Forumenfermagem

Áreas de Intervenção Clínica => Cuidados Gerais => : nunotavares January 19, 2005, 22:10:43

: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: nunotavares January 19, 2005, 22:10:43
Hoje fui confrontado com uma situação que confesso me deixou  8O  , estava eu a fazer uma entrada de um doente e a fazer o exame físico completo, com direito a inspecção, palpação, auscultação e percusão....qual não foi o meu espanto quando uma das enfermeiras tenta boicotar o meu exame.....dizendo que "os enfermeiros não têm conhecimentos para utilizar um esteto, nem para palpar um doente", ao que respondi de imediato, "então e na Espanha e nos USA, também não? A mim foi-me ensinada a auscultação e a palpação, portanto eu ausculto e palpo!"....danada da vida, foi mostrar o que eu tinha recolhido da auscultação e da palpação ao médico assistente...."Sem queixas álgicas à palpação de todos os quadrantes. Sem organomegálias. Sinal de Bloomberg e de Murphy vesicular negativo. Fígado, baço e rins não palpáveis. Região inguinal sem tumefacções anormais, sem hérnias. Gânglios inguinais não palpáveis. Pulso femural palpável e rítmico." e "Área cardíaca - Auscultação 1º e 2º tons audíveis, rítmicos e sem desdobramentos. Ausência de 3º e 4º tons, sopros ou atritos pericárdicos. Confirmado o valor de frequência cardíaca obtido pela palpação do pulso radial. Área Pulmonar - Auscultação Auscultação Sem murmúrio vesicular audível. Sem ruídos adventícios.", ao que o médico respondeu....qual é a dúvida? Doing...ficou com uma moca!!!!! IHIHIHIH  :D

Agora pergunro será tão descabido um enfermeiro colocar em prática aquilo que lhe foi ensinado na escola?

Eu uso esteto...não ando com aquele apêndice ao pescoço, mas ando com ele no bolso....quase nem se nota......e uso muitas vezes....há muitos sinais patognomónicos identificáveis pela auscultação e que nós podemos despistar....

Sou da opinião de que quem não sabe auscultar devia aprender....porque o médico não está lá sempre para fazer o despiste.....

E já agora, a Littmann lançou à pouco um novo esteto para Enfermeiros.....ultra-leve! Eu já comprei!!!!

http://www.reddingmedical.com/1206_Litt ... stcatid=13 (http://www.reddingmedical.com/1206_Littmann_Lightweight_II_SE__2450.cfm?id=1206&step=4&lastcatid=13)

 :D
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: jotix January 19, 2005, 22:36:57
Ahhh! Que horror!

Parece inacreditável que existam enf.os com esse tipo de atitudes. Afinal, eles são realmente enf.os, ou simples empregados a que obdecem ao que médico lhes prescreve?

A mim foi-me ensinada a auscultação em Fundamentos de Enfermagem, Fisiologia, BioFísica os outros métodos de recolha de dados quantitativos foi nos Fundamentos.

Que estupidez! Essa enf.a não deve ser deste século, então se andamos aqui a ser pagos para estudar, porque não devemos empregar o que efectivamente aprendemos?

Já n me lembro muito do exame físico, tenho de estudar isso :oops:
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: tcasaleiro January 19, 2005, 22:48:09
o belo do estetoscópio...
N minha disciplina de fundamentos de enfermagem, estivemos a debater sobre a visão que se tinah do médico como um mago, alguém que curava como que por magia e que tinha por varinha mágica o estetoscópio e, como tal, é algo que sempre se atrbuiu aos médicos, o estetoscopio ta po medico como a seringa para o enfermeiro :D percebem o qu quero dizer...
NEste contexto ainda há muito a mentalidade destes símbolos..
TEmos é d eter consciencia que já há mto enfº que anda a passear o belo do esteto, como se de uma promoção se tratasse.
Abraço,
Tiago Casaleiro
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: nunotavares January 19, 2005, 22:48:49
Pois coitada...ela nem sabia que haviam 4 tons cardíacos.....disse logo que ali só estavam escritos disparates!!!!

Coitada.......eu amanhã levo os meus apontamentos para lhe mostrar!


Já agora aqui fica o guia para o exame físico exaustivo.....normalmente não o faço todo....temos de adequar.....

Nome:
Idade:
Data de Nascimento:
Sexo:
Raça: (caucasiana)
Estado civil:
Naturalidade:
Residência:
Viagens ao estrangeiro:
Profissão:
Religião:
Data de admissão no Hospital:
Enfermaria:
Cama:
Data do exame: 04/09/2002
B. História pregressa
Motivo de internamento
História da doença actual
Revisão por aparelhos e sistemas
Estado Geral:
(peso e perda de peso)
(febre)
(astenia)
(edemas)
Pele e fâneros:
(alterações da cor (icterícia, palidez, cianose))
(textura ou hidratação)
(erupções) (prurido) (equimoses) (lesões)
(Cabelo (cor textura))
(distribuição pilosa)
(Unhas (cor e brilho)
Cabeça:
(cefaleias)
(enxaquecas)
(traumatismos)
(tonturas) (vertigens) (desmaios)
(perdas de consciência ou alterações da memória)
Olhos:
(acuidade visual)
(escotomas) (fotofobia) (dor) (prurido) (lacrimejamento) (conjuntivite)
(ambliopia) glaucoma cataratas Campos visuais Oculos
Ouvidos: hipoacusia zumbidos otorreia otorragia patologia anterior...
Nariz e seios perinasais: epistaxis rinorreia obstrução nasal an(hip)osmia
Boca e orofaringe: gengivorragias úlceras abcessos dentários halitose amigdalites rouquidão glossite estomatite
Pescoço: dores tumorações adenomegálias bócio rigidez
Aparelho cardiovascular: edemas dispneia paroxística nocturna HTA varizes flebites dor pré cordial palpitações
Aparelho respiratório: dor torácica tosse hemoptises infecções dispneia expectoração vómica asma bronquite
Aparelho gastrointestinal: (apetite: anorexia e polifagia)
dor odinofagia eructações soluços náuseas vómitos obstipação diarreia azia disfagia tenesmo falsas vontades rectorragias melenas hematoquézias hematemeses colúria acolia prurido icterícia distensão abdominal
Fezes (cor, consistência, tamanho, flutuação)
Aparelho genito-urinário: cólicas renais anúria oligúria poliúria polaquiúria nictúria disúria ardor miccional hematúria retençãourinária. Infecções incontinência
Litíase tenesmo/vesical corrimento/vaginal(mulher..)
Sistema músculo-esquelético: dor/óssea artralgias artrite mialgias lombalgia artrose limitação funcional reumatismo
Sistema nervoso:
Sistema endócrino: sudorese polidipsia polifagia poliúria astenia hiperactividade sonolência carc sex sec
Sistema hematopoiético: Apresenta anemia.
Psiquiátrico: Sente alguma ansiedade motivada pelo seu estado de saúde.

