Social:
terça, 20 agosto 2019 16:08

Surto de listeriose em Espanha faz primeira vítima mortal. Decretado alerta sanitário

Um surto de listeriose, que teve início a 15 de agosto, já infetou 80 pessoas na Andaluzia, causando a morte a uma mulher de 90 anos. Foi decretado o alerta sanitário no país.

A origem do surto está identificada: carne “Mechá”, da empresa Magrudis. Em cinco dias, a listeriose já atingiu a denominação de “o maior de sempre” em Espanha. Há 80 pessoas infetadas, das quais 53 continuam internadas, um morto registado e uma das grávidas internadas no hospital perdeu o bebé.

Na madrugada de segunda-feira, foi registado o primeiro caso de morte associado ao surto. Uma mulher de 90 anos, residente na Andaluzia não resistiu à infeção causada pela presença da bactéria Listeria monocytogenes nos alimentos. Apesar do número de infetados já ser o maior da história, de acordo com Jesús Aguirre, médico e conselheiro de saúde na Junta da Andaluzia, há ainda a hipótese de este número vir a aumentar uma vez que “os sintomas da doença podem demorar mais de quatro semanas a aparecer”.

A maior parte dos casos de pessoas infetadas pela bactéria regista-se em Sevilha e Huelva, onde 22 pessoas permanecem hospitalizadas, três delas nas unidades de cuidados intensivos.

Apesar de ainda não ter sido confirmado se os lotes estavam totalmente contaminados pela bactéria que causa a listeriose, a empresa de Sevilha, Magrudis — que fabrica a marca “Mechá” — já recolheu os dois lotes, com cerca de duas mil embalagens da carne onde foi identificado o foco do surto da listeriose, afirmou ao ABC José Marín, gerente da fábrica.

A bactéria causa problemas ao nível do sistema digestivo, como diarreia e vómitos, acompanhados de febre. Em caso de mulheres grávidas, recém-nascidos, idosos ou pessoas imunodeprimidas torna-se especialmente perigosa, podendo atingir uma taxa de letalidade de 30%, de acordo com a página da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo a ministra da saúde espanhola, María Luisa Carcedo, o alerta sanitário foi declarado no dia 16, na comunidade autónoma da Andaluzia o que permite “localizar possíveis focos automaticamente” levando à sua “imobilização e retirada do mercado”.

“O alerta já está estabelecido. Existe uma rede de alerta alimentar que se ativa no momento em que uma comunidade autónoma nos comunica um surto e há suspeitas de que se possa estender”, explicou María Luisa Carcedo.

Em Portugal, o último surto de listeriose infetou 30 pessoas, causando a morte a 11 pessoas, entre 2009 e 2012 e teve origem em queijo, segundo a DGS. Mais recentemente, em 2016, foram destruídas 29 toneladas de queijo da Beira Baixa, contaminados com bactéria Listeria monocytogenes, produzidos pela Cooperativa de Produtores da Beira Baixa, em Idanha-a-Nova.

A transmissão da bactéria pode ocorrer através do contacto direto com animais (em reservatórios), do consumo de alimentos e produtos alimentares contaminados, de origem animal e vegetal, processados ou não, de mãe para feto ou durante a passagem pelo canal de parto infetado.

Os alimentos, ou produtos alimentares contaminados, que mais frequentemente se associam à transmissão da infeção incluem a carne crua de vaca, porco ou aves, crustáceos, mariscos ou moluscos, leite e derivados não pasteurizados, frutas e vegetais crus ou mal lavados e ainda através de alimentos processados, nomeadamente charcutaria e congelados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 135 vezes