Social:
sábado, 29 setembro 2007 09:44

Experiência Australiana... Um Enfermeiro lá Fora

Escrito por  Enf. Ricardo

Sei que parece um processo moroso e nada atractivo, e garanto-vos que é certamente bastante frustante, mas pessoalmente gosto de olhar para estas alturas mais difíceis como um investimento que mais tarde dera os seus frutos.

 

Ricardo

Brisbane

 

A pedido do Pedro, e indo de encontro às questões de muitos que não encontram resposta em Portugal para aquilo que tanto trabalharam nos anos do curso de enfermagem, e pensam agora em outras possibilidades, tais como sair de Portugal, espero poder satisfazer a vossa curiosidade e de alguma forma poder ajudar a que tomem a melhor decisão possível para o vosso futuro.

Dos muitos países onde a procura de enfermeiros excede a oferta, Austrália é talvez o mais e o menos atractivo ao mesmo tempo. O menos atractivo porque 30 horas de viajem, é algo que não alicia ninguém, muito menos aqueles que não dispensam do conforto da família e dos amigos. E por isso uma decisão que nos pode tirar algumas noites de sono. E quanto a desvantagens não consigo encontrar nada de relevante que mereça ser referido.

No outro extremo, Austrália é sem dúvida um país fabuloso. Aquando da minha decisão, o meu conhecimento, não passava da literatura e de algumas opiniões de colegas de profissão com quem convivi durante 2 anos no Reino Unido.

Não posso deixar de referir que o meu gosto por viajar e o meu interesse por outras culturas teve um grande peso na minha decisão. Como é compreensível, muitas duvidas se levantam nestas alturas, e decerto que a quem despertou o interesse em ler estas notas, sabe ao que eu me refiro. Penso que ter passado pela experiência de ter trabalhado noutro pais, neste caso mais perto do tal conforto dos nossos queridos, ajudou a derrotar essas duvidas e receios.

Uma nota, acerca desta decisão na minha vida, não foi fácil, e aqueles que me acompanharam de perto sabem disso, levou a muitas frustrações. Muito dinheiro em traduções e autenticações. Muito tempo de espera, e algum tempo a contar os tostões do bolso... muitas vezes com a impressão de que o bolso estava furado.

Uma vez decidido, passei ao passo seguinte, e aqui espero poder esclarecer aqueles que ouvem noticias de boca em boca e por falta de informação tem um conhecimento errado de todo o processo, das condições do visa, do emprego...

Para trabalhar em qualquer um dos estados da Austrália, o primeiro passo é o registo na ordem dos enfermeiros desse estado,  tendo em conta que as regras variam de estado para estado. Tendo nascido e vivido maior parte da minha vida num pais em que a primeira língua não é o inglês, é certo que um exame de inglês vai ser exigido, a não ser que se apresente experiência de trabalho comprovada num pais em que a língua oficial é o inglês. Foi o meu caso. Mas o mais certo é contar com o exame. Há vários que podem ser feitos, e não há um melhor do que outro, o importante e obter a classificação exigida pela ordem, diferentes exames tem diferentes classificações, no site da ordem encontram qual a classificação exigida para cada um deles.  No meu caso optei por fazer o International English Language Test System mais conhecido por IELTS, que consiste em 30min a ouvir um texto e a responder as respectivas perguntas (listening), 1h de leitura e interpretação de 3 textos (reading),  1h de escrita, dois textos um de 150 palavras um relatório ou interpretação de um gráfico e outro de 250 palavras um comentário sobre um qualquer assunto da actualidade. Seguidos de 15mins numa entrevista, com perguntas de resposta rápidas e outras a pedir algum desenvolvimento.

Dependendo da profissão, pode ser requerido classificações diferentes, de 0 a 9 no nosso caso temos que atingir 7 de média e como nota mínima em cada uma das partes do exame 6,5. De referir que muitos nativos da língua não atingem o 9, normalmente só universitários. Por isso para aqueles que tem alguma dúvida em relação à língua, e preferível uma preparação prévia, do que perder alguns euros (não são poucos) no exame, ate porque dará mais confiança, necessária pois apesar de não ser difícil, o tempo voa durante o exame. Há dois tipos de exames, para nós o que conta é o académico, o mais difícil.