Antecedentes pessoais fisiológicos
História ginecológica: (mecarca ciclos regulares metrorragias menorragias corrientos gesta/para menarca ....)
Hábitos alimentares:
Hábitos tabágicos:
Hábitos alcoólicos:
Hábitos toxicomanos:
Hábitos medicamentosos:
Imunizações:
Grupo sanguíneo:
História sócio-profissional:
Escolaridade:
Profissão:
tipo de habitação: (saneamento básico/ água potável /elect /exp. solar)
Antecedentes pessoais patológicos
Doenças da infância:
Outras doenças:
Acidentes:
Internamentos anteriores:
Intervenções cirúrgicas:
Alergias:
Antecedentes familiares
Pai:
Mãe:
Irmãos:
Filhos:
Patologia familiar/infeciosa

C. Exame físico
Exame geral
Avaliação da nutrição:
Peso actual:
Altura:
Sinais vitais
Temperatura (axilar):
Frequência respiratória:
Tensão arterial
Pulso (radial):
 
Cabeça
Inspecção:
Conformação dismorfias assimetrias massas visíveis cabelo Conjuntivas pupilas(reflexos) escleróticas campos
Pavilhões auriculares(simétricos/implantação/conformação)
Lábios Mucosa bucal Dentição Amígdalas
Palpação:


Pescoço
Inspecção:
Palpação:
Auscultação do sopros carotídeos

Tórax
Mamas:
Tórax:
Inspecção:
conformação massas cicatrizes
Movimentos respiratórios frequência
tiragem intercostal/supraclavicular. Choque da ponta

Área pulmonar
Palpação:
Expansibilidade massas palpáveis pontos dolorosos Vibrações vocais
Percussão:
som parenquimatoso macicez
Auscultação:
Murmúrio vesicular ...
Área cardíaca
Auscultação:
1º e 2º tons sopros atritos

Abdómen
Inspecção:
configuração móvel hérnias tumorações eventrações
cicatrizes operatórias circulação colateral. Distribuição pilosa
Auscultação:
Ruídos hidroaéreos/peristálticos
Percussão:
macicez hepática macicez nos flancos onda ascítica
Palpação:
Hiperestesia defesa Dor massas
Sinal de Blumberg Murphy vesicular

Região inguinal
tumefacções hérnias. Gânglios Pulso femural
 
Membros superiores:
Inspecção:
conformação volume simetria edemas eritema palmar mobilidade
Palpação:
pulsos

Membros inferiores:
Inspecção:
Palpação:

Coluna vertebral
mobilidade
Palpação indolores.

Região perineal
Toque rectal:
Exame neurológico sumário

 :D
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: ElsAlves January 20, 2005, 02:21:46
Acho que se o sabes fazer o deves fazer. Talvez n devas é ser tão arrogante para kem o não sabe fazer (e atenção! não estou a insinuar que o foste!)
Se a tua escola te ensinou esse tipo de procedimento, então aplica-os mas cuidado com o "atravessar" de fronteiras que ainda são muito rigidas. Eu tb aprendi a realizar diversas técnicas que são consideradas "actos médicos". Posso saber faze-las mas isso n me dá o direito de as realizar. So simple...
Quanto ao estetóscópio tb tenho um, mas n o uso, nem tão pouco o levo para o hospital. Qd preciso tenho lá os do serviço, se bem que só o utilize qd estritamente necessário.
saudações
Elsa
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: _ January 20, 2005, 02:45:33
Nuno, nao resisto e tenho que perguntar isto:

A entrada foi em que altura do turno? Depois só dever ter tido tempo de realizar os Registos de Enfermagem e passar o turno, ñ????  :wink:

É que escreveres isso tudo ainda deve demorar um tempinho... :wink:

Acho que deveremos registar o pertinente acima de tudo, para além tudo o que caracteriza e distingue a Enfermagem ...

"então e na Espanha e nos USA, também não? A mim foi-me ensinada a auscultação e a palpação, portanto eu ausculto e palpo!"


Pergunto-te outra coisa, e já neste forum "abusaste" da sinceridade falando de resposta menos próprias, e das tuas atitudes para com essas respostas: Não consideras as tuas respostas por vezes menos adequadas?...
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Stephan January 20, 2005, 05:16:52
Nuno escreveu: "já agora, a Littmann lançou à pouco um novo esteto para Enfermeiros.....ultra-leve! Eu já comprei!!!! "

Ehh, alguem me pode explicar a diferença entre um "esteto" para enfermeiros e o dos médicos??    :wink:
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: FábioVieirovsky January 20, 2005, 13:35:03
Estou emocionado com a tua admissão Nuno!

Ainda frequento o 4º ano do curso e tenho quase a certeza que durante a minha vida profissional, nunca serei capaz de fazer uma admissão com tanto rigor e exactidão.

Já tive a oportunidade de estagiar em alguns serviços de medicina e cirurgia, nos quais tinha atribuidos três/quatro doentes, e acho que necessitaria de dois turnos - vá lá - dois e meio, para fazer a admissão de um só doente. Resultado: ficariam dois/três doentes por cuidar!

Perante isto, violaria um principio ético: o principio da Justiça, que diz: "deve haver uma justa distribuição de recursos na sociedade" (RIBEIRO, 2004)

No mesmo âmbito poderei dizer que infringiria também o artigo 83º do NOSSO Código Deontológico - do direito ao cuidado. Na alínea a) pode-se ler: "co-responsabilizar-se pelo atendimento do indivíduo em tempo útil, de forma a não haver atrasos no dx da doença e respectivo tratamento".

Sem mais assunto de momento, saudações profissionais!

Abraço!
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: AndréVinhovsky January 20, 2005, 18:58:12
Nuno, a título de curiosidade...s a memória n me falha...tu n estás a frequentar o ensino clínico de Psiquiatria?
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: jotix January 20, 2005, 19:42:50
Ops, acho que estão a colocar o Nuno numa situação constragedora.

Ele disse, que não fazia sempre o exame físico, com tantos critérios. E concordo que o exame jamais deve ser exaustivo, uma vez que cansa a própria pessoa de que analisamos, e os enf.os próprios.

Relativamente, ao usar o estetoscópio, acho que deve ser feito, para, justamente, romper com a concepção que na enf.em não se utiliza esteto, a não ser para a medir a tensão arterial com esfignomanómetro, ou para por exemplo aquando a introdução de uma sonda gástrica....  Se a enf.em tem competências para utilizar o esteto, sempre que o enf.o o ache necessário, então temos de mostrar os valores da profissão de enf.em (aqui demonstra-se bem a autonomia da enf.em). A existência de estetoscópios especificos para e enf.em, segundo o Nuno, o que me deu a entender, foi que essa loja on-line, é direccionada para os enf.os- daí essa expressão (penso eu!). Mas também exitem outros técnicos que utilizam forçosamente o estetoscópio, como os cardiopneumologistas.

Efectivamente, o Nuno, parece ter conhecimentos adequados para a redacção de um exame físico, com uma linguagem cuidada ( mas a mim, não me compete, isso avaliar!).
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: nunotavares January 20, 2005, 19:43:41
@ tcasaleiro

É verdade que muitos o assumem como uma promoção...para mim não passa de um instrumento de trabalho....

@ Elsa

A auscultação não está classificada como um acto médico....a própria Ordem dos Médicos não a considera como tal....E quanto à arrogância....pelo texto que escrevi, ninguém sabe o tom de voz como o qual o fiz.....eu respondi com um ar espantado e até mesmo de menino abandonado.....lol

@ Abílio

O registo de enfermagem não inclui o exame físico completo, apenas o restritivo.....mas há na folha de admissão de enfermagem, a história e o exame físico completo, e isso não é cotado como ocorrência...quem quiser ler vá lá e leia.....

