Social:
sexta, 01 dezembro 2006 03:16

Tunantes Alfacinhas d'Enfermagem

Escrito por  Enf. Pedro Lopes

Os  Tunantes Alfacinhas d'Enfermagem são algumas das tunas académicas de Enfermagem que se vão dar a conhecer no Forumenfermagem nesta e nas próximas edições dos destaques mensais.

 

Nome Completo:

Tunantes Alfacinhas d'Enfermagem

Data de fundação:

03 de Junho de 2002

Local de Origem:

Várias escolas de enfermagem de Lisboa e várias instituições de saúde

Site:

www.tunantes.net

Contactos:

Magister: Enf. Pedro "Poeta" Lopes 960233352

e-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

MSN: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Historial

Os Tunantes Alfacinhas d'Enfermagem surgiram da grande vontade de um grupo de estudantes  e ex estudantes de enfermagem em formar uma Tuna Masculina que representasse a Academia de Enfermagem de Lisboa. Os Tunantes surgem no sentido de reavivar o espírito académico e dar vida nova às Tunas de Enfermagem, mostrando isso pela originalidade das suas músicas, pelo uso e costumes da Tradição Académica. Os Tunantes são estudantes e ex-estudantes das Escolas Superiores de Enfermagem de Lisboa, tornando-se assim valorosos representantes da Academia de Enfermagem da formosa e mui Nobre Cidade de Lisboa. Desta forma, os Tunantes Alfacinhas d'Enfermagem, colocaram por escrito a sua filosofia e forma de estar no seu Decretus Fundatio.

 

Decretus Fundatio

Ao III dia do mês de JUNIUS (Junho), do ano da sua graça de MMII (2002), XI iluminadas mentes magnânimes, sentindo a necessidade de engrandecer o panorama Lisboeta de Enfermagem fundaram os mui nobres Tunantes Alfacinhas d’Enfermagem (Tuna Masculina de Enfermagem de Lisboa).
Esta sublime visão, amadurecida durante o XXIII ENEE (Encontro Nacional de  Estudantes de Enfermagem - Furadouro), congrega vontades e elementos das várias Escolas Superiores de Enfermagem, da nossa musa Inspiradora, a bela Olisipo (Lisboa).
Em respeito à Tradição Académica, a Tuna é por desígnio dos  Fundadores, masculina.
Constituída então por filhos de Marte, mas adoradores de Baco e de Vénus, os Tunantes advogam um lema: uma voz... um instrumento!
O seu mote inspirador é e será sempre:
         Mens Insana In Corpore Chorico  (Mente Insana em Corpo de Tunante)
         Cuidare et Cantare in Æternum  (Cuidar e Cantar para Sempre)

 

As serenatas, folia e diversão pelas inebriadas vielas alfacinhas são os nossos propósitos major.
A evocação do Traje Académico como extensão da nossa pele, da capa... nossa mortalha e o respeito pelos preceitos académicos da excelsa Academia Lisboeta serão os valores por nós difundidos aquando das nossas  actuações, pelo reino de Portugal e dos Algarves de Aquém e Além Mar, vulgo fronteiras!
XI membros Fundadores, XI amigos, XI Tunos para a vida, XI Vitae Tunae.
Esperemos que muitos mais sigam as nossas pisadas! Quando o homem sonha, o mundo pula e avança!... como já dizia o Poeta, não o nosso, mas António Gedeão!
Este é o nosso legado...
Este é o nosso sonho!

Alvíssaras e Saudações Académicas

Os Tunantes Alfacinhas d'Enfermagem

Desde a sua fundação que os Tunantes contam com um vasto repertório de originais, desde as serenatas às músicas mais ritmadas. É um risco que corremos mas dá-nos imenso prazer sermos os autores das nossas canções. Este é um dos nossos maiores orgulhos e um dos pilares desta tuna.

Passados quatro anos, temos na nossa mala de viagens muitas lembranças dos lugares que já passámos e das actuações que tivemos, desde a nossa apresentação na Universidade Atlântica, passando por algumas das Escolas Superiores de Enfermagem de Lisboa, pela participação em Festivais de Tunas de Norte a Sul deste nosso Portugal onde conquistamos alguns prémios de que muito nos orgulhamos, por Encontros de Tunas e por um dos momentos mais marcantes desta Tuna nesta breve, mas rica história, a nossa Viagem aos Açores.

Também memoráveis as nossas actuações nos Encontros Nacionais de Estudantes de Enfermagem em Vila Nova de Milfontes, Vagueira, Monte Gordo, Galé e mais recentemente na ilha da Madeira onde com a nossa alegria e musicalidade conquistamos o público. Dignos de registo também, o nosso apadrinhamento pela Tuna Académica de Farmácia da Universidade de Lisboa (TAFUL) e a nossa irmanação com a Tuna Académica de Enfermagem de Beja (TAEB) Desde aplausos a convites de outras tunas para participar em encontros e festivais, as formas de carinho e admiração por parte de quem nos ouve não nos deixam indiferentes. Continuaremos unidos para que o nosso sonho não morra... e para que juntos possamos levá-lo mais além!

 

Fundadores

Bruno Antunes; Derek Reis, Filipe Ramos, Hugo Oliveira, João Tiago, Luis Pereira, Miguel,  Nuno Chambino, Paulo Conceição, Pedro Lopes, Pedro Santos

 

Prémios

2006

IV FESTUBI  Festival de Tunas da Universidade da Beira Interior

Melhor Solista

 

2005

I Festival de Tunas de Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Bissaya Barreto

Melhor Balada

Melhor Solista

Melhor Instrumental

 

III Apiadêre Festival de Tunas da Cidade de Castelo Branco

2ª Melhor Tuna

 

IV FTEnfAl - Festival de Tunas de Enfermagem do Alentejo

Melhor Tuna

Melhor Instrumental

Melhor Solista

Tuna Mais Tuna

Melhor Passacalles

 

V FESTA Festival Internacional de Tunas do Atlântico

3ª Melhor Tuna

Melhor Serenata

Melhor Porta Estandarte

 

I Viriatus - Festival de Tunas de Enfermagem de Viseu

Melhor Tuna

Melhor Serenata

Melhor Instrumental

 

2004

1º Festival de Tunas Instituto Superior Ciências Educativas

Melhor Tuna

Melhor Instrumental

 

III FTEnfAl - Festival de Tunas de Enfermagem do Alentejo

Melhor Serenata

Melhor Instrumental

 

2003

Festival Saloio de Tunas Académicas - Loures

Melhor Serenata

 

Festival de Tunas - Festuna - Setúbal

2ª Melhor Tuna

 

2002

I FTEnfAl - Festival de Tunas de Enfermagem do Alentejo

2ª Melhor Tuna

Melhor Pandeireta

Melhor Solista

 

Festival de Tunas de Lisboa

Melhor Porta Estandarte

 

O Magister dos Tunantes,

Enf. Pedro "Poeta" Lopes

 

Ler 3660 vezes