Social:
quinta, 28 fevereiro 2019 18:20

Recolha de pilhas e baterias usadas permite doação de ventilador ao IPO

A Ecopilhas já recolheu mais de 38,5 milhões de pilhas e baterias usadas desde o seu primeiro peditório a favor da luta contra o cancro, há dez anos, o que tem permitido a doação anual de um aparelho.

A recolha de mais de três milhões de pilhas e baterias usadas permitiu a doação de um ventilador ao Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa, divulgou esta quinta-feira a Ecopilhas, sociedade gestora desses resíduos.

A Ecopilhas desafiou os portugueses a colocarem pilhas e baterias usadas num dos mais de 20 mil pilhões existentes em Portugal e assim apoiarem a luta contra o cancro.

Em dezembro, no âmbito do 10.º peditório de pilhas e baterias usadas, foram recolhidas mais de três milhões de unidades em todo o país, permitindo à Ecopilhas dar ao IPO o ventilador para a sala de técnicas de gastrenterologia.

“Ano após ano, tem sido muito gratificante testemunhar o interesse dos cidadãos e das empresas nesta iniciativa”, disse o diretor geral da Ecopilhas, Eurico Cordeiro, citado num comunicado da empresa, que assegurou que “o objetivo foi cumprido”.

A Ecopilhas já recolheu mais de 38,5 milhões de pilhas e baterias usadas desde o seu primeiro peditório a favor da luta contra o cancro, há dez anos, o que tem permitido a doação anual de um aparelho de tratamento ou de diagnóstico ao IPO, lê-se no comunicado.

O Peditório Nacional de Pilhas e Baterias usadas é uma iniciativa de solidariedade da Ecopilhas, uma empresa sem fins lucrativos que visa assegurar a recolha, o armazenamento e reciclagem das pilhas e baterias usadas.

Abusos na Igreja

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou, pessoalmente, para Sónia Simões ( Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ) ou para João Francisco Gomes ( Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. );
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

FONTE - Observador

Ler 565 vezes