Social:
terça, 12 fevereiro 2019 12:26

Activistas pedem preservativos gratuitos e acessíveis em escolas e prisões

Grupo de Activistas em Tratamento defende que os preservativos sejam disponibilizados sem barreiras, de modo a diminuir o risco de infecções sexualmente transmissíveis.

O Grupo de Activistas em Tratamento (GAT) apelou esta terça-feira às autoridades para que os preservativos sejam disponibilizados gratuitamente e sem barreiras em todas as escolas, universidades, centros de saúde e prisões, de modo a evitar infecções sexualmente transmissíveis.

Mais populares

  • Televisão

    Conta-me Como Foi regressa à RTP e passa da ditadura para os anos 80

  • ADSE

    CUF formaliza suspensão da convenção com ADSE. E dá três razões

  • i-album
    Instagram

    Os penteados que se desalinham dos bordados de uma modelo

Apesar de já serem distribuídos alguns preservativos nestes locais, o grupo considera que ainda não são suficientes, referindo os entraves que existem ao seu acesso, tais como a necessidade de passar por um intermediário para os obter, afirmou o director-executivo do GAT, Ricardo Fernandes, à agência Lusa, a propósito do Dia Internacional do Preservativo, que se assinala na quarta-feira.

"Temos sempre de passar por pessoas para obter o preservativo. Nas escolas e noutros sítios temos de ir à psicóloga, nos centros de saúde temos de ir a uma consulta" de planeamento familiar, exemplificou Ricardo Fernandes.

O que o GAT pretende é que "o preservativo esteja acessível às populações que dele necessitam em primeira mão, que não sejam precisos intermediários", sugerindo a sua distribuição em "caixas automáticas" nestes locais.

Segundo a organização, a utilização do preservativo tem vindo a diminuir nos últimos dez anos, considerando que o problema não está tanto na falta de informação, mas no acesso ao preservativo, como demonstra o estudo "Vida Sem SIDA", da Universidade de Lisboa, segundo o qual cerca de 97% dos jovens estão bem informados relativamente à sua importância, mas mais de 60% assumem ter relações sem o seu uso.

Ricardo Fernandes adiantou que as populações vulneráveis sabem que o preservativo consegue controlar as infecções sexualmente transmissíveis, mas não o usam.

"Muitas das vezes, a razão porque não o usam, e as pessoas não questionam isso, é porque, de facto, não têm acesso a ele. O preservativo comprado continua a ser dispendioso e, gratuitamente, não é de fácil acesso", sublinhou.

Para o director-executivo do GAT, não é compreensível que "em pleno século XXI" a maioria das escolas não tenha preservativos disponíveis para os jovens que estão a iniciar a sua vida sexual.

"Às escolas juntam-se as prisões, onde também infelizmente o preservativo não existe de uma forma de fácil acesso, as pessoas têm de pedir a alguém" para o obter.

Há anos que o GAT defende a criação de um programa ou um plano de prevenção para o VIH e para as doenças sexualmente transmissíveis que indique quais são as populações prioritárias e como se deve actuar em termos de prevenção.

"Hoje em dia a prevenção não é só o preservativo, temos a prevenção combinada, temos vários meios preventivos que as pessoas poderão usar em determinadas alturas da sua vida", mas o preservativo é "o mais barato e é extremamente eficaz" na prevenção de infecções sexualmente transmissíveis.

Para ultrapassar a falta deste plano, uma situação que deve ser "colmatada com alguma urgência", o GAT lançou no ano passado o projecto "LOVE Condom", uma unidade móvel que disponibiliza preservativos em lugares estratégicos (grandes eventos como festivais, zonas de diversão nocturna, zonas de trabalho sexual) e onde as infecções são mais prevalentes.

Ao longo de um ano, foram distribuídos 1,5 milhões de preservativos, o que representa "uma grande conquista", disse Ricardo Fernandes, adiantando que o objectivo é aumentar este número em 2019.

FONTE - Público

Ler 18 vezes