Social:
quinta, 19 dezembro 2019 04:01

Um pequeno vírus, um grande impacto na humanidade: gripes e pneumonias

Proteger-se do frio, abrigar-se, descanso, uma boa alimentação, boa higiene, lavar as mãos e ter os dentes limpos e saudáveis podem ser a simples receita de que precisa para evitar ficar doente no inverno.

A diminuição acentuada da taxa de mortalidade ao longo das últimas décadas poderá ser considerada mérito dos avanços da ciência e dos tratamentos de medicina. Mas a maioria dos estudos indicam que ainda antes de se ter descoberto tratamentos e vacinas, o conhecimento da causa das doenças e sua propagação, por exemplo por água ou por ar, desencadeou um grande desenvolvimento da saúde pública e da humanidade. A descoberta de que doenças, como a febre tifóide e cólera, se propagavam pela água fez com que se pudesse tomar medidas de saneamento e de tornar a água potável, controlando assim essas doenças antes mesmo de se descobrir o tratamento antibiótico, como por exemplo o cloranfenicol, no caso da febre tifóide.

Mais populares

  • Música

    Morreu Patxi Andión, o mais português dos cantores espanhóis

  • Sem-abrigo

    Câmara de Lisboa vai dar trabalho a duzentas pessoas sem-abrigo

  • i-album
    Livros

    Bowie, a biografia ilustrada de alguém que mudou o mundo

A melhoria das condições de salubridade, das condições da qualidade da água, da higiene pessoal, lavagem das mãos e dos alimentos, esterilização dos instrumentos, tudo isso fez cair drasticamente a taxa de mortalidade e aumentar grandemente a longevidade do ser humano. O conhecimento pelas populações, a educação em saúde, desempenha um papel primordial no declínio das doenças e taxa de mortalidade. Portanto, medidas tão simples como lavar as mãos com regularidade e não levar as mãos à boca ou aos olhos podem sim evitar a propagação de doenças. Muitas doenças propagam-se pelas mãos, pelo ar, pela água, saliva e gotículas. A difteria, uma doença infecciosa bacteriana que atinge a garganta, amígdalas, faringe e laringe, transmite-se através de gotículas de saliva transmitidas pelos espirros ou pela tosse, podendo evoluir para pneumonia.

Resultados de uma investigação sueca identificam o tempo frio de inverno como um fator chave de desenvolvimento da gripe influenza, e que quando baixa a temperatura começa a época do vírus. Concluíram que quando as temperaturas estão baixas e a humidade também, as partículas de vírus que se emite quando se tosse são ainda mais pequenas, e os aerossóis permanecem durante mais tempo no ar, propagando-se mais.

Nos países nórdicos, um aperto de mão já é considerado como algo muito caloroso, por exemplo, para amigos e colegas no emprego. Para nós, portugueses, até poderia ser falta de educação não cumprimentar alguém na face. Mas dado que, a nível histórico, populações nórdicas foram “arrasadas” com várias estirpes de gripe influenza ao longo de várias décadas, existe aqui, talvez, um fator cultural de prevenção da propagação das doenças. A Organização Mundial da saúde estima que a gripe sazonal pode levar a 650.000 mortes anualmente.

A influenza, comumente designada por gripe, é uma doença respiratória contagiosa causada pelo vírus influenza que leva a febres altas, dores musculares e articulares, desconforto, impede o trabalho e, nas pessoas vulneráveis, como crianças e idosos, pode levar à morte. A vacina contra a gripe é um meio eficaz de prevenção especialmente em grupos de risco, mas o vírus está em constante mutação e, por isso, a vacina recebida num ano não irá proteger no ano seguinte. A gripe pneumónica, ocorrida entre janeiro de 1918 e dezembro de 1920, causada pelo vírus influenza H1N1, levou à morte de cerca de 50 milhões de pessoas, 3 a 5% da população mundial na época. Esta gripe atingiu em maior número jovens adultos. A elevada taxa de mortalidade desta gripe parece tentar ser explicada pela agressividade da estirpe de vírus, mas também devido ao mau estado de nutrição e precária higiene em largas concentrações de pessoas em hospitais devido à guerra, que promoveram a pandemia.

A longevidade do ser humano aumentou, mas o importante também é viver mais anos mas com maior qualidade de vida, ou seja, vou chamar-lhe mais anos saudáveis, e não mais anos em doença. Pessoas com doença das gengivas e periodontite (doença da gengiva e osso podem ter maior probabilidade de desenvolver pneumonia. Estudos indicam que uma boa higiene oral leva a uma menor probabilidade de desenvolver pneumonia. A pneumonia é a principal causa de morte infantil em todo o mundo. Cerca de 1,2 milhões de crianças com menos de cinco anos morrem por pneumonia anualmente.

Em Portugal, a pneumonia é a principal causa de internamento hospitalar e é uma das doenças que mais mortes causa. Atinge as vias respiratórias e é causada por bactérias, vírus, fungos ou parasitas, os seus sintomas incluem tosse com expectoração, febre, dor no peito e falta de ar. Quando alguém infetado espirra ou tosse, meio milhão de partículas infecciosas são espalhadas através de gotículas de saliva. Se tossir utilize um lenço. Lave as mãos e pode ainda utilizar um desinfetante próprio. Melhore a sua higiene oral, lave os dentes com regularidade e utilize um elixir bucal. As próteses dentárias removíveis podem ter muitas bactérias que podem levar a infeções. Se usar prótese dentária desinfete-a com produtos próprios de limpeza. Não utilize pasta de dentes para limpar a prótese removível, pois cria microporos onde se alojam os microorganismos. Se tiver dúvidas aconselhe-se com o seu médico-dentista, também sobre outras opções às próteses dentárias, como por exemplo dentes fixos noutros materiais não porosos que facilitam a higiene oral, e são menos propícios à propagação de microorganismos. Portanto, não negligencie a ida ao médico-dentista e a sua saúde oral.

Proteger-se do frio, abrigar-se, descanso, uma boa alimentação, boa higiene, lavar as mãos e ter os dentes limpos e saudáveis podem ser a simples receita de que precisa para evitar ficar doente no inverno.

A autora escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

FONTE - Público

Ler 416 vezes