Social:
quarta, 11 setembro 2019 19:33

Governo pondera “dois caminhos” para gestão do Hospital de Vila Franca de Xira

A ministra da Saúde disse que há "dois caminhos" para o Hospital de Vila Franca de Xira em 2021, que passam por uma nova parceria público-privada (PPP) ou pela reversão para a gestão pública.

A ministra da Saúde disse esta quarta-feira que há “dois caminhos” para o Hospital de Vila Franca de Xira em 2021, que passam por uma nova parceria público-privada (PPP) ou pela reversão para a gestão pública.

Marta Temido referia-se à decisão do grupo José de Mello Saúde, que comunicou na terça-feira que vai abandonar a gestão do Hospital de Vila Franca em 31 de maio de 2021, data em que termina o contrato da PPP, uma decisão que o Governo aguardava.

O que sabemos é que agora é que, no dia 31 de maio de 2021, teremos que tomar um de dois caminhos: ou até lá preparamos um concurso público para uma nova PPP ou decidimos a internalização do hospital, ou seja, a reversão do hospital para a gestão pública como aconteceu recentemente no Hospital de Braga”, adiantou.

A governante falava aos jornalistas no Bairro da Jamaica, no Seixal, no distrito de Setúbal, onde indicou que a tutela teve conhecimento da decisão do grupo Mello através uma informação transmitida ao gabinete do secretário de Estado adjunto e da Saúde, Francisco Ramos.

“Obviamente que é a posição do parceiro e nós estávamos exatamente à espera da decisão sobre a proposta que tínhamos feito de que continuassem a garantir o funcionamento do hospital em termos de gestão clínica por mais dois anos renováveis e, eventualmente, por mais um”, mencionou.

De acordo com um comunicado interno a que a agência Lusa teve acesso, o maior acionista da entidade gestora do hospital, em regime de PPP, justifica a decisão com “a incerteza quanto ao prazo de renovação e ao modelo de gestão”, que “não garantem a estabilidade e a previsibilidade necessárias ao desenvolvimento de um projeto estruturado e de médio prazo, assente na manutenção dos níveis de qualidade e eficiência excecionais na resposta às necessidades da população”.

Nesta nota, o grupo José de Mello Saúde assegurou que “irá cumprir escrupulosamente todas as suas obrigações” até 31 de maio de 2021 e que “manterá o seu total empenho para que o hospital continue a pautar-se por elevados níveis de excelência”.

O Estado decidiu não renovar, por mais dez anos, o contrato de PPP do Hospital de Vila Franca de Xira, mas propôs um alargamento por um período adicional até três anos. A decisão foi divulgada em 1 de junho pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, um dia depois do fim do prazo para a decisão sobre a renovação da PPP ser comunicada ao grupo José de Mello Saúde.

Na altura, em declarações aos jornalistas, a ministra da Saúde, Marta Temido, justificou a não renovação da PPP do Hospital de Vila Franca de Xira até 2031 com as atuais necessidades da população.

No Serviço Nacional de Saúde continuam a funcionar em regime de PPP os hospitais de Loures e Cascais, além do de Vila Franca de Xira. Em 1 de setembro, a gestão do Hospital de Braga passou para o Estado, após o fim da PPP de 10 anos com o grupo José de Mello Saúde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 100 vezes