Social:
quarta, 12 junho 2019 13:15

Nike expõe manequins “plus-size” em Londres e nem todas as reações foram boas

A Nike expôs manequins "plus-size", com o objetivo de "celebrar a diversidade e a inclusão". Mas houve quem tenha lamentado a decisão, afirmando estar perdida "a guerra contra a obesidade".

No último fim de semana, a Nike resolveu expor manequins plus-size na sua principal loja de Londres, em Oxford Street, também conhecida como Nike Town. A marca justificou a opção como forma de “celebrar a diversidade e a inclusão no desporto”. Sarah Hannah, vice-presidente da linha feminina para os mercados europeu, africano e do Médio Oriente, trouxe mais substância ao discurso: “Com o fantástico momento que estamos a viver no desporto feminino, a reformulação do espaço é só mais uma demonstração do compromisso da Nike em inspirar e servir as mulheres atletas”.

Tanya Gold: 'The new mannequin is obese, and she is not readying herself for a run in her shiny Nike gear. She cannot run. She is, more likely, pre-diabetic and on her way to a hip replacement. What terrible cynicism is this on the part of #Nike?' https://t.co/51VmvUCxLE

— The Telegraph (@Telegraph) June 9, 2019

Os manequins, de formas voluptuosas, chamaram as atenções, mas nem todas as reações foram positivas. No The Telegraph, a cronista Tanya Gold considerou perdida “a guerra contra a obesidade”, classificando o manequim de plástico como “enorme” e “gigantesco”. “O novo manequim é obeso e não se está a preparar para correr no seu impecável equipamento Nike. Ela não consegue correr. Ela está mais para pré-diabética e a caminho de uma operação à anca. Que cinismo terrível por parte da Nike”, escreveu ainda no mesmo artigo de opinião.

A opinião de Gold foi rapidamente categorizada como “gordofobia”, por oposição ao que muitos consideraram “um passo em direção à positividade corporal”. Em resposta ao artigo, há quem argumente a necessidade de normalizar a imagem das pessoas gordas em sociedade. Enquanto isso, outros apelam à lógica, defendendo que, em última análise, o excesso de peso requer exercício físico e que, para praticá-lo, tem de haver vestuário adequado e à medida de todos os corpos. Algumas mulheres chegaram mesmo a reagir às críticas da cronista referindo o facto de praticarem exercício regularmente e de, ainda assim, se manterem acima do seu peso ideal.

View this post on Instagram

“Any dream is possible. If you just want this crazy dream to happen, you just have to put the work in." ⠀ You know what some people consider a crazy dream? A body positive world. One that's full of confidence. A world that’s dripping in self-love. ⠀ But that’s the "crazy” world that Montgomery’s Honeybeez are fighting for. #justdoit

A post shared by nike (@nike) on

A Nike lançou uma linha de vestuário feminino plus-size em fevereiro de 2017 e desde então que tem feito uma comunicação atenta à diversidade de corpos. O exemplo mais recente foi a campanha feita com o grupo de dança HoneyBeez, que há anos faz furor nos campos de futebol americano. A par disso, tem estado associada a personalidades como a modelo Paloma Elsesser, as influenciadoras Grace Victory, Chloe Elliott e Danielle Vanier e a atleta Amanda Bingson.

Em novembro do ano passado, Grace e Chloe estiveram entre as 15 mulheres que assinaram uma carta aberta, publicada pela edição britânica da revista Cosmopolitan. No texto, reclamavam que mais marcas tivessem as suas linhas e coleções plus-size disponíveis nas lojas físicas. Na origem desta espécie de manifesto, esteve uma estatística, segundo a qual 45% dos consumidores com excesso de peso faziam as suas compras online.

Numa outra frente, também este ano, a Nike viu a Associação Internacional de Boxe autorizar o uso de hijab dentro do ringue. Uma peça há muito desenhada pela marca, em especial, para a alemã Zeina Nassar, um rosto da luta por este direito.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

FONTE - Observador

Ler 302 vezes