Social:
quinta, 24 outubro 2019 17:00

Infarmed alerta para utilização de pilares Edison Medical em implantes dentários

Dispositivos também foram retirados do mercado francês. Infarmed diz que não cumprem com os requisitos estabelecidos na legislação aplicável.

Os pilares para implantes dentários do fabricante Edison Medical não devem ser comprados nem usados em Portugal, alertou esta quinta-feira a autoridade nacional do medicamento (Infarmed), após a congénere francesa ter ordenado a sua retirada do mercado.

Mais populares

  • i-album
    Futebol

    Flamengo, de Jorge Jesus, na final da Libertadores 38 anos depois

  • Animais

    Mulher deita cão recém-nascido ao lixo, caso vai para tribunal

  • i-album
    Fotografia

    As “sobrenaturais” estações de metro da ex-União Soviética, símbolos da utopia “luxo para todos”

“A autoridade competente francesa ordenou a suspensão da colocação no mercado, da distribuição, da importação, da exportação e da utilização, assim como a recolha, dos dispositivos com marcação CE 1023 e rotulagem a indicar o fabricante Edison Medical (...) dado esses dispositivos não cumprirem com os requisitos estabelecidos na legislação aplicável”, refere a autoridade nacional do medicamento em comunicado publicado no seu site.

Segundo o Infarmed, estes dispositivos médicos são para “aplicação na área dentária, nomeadamente pilares para implantes dentários”, que são parafusos que servem de suporte à prótese.

A autoridade nacional do medicamente alerta também para a retirada do mercado, ordenada pela autoridade competente grega, do algodão hidrófilo Luxe Gold Line, do fabricante CottonSud Italia di Stasolla Vito, por não cumprir a legislação aplicável.

As micropipetas para fertilização in vitro ICSI (injecção intracitoplasmática de espermatozóides) do fabricante Monash Biotech Pvt. Ltd também foram proibidas de comercializar pela autoridade competente dinamarquesa por apresentarem “marcação CE indevida”.

De acordo com o Infarmed, não foram identificados registos da comercialização destes três produtos em Portugal, mas “atendendo a que existe livre circulação de produtos no Espaço Económico Europeu”, o Infarmed recomenda que não sejam adquiridos nem utilizados.

A autoridade nacional do medicamento apela a quem detecte estes produtos em Portugal para reportar a situação à Direcção de Produtos de Saúde do Infarmed.

FONTE - Público

Ler 224 vezes