Social:
domingo, 05 janeiro 2020 15:31

Prisão preventiva para um dos suspeitos de roubos em farmácias em Lisboa e Setúbal

Algumas farmácias foram assaltadas mais do que uma vez, de acordo com a polícia. Grupo terá lucrado cinco mil euros.

Um dos três detidos pela PSP suspeitos de assaltar à mão armada 22 farmácias em Lisboa, Almada e Setúbal ficou em prisão preventiva, indicou este domingo aquela polícia.

Mais populares

  • A violência contra os médicos – Opinião de João Araújo Correia

  • Impostos

    Fisco reconhece que tem de devolver parte do IUC sobre carros importados

  • i-album
    Exposição

    Um olhar sobre o “sensível e mágico” mundo das mulheres da Índia

Em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa refere que os três detidos foram presentes no sábado no Tribunal da Comarca de Lisboa e que foi aplicada a um deles prisão preventiva, enquanto os restantes ficaram sujeitos a apresentações bissemanais na polícia.

Numa conferência de imprensa realizada no sábado, a PSP anunciou que deteve em flagrante delito três suspeitos de assaltos à mão armada em 22 farmácias em Lisboa, Almada (distrito de Setúbal) e Setúbal ao longo de cerca de um mês meio.

Segundo a Polícia de Segurança Pública, a detenção dos dois homens e uma mulher ocorreu na sexta-feira, após terem feito um assalto a uma farmácia da Avenida dos Estados Unidos da América, em Lisboa.

O grupo realizou os assaltos desde 21 de Novembro de 2019, estando o produto dos crimes calculado em cerca de cinco mil euros.

De acordo com a polícia, há registo de farmácias que foram assaltadas mais do que uma vez.

O comandante da segunda esquadra de Investigação Criminal da PSP de Lisboa, João Prisciliano, explicou que o principal suspeito entrava sozinho nas farmácias com uma arma de fogo, pedia o dinheiro que estava na caixa e depois tinha uma logística no exterior que permitia a fuga de carro mais depressa.

João Prisciliano frisou também que os assaltantes, com idades entre os 20 e os 23 anos, aproveitavam o fecho das farmácias para fazerem o roubo, tendo em conta que havia menos gente e a caixa registadora tinha mais dinheiro.

FONTE - Público

Ler 196 vezes