Social:
A Associação Nacional das Farmácias diz que é preciso rever modelo de incentivos pagos pelo Estado. Perda de receitas ronda os 52 milhões de euros. Governo diz que não está actualmente prevista nenhuma renegociação.
A líder do BE defende um Serviço Nacional de Saúde público, "que responde a toda a gente". "É por isso que lutamos, é por isso que temos feito este debate, é por isso que não cedemos", afirmou.
Para Marcelo, uma lei de bases da saúde pode ser "mais ou menos qualificativa" quanto à frequência com que o Estado pode recorrer às PPP, mas não as deve riscar. Soou a aviso.
No programa O Outro Lado, da RTP3, o Presidente da República afirmou que a sua resposta às PPP na Saúde “não é ideológica, é pragmática”. E avisou os partidos que vai ser preciso “tirar ilações para o futuro” do que decidirem quanto à recuperação do tempo de serviço dos professores.
Ana Rita Cavaco relembrou que 2.600 doentes morreram à espera de cirurgia em 2017. Marta Temido defende não há relação entre a morte dos doentes e o motivo da sua presença em lista de espera.
“Nunca desisti dela porque tinha sempre a sensação de um dia ela iria acordar”, contou o filho Omar Webair, protegido pela mãe no acidente de carro que a deixou em coma.
Pág. 1 de 388