Social:
segunda, 30 dezembro 2019 18:03

Urgências do Litoral Alentejano sem atendimento a crianças na passagem de ano

O problema acontece devido à falta de médicos, uns tarefeiros e outros estrangeiros que viajaram para os seus países. “Os que ficaram são insuficientes”, diz a administração do hospital.

As urgências do Hospital do Litoral Alentejano (HLA), em Santiago do Cacém (Setúbal), vão estar sem atendimento a crianças, entre as 20h00 de terça-feira e as 8h00 de quinta-feira, devido à falta de médicos, segundo o responsável hospitalar.

Mais populares

  • i-album
    Matosinhos

    “Vergonha”, “300 mil euros”: escultura de Pedro Cabrita Reis vandalizada em Leça da Palmeira

  • Entrevista

    Felicidade: “Temos de dar ferramentas às pessoas para que pensem de maneira crítica”

  • i-album
    Livros

    Tabaqueiras: trabalho infantil, cancro e lobbying em países em desenvolvimento

“Nos dias 31 de dezembro (terça-feira) e 1 de janeiro (quarta-feira), as urgências do HLA não terão capacidade para o atendimento a crianças”, que, “em caso de necessidade, deverão ser dirigidas para os hospitais mais próximos, como Setúbal, Beja ou Évora”, disse hoje à agência Lusa o presidente do conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA), Luís Matias.

No litoral alentejano, indicou o responsável da ULSLA, que gere o HLA, estarão a funcionar as urgências básicas de Alcácer do Sal (Setúbal) e de Odemira, no distrito de Beja, “que farão o atendimento total e encaminharão, para onde for necessário, alguma resposta que não possam dar”.

“O constrangimento verifica-se apenas no Hospital do Litoral Alentejano para o atendimento de crianças, devido à falta de disponibilidade dos médicos, a maioria prestadores de serviço e alguns estrangeiros, que viajaram para os seus países, e os que ficaram são insuficientes”, acrescentou Luís Matias.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque da Cunha, considerou a “chamada “urgência pediátrica” do litoral alentejano uma ficção”, criticando o Governo e o conselho de administração da ULSLA pela “incapacidade” em garantir igualdade de tratamento aos utentes da região.

“A chamada “urgência pediátrica” do litoral alentejano é uma ficção porque não tem pediatras. Há um atendimento a crianças feito por especialistas de medicina geral e familiar e até aí os alentejanos são discriminados porque não têm direito a pediatras”, disse Jorge Roque da Cunha.

Para o dirigente sindical, “a questão de fundo tem a ver com a incapacidade que o Governo e o conselho de administração da ULSLA têm demonstrado em garantir igualdade de tratamento aos utentes do HLA”.

“Só depois da nossa pressão mudaram o nome para atendimento a crianças e ao longo dos meses vão constituindo escalas de urgência muito abaixo dos mínimos”, sublinhou.

FONTE - Público

Ler 249 vezes