Social:

Após ter perdido o nariz, os lábios e parte do queixo por conta de um cancro na boca, o rosto do encarregado de obras Marcio Palhares, de 56 anos, foi reconstituído a partir de um método que utiliza uma impressora 3D, na UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora), em Juiz de Fora (a 278 km de Belo Horizonte), Minas Gerais. Antes da reconstituição, por causa do aspecto do rosto, Palhares não saía de casa. «Nem à missa ia. Fiquei quatro anos sem sair de casa. Não tinha coragem. Causava repulsa nas pessoas», diz.
A OMS (Organização Mundial da Saúde) advertiu que em Dezembro podem ser registados entre 5.000 e 10.000 novos casos de ébola por semana - enquanto actualmente a incidência é de 1.000 -, horas antes de uma reunião do Conselho de Segurança sobre a epidemia.
As doenças reumáticas são o primeiro motivo de consulta nos cuidados de saúde primários e constituem a principal causa de incapacidade temporária e de reformas antecipadas por doença/invalidez, representando um custo de 204 milhões de euros em perdas de produtividade por absentismo laboral, segundo um estudo da Direcção-Geral de Saúde.
O chinês que ganhou a alcunha de «homem elefante» foi alvo de uma quarta intervenção cirúrgica para remover o maior tumor facial alguma vez documentado.
As doenças que afectam a coluna continuam a ser uma das principais preocupações dos portugueses no que toca à sua saúde. Quando a proposta terapêutica inclui uma cirurgia, a angústia aumenta substancialmente e, por vezes, os medos afastam o doente do tratamento adequado e contribuem para a persistência ou o agravamento de uma má qualidade de vida.
Os Estados Unidos anunciaram hoje o segundo caso de infeção pelo vírus do Ébola, tratando-se de um profissional de saúde que tratou do cidadão da Libéria infetado que acabou por morrer já em solo americano.
O mundo está a ficar para trás na desesperada corrida para travar o surto de Ébola, advertiu, na terça-feira, um alto funcionário das Nações Unidas, numa altura em que se temem milhares de novas infeções até ao fim do ano.
A utilização atempada do Diagnóstico In Vitro (DIV) no tratamento e deteção de doenças como a diabetes, as infeções nosocomiais e a artrite reumatoide resultará em poupanças de 20 milhões de euros, segundo um estudo que será hoje apresentado.