Social:
quarta, 18 dezembro 2019 17:02

Urgência do Garcia de Orta pode reabrir já em Janeiro, diz Câmara de Almada

A contratação de duas recém-especialistas, uma das quais entrou ao serviço este mês e outra que começará a 6 de Janeiro, vai possibilitar a reabertura da urgência pediátrica durante a noite.

A presidente da Câmara de Almada disse esta quarta-feira que a urgência pediátrica do Hospital Garcia de Orta pode reabrir já em Janeiro depois da entrada de mais uma especialista. “O compromisso é que as urgências pediátricas em período nocturno vão reabrir”, afirmou Inês de Madeiros (PS), depois de uma reunião com a ministra da Saúde, Marta Temido, em Lisboa.

Segundo a autarca, a possibilidade de o serviço pode voltar à normalidade “já em Janeiro” resulta da contratação de duas recém-especialistas, uma das quais entrou ao serviço este mês, enquanto a outra começará a 6 de Janeiro. Além disso, acrescentou, na sexta-feira será publicada a abertura de um concurso com cinco novas vagas na pediatria para o Hospital Garcia de Orta.

Mais populares

  • Música

    Morreu Patxi Andión, o mais português dos cantores espanhóis

  • Assembleia da República

    Deputados únicos ficam fora da conferência de líderes

  • i-album
    Livros

    Bowie, a biografia ilustrada de alguém que mudou o mundo

Na terça-feira, a ministra da Saúde também já tinha adiantado que o concurso para a colocação de especialistas de segunda época deste ano seria aberto esta semana, estimando que as vagas atribuídas ao Garcia de Orta serão suficientes para “a reabertura do serviço de urgência em plena capacidade”.

Desde Novembro que a urgência pediátrica deste hospital tem encerrado diariamente no período nocturno, entre as 20h00 e as 08h00, devido à falta de especialistas para assegurar a escala.

No entanto, a falta de pediatras já afecta o hospital há mais de um ano, quando saíram 13 profissionais, e, segundo o Sindicato dos Médicos da Zona Sul, nem o lançamento de concursos foi suficiente para colmatar a carência porque “ninguém concorreu”.

Ainda assim, as garantias dadas pelo Ministério da Saúde deixaram a Câmara de Almada mais “descansada”, até porque a administração hospitalar também se comprometeu “a realizar uma procura mais proactiva e a reorganizar os serviços para tornar as vagas mais atractivas”.

FONTE - Público

Ler 343 vezes