J'a agora, sabe quais os nutrientes essenciais a incluir na alimentacao para favorecer o processo de cicatrizacao?  sabe os aspectos essenciais do WBP? sabe tamb'em como inteferem os estadios de stress e depressao sobre feridas cronicas...'e que pode fazer muito NO SEU PAPEL DE ENFERMEIRO, para ajudar um doente com feridas...fazer aquilo que a precricao de medicamentos nao faz. Mas para isso tem de saber o que pode fazer, saber tanto ou mais que o medico....e so assim vai agir em complementaridade, e nao fazer o que ele pode fazer.
passe bem.

Ignorância ou não, penso que não te dá o direito de seres tão arrogante e desrespeitosa, a ignorância faz parte de todos nós e é a nossa aprendizagem que vai contra-balançando a mesma, mais acrescento que outrora alguém citou "ignorante não é aquele que não sabe mas sim aquele que não quer saber". O facto de, supostamente, alguém "não ter tanto conhecimento" como tu, não te dá o direito de insulta-lo, e sinceramente não considero o colega ignorante por ter dito o que disse, até porque faz sentido, existem vários estádios que se podem considerar num processo inflamatório e várias frentes de tratamento para as mesmas, da mesma forma que se fala e distingue o tratamento médico e o tratamento cirúrgico, sendo apesar disso ambos da área médica, podemos perfeitamente abordar um processo inflamatório de uma ferida ou lesão com tratamento de enfermagem e tratamento médico, sendo que na possibilidade de podermos prescrever algum tratamento, tal como já supracitado noutros posts, em função da nossa formação, não vem em nada retirar a essência da enfermagem, até porque não se pretende deixar os cuidados de enfermagem e o cuidar, mas sim acrescentar a esse cuidar o tratar, com procedimentos como a prescrição de um anti-inflamatório que se discute aqui.

Questiono ainda se nunca auto-infligiste uma ferida em ti mesma por queda ou outra causa, um trauma num joelho ou algo semelhante, inclusive uma sinuvite, que é um processo inflamatório numa localização específica, uma garganta inflamada com ou sem erosão da mucosa, situações várias que podemos recordar do mais básico, e que pode realmente recorrer-se a tratamentos tópicos, a tratamentos de enfermagem que todos praticamos no dia a dia mas que uma vez ou outra um anti-inflamatório ajudava, até mesmo se pode considerar uma ferida cirúrgica de uma simples artroscopia do joelho que por mera mobilização inflamou a zona de sutura (e que ainda podemos acrescentar uma situação de dor em que um analgésico ou anti-inflamatório seria um excelente aliado). Ou só tens conhecimento do uso de anticépticos depois da limpeza com SF e colocação do devido apósito como tratamentos de feridas?

Na minha opinião, como enfermeiros, temos que ser mais críticos e mais abertos no que respeita a tratamento de algo, o organismo e corpo humano é por si só uma variável infinita, na qual há coisas que sim são certas ou praticamente 1 + 1 = 2, mas devemos ser pro-activos e dinâmicos, o comodismo e a conformação são os maiores aliados da ignorância e da falta de evolução e progresso.

O facto de não considerarmos uma ideia como válida, não justifica nem nos dá o direito de a insultar ou refutar de imediato, algumas permitem mas ainda assim é preciso moderação, argumentar e debater ideias sim, criticar e insultar não creio, muito menos entre colegas. Contudo, mais uma vez reforço a ideia, que mais "ignorante é aquele que não quer saber do que aquele que não sabe realmente", pois há também colegas que têm como duas palas nos olhos e porque foram ensinados "assim" uma vez simplesmente não permitem que ninguém lhes ensine ou demonstre outra forma, maneira ou saber, há colegas verdadeiramente ignorantes para manter essas palas sobretudo nos tempos que correm, seja a tentativa por alguém mais velho ou mais novo, mais ou menos experiente, sou e continuo a ser da opinião que devemos saber aceitar outras opiniões, logo se discutem e logo se debatem, logo se expõem e logo se argumentam, logo se aceitam logo se refutam, mas "há que perder tempo" com essas coisas, não é só ler e pesquisar artigos, a meu ver é muito importante ou mesmo tão importante a discussão entre profissionais e colegas das mais diversas situações ou temas, sejam mais ou menos controversos, discutíveis, delicados ou mesmo polémicos, assim como a observar e experienciar (dentro do aceitável como é óbvio).

Não descartamos nem podemos descartar os cuidados inerentes à nossa prática e formação, sejam estes cuidados, técnicas e procedimentos de enfermagem, que incluem todo o vasto leque de competências que temos capacidade para exercer, mas podemos sempre recorrer a mais quando assim acharmos pertinente, melhor ou mais aconselhável.

Todos temos o nosso direito de opinião e discurso, assim como a nossa liberdade de expressão e transmissão dessa mesma opinião, mas tal como nós, todos os demais também a têm e todos temos direito ao nosso espaço para os mesmos.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: libelinha March 20, 2010, 11:56:02
Colega, as minhas ideias em nada contrariam as que defendeu.