Esquecendo o irónico e desagradável textinho final.....só tenho a dizer-te que: Não sou, nunca fui, nem é agora que me vou tornar mal educado.....e sei como dizer as coisas e apesar dos pontos de exclamação....ninguém te diz que o meu registo vocal tenha sido num tom desagradável.....falei de forma direi mesmo monocórdica e pausadamente, tipo coitadinho....tás a ver.....logo as minhas respostas apesar de dizerem a verdade-coisa que muitos estagiários não fazem- não preciso de ser rude ou mal educado....tanto que hoje....ela própria me pediu para lhe emprestar apontamento e ela esteve a fazer comigo mais um exame físico!

@ Stephan

Não é com o intuito de estabelecer diferenças....mas o formato e os materiais de umesteto dependem da sua finalidade.....por exemplo o esteto de um internista não tem de ter a mesma sensibilidade auscultatória do de 1 cardiologista.....para além de que os estetos para enfermeiros estão regulados para tornar audíveis quer sons de alta e baixa frequência, quer de tensão arterial palpatória....

@ Fábio

Neste momento faço um exame fisico competo em 15 minutos....no inicio demorava mas agora não...para além de que o formulário que deixei é super completo, normalmente há que selecionar tendo em conta a área de intervenção....


@ André

De facto sim....estou...no entanto o paciente ao qual fiz ontem o exame....tem antecedentes de EAM, HTA, fibrose quística....daí que tivesse achado pertinente a auscultação do tórax.
Ao sr. de hoje detetamos um atrito pericárdico.....confirmado pelo cardiologista!!!  :D

Mais uma coisa...não julguem que ando de esteto em punho....a armar-me em bom....lol

Anda no bolso das calças da farda....e é quase imperceptível!
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: jotix January 20, 2005, 19:45:37
: "AndréVinhovsky"
Nuno, a título de curiosidade...s a memória n me falha...tu n estás a frequentar o ensino clínico de Psiquiatria?


Só para chatear:

É inadequado fazer-se uma questão pela negativa, pois a resposta pode ser ambigua.

Sim. - Não está a frequentar o ensico clínico
Não. - Sim está a frequentar o ensino clínico.


Deve-se por isso, utilizar preferencialmente questões na positiva.
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: nunotavares January 20, 2005, 19:54:16
Lol....deixa lá isso e vai estudar o que é a Enfermagem!!!!  :lol:
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: jotix January 20, 2005, 20:02:33
Lá está este tipo a dizer que não sei o que é a enf.em. Que horror!

Eu a defende-lo, e nem paga os honorários, e ainda fala mal de mim!!!!

Um dia quando tiver uma definição, assim muito bonita, posto aqui.


                                             (estou na brincadeira, não leves à letra!)
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: _ January 20, 2005, 21:49:44
Peço desculpa se te levei a pensar que fui indirecto. Tentei ser o mais frontal possível.

Podia pedir desculpa por mensagem privada, mas preferi que tal fosse feito por aqui. E porquê? Porque se fui incorrecto contigo, quero esclarecer essa mesma incorrecção em público.

Como anteriormente disseste:  
Bem, ousando da minha sinceridade, aqui vai.....

Se fosse professor, também te reprovava com uma resposta dessas! E aconselho vivamente uma mudança de curso, porque nós como enfermeiros....somos gente que cuida de gente, logo as definições e os limites e limitações devem estar bem definidos....

Enquanto existirem pessoas que pensem como tu....isto não vai andar mesmo para a frente!!! Desculpa lá...mas tinha de dizer isto!

O teu futuro é mesmo em frente a um Pc.....mui nobre Sr. Eng.º Informático......

Estás dominado pelo espírito do Dr....como acontece com muita gente! Frustrados mas DR!!!


Isto tudo para dizer o quê? Novamente usando palavras tuas "pela boca morre o peixe"...

Peço desculpa aos restantes utilizadores do fórum por esta troca de mensagens, mas tinha que esclarecer este assunto.

Saudações Académicas
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: AndréVinhovsky January 20, 2005, 22:01:53
@ André

De facto sim....estou...


Agradeço a tua chamada de atenção Jotix mas, felizmente, o Nuno percebeu.
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: jotix January 20, 2005, 23:23:15
Eu sei, estava apenas a tentar brincar o assunto.

Não faço mais intervenções deste tipo, porque podem pensar que sou chato e incomodo. Desculpa André, mas não foi de forma alguma com má intenção(não estou a dizer que tenhas pensado que fosse com má intenção).
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Gisa January 21, 2005, 02:52:42
Não sei o que ensinam na tua escola, mas infelizmente na minha não me ensinaram a auscultar um doente, o pouco que sei aprendi primeiro em livros (de enfermagem) e com os médicos que se "dignaram" ensinar-me! Dai que eu considero que até é normal a reacção que a enfermeira teve. A enfermagem tem mudado muito e em pouco tempo, nem todos têm vontade e disponibilidade para se actualizar em tudo. Acho que não se deve fazer nenhum escandalo do que aconteceu! Mas sim procurarmos todos evoluir em conjunto. As técnicas de relação de ajuda e o cuidar não é só de nós para os doentes, também temos de saber cuidar uns dos outros e por vezes escolher com cuidado as palavras com que nos justificamos e a forma como falamos, pois podemos magoar os outros ou dar-lhes a entender algo que não é a nossa intenção. É bom ter alunos, podemos aprender imenso se também tivermos humildade, mas, não é nada agradavel quando eles são de nariz levantado para toda a gente! Ai perdemos nós enquanto profissionais e eles enquanto alunos! Jinhos. Pensa nisso!
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Stephan January 21, 2005, 11:42:03
@ Nuno

Obrigado pelo esclarecimento, trabalhando já alguns anos num serviço de cirurgia cárdio-torácica nunca tenho visto estetoscópios só para enfermeiros ou só para médicos. Nós usamos os mesmos como os nossos médicos.

Acerca das reacçoes que obtiveste acho que devias ler bem o que está escrito entre as linhas. Pareces-me uma pessoa inteligente e não preciso de dizer muito mais.

Dentro da minha equipa (Serviço de Cirurgia Cárdio-Torácica) acho que mais que metade não sabe que se pode ouvir quatro tons cardíacos e até podem saber mas não sabem auscultá-los. Porque em geral nós enfermeiros, embora somos nós que fazemos as entradas dos doentes e somos nós que preenchemos as folhas de anamnese, na prática, não fazemos o exame físico completo, nem nunca iremos faze-lo.  

Esclarece-me só mais isto: após de efectuares o exame físico, o médico revê os teus dados e dá o assunto por fechado, ou realiza outra vez o exame físico?
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: vetboy January 22, 2005, 00:44:56
Antes demais gostaria de saudar o forum por esta minha primeira participação

Gostaria de interpelar o colega Nuno Tavares que pelo o que me foi dado a entender ainda se encontra na posiçao de estudante facto que pode servir de desculpa para uma certa falta de humildade.