Depois de uma série de traduções, tudo o que tenho está traduzido por tradutores oficiais e autenticado pelo British Council no Porto, o que não fica barato, começa o processo de registo na ordem. Em relação  à documentação necessária: currículo (aconselho a passar os olhos por algum currículo inglês), currículo universitário, passaporte, carta da ordem em que estão inscritos, possivelmente registo criminal, fotocopia de passaporte. Tudo pode ser encontrado no site da ordem do estado a que se candidatam, no meu caso QNC (Queensland Nursing Council). Não posso tecer comentários em relação a outros estados mas Queensland é possivelmente o estado em que a delonga do processo burocrático é mais demorada, simplesmente pelo facto de que existem muitas aplicações a decorrer ao mesmo tempo. Uma boa noticia é que talvez no final do ano, as ordens se agreguem e não seja necessário passar pelo processo todo outra vez se por ventura mudar de cidade, para um estado diferente.

Entretanto, se a vontade ainda não esmoreceu, pois vão passar meses, sem qualquer resposta, a procura de emprego pode e deve começar de forma a acelerar o processo. Para isto aconselho uma agência. O que eu fiz foi perguntar na ordem dos enfermeiros, instituição credível, qual a melhor agência para me ajudar, de entre tantas que existem. A Oxley foi-me recomendada e posso dizer que foi uma ajuda preciosa. Podem começar por procurar uma agência primeiro, de forma a terem alguma ajuda com a ordem. Não há qualquer gasto, da nossa parte, em estar ligado a uma agência, antes pelo contrário, só nos facilitam o processo, e aconselham de forma termos menos gastos.

Quer a opção seja a procura de emprego através da net ou através de uma agência, recomendo uma agência, depois do registo na ordem dos enfermeiros, a fase seguinte é a procura de emprego.  Devo referir que o registo na ordem  será apenas temporário, com a duração de 3 meses, em que exercerão sobre a supervisão de alguém já registado, na pratica não passa de papelada, e estarão a trabalhar a 100%, mas só no final desses 3 meses e que poderão exercer sem limitações. Devido a grande carência de enfermeiros, essa procura deve ser frutífera em pouco tempo, especialmente se no vosso currículo apresentarem alguma experiência profissional, e como é de esperar é muito mais fácil encontrar emprego em grandes aglomerados, Sydney, Melbourne, Camberra, Brisbane, Perth (todas estas cidades são as capitais de diferentes estados, por isso ordens de enfermeiros diferentes, com possibilidade de diferentes requisitos), mas para aqueles que queiram experimentar a verdadeira cultura Australiana, e viajar por sítios remotos e onde a natureza prevalece, existem imensas possibilidades.

Para além da apresentação do número da ordem e do currículo profissional é imprescindível 2 referências profissionais, para quem ainda não começou a trabalhar, não estou certo, mas talvez tenha que recorrer a 2 professores. Se isto for do agrado da entidade empregadora, passarão a fase seguinte onde serão entrevistados pelo clinical manager do serviço a que se candidatam. Correndo bem, passa só faltar o visa, que será mais 4 a 5 meses.

A razão pela qual deixei o visa para o fim, foi simplesmente porque foi assim comigo. Há diferentes tipos de visa, e poderão encontrar toda a informação necessária no site www.immi.gov.au. Existindo também agências que vos podem ajudar com todo este processo, mas não acho que seja necessário. De todos os visas que encontrarão no site, existem dois diferentes que são os mais utilizados pelos profissionais de saúde. O primeiro Working visa holiday, com a duração de 12 meses, e mais favorável para quem não está a pensar ficar muito tempo no pais, e quer aproveitar ao máximo a estadia, só lhe e permitido trabalhar por 3 meses em cada local de trabalho. O segundo sub-class 457, ou sponsered visa, a meu ver a melhor opção,  pois o hospital patrocina todas as despesas com o visa a troco do compromisso de um ano de contracto, se por acaso, este compromisso terminar terão que deixar o pais. Tal como na ordem dos enfermeiros, o contrato com o hospital é experimental nos primeiros 3 meses. Não havendo, à partida, problemas no final desses 3 meses, assim como no final dos 12 meses a impossibilidade de renovação é praticamente inexistente. Há outras possibilidades de visa, mas terá que haver algum investimento monetário da vossa parte.

