Social:
sexta, 11 janeiro 2019 17:32

Proibida a comercialização de teste rápido para VIH NecLife One Step

Em Portugal, não foram identificados registos de comercialização destes dispositivos, mas, “atendendo a que existe livre circulação de produtos no espaço económico europeu”, o Infarmed recomenda que “não sejam adquiridos nem utilizados”.

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) advertiu esta sexta-feira que é proibida a comercialização em Portugal do teste rápido para o VIH NecLife One Step, depois de a autoridade finlandesa ter ordenado a recolha deste dispositivo, do fabricante Nectar Lifesciences, por não cumprir os requisitos da legislação aplicável.

Mais populares

  • INEM

    Médico alega que trabalhou em dois sítios ao mesmo tempo durante pelo menos 46 horas

  • INEM

    “Interesse público” dita despedimento de médico. Falta provar impacto das suas acções nos doentes

  • i-album
    Fotografia

    Stéphanie quer tornar a taxidermia mais “contemporânea”

O Infarmed adianta em comunicado que, em Portugal, não foram identificados registos de comercialização de dispositivos deste fabricante, mas, “atendendo a que existe livre circulação de produtos no espaço económico europeu”, recomenda que “não sejam adquiridos nem utilizados, uma vez que a sua qualidade, segurança e desempenho não podem ser assegurados”.

Quem tiver conhecimento da existência deste dispositivo em Portugal deve reportar a situação à Direcção de Produtos de Saúde do Infarmed.

Em outro comunicado, a Autoridade Nacional do Medicamento adianta que também foi proibida a comercialização pela autoridade alemã de procedure packs e kits (equipamentos utilizados em cirurgia) do fabricante Hamamed GmbH Herstellung & Vertrieb von Medizinprodukten. Segundo o Infarmed, o fabricante continuava a colocá-los no mercado após a retirada dos respectivos certificados pelo organismo.

“Em Portugal, não foram identificados registos da comercialização de dispositivos deste fabricante, mas, atendendo a que existe livre circulação de produtos no espaço económico europeu”, o Infarmed recomenda também que os mesmos não sejam adquiridos nem utilizados.

FONTE - Público

Ler 84 vezes