Relativamente à tua intervençao sobre o exame fisico gostaria de afirmar que acho o exame fisico muito importante e de extrema relevância todas as informaçoes que dai advem, mas lembra-te que a enfermagem é uma ciência autonoma (se é que me fiz entender)

Acho muito importante o facto de teres vontade de saber coisas novas e estares actualizado, mas é bom que tenhas a noção de que para ser um bom enfermeiro não é necessario saber mexer em todas as maquinas e fazer interpretaçoes de resultados analiticos, por vezes o mais importante para ser um bom enfermeiro É ESTAR PRESENTE QUANDO NECESSARIO, vais perceber quando alguem falecer nos teus braços (mas isso são outros quinhentos).

E já agora:
      Sabes qual é o racio de enfermeiro por utente num serviço de medicina?
      Sabes qual é a realidade americana a nivel da enfermagem (olha que é diferente da serie da televisao)?
      Quem te ensinou a palpar e a auscultar?
      Qual a reacçao que os medicos têm perante toda a tua expriência/capacidade? (assinam por baixo ou repetem o exame so para ter a certeza).
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: RicardoSantos January 22, 2005, 15:23:22
Saudações a todos os elementos do fórum. Já vai alguns meses que não respondo a um post, mas a este não resisto...

Começo com um pequeno aparte ao autor deste post. Pelo que li, demonstras uma série de conhecimentos, que apesar de não me terem ensinado na faculdade, não deixam de ser importantes numa avaliação ao doente. Aqui ficam os meus parabéns pelo teu "maior" conhecimento (desculpa tratar-te por tu, mas acho que deves ser da minha idade).

No entanto, não podendo dizer que és realmente assim porque nem te conheço, denoto em ti uma certa falta de humildade (e parece que não sou só eu que penso assim...).

Não deixando de salientar que o exame físico é extramamente importante, não convém esquecer que a enfermagem é muito mais do que a técnica. Dispensando tanto tempo a esse completíssimo exame, vai faltar tempo para ouvir o doente... Descobrindo muitas vezes, muito mais que apenas a dor física.

Relativamente à experiência que eu tenho, acho que o doente não se deve sentir muito confortável se, por exemplo, à admissão vem o enfermeiro e faz-lhe esse exame completo, de seguida vem o interno e faz outro exame completo (porque não acredito que ele se guie pelo exame feito pelo enfermeiro) e depois chega o médico a confirmar as resulatdos do interno e faz-lhe outro exame completo...  :oops: Como se deve sentir o doente.

Mais uma vez relembro que acho bem que se alarguem as fronteiras do conhecimento em enfermagem, mas sem esquecer os fundamentos da Enfermagem.

Saudações
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: vania_neto January 22, 2005, 17:34:52
@Ricardo
Aspas, aspas! Estava aqui a tentar por os meus pensamentos em palavras (o portugues ja n eh o que era!), qd tu escreveste exactamento aquilo que eu estava a pensar!!!  :lol:

@Nuno
Se nao estou em erro noutro posts falaste do teu desejo de seguir medicina.
As vezes fico com a impressao de que usas os teus conhecimentos/accoes como maneira de demonstrar (a ti ou a outros nao sei) as tuas capacidades para tal.

Um medico nao eh um professional que sabe mais do que um enfermeiro, apenas tem conhecimentos  diferentes em areas diferentes...

Eh muito bom saber fazer um exame fisico completo de modo a que numa situacao de emrgencia por ex saibas contactar o professinal certo, mas fazer exames fisicos a todos os doentes como routina, qd esses exames vao (ou devem) ser repetidos de qq maneira por um medico...
Tb eh bom lembrar que enquanto tu ou o medico podem fazer o exame fisico se nao for o enf. tu a avaliar o doente de um modo holistico mais ninguem o fara...

Se digo isto eh pk qd acabares o curso veras que em certos turnos o tempo mal chega para completares as accoes  basicas/essenciais de enfermagem...
Os teus doentes vao apreciar mais as tuas tentativas de perceber o seu contexto psicosocial e as accoes que tomes em relacao ao mesmo, do que a fazer um exame que como o Ricardo disso vai ser repetido por outro professional que esta melhor posicionado para agir em relacao aos resultados do mesmo...

Falas tb do corporativismo (ou falta dele!) em enfermagem, responderes aos teus colegas com olhos de menino abandonado n eh no meu ponto de vista a melkhor maneira de demonstrar esse tal corporativismo!

O meu codigo deontolopgico tem uma clausula que diz o seguinte:
You must communicate effectively and share your knowledge, skill
and expertise with other members of the team as required for the
benefit of patients and clients.

Acho que isto deve incluir os enfermeiros que nao costuman fazer exames fisicos e medicos qu nao estao a par dos ultimos standards da comissao de controle de infeccoes hospitalares :wink:
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: nunotavares January 22, 2005, 20:17:44
Não me consigo fazer entender por aqui.....porque não vos consigo fazer transmitir a situação....

Relativamente a quem me ensinou a efectuar o exame físico foi um enfermeiro especialista em médico-ciúrgica, tendo precedências na área de auscultação da cadeira de fisiologia....

Relativamente ao exame físico.....está presente na folha de enfermagem e portanto é um exame físico que deve ser consultado por enfermeiros....no entanto....como os médicos nem sempre preenchem devidamente as suas folhas....os outros colegas...acabam por passar as mãos pelos processo todo e depois vão ler e por vezes até acabam por eles próprios tirar algumas conclusões...mas quando encontro algo de anormal acabo por fazer-lhe chegar a informação e o mesmo fazem os meus colegas, fomos assim ensinados....e nunca recebemos represálias por parte de ninguém....muito pelo contrário

Relativamente à questão da medicina, foi um desejo, mas vou ser Enfermeiro!.....não tenho nenhuma necessidade de me enaltecer....sei o que posso e o que consigo fazer....porque estudo, investigo e fundamento e não consigo estar a fazer qualquer coisa sem dominar a matéria por completo....quando às dimensões psicossociais....também as incluo e bastante! E se descobri algo de importante na enfermagem é que devo olhar para a Pessoa como um ser bio-psico-socio-cultural...mas o exame fisico inclui-se na componente bio.....logo também deve ser avaliada!

Mas enfim...acho que por aqui é dificil explicar...mas o que tentei passar é que muitos enfermeiros não fazem uso de um instrumento de avaliação fisica importante, muitas vezes por vergonha ou receio de comentários menos próprios! Só isso....

Já agora Stephan, eu, que tenho sempre uma opinião a dar....segundo consta.....não sou responsável pela cognominação dos estetos, os responsáveis são os fabricantes que os dividem para médicos de várias especialidades, enfermeiros e fisioterapeutas....por isso se quiseres questiona a Littmann, por exemplo....mas acho que a principal razão é que os classificam  de acordo com o grau de sensibilidade necessário....

 :D
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Stephan January 23, 2005, 10:24:32
Penso que denominar estetoscópios para "enfermeiros" e "médicos" é mais uma stratégia de comercialização. Aceito que existem estetoscópios mais adequadas em certas situações, mas tenho dificuldade em aceitar que um enfermeiro usa um esteto diferente para o mesmo fim que um médico.
 :arrow:  Obviamente não és tu que "inventas" as cognominações, são as empresas, acho que tb nunca disse que eras tu...   :wink:
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Roten_Boy January 26, 2005, 22:31:17
Eu nunca andei com estetoscópio no bolso. Sempre que precisei era para avaliar a TA apenas, e se precisasse ia buscar o do serviço  :lol:

Mas os médicos (quase todos) têm a mania de andarem com eles ao pescoço, e o mais ridículo é k akilo passa de doente em doente e mmo k limpem transportam ao pescoço... e mts deles levam-no para o refeitório como já o vi fazerem...!!!