Sei que parece um processo moroso e nada atractivo, e garanto-vos que é certamente bastante frustante, mas pessoalmente gosto de olhar para estas alturas mais difíceis como um investimento que mais tarde dera os seus frutos. Posso-vos assegurar que a colheita está a ser boa.

Quanto a minha experiência pessoal, estou a viver em Brisbane (www.ourbrisbane.com), uma cidade que estou a adorar, e pelos vistos não sou o único, para quem gosta de números, aquando da minha chegada o fluxo de pessoas, tanto estrangeiros como australianos, era de 900 pessoas por semana, penso na altura uma das cidade com maior crescimento populacional no mundo, e sem dúvida a maior na Austrália. Sendo a maior em termos de espaço territorial, levando a que não pareça uma grande cidade pois esta espalhada, não havendo, aparte as principais ruas, espaços com grandes edifícios, prevalecendo as casas térreas. Dominada por espaços verdes, e serpenteada por um rio onde se avistam golfinhos. Para muitos, comparada com Sydney e Melbourne não é tão atractiva, não tem tanta variedade cultural. Mas como em tudo, as opiniões divergem, e eu considero-me um sortudo por ter aterrado aqui. A principal razão desta escolha foi o clima, praticamente sem inverno, com uma temperatura entre os 20-30 graus praticamente todo o ano.  Por exemplo, hoje esta um excelente dia de inverno, 25 graus. O grande senão deste clima é a falta de água, um dos grandes problemas com que a Austrália se debate, sendo o estado de Queensland, particularmente a zona de Brisbane a parte que mais sofre com a seca, levando a que o governo tome alguns decisões restritivas quanto ao consumo de agua. Pessoalmente, acho que todos deveríamos pensar nisso.

Culturalmente há diferencias entre os australianos e outras culturas, mas penso que isso haverá sempre, o nosso pais é sempre o nosso pais, independentemente de todas as críticas que lhe possamos fazer. Na generalidade, é um povo muito simpático, mas da minha experiência como emigrante, e depois de conversar com muita gente sobre o assunto,  não é fácil, começar uma vida num pais diferente, leva muito tempo a conhecer as pessoas, e a que elas se abram mais. Mesmo num pais em que existe uma percentagem enorme de emigrantes.

Quanto à experiência profissional, pela qualidade que nos é exigida, e pelo que nos é oferecido pelo hospital, pelas condições que os doentes têm, eu não voltaria a trabalhar em Portugal, caso a minha decisão fosse meramente Portugal.  Como disse anteriormente, a carência de profissionais de saúde é muito grande, e isso limita a prestação de cuidados.  Serão mais do que bem-vindos, caso façam o tal investimento.

Há certamente diferenças, entre enfermagem portuguesa e australiana, assim como as senti quando trabalhei no Reino Unido, mas nada que a nossa formação de base não nos permita ultrapassar. É um grande enriquecimento tanto pessoal como profissional, experimentarmos situações diferentes.

Para muitos a grande questão é sempre, a parte monetária, acho que para enriquecer temos que mudar de profissão. Aqui consigo ter uma boa qualidade de vida, consigo, fazer aquilo que gosto.

Espero que de alguma forma, para aqueles que estão cheio de duvidas, pelo menos algumas delas se dissiparam,  a grande parte delas temos que ser nos a passar pela experiência. Para aqueles, que foi uma mera satisfação de algumas curiosidades, espero sinceramente que a situação em Portugal melhore. Para os atrevidos e audazes, que por ventura, aceitem enfrentar o desafio talvez nos encontremos um dia aqui Down Under.

 

Ler 7045 vezes