Social:
sábado, 15 junho 2013 17:59

Reaproveitamento de material cirúrgico

Médicos e administradores hospitalares saúdam o reaproveitamento de dispositivos cirúrgicos de uso único, que dizem ter elevada segurança para doentes e profissionais de saúde e classificam como uma prática corrente em países desenvolvidos.

quinta, 06 junho 2013 12:26

Cateteres em 2ª mão para poupar

O reprocessamento de materiais clínicos vai permitir poupar 45 milhões de euros por ano

SALISBURY District Hospital has recruited 47 Portuguese nurses because of a shortage of British applicants for the jobs.

A 6ª Vara Federal do Distrito Federal concedeu liminar determinando o retorno da enfermeira e professora aposentada Márcia Cristina Krempel à presidência do Conselho Federal de Enfermagem (COFEn)

Os enfermeiros do Centro Hospitalar Leiria-Pombal (CHLP) iniciam hoje, a partir das 18:00, uma vigília de 24 horas em frente ao Hospital de Santo André contra a falta de pagamento das horas suplementares e o não reposicionamento na tabela salarial.

terça, 25 junho 2013 12:36

Razões para enfermeiros fazerem greve

Escrito por

Razões para enfermeiros fazerem greve (que julgo não serem as mesmas que as decretadas para greve geral):

Não existir um ponto de partida semelhante: ausência de salário base idêntico, sem qualquer razão do ponto de vista financeiro ou técnico que o justifique.

Ausência de diferenciação do salário, com base nos objectivos atingidos ou na natureza dos actos praticados.

Ausência de indexadores relacionados com a produtividade e ausência de medição da produtividade. Estes indexadores devem ser feitos instituição a instituição.

Ausência duma carreira ou de qualquer nome que se queira dar ao processo de evolução da vida profissional, de acordo o mérito e de ausência de definição do mérito ( produtividade, produção de investigação, avaliação do desempenho).

Ausência de definição de condições mínimas de exercício profissional (natureza das competências dos profissionais a exercer num determinado local, por exemplo necessidade de especialistas numa determinada área)

O horário de trabalho ( a opção de aumentar o horário de trabalho deve ser da parte do "empregado") deve ter em conta que se as pessoas que trabalham serão em princípio as que mais capacidade terão para sustentar os filhos por conta própria, sem necessidade de caridade ou solidariedade colectiva, convém que não se torne essa opção cada vez mais difícil, pois assim só poderão ter filhos ou os "muito pobres" ou os "muito ricos", sabendo de antemão que em Portugal não faltam pobres e ser muito rico já é ganhar mais do que 2000 euros mês... Portanto a opção é reduzir o Horário de trabalho e diminuir as contribuições para a Segurança Social( além das medidas moralizadoras que envolvem a diminuição de benesses exageradas para muito cargo político e não só. Solidariedade intergeracional é os avós permitirem que os pais e os netos também possam vir a ser avós...

Ausência de critérios justos para aceder a cargos de gestão (concurso baseado em ter ou não ter competência acrescida em gestão) e mudança na natureza destes ( temporários e não eternos, nem por nomeação).

Introdução de maior liberdade de escolha para os doentes e para os profissionais que queiram assumir uma prática independente do Estado, reduzindo os impostos associados e permitindo concorrência entre os vários prestadores de cuidados: ou dando comparticipação nos cuidados idêntica ou acabando com a comparticipação para todos fora do "Estado".... Se adoptarmos o princípio que o doente é quem escolhe, o dinheiro deve seguir o doente.

Acabar com os vários regimes jurídicos vigentes no Estado na proposição dum contrato de trabalho, sem que razões do ponto de vista técnico sejam atendidas.

Aumento da capacidade de concorrência das várias instituições , sendo que para isso todos os actores, do presidente do conselho de administração ao assistente operacional, sejam avaliados e que a sua avaliação conte para a sua remuneração e emprego: Não faz sentido que o presidente dum CA ou um assistente operacional queira ver prejudicada a sua instituição e portanto
a cultura e a legislação deve ter em vista o melhor interesse da instituição e do cliente.

Eu estou interessado em ganhar mais dinheiro, que todos ganhem mais dinheiro e que isso só possa ser possível se todos forem responsabilizados com base no melhor interesse do doente/da pessoa e que haja equilíbrio orçamental para que não sejam sucessivas as bancarrotas e o crescimento seja sustentável.

Quero que haja uma confluência de interesses entre a prestação de cuidados a nível hospitalar e da comunidade (sejam centros de saúde, lares, cuidados continuados ou unidades de cuidados na comunidade) e portanto que não me faz muito sentido que um Hospital ou uma unidade de CSP tenha interesses divergentes... Concorrência mas com eficiência.

Que os sistemas de informação e seu uso aos mais variados níveis tenha em conta a natureza do prestador e o melhor interesse para todos... maior usabilidade e indo de encontro à necessidade: maior rapidez, satisfação dos utilizadores e impacto na prestação de cuidados assim como garantia da interoperabilidade e veracidade da informação (quem fez o quê e como ou quando).

Eu faria greve por isto, achando sempre que uma greve seria evitável com o bom senso de todas as partes, se tiverem em conta o melhor interesse geral, boa fé e ausência de parasitismos... de ambas as partes