Estetoscópio pode-se tornar num vector de infecções, transporte de micróbios e parasitas.

 :?:  :idea:  :!:
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Marcel Lima February 10, 2005, 16:17:41
Nuno,

Fiquei impressionado com os teus conhecimentos, assim como você, sou uma pessoa que detenho conhecimentos específicos a aprofundados em relação à Enfermagem, também em relação a ausculta, palpação, etc, pois acho acima de tudo, que os Enfermeiros devem entender de uma vez por todas, que sua área de atuação não tem nada a ver com a área de atuação dos Médicos, e também, por que não siginifica que por não ter aprendido nas aulas, significa que não vou estudar aprender e praticar, não fosse assim, muitos profissionais não saberiam a metade do que realmente deveriam saber, afinal de contas, na Universidade nem sempre conseguimos aprender tudo!
 
Nos fundamentos de Enfermagem, como como nas demais disciplinas aprendemos muito sobre auscultação, diversos tratados e livros de Enfermagem, trazem matérias aprofundadas sobre auscultação, palpação, etc.

Dizer que tal procedimento não é também, de competência do Enfermeiro, é sem dúvida algo totalmente improcedente, sugiro, aos que acham diferente, referem seus conceitos e aprendizados em Enfermagem.

Parabéns pelo teu trabalho e continues aprimorando os conhecimentos na área!!!!!!
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: ruienf February 11, 2005, 00:13:41
Nuno:

Pelos post´s que submetes, pareces-me culto, esperto e inteligente.

Para além disso, e já o disse no tópico adequado, és portador de muito empenho.

Por isso, quero que saibas que mesmo sem te conhecer nutro consideração e adimração por ti, razão pela qual peço que não interpretes mal as minhas palavras.

Os teus conhecimentos sobre exame físico são excelentes. Mas coloco a questão: o doente que foi observado tirou partido do exame físico que lhe fizeste? E se tirou, qual a razão? Porque fizeste algo mais do que o médico podia fazer?

Penso que não... O teu exame físico pode ter tido dois desfechos: não ter proporcionado benefício nenhum ao doente, ou proporcionado benefício por teres detectado algo que o médico deveria ter detectado e não detectou.

Resumindo: o teu exame físico só foi útil ao doente se tiver havido erro por parte do médico e não porque exerceste valências e capacidades que só um enfermeiro possui.

Está mal teres feito o exame físico? Penso que não.

Mas pergunto: disseste quer o doente tinha historial de HTA, EAM, etc; o teu exame incluiu uma avaliação da adaptação do doente ao seu estado de saúde? O doente manifesta adesão ao regime terapêutico? O projecto da saúde do doente é compatível com o projecto médico de prossecução de um regime terapêutico e de estilo de vida? Quais as implicações que as patologias incutiram na vida pessoal e social do doente? E que estratégias desenvolveu ele para se adaptar a essas implicações? E a família do doente? Qual a atitude perante o doente e a sua condição de saúde? E o internamento? O doente está adaptado ao internamento ou apenas manifesta aparênica de adaptação? O doente sabe que patologias tem? E compreende o que são e o que implicam? E que estilo de vida é considerável saudável para este doente? Ele está disposto a seguir esse estilo de vida? Como adaptar o que o doente deseja do seu futuro com aquilo que os técnicos de saúde querem para o seu futuro?

Fui propositadamente exagerado, mas o propósito é que fiques a pensar: o que é que podes fazer pelo doente que mais ninguém pode?[/u]
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Guytonn February 11, 2005, 09:57:45
Concordo plenamente com o Rui. O enfermeiro deve abarcar a maior amplitude de conhecimentos possível. No entanto ele tem um campo de actuação bem definido. O nosso trabalho não é fazer diagnósticos médicos. É óbvio que a avaliação física é importante, a auscultação também (como no averiguar da presença de secreções e sua localização na árvore traqueobrônquica para determinar a necessidade de uma aspiração). No entanto, estes procedimentos apenas deverrá ser o esteio para distinguir entre a normalidade e a anormalidade e não denominar as situações anormais. Muitas vezes somos deslumbrados pelos artefactos técnicos e olvidamos que a principal técnica do enfermeiro é a relação interpessoal. A prática de uma auscultação cardíaca por exemplo é deveras complicada e apresenta nuances valiosas que só são inteligíveis por pessoas com muita prática. É óbvio que devemos treinar esses "Skills" mas não devemos fazer depender deles a nossa prática. O valor de determinados exames físicos só tem sentido se adequadamente ligados com outros conhecimentos e dados que muitas vezes requerem uma larga experiência caso contrário poderemmos estar a basear conclusões em premissas frágeis. Por exemplo, a nível individual eu trinei a auscultação e exame físico, documentei-me sobre a leitura de RX pulmonares e abdominais, Ecografias urológicas e TAC´s de situações mais correntes. No entanto, não é por ter conhecimentos sobre essas áreas que me torno melhor enfermeiro do que aqueles que não os têm. Isso é um investimento pessola que cada um tem o direito de fazer, desde que isso não o faça desvalorizar a verdadeira vocação da enfermagem, que nos faz ser únicos e insubstituíveis: a assistência à pessoa baseada nas relações interpessoais no decurso dos seus diversos processos de vida. Para auscultar na maioria das situações estão os médicos ... Para exercer enfermegem, estamos lá nós.
: estetóscopio, um instrumento ou uma insignia?
: joana santos February 11, 2005, 10:08:09
Estou a 100% de acordo com aquilo que foi referido pelo ruienf e Guytonn.
O enfermeiro ou a enfermeira tem o dever é de fazer enfermagem e a essência da enfermagem são os cuidados ao utente baseados numa relação de ajuda, ou seja, como diz Guytonn "a assistência à pessoa baseada nas relações interpessoais no decurso dos seus diversos processos de vida".
Joana :)
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: AndréVinhovsky February 11, 2005, 11:04:31
Subscrevo o que foi dito pelo ruienf e o Guytonn.

É importante, devido à satisfação pessoal de cada um, o adquirir novos conhecimentos, não só dentro da área de Enfermagem como também de outras áreas da Saúde ou mm fora dela.

Por isso é importante saber delimitar o campo de acção da profissão de enfermagem e saber onde esta se encaixa com a área de outros profissionais com quem forma uma equipa muldisciplinar, nomeadamente a área Médica, para que não se confundam competências e campos de acção. E penso que, antes dos enfermeiros se preocuparem em adquirir conhecimentos noutras áreas e poderem realiza-las, deviam era primeiramente abranger todas as acções da competência da Enfermagem, para que situações como as que têm acontecido (caso dos auxiliares de acção médica) não venham a acontecer nunca mais para bem de todos nós.

