Social:
sexta, 14 setembro 2018 06:35

ADSE receberá 13,8 milhões em 2019 para compensar isenções

Verba será cedida pelo Estado à Caixa Geral de Aposentações, que, por sua vez, a irá transferir para a ADSE. Beneficiários não querem esta solução.

No próximo ano, a ADSE vai receber 13,8 milhões de euros para compensar a isenção dos beneficiários que têm uma pensão inferior ao salário mínimo e que não estão obrigados a descontar 3,5% para aceder ao sistema de assistência na doença do Estado.

A garantia foi deixada nesta quinta-feira pela presidente do conselho directivo da ADSE, Sofia Portela, na reunião do conselho geral e de supervisão (CGS). Mas, ao contrário do que era a expectativa dos representantes dos beneficiários, sindicatos e reformados, a verba será transferida pelo Estado para a Caixa Geral de Aposentações, que, por sua vez, a irá transferir para a ADSE.

Mais populares

  • Crime

    Este ano 21 mulheres foram assassinadas em contexto de violência doméstica

  • Birmânia

    Suu Kyi defende prisão de jornalistas da Reuters na Birmânia

  • Fotografia

    O teu olhar sobre Guimarães pode valer 1000 euros

Este montante, adiantaram os conselheiros contactados pelo PÚBLICO, é uma estimativa do valor dos descontos que estes beneficiários teriam de fazer, se não fossem isentos. O problema, frisou José Abraão, representante da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) no conselho, é que as isenções fazem parte da política social que é competência do Governo e, por isso, “o dinheiro deve ser transferido directamente para a ADSE”.

Também Francisco Braz, um dos membros do CGS eleito pelos beneficiários, acusa o Governo de querer deixar o assunto “num limbo” e “anular as dívidas dos anos anteriores e que foram contabilizadas como tal pelo Tribunal de Contas”.

“O valor total é superior a 14 milhões de euros”, alerta José Abraão, lembrando que ascenderá a 30 milhões de euros.

A isenção de descontos para os aposentados de mais baixos rendimentos foi decidida em 2006, quando os organismos públicos ainda financiavam o sistema. Entretanto, a ADSE passou a ser alimentada quase em exclusivo pelos descontos dos beneficiários e o CGS já por diversas vezes recomendou que o encargo com as isenções seja suportado pelo Orçamento do Estado, uma orientação que o Tribunal de Contas também deixou nas auditorias à ADSE.

De acordo com os números apresentados pela própria ADSE aos conselheiros, haverá à volta de 58 mil beneficiários isentos de descontos.

FONTE - Público

Ler 251 vezes