Concordo que respondi de forma impaciente , mas discordo da forma parcial com que me etitula de arrogante e desrespeitosa sem atender ao historico da citacao e resposta. Esta minha citacao provem de um debate anterior sobre este tema e o fio condutor das minhas ideias nao esta exposto no debate actual.

De facto, insurgi-me exactamente contra uma visao 1+1=2, redutora e precipitada da avaliacao de feridas (exemplo referido) mas parece que, de forma que considero parcial, isto nao lhe foi visivel.

O principio que orientou a sua resposta ao meu post nao foi muito diferente do meu...discutir e colocar outras possibilidades...

Discutia-se a questao de basear uma maior autonomia e ainda a evolucao da enfermagem no acto de prescrever medicamentos. Concepcao que acho errada e at'e lamentavel....pois evidencia o nao reconhecimento da autonomia que se tem e das vias de evolucao dentro da nossa area de competencia. Ideia que foi ja desenvolvida por colegas neste forum e com a qual concordo plenamente.

Por mais competencias que adquiramos os doente vai estar sempre dependente da nossa capacidade de actuarmos em complementaridade para resolver os seus p.roblemas de saude e quanto mais conseguirmos desenvolver a nossa area de competencia melhor servido ficara o deonte
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: dprocha March 20, 2010, 12:23:29
: "libelinha"
Caro colega DEPROCHA,

Acha assim tao obvio que uma ferida com sinais inflamatorios necessite de um anti inflamatorio? Desculpe, mas a ignorancia fica-lhe mal quando utiliza a sua suposta sabedoria como argumento que se volta contra si. Aconselho-o a estudar com afinco a fisiologia da cicatrizacao e a perceber qual o papel do processo inflamatorio na cicatrizacao e ainda porque, na generalidade das vezes, os anti inflamatorios nao devem ser usados.
J'a agora, sabe quais os nutrientes essenciais a incluir na alimentacao para favorecer o processo de cicatrizacao?  sabe os aspectos essenciais do WBP? sabe tamb'em como inteferem os estadios de stress e depressao sobre feridas cronicas...'e que pode fazer muito NO SEU PAPEL DE ENFERMEIRO, para ajudar um doente com feridas...fazer aquilo que a precricao de medicamentos nao faz. Mas para isso tem de saber o que pode fazer, saber tanto ou mais que o medico....e so assim vai agir em complementaridade, e nao fazer o que ele pode fazer.
passe bem.

Fico triste em que pense que a minha descrição sobre uma ferida seja essa e apenas a que tinha feito...que pense que eu seja ignorante e pelos vistos mau enfermeiro!

Arrogância não é uma coisa que fique bem a ninguém...

No entanto só com o post anterior percebi o que é que queria afirmar sobre a autonomia em enfermagem...que tal no lugar de atacar primeiro expôr as suas ideias, poderiamos começar por aí!

Espero que em futuros debates...debatemos ideias e não atacar a "suposta" ignorância dos outros! Muitas vezes o mal de enfermagem está nisso, é sempre na tentativa de se mostrar mais importante, mais inteligente do que os outros pares da profissão, sempre na suposição "eu sou inteligente o resto...são o resto..."

Volto a dizer...não lhe fica bem...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Mauro Germano March 20, 2010, 16:31:52
@dprocha e libelinha

De lembrar que existe algo a que chamam "mensagens pessoais" que serve exactamente para "Trocar impressões" mais pessoais.
Espero que tenham em atenção quando escreverem novamente neste ou noutro tópico.
Para já mantenhamo-nos fiéis ao tópico.

Obrigado a todos
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: libelinha March 23, 2010, 20:20:40
ola mauro!
Tem razao...devo confessar-lhe que nunca tinha reparado nessa possibilidade. Obrigada pelo aviso. Terei isso em conta no futuro.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: J.Ribeiro April 19, 2010, 19:18:18
Enfermagem... curso técnico profissional... sobretudo pelos espécimes que se degladiam uns com os outros... cá está mais uma

ideosincrasia singular !! deste magnifico corpo profissional...

Do melhor, realmente... prescrição? Com estes enfermeiros não, mal o resultado não fosse o previsto, era vê-los correr para a barra dos tribunais a acusar o colega !!

Só por causa disto é que não podia haver prescrição por enfermeiros. Há demasiados incompetentes, incapazes e até analfabetos entre o corpo de enfermagem.

Temos colegas que nem sabem escrever... e não estou a falar de mensagens de telemóvel...


Têm razão aqueles que dizem que não... estão muito errados quanto às razões...

Saudações
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Vitor A. April 20, 2010, 00:58:13
Há os alegados incompetentes!

Mas também há aqueles que sabem o que fazem e o porquê de o fazer!
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: SkyLine April 20, 2010, 15:01:50
NÃO! ???
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: Psiqnurse April 23, 2010, 03:10:57
Sim, mas com regras bem estabelecidas.