Se o Enfermeiro cumprir com as suas obrigações e competências, já será um OPTIMO Enfermeiro :!:
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: vania_neto February 11, 2005, 21:55:48
idem idem, aspas aspas aos 4 ultimos posts!
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: ruienf February 12, 2005, 01:11:28
Guytonn:

Atrevo-me a apontar-te como o exemplo perfeito da busca pessoal de novos conhecimentos sem dersleixar a essência do cuidar em enfermagem. O teu post é a prova irrefutável que as supostas entendidas em enfermagem que tanto te criticaram no curso têm muito a a aprender contigo... e que o mérito deve ser atribuído às enfermeiras e enfermeiros que souberam ver para além da tua existência enquanto estudante de enfermagem.
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Luís Carlos February 12, 2005, 01:30:18
pois inda ha mts enfermeiras k tem a mania... (n sei k idd tinha ela mas imagino k sería dakelas kom uns anitos valentes... s n era ate fiko pasmo!!) mm axim axo k s temus konhecimento para fazer algo k nos é permitido so temus é k o fazer!! eu inda so tou no 2º ano d Enfermagem mas foi logo no 1º ano k m ensinaram a palpação e auskultação (apesar d na pratika eu n ter ainda mta xperiencia) e faço intensoes d futuro utilizar os meus konhecimentos s axim m for poxivel e em kaso d necessidade... por isso axo k agiste bem e no teu direito!!

Luís Carlos
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Guytonn February 12, 2005, 13:25:32
Actualmente não existem feudos do conhecimento. O conhecimento é uma fonte onde todos podemos beber. No entanto, o aproveitamento que dele fazemos terá de ser diferenciado conforme o mandato social que nos é conferido. Não podemos cair no engodo de efectuar-mos duas visitas médicas a um doente (uma pelo próprio médico outra pelo enfermeiro). O mesmo conhecimento pode  alimentar de modo diferente dois profissionais distintos. Por exemplo, avaliar um RX pulmonar pode ter inferências distintas: para o médico, isso contribui para a ponderação da instituição de um antibiótico e para o enfermeiro poderá coadjuvar na determinação da frequência necessária da aspiração de secreções ou aquilatar a necessidade de implementar nebulizações com soro fisiológico. Em suma, a diferença entre nós e os demais profissionais não está tanto no conhecimento mas na aplicação que dele fazemos.
: Pontos essenciais neste discussão
: _ February 12, 2005, 13:32:44
A discussão sobre este tema, passa a meu ver por alguns pontos essenciais.

Assim, em primeiro lugar, e acima de tudo, penso que deverá haver uma clara distinção de competências. O Enfermeiro insere-se numa equipa multidisciplinar, e não é um solitário. Como tal há que saber o que fazer, como fazer, e quando fazer. Dois exemplos banais: os diagnósticos médicos e os diagnósticos de enfermagem. Por exemplo, o diagnóstico de um artrito pericárdico é diagnóstico médico. Na minha óptica, a formulação de um diagnóstico de Enfermagem, poderá incluir o artrito pericárdico como etiologia, mas não como problema, porque não iremos directamente actuar sobre ele. Um outro exemplo: o acto de suturar. É competência de quem? Está algo definido sobre isso? Parafraseio um professor meu: “sutura quem SABE...” Mas o que tento dizer, é que tem claramente que haver discernimento entre as competências dos diversos grupos profissonais (evitando os mesmo tipos de procedimentos a uma mesma pessoa, em momentos diferentes, e por profissionais diferentes; de igual forma evitando choque de competências entre os membros, o que causaria mau ambiente dentro da equipa, que se repercutiria no doente)

Em segundo lugar, relativamente ao nível de conhecimentos. Não é por termos inúmeros conhecimentos de uma dada área que os devemos aplicar a toda e qualquer altura. Há que saber avaliar as situaçoes (uma a uma) e saber se se justifica aplicar esses mesmos conhecimentos. Não nos esqueçamos que do outro lado está uma pessoa, com sentimentos. Ou seja, acho que se estivesse hospitalizado iria nutrir mais simpatia e agradecimento, por um(a) enfermeiro(a) que me causasse hematomas e dor ao puncionar (por ex.), mas que estivesse a meu lado quando precisasse, que me desse a mão, apoio. Isto em detrimeto do(a) enfermeiro(a) distante, que apenas via na medicação e quando tinha que ser puncionado ou que apenas passava pelo quarto perguntava se estava tudo bem e ia embora, mas em qualquer procedimento técnico era muito eficaz, não causando a mínima dor (desconforto já causava!). Com este segundo ponto, quero dizer, que sim, a teoria é importante, mas há coisas para quem está no lado de lá, mais importantes...
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: ruienf February 14, 2005, 00:48:37
Subscrevo... Bom ponto de vista.

Este tópico teve um desenvolvimento muito interessante...

Preocupa-me que Nuno ainda não tenha postado... Mais uma vez afirmo que as minhas palavras não eram de reprovação (até porque eu não sou ninguém para reprovar um colega... não tenho esse direito nem essa capacidade).

Estas discussões são ricas e extremamente úiteis para a representação mental que os enfermeiros têm sobre si próprios e sobre a enfermagem que praticam.
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: nunotavares February 16, 2005, 08:33:09
O meu ponto de vista centra-se em 2 elementos, existem determinadas técnicas que não sendo integradas no acto médico, como por exemplo, a auscultação e a avaliação de exames complemenares de diagnóstico, que podem e devem ser executadas e avaliadas, respectivamente, pelos enfermeiros....e sto por exemplo acentua-se em unidades e serviços em que a permanência de 1 clínico não é permanente...e há que prestar cuidados holísticos!

O outro ponto centra-se na notória falta de vontade dos profissionais em fazer determinado tipo de avaliação por medo de represálias....nomeadamente de serem vistos com um esteto na mão ou no bolso....isto parece utópico...mas acontece e é essa falta de autonomia e de atitude interventiva face ao doente que me preocupa! É certo que este tipo de técnicas não estão na essência do cuidado de enfermagem, mas são elementos cruciais para que se possa perceber muitas das vezes o que se passa com os doentes!

Eu mantenho a minha postura, relativamente à utilização de instrumentos tais como, esteto e o otoscópio, o certo é que muitos dos enfermeiros da velha guarda não receberam formação para saber avaliar determinados pontos....mas um enfermeiro também não sai nem a 5% da escola, é tudo uma questão de formação e auto-responsabilização nessa mesma formação! É a mesma história com os ecg's....que acho cruciais em determinadas situações....e muitas vezes em serviços em que não é rotina ter um doente monitorizado, esse parâmetro é menosprezado pela enfermagem e claro está, muitas situações acabam por não ser despistadas, mas isso é outra luta!

um abraço,  :D
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: ruienf February 16, 2005, 17:27:02
ATENÇÃO: Cuidados holísticos não significam cuidados que envolvem conhecimentos de todos os grupos profissionais!!! Cuidados holísticos não implicam que se substitua o médico por ele não estar presente! O termo "holístico" refere-se ao doente como um todo e não à totalidade dos cuidados de saúde prestados ao doente!

Por outro lado, tens razão no que dizes: o conhecimento potencia a qualidade dos cuidados de enfermagem prestados e também penso ser importante o uso de instrumentos como o estetoscópio ou saber interpretar um EAD, desde que nos moldes identificados por Guytonn há uns posts atrás.

