Imprimir esta página
terça, 25 junho 2019 19:05

PSD “disponível” para “revisitar” áreas essenciais da lei de bases da Saúde, segundo Rui Rio

Rui Rio disse que o PS fez uma negociação com PCP e BE e que "a maioria das propostas do PSD" para a lei de bases da Saúde "foram reprovadas", mas mostrou-se disponível para "revisitar algumas áreas".

O presidente do PSD, Rui Rio, disse esta terça-feira que o partido está “disponível para revisitar algumas áreas” da lei de bases da Saúde, enumerando a questão das parcerias público-privadas (PPP), direitos dos cidadãos, saúde pública e bem-estar.

Rui Rio, que falava no Porto em conferência de imprensa, referiu na tarde desta terça-feira que “o PS fez uma negociação exclusiva com PCP e BE” e que “a maioria das propostas do PSD” para a lei de bases da Saúde “foram reprovadas”, mas mostrou-se disponível para “revisitar algumas áreas”.

“Agora, o PS disse publicamente que estaria disponível para revisitar as votações no sentido de se conseguir uma lei de bases com maioria no parlamento, neste caso com o PSD. Nós estivemos a fazer o levantamento do que foi reprovado no grupo de trabalho e estamos a comunicar ao PS que estamos disponíveis para revisitar as votações em três áreas fundamentais”, disse Rui Rio.

A gestão e o funcionamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS), área na qual se incluem as PPP, foi a primeira área enumerada.

As PP não são a regra, mas podem ser feitas no quadro da gestão do SNS. Sempre dissemos que essa porta tem de estar aberta porque não é racional que se tiver uma solução melhor e mais barata um país diga que não quer. Se em determinados hospitais públicos existir uma oferta privada mais barata e com melhor serviço, não é inteligente, por tabu ideológico, dizer ‘não querermos’. O PS que nos diga o que podemos adaptar da nossa proposta para existirem condições de colher o voto favorável do PS”, disse Rui Rio.

Já no período destinado a perguntas, ainda sobre a questão das PPP, o líder do PSD frisou que esta posição não é sinónimo de se pensar que “o PSD acha que o SNS tem de ser privatizado”.

“As PPP são uma exceção. Nós achamos que se pode ser feito melhor e mais barato não deve existir um tabu ideológico a impedir a qualidade no SNS. Mas é uma exceção. Não vejo a política como as massas associativas do futebol de uns contra os outros. Se em causa está servir o país porque não revisitar as propostas?”, questionou.

O presidente do PSD também quer que as propostas sobre direitos dos cidadãos, bem como saúde pública e bem-estar sejam “revisitadas” e considerou fundamental que esta Lei de Bases tenha “coerência e unidade jurídica”.

Se essa lei vier a ser votada favoravelmente, a Assembleia da República tem depois de ajustar a coerência e a unidade jurídica da lei. É que houve tantos remendos que a lei esta carente de coerência. Não podemos correr o risco do Presidente da República não poder promulgar a lei por esta não ter a qualidade que ela deve ter”, disse Rui Rio.

O presidente dos sociais-democratas apontou, ainda, que “não houve reunião nenhuma” com o PS, mas que interpretou as últimas declarações dos socialistas como “um desafio do PS ao PSD”.

“Nós estamos a dizer que estamos disponíveis nestas três áreas a revisitar. Não vamos aproveitar-nos e exigir tudo. Vamos olhar ao essencial”, concluiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 116 vezes