1. Prescrição de medicação em meio hospitalar para controlo de sintomatologia em situação não emergente:
Não vejo necessidade para tal, uma vez que se existirem protocolos bem construidos e articulados o enfermeiro deveria ter autonomia, para com base no protocolo, proceder a administração de determinada medicação, (isto não faz deste enfermeiro um prescritor) ex:
Doentes obstipados sem dor abdominal marcada, administração de senna ou gutalax, ou outro qualquer medicamento desse grupo terapêutico;
Doente com hipertermia, administração de paracetamol, diferentes doses consoante adulto ou criança, com um intervalo de 6 a 8 horas no limite máximo de duas administrações consecutivas sem ser necessário parecer médico...
e assim sucessivamente, isto permitiria autonomia aos enfermeiros, sem ter necessidade de andar constantemente atrás dos Sr. Doutores.


2. Prescrição de medicação em meio hospitalar para controlo de sintomatologia em situação emergente:
Não de momento, se é emergente deveria ser chamado um médico de imediato e para evitar confusão entre classes profissionais e discussões que apenas prejudicariam o doente deveria ser o médico o único prescritor.

3. Consultas externas (consulta externa hospitalar ou comunitária):
Se a consulta for com o enfermeiro é porque ele é especialista (e isto não significa ter um papel a dizer que é especialista, significa possuir uma base de conhecimento sólidos nessa área que o define como especialista em x, y ou z) nessa área e como especialista deveria saber aquilo que está a fazer.
A seguir ao inicio do desempenho de funções nessa área, esse enfermeiro especialista teria a hipótese de aprender mais farmacologia na sua especialidade, fazer um curso e em seguimento disso ter a hipótese de prescrever ou não, aparecendo assim o enfermeiro especialista ou o enfermeiro especialista prescritor.
Todo este processo iria (esperemos) tornar o enfermeiro prescritor em alguém experiente, com um corpo de conhecimentos sólidos e algum discernimento para saber quando prescrever ou enviar para o médico, e ai estaríamos a falar do enfermeiro especialista em feridas poder prescrever pensos ou diferentes tratamentos para as feridas, dos enfermeiros das clínicas de diabetes poderem prescrever insulinas ou ajustar as doses de insulinas previamente prescritas, dos enfermeiros de saúde mental poderem ajustar doses de antidepressivos ou de antipsicóticos.
Todavia numa fase inicial penso que se deveria  deixar  os antibióticos de fora, porque essa é a experiência e a pesquisa que existe noutros países e porque iniciar tudo ao mesmo tempo seria uma confusão.


Sim, este é um assunto no qual eu reflecti bastante e onde tenho uma opinião bem definida, em primeiro lugar porque vivo em Inglaterra, aonde existem enfermeiros prescritores e aonde este processo já foi colocado em prática há muito tempo e em segundo lugar, porque sendo eu uma delas sei bem a responsabilidade que existe cada vez que eu faço uma prescrição e as consequências que uma prescrição incorrecta podem ter.
Para finalizar, gostaria de pedir desculpa pelos eventuais erros ortográficos, mas com um teclado inglês e um computador inglês, escrever português correcto não é uma das coisas mais fáceis do mundo...
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: aNdR3 May 10, 2010, 16:56:01
Este fim de semana participei num congresso que abordou entre vários temas a prescrição de terapêutica pela Enfermagem e posso vos dizer que o projecto tem pernas para andar, aliás, já está em andamento, sendo que em breve eu mesmo irei fazer a formação para poder prescrever, existe um software espanhol que está qualquer coisa de fabuloso e que está na vanguarda europeia e existem cerca de 31247 (algo assim) produtos que poderemos prescrever nós enfermeiros, em Espanha.
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: EnfermeiroAC October 05, 2012, 12:01:28
Neste momento só em Espanha é que se pode prescrever (e noutros países acho eu). Mas em Portugal vai ser difícil porque a classe dos médicos oprimem os enfermeiros quando têm estas ideias mirabolantes ..

vamos lá ver se isto contagia portugal ...mas nem uma bandeira sabem hastear, quanto mais dizerem SIM a uma proposta deste calibre!!! ^-^
: Re: Devem os Enfermeiros poder prescrever (terapeutica)?
: BV1 October 21, 2012, 01:17:49
Alguns teóricos falam em farmacovigilancia, farmacodinamica etc. Mas os enfermeiros não tem que saber isso quando administram um qualquer farmaco. Eu tive farmacologia e estudei tudo isso. Aliás tenho muitos colegas que tinham aulas de farmacologia juntamente com os alunos de medicina. Isto mudou assim tanto?!....
Tenho a certeza que os enfermeiros precisam de mais umas disciplinas no curso de base e principalmente nas especialidades!... Mas não ém Farmacologia,farmacovigilancia ou farmacodinamica.  A seu tempo direi quais são. Tenho a cereteza absoluta que faria toda a diferença!