Mas, tal como tu próprio reconheces:

É certo que este tipo de técnicas não estão na essência do cuidado de enfermagem


Falas da autonomia em enfermagem... Para mim, autonomia em enfermagem não passa por saber fazer sozinho as intervenções que outros técnicos estão habilitados para fazer.

Mais uma vez digo: temos que aprofundar e desenvolver as técnicas que mais nenhum técnico de saúde pode prestar; a autonomia de enfermagem é mesmo isso: tomar decisões e implementar intervenções sobre áreas da saúde de quem cuidados para as quais não existe ninguém mais habilitado que nós.

E insisto:, áreas da saúde, e não áreas da doença...
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Cruela February 18, 2005, 21:40:31
@ Nuno:
Não vou argumentar com elementos sobreponíveis aos já apresentados.
Vou só perguntar:
Não me apercebi que fizesse parte da tua anamnese as medidas adaptativas que a pessoa desenvolve relativamente aos eventuais problemas detectados na colheita de dados.
Estaremos mesmo a falar de Enfermagem?
As áreas de que falas, não são aquelas onde os Enfermeiros fazem a diferença, nem é por aí que a Profissão vai crescer.
Já existe uma profissão com esse mandato.
Não discordo nem concordo que faças tal exame físico, agora eu não considero que o meu papel como Enfermeira seja de colmatar as falhas dos Médicos.~
Se alguns são incompetentes, é a vida...
Também há muitos Enfermeiros assim...
Mas não é por isso que os médicos entubam ou dão banhos lá no meu Serviço...
Sabes o que eu mais aspiro?
Ser boa naquilo que faço como Enfermeira...
-Que o doente vá para casa com uma perfeita noção do seu regime terapêutico;
-Que o prestador de cuidados demonstre as capacidades necessárias para cuidar da pessoa dependente em casa;
-...
E já agora, fiz um Curso sobre ECG, interesso-me imenso sobre fármacos e não me canso de estudar Fisiopatologia.
Posso dar um conselho?
Lê os enunciados descritivos de qualidade do exercício profissional dos Enfermeiros emitido pela OE, e depois explica-me em que parte aparece a palpação abdominal... (SEM OFENSA)
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Miguellopes April 27, 2005, 23:34:51
Sempre que se fala em "estetos", lembro-me de uma história curiosa que se passou comigo à uns tempos, na minha instituição. Onze da noite. Homem de 60 anos com paragem cardio-respiratória. Prontamente eu, um colega nosso e um médico iniciamos SAV. Tudo foi feito pelos enfermeiros: entubação endo-traqueal, disfibrilhação, etc... O médico quase só olhava e lá fazia umas compressões: um pormenor interessante é que o "esteto" dele foi sempre usado por nós enfermeiros, ora por mim, ora pelo colega. O que achei curioso nesta história toda é que o prórpio médico não o utilizou, sendo que ele próprio  chegava o "esteto" quando o solicitavamos!!

Não vejo o "esteto" com um instrumento meramente médico! Aliás se repararmos bem, este faz parte do dia-a-dia dos enfermeiros!
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: filomena August 09, 2005, 15:37:41
olá
como aluna de enfermagem também a mim me foi ensinado fazer o exame exaustivo do doente, mas o teu parece-me exaustivo de mais.

 perguntei várias vezes aos professores se tinha que ser feito com tanta exaustão ao que me diziam que sim.
 
quando foi para estágio, verifiquei que é impossível faze-lo tão aprefundadamente pois o tempo e as condições de admissão de utentes não o permite .Teria que haver mais enfermeiro por nº de utentes.é pena que assim seja pois quem fica a perder é o utente.
: Se tens formação e se sabes fazer, deves faze-lo.
: Rui October 29, 2005, 03:00:07
O enfermeiro é um profissional e não pode ser um profissional passivo.
A enfermagem é uma profissão activa.
Se tens formação e se sabes fazer, deves faze-lo.

Ex:
O Doente entra em Fib. Ventricular, não existe nenhum médico presente.
- Identificaste o problema (Fib. Ventricular), a desfibrilhação é a chave do problema,  se tens formação e se sabes fazer, deves faze-lo.

Doente alérgico ao AAS, mas o médico prescreveu-lhe AAS 100mg/dia.
- Identificaste o problema (doente alérgico ao AAS). O doente não pode fazer AAS e o médico deve ser alertado e substituir a terapêutica prescrita.

Doente em paragem respiratória. É necessario avançar para entubação endotraqueal. O médico presente não consegue.
- Se tens formação e se sabes fazer, deves faze-lo.

Doente tem reacção vagal com frequência cardíaca a baixar (bradicárdico,  40b/mint. … 30b/mint. … 20b/mint. …), não existe nenhum médico presente. ( este doente não tem antecedentes de transplante cardíaco )
- Identificaste o problema (bradicardia), 1mg de Atropina é a chave, se tens formação e se sabes fazer, deves faze-lo.

Há situações em que, para o doente cada segundo conta.
SE TENS FORMAÇÃO  E SE SABES FAZER, DEVES FAZE-LO.
É por isso que eu digo que a enfermagem é uma profissão activa.
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Guytonn October 29, 2005, 14:17:18
O saber não tem limites, mas a actuação prática é balizada pelo enquadramento legal que regula o exercício profissional. Por vezes, alargamo-nos nas actividades que são consagradas a outros profissionais ao passo que descuramos a nossa própria área de actuação. Muitas vezes, somos hábeis a diagnosticar uma FA, FV, uma pneumonia ou até situações mais complicadas, ao passo que muitas vezes deixamos passar uma situação de Coping ineficaz, umprocesso de enfrentamento à doença ineficaz etc. Se quisermos abarcar áreas mais distantes daquilo que é o cerne da enfermagem, teremos antes de enraizar na nossa prática e nos nossos hábitos aquilo que realmente nos define; e se fizermos isso de forma cabal, veremos que pouco tempo nos resta para exames físicos laboriosos que muitas vezes nos fazem ser confundidos com um subproduto da classe médica
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Miguellopes October 29, 2005, 19:48:15
Sou adepto da conquista de novos campos para a enfermagem, pois mudam os tempos, mudam as funções, mas sem descurarmos a funções que já temos.
Os enfermeiros ingleses e americanos, têm um leque mais abragente de funções pelo que além de serem enfermeiros pode diagnosticar e prescrever medicação (existe um lista disponívelk na net dos fármacos que podem ser prescritos por enfermeiros), pois só ajuda os doentes crónicos, diabéticos, etc, etc, além salvaguardar a nossa actuação quando o médico não está presente!
: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: ruienf November 05, 2005, 03:08:41
Infelizmente não considero o exemplo americano o mais apropriado para dar expressão ao conteúdo autónomo dos cuidados de enfermagem. Segundo os entendidos, a prescrição de determinados medicamentos por enfermeiros foi uma excelente medida... para poupar dinheiro em recursos humanos, já que os médicos receberiam mais dinheiro por executar as mesmas funções...

Mais uma vez: a autonomia da enfermagm não está em fazer o que os outros já fazem...

