Social:
A Ordem dos Enfermeiros diz que sempre esteve disponível para "a procura de consensos e soluções", tendo isso funcionado "na reta final da anterior equipa do Ministério da Saúde".
"Temos 10 a 15 mil doentes para tratar, alguns não sabem que estão infectados, porque é uma doença silenciosa", diz director do Serviço de Gastrenterologia e Hepatologia do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte.
O representante dos médicos diz que os serviços mínimos não estão a incluir todos os doentes prioritários e que deviam ter sido acautelados serviços mínimos em função da duração da greve.
Ordem dos Médicos critica silêncio" e "passividade" do Ministério da Saúde em relação à greve inédita dos enfermeiros nos blocos cirúrgicos de cinco grandes hospitais do país.
Marta Temido afirmou sexta-feira aos jornalistas que tem trabalhado com os cinco hospitais onde decorre a greve em blocos operatórios para "garantir os direitos dos doentes".
Pelo menos oito classes profissionais têm greves marcadas para este mês.
Pág. 2 de 1033