Social:
quarta, 17 outubro 2018 15:50

Adesão à greve dos enfermeiros de 71,1% a nível nacional

A adesão no quarto dia de greve dos enfermeiros situa-se nos 71,1%, o que levou ao cancelamento de cirurgias programadas e consultas em hospitais de todo o país, avançou o Sindicato dos Enfermeiros.

A adesão no quarto dia de greve dos enfermeiros situa-se nos 71,1%, o que levou ao cancelamento de cirurgias programadas e consultas em hospitais de todo o país, avançou à Lusa o presidente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

Os dados continuam a dar “uma expressiva adesão à greve” e traduzem “a enorme insatisfação dos enfermeiros”, disse José Carlos Martins, adiantando que os enfermeiros esperam que a nova ministra da Saúde, Marta Temido, apresente “uma contraproposta que concretize o compromisso do Governo de dignificar e valorizar a carreira de enfermagem”.

“O Orçamento do Estado entregue pelo Governo na Assembleia da República”, que acresce em mais de 500 milhões de euros o orçamento do Ministério da Saúde, “não introduz qualquer elemento de perturbação na negociação da carreira de enfermagem”.

Nesse sentido, sublinhou, “há quadro para continuarmos a negociar e encontrar soluções justas, sensatas e possíveis”.

Sobre os efeitos da greve, que esta quarta-feira é dirigida a todos os serviços dos hospitais, à exceção dos blocos operatórios, José Carlos Martins disse que fazem sentir nas cirurgias programadas e nas consultas externas.

José Carlos Martins contou que ao início da manhã houve, “de forma salpicada pelo país, algumas tentativas de furar a greve”, com alguns serviços a tentarem remeter doentes que estão internados para os blocos operatórios, uma situação que foi, entretanto, ultrapassada.

Os enfermeiros, que estão a cumprir seis dias de greve, que termina na sexta-feira, exigem a revisão da carreira de enfermagem, a definição das condições de acesso às categorias, a grelha salarial, os princípios do sistema de avaliação do desempenho, do regime e organização do tempo de trabalho e as condições e critérios aplicáveis aos concursos.

Os enfermeiros reivindicam ainda “a valorização económica do trabalho” e a sua dignificação, nomeadamente com o reconhecimento da categoria de enfermeiro especialista e uma categoria na área da gestão, “o reconhecimento da penosidade da profissão”, através da compensação de quem trabalha por turnos, e a reposição dos critérios para a aposentação 35 anos de serviço e 57 de idade.

A greve é convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), pelo Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira (SERAM), pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) e pela Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE).

FONTE - Observador

Ler 371 vezes