Atenção: concordo plenamente com a atribuição aos enfermeiros de um corpo de conhecimentos que lhes permita actuar em situações críticas ou delicadas. Isso é essencial! Mas não é isso a autonomia da enfermagem...
: Corpo de conhcimentos
: _ November 05, 2005, 12:36:23
Permitam-me  divagar apenas um pouco sobre este assunto, e colocar mais achas à fogueira.

Ao longo do Curso de Licenciatura em Enfermagem, ouvi o que é Enfermagem e o que pretende ser a Ciência da Enfermagem. Continuo a ouvir falar e ler sobre isto. Porém, neste momento, temos muito para caminhar neste sentido. Actualmente, a Enfermagem vai "beber o seu saber" a diversas áreas. Torna-se importante a formação de um corpo de conhecimentos caracterizador e definidor da Enfermagem.

E onde se poderá buscar este corpo de conhecimentos? À documentação de Enfermagem. Torna-se importante a produção de dados que permitam formalizar o conhecimento. Isto trará uma maior autonomia profissional e, concomitantemente, uma prestação de cuidados mais adequada.

Torna-se importante reflectir sobre a prática de Enfermagem em diferentes espaços físicos e geográficos, assim como temporais, porque passa por esta reflexão a evolução da mesma. Claro que, sem esquecer os pressupostos anteriores.
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Mauro Germano September 10, 2010, 04:47:26
E vocês?
Usam estetoscópio?
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Me_She September 11, 2010, 23:17:13
Sim uso!
Na UCI onde trabalhei usava diariamente e varias vezes.
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Mauro Germano September 14, 2010, 10:29:40
Em que situações usa(va)?

Já agora descrevam situações bastante comuns onde o uso do estetoscópio pode ser usado sem propriamente ser conotado com prática de Medicina?

Por favor cinjam-se ao uso do estetoscópio, indicações para... e deixem de parte a questão de se é ou não função ou actividade do enfermeiro.

Eu começo com uma muito simples: para confirmar o correcto posicionamento de uma SNG.

http://saudeeportugal.blogspot.com (http://saudeeportugal.blogspot.com)
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: eshkimo September 14, 2010, 10:57:24
Por falar em correcto posicionamento de SNG: num dos meus maravilhosos estágios, tive de colocar uma SNG, preparei o tabuleiro (normal) e como eles são enormes, para conseguir levar tudo de uma vez, levei o estetoscópio tipo sr dr, azar passei por um dos srs drs do serviço, e se não fosse um enfermeiro a salvar-me a pele (não a minha orientadora porque esses gostam de ver estagiário sofrer) tinha ficado pregado à parede...

Conclusão, na enfermagem existem várias técnicas que necessitam de estetoscópio, mas tem de andar escondido, porque não é para qualquer um usar o mesmo em 30 doentes e depois ir para a cantina mergular o dito na sopa.... >:D
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Me_She September 15, 2010, 13:45:22
Para confirmar o correcto posicionamento do TET quando introduzido ou depois de manipulação;
depois de aspiração de vias aéreas;para profilaxia de pneumonia/ atelectasia ;avaliação de ruídos intestinais.
Não me lembro de o ter usado para mais nada a não ser para o que já foi dito (SNG e TA).
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: enfermeiredo September 16, 2010, 16:12:40
Para mim evidentemente é um instrumento de trabalho. Como enfermeiro generalista aprendi a utilizar-lo  para ouvir batimentos cardiacos (pulso), para detectar se a SNG está no estomago, para ouvir se a fístula arterio-venosa tem "frémito", para escutar o meteorismo intestinal, etc. Na especialidade de Reabilitação aprendi auscultação pulmonar e das vias aéreas superiores. QUem sabe utilizar um estetoscópio, seja médico ou enfermeiro, certamente tem uma mais valia nos cuidados que presta à pessoa que avalia. Tomara que muitos o soubessem utilizar...
Nota: não é boa utilização do estetoscópio andar com ele sempre ao pescoço, INCLUSIVE durante as refeições, como se veem alguns profissionais (badalhocos)... ;D
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: HMartinho June 15, 2011, 19:52:04
Fiz recentemente um curso de técnicas de emergência médica para tripulantes de ambulância e foi-me ensinado a palpação e a ausculta pulmonar (a cardíaca não porque o formador disse que era demasiado complexa). Quando falo em ausculta pulmonar falo em coisas simples como detetar sibilos, roncos ou murmúrios vesiculares.

A palpação para nós é super útil para despistar-me em casos de trauma lesões em orgãos internos como fígado, baço etc ou casos de hemorragias internas. Já a ausculta pulmonar num asmático pode ser importantissimo para que em conjunto de mais critérios e sinais recolhidos se pondere o contacte o CODU para pedir um meio mais diferenciado como VMER ou SIV.

Ora se para mim que tenho apenas um curso de tripulante de ambulância me foi ensinado isso, porque carga de água é que um enfermeiro não pode auscultar ou palpar?
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Mauro Germano June 19, 2011, 00:45:57
E quem lhe disse que os enfermeiros não o fazem?
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: HMartinho June 20, 2011, 20:45:26
Eu não quis dizer que não o fazem... Apenas estava a referir-me aquilo que a enfermeira disse ao outro enfermeiro (quase o crucificou) por o rapaz ter auscultado e palpado a paciente. Só isso...
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Ark June 20, 2011, 22:17:25
Hoje aconteceu-me uma coisa "estetoscópio-relacionada", um técnico de gestão operacional (creio que é assim que se chama lá na clínica, a.k.a técnico das máquinas) viu-me com o dito na mão (para ir fazer a avaliação de uma FAV recém-construída) e não mede como elas saem: "olha-me esta com a mania que é médica, com o estetoscópio,por acaso és médica?"

Esta é a representação da medicina que têm e como "mascote" têm o estetoscópio!
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Boiler June 20, 2011, 22:38:09
E o Sr Dr Técnico ficou sem resposta? Frustrados com a vida...
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: Ark June 21, 2011, 11:15:41
Claro que não ficou sem resposta! Se bem que nestas circunstâncias mais vale nem dizer nada e lançá-los à reflexão a.k.a reduzir os comentários à sua insignificância. Mal desta gente quando deixar-mos de utilizar o estetoscópio como ele deve/deverá ser utilizado e passar-mos a andar com ele ali a enfeitar a farda.
: Re: Estetoscópio, um instrumento ou uma insígnia?
: RRsilva December 23, 2015, 13:37:59
o estetoscópio é um instrumento de trabalho muito útil e não um instrumento médico.

A meu ver as escolas de enfermagem deveriam aprofundar e abordar (algumas nem falam nisto) a ascultação pulmonar, abdominal e cardíaca. Somos nós enfermeiros que estamos 24/24h nos serviços e deveríamos ter sempre a ascultação como element presente na avaliação do estado do doente. Esta avaliação pode fazer a diferença na actuação imediada, por exemplo.

Quer seja por uma situação aguda ou crónica os enfermeiro podem e devem abusar da utilização do estetoscópio. Não tenham receio desses comentários absurdos. Estamos lá para os doentes. Quem não sabe, aprende a auscultar. Não é assim tão complicado quanto isso. Aprendemos coisas bem mais complexas... Tê-lo no bolso, ao pescoço ou guardado, tanto faz, desde que seja utilizado quando é necessário e esteja disponível.  >:D  ^-^